‘Cen­tro’ pode se unir nas elei­ções, diz ACM Ne­to

Valor Econômico - - POLÍTICA - Mar­ce­lo Ri­bei­ro e Rapha­el Di Cun­to

O pre­fei­to de Sal­va­dor, An­to­nio Carlos Ma­ga­lhães Ne­to (DEM), diz que os par­ti­dos que se in­ti­tu­lam co­mo de “cen­tro” po­dem se unir em tor­no de uma can­di­da­tu­ra nos pró­xi­mos me­ses, com o ob­je­ti­vo de am­pli­ar as chan­ces de o blo­co man­ter o co­man­do do Pa­lá­cio do Pla­nal­to a par­tir de 2019. O pre­si­den­te na­ci­o­nal do DEM dei­xa em aber­to, in­clu­si­ve, a pos­si­bi­li­da­de de o pré-can­di­da­to da le­gen­da, pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), abrir mão de su­as pre­ten­sões e se ali­ar ao pré-can­di­da­to do PSDB à Pre­si­dên­cia, Ge­ral­do Alck­min, ho­je à fren­te nas pes­qui­sas elei­to­rais.

“Nin­guém que quer ser apoi­a­do pode dei­xar de ava­li­ar a pos­si­bi­li­da­de de apoi­ar tam­bém. Não se­ria cor­re­to. Ago­ra, is­so não di­mi­nui a nos­sa dis­po­si­ção mui­to fir­me de ir adi­an­te e ir até o fim. Eu par­ti­cu­lar­men­te acho que vai che­gar um mo­men­to mais adi­an­te que nós va­mos ter que ava­li­ar nes­se cam­po do cen­tro de­mo­crá­ti­co qual é a melhor es­tra­té­gia: se é bus­car uma uni­fi­ca­ção, se é ca­mi­nhar com mais de uma can­di­da­tu­ra, se é só se unir em um even­tu­al se­gun­do tur­no. Pa­ra mim, não es­tá cla­ro qual se­rá o ca­mi­nho”, dis­se ACM Ne­to, em en­tre­vis­ta ao Va­lor.

Ain­da que o cam­po do cha­ma­do “cen­tro” se­ja re­pre­sen­ta­do por mais de uma pré-can­di­da­tu­ra, ACM Ne­to não acre­di­ta que Maia de­va en­xer­gá-las co­mo ad­ver­sá­ri­as. Pa­ra ele, quem faz o con­tra­pon­to às pre­ten­sões elei­to­rais do pre­si­den­te da Câ­ma­ra são os no­mes li­ga­dos à opo­si­ção do go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e que gra­vi­tam em tor­no do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pre­so no dia 7 de abril, após de­ter­mi­na­ção do juiz Ser­gio Mo­ro.

“Ain­da não há na­da con­so­li­da­do. O Alck­min apa­re­ce um pou­co melhor nas pes­qui­sas e is­so é na­tu­ral da­do o re­call que ele tem de já ter dis­pu­ta­do uma elei­ção pre­si­den­ci­al, de ter saí­do na fren­te ao anun­ci­ar uma pré-can­di­da­tu­ra an­tes dos de­mais. Mas is­so não quer di­zer que a gen­te não te­nha es­pa­ço pa­ra cres­cer. Quan­do che­gar o pe­río­do das con­ven­ções, se nós ti­ver­mos uma can­di­da­tu­ra mais for­te, na­da nos im­pe­de de sen­tar à me­sa com o PSDB e so­li­ci­tar que o par­ti­do ava­lie a pos­si­bi­li­da­de de apoi­ar a can­di­da­tu­ra de Maia”, de­fen­deu ACM Ne­to.

Di­vul­ga­da no fim de se­ma­na, a pes­qui­sa do Da­ta­fo­lha mos­trou o tu­ca­no co­mo o can­di­da­to de “cen­tro” mais viá­vel, va­ri­an­do en­tre 7% e 8% das in­ten­ções de vo­to. Maia, por sua vez, con­ta com um apoio bem mais ma­gro (1%).

Ain­da as­sim, o pre­fei­to de Sal­va­dor, que é con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais con­se­lhei­ros da pré­cam­pa­nha do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, dis­se que a pa­la­vra de­sis­tên­cia não es­tá no ho­ri­zon­te do par­la­men­tar. O pre­si­den­te na­ci­o­nal do DEM ne­gou que o par­ti­do te­nha es­ta­be­le­ci­do uma me- ta pa­ra que Maia al­can­ce pa­ra ga­ran­tir que sua pré-can­di­da­tu­ra se­ja man­ti­da. “Es­se pi­so de in­ten­ção de vo­to não exis­te. O nos­so prin­ci­pal ob­je­ti­vo é que sua can­di­da­tu­ra su­pe­re o dia 7 de ou­tu­bro e tor­ne-se vi­to­ri­o­sa em um even­tu­al se­gun­do tur­no. Nin­guém aqui, nes­te mo­men­to, se­quer tra­ta da pos­si­bi­li­da­de de de­sis­tên­cia. É ób­vio que es­se qua­dro de pul­ve­ri­za­ção aju­da, so­bre­tu­do, por­que Ro­dri­go te­rá nes­ses pró­xi­mos qua­tro me­ses a pos­si­bi­li­da­de de ser re­co­nhe­ci­do co­mo can­di­da­to pe­lo Bra­sil. Se o qua­dro fos­se de po­la­ri­za­ção, on­de du­as can­di­da­tu­ras já des­pon­tas­sem co­mo fa­vo­ri­tas, tal­vez fos­se mais di­fí­cil co­me­çar do pa­ta­mar que a gen­te co­me­çou. Num qua­dro pul­ve­ri­za­do, é mui­to mais fá­cil co­me­çar num pa­ta­mar mais bai­xo e en­con­trar um ca­mi­nho pa­ra cres­cer”, afir­mou Ne­to.

Ain­da que as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to co­lo­quem Lu­la e o de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSLRJ) co­mo fa­vo­ri­tos na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, o pre­fei­to de Sal­va­dor não acre­di­ta que o elei­to­ra­do se di­vi­di­rá en­tre du­as “can­di­da­tu­ras de ex­tre­mo”.

“Acho que ho­je estão de­po­si­ta­dos no Bol­so­na­ro elei­to­res que não se­rão de­le na elei­ção. Elei­to­res que, quan­do en­xer­ga­rem uma al­ter­na­ti­va do cen­tro, mais equi­li­bra­da, vão mi­grar pa­ra es­sa al­ter­na­ti­va”, ava­li­ou Ne­to.

Pa­ra o pre­si­den­te do DEM, o PT, ca­so Lu­la não pos­sa ser can­di­da­to, en­con­tra­rá uma al­ter­na­ti­va in­ter­na pa­ra a dis­pu­ta ao co­man­do do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, com o ob­je­ti­vo de de­fen­der o le­ga­do do pe­tis­ta. So­bre a pri­são do ex-pre­si­den­te, Ne­to acre­di­ta que “is­so diz res­pei­to à Jus­ti­ça e não à po­lí­ti­ca”.

Ele mi­ni­mi­zou o dis­cur­so do PT de que Lu­la é um per­se­gui­do po­lí­ti­co. “Ele não es­tá pre­so por­que a po­lí­ti­ca quis pren­dê-lo. Ele es­tá pre­so por­que co­me­teu er­ros gra­ves que fo­ram de­mons­tra­dos no cur­so de um pro­ces­so ju­di­ci­al, que ge­ra­ram uma con­de­na­ção e me pa­re­ce que es­se é o gran­de ga­nho do Bra­sil: en­ter­ra­mos qual­quer sen­ti­men­to de im­pu­ni­da­de. A au­sên­cia de Lu­la da elei­ção te­rá efei­tos ne­ga­ti­vos pa­ra o PT. Lu­la can­di­da­to iria pa­ra o se­gun­do tur­no. É co­mo se ele ti­ves­se um lu­gar as­se­gu­ra­do. Sem Lu­la, o PT vem pa­ra a va­la co­mum e se en­cai­xa nes­se qua­dro de pul­ve­ri­za­ção.”

ROMILDO DE JE­SUS/FUTURA PRESS/FOLHAPRESS — 13/4/2018

ACM Ne­to, so­bre ali­an­ça: “Nin­guém que quer ser apoi­a­do pode dei­xar de ava­li­ar a pos­si­bi­li­da­de de apoi­ar tam­bém”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.