Agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de as­si­nam le­ni­ên­cia iné­di­ta

Valor Econômico - - POLÍTICA - Luí­sa Mar­tins

Acu­sa­das de pa­gar pro­pi­na em tro­ca de con­tra­tos com ór­gãos pú­bli­cos, as agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de Mul­len Lowe e FCB Bra­sil for­ma­li­za­ram on­tem a as­si­na­tu­ra de um acor­do de le­ni­ên­cia iné­di­to, con­for­me an­te­ci­pou o Va­lor. Pe­la pri­mei­ra vez, uma em­pre­sa ob­tém acor­do com to­dos os ór­gãos de con­tro­le an­ti­cor­rup­ção: a Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU), a Con­tro­la­do­ri­aGe­ral da União (CGU) e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF).

As em­pre­sas te­rão de de­vol­ver um total de R$ 53 mi­lhões — a mai­or par­te, R$ 34,9 mi­lhões, se­rá res­sar­ci­da à Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, en­quan­to R$ 7 mi­lhões se­rão des­ti­na­dos à Pe­tro­bras. O mon­tan­te total, in­for­mou o mi­nis­tro da Trans­pa­rên­cia, Wag­ner Ro­sá­rio, in­clui a pro­pi­na pa­ga, as mul­tas apli­cá­veis pe­la lei e os lu­cros ob­ti­dos a par­tir dos atos ilí­ci­tos pra­ti­ca­dos no âm­bi­to da Ope­ra­ção La­va-Ja­to.

Em tro­ca, fi­cam imu­nes a pu­ni­ções ju­di­ci­ais e ad­mi­nis­tra­ti­vas, o que evi­ta de­cla­ra­ções de ini­do­nei­da­de ou con­de­na­ções por im­pro­bi­da­de, por exem­plo. Pe­lo acor­do, as agên­ci­as tam­bém se com­pro­me­tem a in­ter­rom­per as prá­ti­cas ilí­ci­tas, im­plan­tar pro­gra­mas de in­te­gri­da­de e co­la­bo­rar com as in­ves­ti­ga­ções, o que in­clui a su­jei­ção a au­di­to­ri­as in­de­pen­den­tes e o even­tu­al afas­ta­men­to de exe­cu­ti­vos.

A fis­ca­li­za­ção fi­ca a car­go da CGU. Em ca­so de des­cum­pri­men­to do acor­do, a Mul­len Lowe e a FCB fi­cam no­va­men­te pas­sí­veis de res­pon­sa­bi­li­za­ções e im­pe­di­das de, em um pra­zo de três anos, fir­mar no­va le­ni­ên­cia.

A mi­nis­tra-che­fe da AGU, Gra­ce Men­don­ça, afir­mou que a as­si­na­tu­ra é his­tó­ri­ca e, por con­sequên­cia, mo­ti­vo de ce­le­bra­ção. “O dia de ho­je não mar­ca ape­nas a pers­pec­ti­va dos va­lo­res en­vol­vi­dos, mas, em es­pe­ci­al, que es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to pa­ra de­sen­vol­ver uma po­lí­ti­ca de Es­ta­do. O iso­la­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal não nos le­va­ria a lu­gar al­gum”, dis­se, du­ran­te co­le­ti­va de imprensa.

Ela ain­da des­ta­cou que a as­si­na­tu­ra con­jun­ta re­for­ça a se­gu­ran­ça jurídica do acor­do, evi­tan­do que um dos ór­gãos aja jurídica ou ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te con­tra uma em­pre­sa que já fir­mou le­ni­ên­cia com um dos ou­tros dois, por exem­plo.

As in­for­ma­ções pres­ta­das às au­to­ri­da­des pe­las agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de são uti­li­za­das no pros­se­gui­men­to das apu­ra­ções da La­va-Ja­to e, por­tan­to, man­ti­das em si­gi­lo. “Não po­de­mos di­zer o que se des­cor­ti­nou a par­tir des­se acor­do de le­ni­ên­cia”, dis­se a co­or­de­na­do­ra da 5 Câ­ma­ra do MPF, es­pe­ci­a­li­za­da em com­ba­te à cor­rup­ção, Mô­ni­ca Ni­ci­da Gar­cia. “Se con­tar­mos tu­do o que as em­pre­sas nos con­ta­ram, é 100% pre­ju­di­ci­al às in­ves­ti­ga­ções.”

Re­pre­sen­tan­tes dos três ór­gãos sa­li­en­ta­ram o in­te­res­se em cri­ar um mo­de­lo em que pos­sam atu­ar con­jun­ta­men­te des­de o iní­cio das tra­ta­ti­vas pa­ra le­ni­ên­ci­as. No ca­so da Mul­len Lowe e da FCB, o acor­do já ha­via si­do fir­ma­do com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co há cer­ca de três anos, mas só ago­ra ce­le­bra­ram com a AGU e a CGU. Os ter­mos, ava­li­za­dos pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), são idên­ti­cos.

A Mul­len Lowe e a FCB fo­ram al­vos da Ope­ra­ção Ori­gem, de­fla­gra­da em abril de 2015. Na oca­sião, fo­ram pre­sos os en­tão de­pu­ta­dos An­dré Var­gas (PT) e Luiz Argô­lo (SD). Se­gun­do a for­ça-ta­re­fa da Ope­ra­ção La­va-Ja­to, as apu­ra­ções iden­ti­fi­ca­ram pa­ga­men­tos das agên­ci­as pa­ra uma em­pre­sa de fa­cha­da do ex-par­la­men­tar pe­tis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.