Pro­je­to de LDO é in­cons­ti­tu­ci­o­nal, diz con­sul­tor

D’Ávi­la foi um dos res­pon­sá­veis pe­la in­ves­ti­ga­ção das ‘pe­da­la­das fis­cais’ fei­tas pe­lo go­ver­no Dil­ma

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ri­ba­mar Oli­vei­ra

A fór­mu­la en­con­tra­da pe­lo go­ver­no pa­ra não cum­prir a “re­gra de ou­ro” em 2019, e que foi in­cluí­da no ar­ti­go 21 do Pro­je­to de Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (PLDO), en­ca­mi­nha­do ao Con­gres­so na se­ma­na pas­sa­da, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal, na opi­nião do con­sul­tor Antô­nio d’Ávi­la Jú­ni­or, da Con­sul­to­ria de Or­ça­men­to da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Em 2015, quan­do ain­da era au­di­tor do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), d’Ávi­la foi um dos res­pon­sá­veis — o ou­tro foi o au­di­tor Char­les San­ta­na de Cas­tro — pe­la in­ves­ti­ga­ção das “pe­da­la­das fis­cais” fei­tas pe­lo go­ver­no Dil­ma Rous­seff, que re­sul­tou no pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te.

A Cons­ti­tui­ção es­ta­be­le­ce que o go­ver­no só pode fa­zer ope­ra­ções de cré­di­to no mon­tan­te das des­pe­sas de ca­pi­tal (in­ves­ti­men­tos, in­ver­sões fi­nan­cei­ras e amor­ti­za­ção da dí­vi­da pú­bli­ca). Ou se­ja, não pode emi­tir tí­tu­los pa­ra ar­re­ca­dar di­nhei­ro pa­ra pa­gar des­pe­sas cor­ren­tes, co­mo sa­lá­ri­os de ser­vi­do­res e apo­sen­ta­do­ri­as. Es­se dis­po­si­ti­vo foi cha­ma­do de re­gra de ou­ro das fi­nan­ças pú­bli­cas.

O tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal per­mi­te, no en­tan­to, que o go­ver­no pa­gue des­pe­sas cor­ren­tes es­pe­cí­fi­cas com re­cur­sos de ope­ra­ções de cré­di­to, des­de que au­to­ri­za­das por cré­di­tos su­ple­men­ta­res ou es­pe­ci­ais apro­va­dos pe­lo Con­gres­so por mai­o­ria ab­so­lu­ta. Ao pro­por que par­te das des­pe­sas cor­ren­tes da União em 2019 se­jam cus­te­a­das com re­cei­tas de ope­ra­ções de cré­di­to, o go­ver­no es­tá di­zen­do que não vai cum­prir a re­gra de ou­ro no pró­xi­mo ano, usan­do a bre­cha dei­xa­da pe­la Cons­ti­tui­ção.

O ar­ti­go 21 do PLDO per­mi­te que o go­ver­no in­clua, na sua pre­vi­são de re­cei­ta pa­ra 2019, a ar­re­ca­da­ção a ser ob­ti­da em ope­ra­ções de cré­di­to que se­rão so­li­ci­ta­das ao Con­gres­so so­men­te no pró­xi­mo ano pa­ra cus­te­ar uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va das des­pe­sas or­ça­men­tá­ri­as. As des­pe­sas fi­ca­rão con­di­ci­o­na­das à apro­va­ção da au­to­ri­za­ção pa­ra es­sas ope­ra­ções de cré­di­to.

D’Ávi­la ob­ser­vou, em en­tre­vis­ta ao Va­lor, que a Lei 4.320/1964 só per­mi­te que o pro­du­to de ope­ra­ções de cré­di­to já au­to­ri­za­das pe­lo Con­gres­so se­ja in­cluí­do nas es­ti­ma­ti­vas das re­cei­tas do Or­ça­men­to.

“En­quan­to a au­to­ri­za­ção não for con­ce­di­da, os re­cur­sos não po­dem ser con­si­de­ra­dos na es­ti­ma­ti­va de re­cei­ta”, afir­mou d’Ávi­la. Além dis­so, ele ex­pli­cou que, pa­ra o ca­so que en­se­ja o des­cum­pri­men­to da re­gra de ou­ro, a au­to­ri­za­ção pa­ra a con­tra­ta­ção da ope­ra­ção de cré­di­to pre­ci­sa ser ob­ti­da por meio de um pro­ces­so le­gis­la­ti­vo es­pe­cí­fi­co de­ter­mi­na­do pe­la Cons­ti­tui­ção, que não es­tá sen­do ob­ser­va­do.

O con­sul­tor ar­gu­men­tou que a Cons­ti­tui­ção atri­buiu a uma lei com­ple­men­tar dis­por so­bre o exer­cí­cio fi­nan­cei­ro, a vi­gên­cia, os prazos, a ela­bo­ra­ção e a or­ga­ni­za­ção do pla­no plu­ri­a­nu­al, da lei de di­re­tri­zes or­ça­men­tá­ri­as e da lei or­ça­men­tá­ria anu­al. Es­sa lei nun­ca foi apro­va­da pe­lo Con­gres­so, mas, de acor­do com d’Ávi­la, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) re­cep­ci­o­nou a lei 4.320 com o sta­tus de lei com­ple­men­tar. Por­tan­to, se­gun­do o con­sul­tor, ela é que es­tá dis­ci­pli­nan­do a ela­bo­ra­ção do Or­ça­men­to.

D’Ávi­la afir­mou que a LDO não pode se con­tra­por à lei 4.320 e dis­por so­bre a ela­bo­ra­ção do pro­je­to de lei or­ça­men­tá­ria, co­mo de­se­ja fa­zer o go­ver­no pa­ra 2019. “O PLDO que foi en­vi­a­do ao Con­gres­so es­tá le­gis­lan­do so­bre ma­té­ria de di­rei­to fi­nan­cei­ro e or­ça­men­tá­rio que de­ve­ria ser fei­to por lei com­ple­men­tar”, ex­pli­cou. Pa­ra agra­var a si­tu­a­ção, d’Ávi­la ob­ser­vou que a LDO “é uma lei tem­po­rá­ria”. To­do ano, o go­ver­no pre­ci­sa pro­por um pro­je­to de LDO pa­ra o exer­cí­cio se­guin­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.