TCU de­ve­rá li­be­rar re­cur­sos de fun­do de te­le­co­mu­ni­ca­ções pa­ra “re­gra de ou­ro”

Valor Econômico - - BRASIL - Mu­ril­lo Ca­ma­rot­to (Co­la­bo­rou Fá­bio Pu­po, de Bra­sí­lia)

O ple­ná­rio do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) de­ve au­to­ri­zar na pró­xi­ma quar­ta-fei­ra o uso de par­te dos re­cur­sos do Fun­do de Fis­ca­li­za­ção de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Fis­tel) no cum­pri­men­to da cha­ma­da “re­gra de ou­ro” das con­tas pú­bli­cas. Con­for­me apu­rou o Va­lor, a ope­ra­ção já con­ta com o aval da área téc­ni­ca do TCU e do mi­nis­tro re­la­tor, Vi­tal do Rê­go.

As re­cei­tas do Fis­tel têm ori­gem prin­ci­pal­men­te nas con­ces­sões, per­mis­sões e au­to­ri­za­ções pa­ra a ex­plo­ra­ção de ser­vi­ços de te­le­co­mu­ni­ca­ções, bem co­mo em ta­xas e mul­tas de fis­ca­li­za­ção. O fun­do re­ce­beu R$ 2,3 bi­lhões em 2017, se­gun­do da­dos da Agên­cia Na­ci­o­nal das Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel).

O Fis­tel foi cri­a­do na dé­ca­da de 60 e, ini­ci­al­men­te, de­ve­ria ser usa­do ex­clu­si­va­men­te pa­ra pa­gar des­pe­sas do go­ver­no na fis­ca­li­za­ção de em­pre­sas do se­tor. Com o pas­sar do tem­po, no en­tan­to, os re­cur­sos fo­ram ga­nhan­do no­vas des­ti­na­ções — co­mo a Ana­tel, o Fun­do de Uni­ver­sa­li­za­ção dos Ser­vi­ços de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Fust) e até o Fun­do Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra (FNC).

A Lei 11.943/2009 au­to­ri­za o uso do su­pe­rá­vit fi­nan­cei­ro das fon­tes de re­cur­sos exis­ten­tes no Te­sou­ro pa­ra o pa­ga­men­to da dí­vi­da mo­bi­liá­ria fe­de­ral. A le­gis­la­ção, en­tre­tan­to, não se apli­ca ao Fis­tel, cu­ja des­ti­na­ção só po­de­ria mu­dar me­di­an­te pre­vi­são na pró­pria lei do fun­do.

O TCU en­ten­deu, po­rém, que a lei, no ar­ti­go 3º, pre­vê o Te­sou­ro co­mo be­ne­fi­ciá­rio de par­te dos re­cur­sos do Fis­tel. “Na­da im­pe­de que o Te­sou­ro Na­ci­o­nal (...) sir­va-se dos re­cur­sos do su­pe­rá­vit fi­nan­cei­ro do Fis­tel pa­ra re­a­li­zar o pa­ga­men­to da dí­vi­da mo­bi­liá­ria fe­de­ral”, en­ten­deu a área téc­ni­ca. A úni­ca res­sal­va do TCU foi de que o uso do di­nhei­ro do Fis­tel não pre­ju­di­que o equi­lí­brio or­ça­men­tá­rio e fi­nan­cei­ro da Ana­tel.

A con­sul­ta so­bre o Fis­tel foi fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to na mes­ma épo­ca de ou­tras du­as que tra­tam de te­ma se­me­lhan­te. Uma de­las per­gun­ta so­bre a pos­si­bi­li­da­de de usar par­te dos re­cur­sos oriun­dos de royal­ti­es do pe­tró­leo e gás na­tu­ral e ou­tra, mais ge­né­ri­ca, ques­ti­o­na so­bre o apro­vei­ta­men­to do su­pe­rá­vit fi­nan­cei­ro do Ba­lan­ço Pa­tri­mo­ni­al da União. As du­as con­sul­tas estão na área téc­ni­ca, mas a ten­dên­cia é que tam­bém re­ce­bam si­nal ver­de do ór­gão.

Da­dos da Ana­tel in­di­cam que o su­pe­rá­vit fi­nan­cei­ro do Fis­tel al­can­ça­vam, em de­zem­bro de 2016, R$ 8,4 bi­lhões. A in­su­fi­ci­ên­cia es­ti­ma­da nes­te ano com a re­gra de ou­ro é de R$ 208,6 bi­lhões, mas o nú­me­ro ain­da se­rá aju­da­do pe­los R$ 130 bi­lhões a se­rem pa­gos pe­lo BNDES ao Te­sou­ro nes­te ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.