A es­quer­da me­nos lu­lo­de­pen­den­te em 2018

Valor Econômico - - POLÍTICA - Fer­nan­do Ex­man

OPT pode até in­sis­tir na ma­nu­ten­ção da pré-can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to, mas te­rá me­nos tem­po do que gos­ta­ria até que as vá­ri­as for­ças e o elei­tor de es­quer­da de­fi­nam que ru­mo to­ma­rão nas pró­xi­mas elei­ções. Ex­cluin­do o pró­prio Lu­la, que mais ce­do ou mais tar­de de­ve ser en­qua­dra­do na Lei da Fi­cha Lim­pa e im­pe­di­do de con­cor­rer a qual­quer car­go em ou­tu­bro, os re­pre­sen­tan­tes des­te cam­po po­lí­ti­co mais bem po­si­ci­o­na­dos na dis­pu­ta pre­si­den­ci­al são jus­ta­men­te os que têm evi­ta­do or­bi­tar em tor­no do pe­tis­ta e o pro­je­to de de­fe­sa da sua bi­o­gra­fia e do pro­je­to de po­der do PT.

Pre­so há dez di­as, Lu­la con­ti­nua sen­do o pré-can­di­da­to com os ín­di­ces mais ele­va­dos de in­ten­ção de vo­to e po­der de in­fluên­cia no plei­to, mas já co­me­ça a ver seu apoio po­pu­lar di­mi­nuir. Com pers­pec­ti­va de po­der de­cres­cen­te, em ra­zão das di­fi­cul­da­des pa­ra en­vi­ar su­as men­sa­gens pa­ra fo­ra do cár­ce­re e di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de so­frer no­vas con­de­na­ções, o ex-pre­si­den­te cor­re o ris­co de ver seu res­pal­do po­pu­lar e po­lí­ti­co min­guar.

Se­gun­do a mais re­cen­te pes­qui­sa do Da­ta­fo­lha, com Lu­la fo­ra do pá­reo, o de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL) e a Ma­ri­na Sil­va (Re­de) pu­la­ri­am pa­ra a li­de­ran­ça. Mas não é so­men­te a ex-se­na­do­ra que se­ria ca­paz de re­pre­sen­tar a es­quer­da de for­ma com­pe­ti­ti­va num even­tu­al se­gun­do tur­no, se­ja con­tra o pró­prio Bol­so­na­ro ou an­te o ex-go­ver­na­dor de São Paulo Ge­ral­do Alck­min (PSDB). O ex-mi­nis­tro Ci­ro Gomes (PDT) tam­bém. Em ou­tras pa­la­vras, a son­da­gem de­mons­tra que a es­quer­da não es­ta­ria con­de­na­da a fi­car à mar­gem da dis­pu­ta, ca­so Lu­la se­ja bar­ra­do pe­la Jus­ti­ça. ou­tros di­ri­gen­tes do PDT.

Em­bo­ra em pú­bli­co di­ri­gen­tes pe­tis­tas in­sis­tam na pré-can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te, es­sas mes­mas li­de­ran­ças des­ta­cam a im­por­tân­cia de a es­quer­da se unir pe­lo me­nos em tor­no de um pro­gra­ma co­mum. O lan­ce ini­ci­al pa­ra a cons­tru­ção des­sa uni­da­de já foi da­do em fe­ve­rei­ro, quan­do as fun­da­ções dos par­ti­dos de es­quer­da di­vul­ga­ram do­cu­men­to con­jun­to por meio do qual, além de ana­li­sar a con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca, tra­ça­ram al­gu­mas di­re­tri­zes pro­gra­má­ti­cas. O ma­ni­fes­to, des­ta­que-se, não ci­tou di­re­ta­men­te o ex-pre­si­den­te Lu­la, sua si­tu­a­ção na Jus­ti­ça ou pré-can­di­da­tu­ra.

A atu­al cam­pa­nha es­tá ape­nas no co­me­ço, mas já se de­se­nha um ce­ná­rio di­fe­ren­te do ob­ser­va­do nas úl­ti­mas elei­ções, quan­do Lu­la li­de­rou um dos po­los po­lí­ti­cos e te­ve o PSDB co­mo an­ta­go­nis­ta. Es­tá che­gan­do a ho­ra de a es­quer­da re­fle­tir se pas­sa­rá a ser me­nos lu­lo­cên­tri­ca e lu­lo­de­pen­den­te.

Dis­pu­tan­do a di­an­tei­ra da cor­ri­da pre­si­den­ci­al, Jair Bol­so­na­ro co­me­ça a acu­mu­lar pro­ble­mas na Jus­ti­ça. O pré-can­di­da­to já res­pon­dia a uma ação por ofen­der a tam­bém de­pu­ta­da Ma­ria do Ro­sá­rio (PT-RS), de­pois de ter di­to que a co­le­ga não me­re­cia ser ví­ti­ma de es­tu­pro. Na se­ma­na pas­sa­da, adi­ci­o­nou-se à lis­ta uma de­nún­cia da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca por ra­cis­mo e dis­cri­mi­na­ção con­tra qui­lom­bo­las, in­dí­ge­nas, re­fu­gi­a­dos, mu­lhe­res e LGBTs.

A PGR de­mo­rou um ano pa­ra apre­sen­tar a de­nún­cia, que re­mon­ta a uma pa­les­tra fei­ta pe­lo de­pu­ta­do no Rio de Ja­nei­ro em abril do ano pas­sa­do. Bol­so­na­ro afir­mou, por exem­plo, que os qui­lom­bo­las “não fa­zem na­da” e “nem pa­ra pro­cri­a­dor eles ser­vem mais”. Tam­bém res­pon­sa­bi­li­zou co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas pe­la não cons­tru­ção de usi­nas hi­dre­lé­tri­cas em Ro­rai­ma ou pe­la não ex­plo­ra­ção de re­cur­sos exis­ten­tes em su­as ter­ras. E cri­ti­cou o aco­lhi­men­to ge­ne­ra­li­za­do de re­fu­gi­a­dos.

Iro­ni­ca­men­te, tais pro­ces­sos não devem fa­zê-lo per­der vo­tos. Po­dem afas­tar apoi­a­do­res em um even­tu­al se­gun­do tur­no, mas seus elei­to­res ca­ti­vos não só con­cor­dam com tais de­cla­ra­ções, co­mo as aplau­dem.

Bol­so­na­ro, con­tu­do, sou­be des­vi­ar-se de uma ou­tra ação, es­ta sim po­ten­ci­al­men­te pre­ju­di­ci­al à sua can­di­da­tu­ra no cur­to pra­zo. Em me­a­dos do ano pas­sa­do, o de­pu­ta­do ne­go­ci­ou sua ade­são ao Par­ti­do Eco­ló­gi­co Na­ci­o­nal (PEN), in­clu­si­ve exi­gin­do que o par­ti­do mu­das­se de no­me pa­ra Pa­tri­o­ta. Mas dis­se que só as­si­na­ria a fi­cha de­pois de o par­ti­do de­sis­tir de uma de­ter­mi­na­da ação no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral: a ação de­cla­ra­tó­ria de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de con­tra o en­ten­di­men­to da Cor­te de per­mi­tir pri­sões de pes­so­as con­de­na­das em se­gun­da ins­tân­cia.

Não é uma ação qual­quer. Sua dis­cus­são pode vol­tar em bre­ve à agenda do STF e le­var, por exem­plo, o ex-pre­si­den­te Lu­la à li­ber­da­de. Ter seu par­ti­do sen­do res­pon­sa­bi­li­za­do pe­la sol­tu­ra do po­lí­ti­co mais con­tes­ta­do pe­lo seu elei­to­ra­do po­de­ria tra­zer per­das in­cal­cu­lá­veis à sua can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al.

Bol­so­na­ro aca­bou fi­li­an­do-se ao PSL. Com re­ceio de ser acu­sa­do de pro­te­ger po­lí­ti­cos en­ro­la­dos na La­va-Ja­to, o PEN afas­tou os ad­vo­ga­dos que usa­ram o par­ti­do co­mo pla­ta­for­ma pa­ra pro­to­co­lar a ação no STF e até ago­ra ten­ta adi­ar o jul­ga­men­to. No país em que di­ver­sos par­ti­dos são cri­a­dos co­mo le­gen­das de alu­guel, não são ra­ros os ca­sos em que há con­fli­to de in­te­res­ses en­tre os in­qui­li­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.