Re­vi­são de be­ne­fí­ci­os so­ci­ais pode ge­rar eco­no­mia su­pe­ri­or a R$ 20 bi até 2019

Valor Econômico - - BRASIL - Fa­bio Gra­ner e Fá­bio Pu­po

As me­di­das de re­vi­são de be­ne­fí­ci­os so­ci­ais ini­ci­a­das em 2016 devem acu­mu­lar até o ano que vem uma eco­no­mia su­pe­ri­or a R$ 20 bi­lhões pa­ra os co­fres do go­ver­no. O mi­nis­tro do De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al, Al­ber­to Bel­tra­me, afir­mou on­tem que o can­ce­la­men­to de pa­ga­men­tos in­de­vi­dos de au­xí­li­o­do­en­ça vai ge­rar de 2016 até o fim de 2018 uma eco­no­mia es­ti­ma­da em R$ 15,7 bi­lhões.

“Is­so é mais do que a pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras, pa­ra se ter ideia do ta­ma­nho da eco­no­mia”, res­sal­tou. O go­ver­no es­ti­ma que pri­va­ti­za­ção da es­ta­tal, se efe­ti­va­da, de­ve­rá ge­rar no mí­ni­mo R$ 12 bi­lhões. Se­gun­do ele, a ten­dên­cia é que a eco­no­mia já al­can­ça­da com a re­vi­são per­ma­ne­ça nos pró­xi­mos anos, mu­dan­do o pa­ta­mar de gas­tos com o au­xí­lio-do­en­ça pa­ra R$ 20 bi­lhões ao ano, an­te R$ 27 bi­lhões na mé­dia dos anos an­te­ri­o­res ao iní­cio das ope­ra­ções.

O mi­nis­tro dis­se que o ín­di­ce de can­ce­la­men­tos de au­xí­lio-do­en­ça che­ga a 80%. “Saí­mos de 1,8 mi­lhão de be­ne­fí­ci­os em agos­to de 2016 e ho­je te­mos 1,4 mi­lhão”, dis­se. Até o fim do ano pas­sa­do, a re­vi­são e can­ce­la­men­to de pa­ga­men­tos in­de­vi­dos ge­rou eco­no­mia de R$ 5,3 bi­lhões. Nes­te ano, hou­ve ace­le­ra­ção do pro­ces­so.

Se­gun­do ele, ou­tro be­ne­fí­cio — o de apo­sen­ta­do­ria por in­va­li­dez — tam­bém pas­sa por re­vi­são e o ín­di­ce de can­ce­la­men­tos nas re­a­va­li­a­ções es­tá em 30%. A eco­no­mia es­ti­ma­da pa­ra es­te be­ne­fí­cio é de R$ 500 mi­lhões pa­ra es­te ano e mais R$ 5 bi­lhões no ano que vem.

So­bre a re­vi­são do Bolsa Fa­mí­lia, o mi­nis­tro dis­se ter ge­ra­do uma “mai­or fo­ca­li­za­ção” do pro­gra­ma que, se­gun­do ele, fi­cou “mais jus­to”. “Con­se­gui­mos pe­la pri­mei­ra vez ze­rar a fi­la de es­pe­ra do Bolsa Fa­mí­lia”, dis­se. Se­gun­do Bel­tra­me, mais de 5 mi­lhões de fa­mí­li­as fo­ram re­ti­ra­das do pro­gra­ma re­cen­te­men­te, ge­ran­do es­pa­ço fis­cal de R$ 2 bi­lhões, que se­rá qua­se to­do ocu­pa­do com as 4,8 mi­lhões de fa­mí­li­as in­se­ri­das ne­le com ba­se nos cri­té­ri­os de ele­gi­bi­li­da­de do pro­gra­ma.

Ou­tro tra­ba­lho men­ci­o­na­do por ele foi o cru­za­men­to de da­dos de Be­ne­fí­ci­os de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC) — pa­ga­men­to de um sa­lá­rio mí­ni­mo men­sal à pes­soa com de­fi­ci­ên­cia e ao ido­so com 65 anos ou mais que com­pro­vem não pos­suir mei­os de pro­ver a pró­pria ma­nu­ten­ção. Es­sa aná­li­se, dis­se, le­vou à des­co­ber­ta de 151 mil be­ne­fi­ciá­ri­os que des­cum­pri­am a re­gra por já re­ce­ber ren­da aci­ma do per­mi­ti­do. Bel­tra­me afir­mou que ou­tros 17 mil be­ne­fí­ci­os fo­ram can­ce­la­dos por­que as pes­so­as já es­ta­vam mor­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.