Al­do Re­be­lo lan­ça pré-can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia pe­lo So­li­da­ri­e­da­de

Ex-mi­nis­tro dis­se que foi son­da­do pa­ra ser vi­ce e pa­ra re­ce­ber can­di­da­tos na cha­pa

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ri­car­do Men­don­ça Mui­tos na raia pa­ra a Pre­si­dên­cia

O ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra e ex-mi­nis­tro de go­ver­nos pe­tis­tas Al­do Re­be­lo lan­çou on­tem em São Paulo sua can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia pe­lo So­li­da­ri­e­da­de (SD) e in­for­mou que re­ce­beu con­vi­tes pa­ra ser vi­ce na cha­pa de con­cor­ren­tes. Sem ci­tar no­mes, ele dis­se que tam­bém já re­ce­beu ofer­tas de vi­ces pa­ra sua cha­pa. Afir­mou de­pois que con­ver­sas des­se ti­po são “uma pre­mis­sa da po­lí­ti­ca”.

Re­cém-fi­li­a­do ao So­li­da­ri­e­da­de por dis­cor­dar da “in­cli­na­ção” do PSB em apoi­ar a can­di­da­tu­ra do ex-mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Jo­a­quim Bar­bo­sa, Al­do lan­çou sua pré-can­di­da­tu­ra num gal­pão do par­ti­do na zo­na sul da ca­pi­tal.

En­tre ou­tros, es­ta­va acom­pa­nha­do dos de­pu­ta­dos Pau­li­nho da For­ça (SP), pre­si­den­te da le­gen­da, e Wla­di­mir Cos­ta (PA), par­la­men­tar que fi­cou na­ci­o­nal­men­te fa­mo­so no ano pas­sa­do ao exi­bir uma ta­tu­a­gem de re­na com o no­me do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer no om­bro. Na épo­ca, a Câ­ma­ra dis­cu­tia de­nún­cia con­tra o eme­de­bis­ta.

Num dis­cur­so de 36 mi­nu­tos, Al­do exal­tou o cres­ci­men­to econô­mi­co co­mo úni­ca for­ma de unir os bra­si­lei­ros. Ele re­cla­mou do cli­ma de in­to­le­rân­cia no país e ci­tou a pri­são do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va — lí­der nas pes­qui­sas, res­sal­tou — co­mo exem­plo “do mo­men­to gra­ve que es­ta­mos vi­ven­do”.

Se­gun­do o ex-mi­nis­tro, o Bra­sil pas­sa por uma fa­se “de de­so­ri­en­ta­ção dos ru­mos, dos ob­je­ti­vos”, pro­ble­ma que, na sua ava­li­a­ção, só pode ser su­pe­ra­do com a re­to­ma­da do cres­ci­men­to.

“Apren­di que quan­do o país cres­ce, tem di­nhei­ro pa­ra tu­do. Quan­do não cres­ce, não tem di­nhei­ro pa­ra na­da”, re­su­miu. A vol­ta do cres­ci­men­to, com­ple­tou, aju­da­ria a re­sol­ver os pro­ble­mas fis­cais, da Pre­vi­dên­cia e do em­pre­go.

Co­mo sem­pre faz, Al­do apro­vei­tou a oca­sião pa­ra re­cla­mar do Gre­en­pe­a­ce e ou­tras Or­ga­ni­za­ções Não Go­ver­na­men­tais (ONGs) que atu­am na Amazô­nia. Dis­se que a re­gião não pode ser “um en­cla­ve” co­man­da­da por es­sas en­ti­da­des. Re­la­tor do Có­di­go Flo­res­tal apro­va­do anos atrás na Con­gres­so, ele é cri­ti­ca­do por am­bi­en­ta­lis­tas que o en­xer­gam co­mo de­fen­sor de ru­ra­lis­tas e des­ma­ta­do­res.

En­tre ou­tros exem­plos, Al­do Re­be­lo ma­ni­fes­tou in­dig­na­ção com a proi­bi­ção de plan­ta­ções de ar­roz em ter­ras in­dí­ge­nas em Ro­rai­ma, ve­to de­ci­di­do pe­lo STF, e com as exi­gên­ci­as de li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal pa­ra du­pli­ca­ção de ro­do­vi­as no Nor­te do país.

Ex-mi­nis­tro da De­fe­sa e dos Es­por­tes em go­ver­nos pe­tis­tas, ele exal­tou o pa­pel das For­ças Ar­ma­das e do fu­te­bol. Ao fa­lar so­bre edu­ca­ção, re­cla­mou tam­bém da fal­ta de dis­ci­pli­na e hi­e­rar­quia nas es­co­las pe­lo país.

An­tes do dis­cur­so de Al­do, o de­pu­ta­do Wla­di­mir Cos­ta des­ta­cou a ca­pa­ci­da­de do ex-mi­nis­tro de tran­qui­li­zar os âni­mos e o com­pa­rou a um me­di­ca­men­to. “Ele é uma es­pé­cie de Ri­vo­tril”, afir­mou. Na sequên­cia, exal­tou o pa­pel do So­li­da­ri­e­da­de no im­pe­a­ch­ment de Dil­ma.

Em en­tre­vis­ta após o even­to, Al­do afir­mou que, “evi­den­te­men­te”, não en­dos­sa o pa­pel de­sem­pe­nha­do pe­lo So­li­da­ri­e­da­de no afas­ta­men­to da pe­tis­ta. “Fui e sou con­tra o im­pe­a­ch­ment”, dis­se. “Mas nós vi­ve­mos ho­je um pro­ces­so de olhar pa­ra fren­te. Mui­tos dos que fo­ram a fa­vor do im­pe­a­ch­ment ho­je estão apoi­an­do a lu­ta pe­la li­ber­ta­ção do pre­si­den­te Lu­la.”

So­bre o PSB, o ex-mi­nis­tro afir­mou não ter cer­te­za so­bre a can­di­da­tu­ra de Jo­a­quim Bar­bo­sa. “Sem­pre foi uma coi­sa meio ne­bu­lo­sa, meio mal as­som­bra­da [den­tro do par­ti­do]. Eu nun­ca ti­ve... e nem o par­ti­do me di­zia se ha­via um ‘sim’ de­fi­ni­ti­vo do ex­mi­nis­tro Jo­a­quim Bar­bo­sa. E a pró­pria fi­li­a­ção foi fei­ta sem um co­mu­ni­ca­do pú­bli­co de­le, sem uma en­tre­vis­ta”, ex­pli­cou.

Com Al­do Re­be­lo, já há 21 par­ti­dos com pré-can­di­da­tos a pre­si­den­te, das 35 le­gen­das ha­bi­li­ta­das a con­cor­rer. Ca­so to­das as pré-can­di­da­tu­ras se con­so­li­dem, se­rá a mai­or frag­men­ta­ção des­de 1989, quan­do hou­ve 22 can­di­da­tu­ras pre­si­den­ci­ais. Ain­da fal­tam as de­ci­sões de du­as si­glas na­ni­cas, o PCB e o PCO, que tra­di­ci­o­nal­men­te lan­çam can­di­da­tos.

No ca­so do PT, a pré-can­di­da­tu­ra lan­ça­da é a do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que es­tá ine­le­gí­vel pe­la lei da fi­cha lim­pa. Não há de­ba­te pú­bli­co den­tro da si­gla so­bre quem irá subs­ti­tui-lo. No ca­so do MDB, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ain­da pode apoi­ar o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da Hen­ri­que Mei­rel­les.

No qua­dro de pré-can­di­da­tos há seis no­mes do Rio de Ja­nei­ro e cin­co de São Paulo. Ne­nhum é de Mi­nas Ge­rais, que tem o se­gun­do mai­or co­lé­gio elei­to­ral do país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.