IBC-Br mos­tra eco­no­mia fra­ca e re­for­ça cor­te de pro­je­ções pa­ra o PIB

Valor Econômico - - BRASIL - Aná­li­se Ser­gio La­muc­ci

São Paulo

O re­sul­ta­do do Ín­di­ce de Ati­vi­da­de Econô­mi­ca do Ban­co Cen­tral (IBC-Br) em fe­ve­rei­ro cor­ro­bo­rou as ava­li­a­ções de que a eco­no­mia te­ve um de­sem­pe­nho bas­tan­te fra­co no co­me­ço do ano.

Com uma al­ta mo­des­ta de 0,09% em re­la­ção a ja­nei­ro, fei­to o ajus­te sa­zo­nal, o in­di­ca­dor con­fir­ma que a re­to­ma­da da ati­vi­da­de é bas­tan­te len­ta, num ce­ná­rio em que as con­tra­ta­ções no mer­ca­do de tra­ba­lho se con­cen­tram no se­tor in­for­mal. As pers­pec­ti­vas pa­ra o con­su­mo das fa­mí­li­as não são das mais fa­vo­rá­veis, e o pa­no­ra­ma pa­ra o in­ves­ti­men­to tam­pou­co é mui­to ani­ma­dor.

Nes­se ce­ná­rio, ban­cos e con­sul­to­ri­as têm re­vi­sa­do pa­ra bai­xo as su­as es­ti­ma­ti­vas pa­ra o cres­ci­men­to do PIB em 2018. On­tem, a A.C. Pas­to­re & As­so­ci­a­dos re­du­ziu a sua pro­je­ção pa­ra o avan­ço da eco­no­mia nes­te ano de 3% pa­ra 2,2%. Na sex­ta, o Bra­des­co ha­via cor­ta­do a sua pre­vi­são de 2,8% pa­ra 2,5%. Pa­ra o pri­mei­ro tri­mes­tre, o ban­co apos­ta nu­ma al­ta de ape­nas 0,3% na com­pa­ra­ção com o tri­mes­tre an­te­ri­or, na sé­rie li­vre de in­fluên­ci­as sa­zo­nais. A es­ti­ma­ti­va an­te­ri­or era de 0,5%.

Em re­la­tó­rio, a con­sul­to­ria do ex-pre­si­den­te do BC Af­fon­so Cel­so Pas­to­re lem­bra que, no co­me­ço do ano, “um gran­de nú­me­ro de in­di­ca­do­res su­ge­ria um cres­ci­men­to mais ace­le­ra­do dos in­ves­ti­men­tos”. En­tre eles, des­ta­ca­vam-se a queda do es­to­que de no­vos imó­veis à ven­da e a me­lho­ra do cré­di­to pa­ra em­pre­sas.

“À queda da ina­dim­plên­cia e o ao re­nas­ci­men­to do mer­ca­do de ca­pi­tais se ali­a­vam os si­nais de ma­tu­ra­ção das re­for­mas mi­cro­e­conô­mi­cas no mer­ca­do de cré­di­to”, no­tam os eco­no­mis­tas da A.C.Pas­to­re. “Fi­nal­men­te, de­vi­do às bai­xas ta­xas de ju­ros re­ais e ao au­men­to da mas­sa re­al de sa­lá­ri­os, a de­sa­ce­le­ra­ção do con­su­mo no úl­ti­mo tri­mes­tre de 2017 foi in­ter­pre­ta­da ape­nas co­mo uma os­ci­la­ção em tor­no de uma ten­dên­cia fa­vo­rá­vel”.

O pro­ble­ma é que es­se ce­ná­rio be­nig­no não se con­fir­mou. “O se­tor de cons­tru­ção ci­vil con­ti­nua le­tár­gi­co, e ain­da não há si­nais de re­to­ma­da sig­ni­fi­ca­ti­va dos in­ves­ti­men­tos em ca­pi­tal fi­xo”, ob­ser­va a con­sul­to­ria. Além dis­so, a de­sa­ce­le­ra­ção do con­su­mo das fa­mí­li­as, que pa­re­cia tem­po­rá­ria, tem se pro­va­do mais per­sis­ten­te, ape­sar dos ju­ros re­ais (des­con­ta­da a in­fla­ção) em ní­veis bai­xos.

Na vi­são dos eco­no­mis­tas da A.C. Pas­to­re, o mo­ti­vo es­tá na mu­dan­ça da com­po­si­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho, com me­nor par­ti­ci­pa­ção de em­pre­gos for­mais e au­men­to de tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria e sem car­tei­ra as­si­na­da. A con­sul­to­ria res­sal­ta que “a pro­pen­são a con­su­mir de um tra­ba­lha­dor com em­pre­go for­mal é mai­or do que a de um com em­pre­go in­for­mal”.

Nes­se ce­ná­rio, pa­re­ce mui­to di­fí­cil que o con­su­mo das fa­mí­li­as vol­te a cres­cer a ta­xas si­mi­la­res às ve­ri­fi­ca­das no se­gun­do e no ter­cei­ro tri­mes­tres de 2017, na ca­sa de 1% em re­la­ção ao tri­mes­tre an­te­ri­or, fei­to o ajus­te sa­zo­nal. Es­se rit­mo de ex­pan­são po­de­ria fa­zer o PIB cres­cer 3% nes­te ano. Pa­ra que is­so ocor­ra, con­tu­do, “se­ria ne­ces­sá­rio que o nú­me­ro as con­tra­ta­ções lí­qui­das men­sais no mer­ca­do de tra­ba­lho for­mal sal­tas­sem pa­ra 200 mil até o fi­nal do ano”, apon­ta o re­la­tó­rio.

“Es­se ní­vel de con­tra­ta­ções so­men­te foi atin­gi­do em al­guns pou­cos me­ses, co­mo na for­te re­cu­pe­ra­ção da cri­se de 2008, quan­do o PIB te­ve um cres­ci­men­to anu­al de 7%, e nun­ca se sus­ten­tou nes­se pa­ta­mar”, diz a con­sul­to­ria. “Ou se­ja, de­ve­re­mos as­sis­tir a ta­xas de cres­ci­men­to do con­su­mo das fa­mí­li­as bem me­no­res do que as ocor­ri­das no se­gun­do e ter­cei­ro tri­mes­tres de 2017.”

O con­sen­so de mer­ca­do tem mos­tra­do uma queda len­ta das pro­je­ções pa­ra o cres­ci­men­to do PIB nes­te ano. No Bo­le­tim Fo­cus di­vul­ga­do on­tem, ele caiu de 2,8% pa­ra 2,76%. Os cor­tes pro­mo­vi­dos pe­lo Bra­des­co e pe­la A.C. Pas­to­re su­ge­rem que es­sas es­ti­ma­ti­vas devem se­guir em bai­xa nas pró­xi­mas se­ma­nas. Se no co­me­ço do ano uma ex­pan­são do PIB em 2018 na ca­sa de 3% ou mais pa­re­cia fac­tí­vel, ho­je a ex­pec­ta­ti­va ca­mi­nha pa­ra um nú­me­ro mais pró­xi­mo a 2,5%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.