Mor­re, aos 86 anos, o eco­no­mis­ta Paul Sin­ger

Valor Econômico - - POLÍTICA - Me­mó­ria Os­car Pi­la­gal­lo

O eco­no­mis­ta Paul Sin­ger mor­reu on­tem às 20h, aos 86 anos, em São Paulo. Ele ha­via si­do in­ter­na­do no Hos­pi­tal Sí­rio-Li­ba­nês des­de a ma­dru­ga­da e te­ve sep­ti­ce­mia.

In­te­gran­te do gru­po de fun­da­do­res do PT em 1980, Sin­ger foi um dos res­pon­sá­veis pe­lo que o par­ti­do te­ve de mais ce­le­bra­do em su­as qua­se qua­tro dé­ca­das: a for­mu­la­ção de um pro­gra­ma de de­sen­vol­vi­men­to a par­tir do for­ta­le­ci­men­to do mer­ca­do in­ter­no via dis­tri­bui­ção de ren­da.

No cam­po aca­dê­mi­co, au­tor de vá­ri­os li­vros di­dá­ti­cos e de pes­qui­sa econô­mi­ca, tor­nou-se re­fe­rên­cia obri­ga­tó­ria pa­ra a di­vul­ga­ção do pen­sa­men­to da es­quer­da não-mar­xis­ta.

Tal­vez te­nham si­do es­ses os dois prin­ci­pais le­ga­dos do pro­fes­sor Paul Is­ra­el Sin­ger, nas­ci­do na Áus­tria em 1932 e que che­gou ao Bra­sil aos 8 anos, quan­do a fa­mí­lia ju­dia fu­giu do na­zis­mo em seu país re­cém-ane­xa­do por Hi­tler.

O no­me do meio era uma exi­gên­cia do re­gi­me que de­fen­dia uma “so­lu­ção fi­nal” pa­ra os ju­deus. Pa­ra mais fá­cil iden­ti­fi­ca­ção, os ju­deus ho­mens fo­ram obri­ga­dos a ane­xar "Is­ra­el" ao no­me.

Sin­ger man­te­ve o no­me, mes­mo quan­do não era mais ne­ces­sá­rio. Di­zia que Hi­tler obri­ga­va mes­mo os ju­deus as­si­mi­la­dos, co­mo sua fa­mí­lia de um su­búr­bio ope­rá­rio de Vi­e­na, a se vol­ta­rem pa­ra o ju­daís­mo. Em sua ju­ven­tu­de, foi si­o­nis­ta, mas sem mui­ta con­vic­ção. Per­ten­cia a uma cor­ren­te so­ci­a­lis­ta do mo­vi­men­to.

Aos 20 anos, co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo ele­tro­téc­ni­co. Fi­li­a­do ao Sindicato dos Me­ta­lúr­gi­cos de São Paulo, aju­dou a or­ga­ni­zar a gre­ve dos 300 mil, que pa­ra­li­sou a in­dús­tria de São Paulo por mais de um mês em 1953. No ano se­guin­te se na­tu­ra­li­zou. Fi­li­ou-se ao Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Bra­si­lei­ro, mas não de­sen­vol­veu ati­vi­da­de par­ti­dá­ria.

Foi au­to­di­da­ta no es­tu­do da eco­no­mia e só em 1956 in­gres­sou na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas e Ad­mi­nis­tra­ti­vas da USP.

Ain­da es­tu­dan­te, Sin­ger foi con­vi­da­do a to­mar par­te no “Se­mi­ná­rio de Marx”, que mais tar­de ga­nha­ria no­to­ri­e­da­de de­vi­do às car­rei­ras pos­te­ri­o­res dos in­te­lec­tu­ais que de­le par­ti­ci­pa­vam, co­mo o so­ció­lo­go Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, a an­tro­pó­lo­ga Ruth Car­do­so e o fi­ló­so­fo Jo­sé Arthur Gi­an­not­ti. Na épo­ca, con­si­de­ra­va-se um mar­xis­ta.

O gru­po da­ria ori­gem ao Ce­brap, que reu­niu a na­ta dos in­te­lec­tu­ais de opo­si­ção à di­ta­du­ra mi­li­tar. Sin­ger che­gou a fi­car pre­so por uma se­ma­na em 1974, mas não so­freu tor­tu­ra.

A ati­vi­da­de po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria só te­ria iní­cio com a fun­da­ção do PT. Sin­ger foi o res­pon­sá­vel pe­lo pro­gra­ma econô­mi­co do can­di­da­to Lu­la ao go­ver­no de São Paulo, em 1982, na pri­mei­ra elei­ção di­re­ta ao car­go, ain­da sob a di­ta­du­ra, que só ter­mi­na­ria em 1985.

Lu­la per­deu, mas o pro­gra­ma foi ins­cri­to no DNA do par­ti­do. Sin­ger de­fen­dia a am­pli­a­ção do mer­ca­do in­ter­no via in­clu­são so­ci­al, o que aca­bou ocor­ren­do du­ran­te a Pre­si­dên­cia de Lu­la, de quem seu fi­lho, o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co An­dré Sin­ger, ho­je co­lu­nis­ta da Fo­lha de S. Paulo, foi por­ta-voz.

Paul Sin­ger con­si­de­ra­va o pro­gra­ma re­for­mis­ta. O so­ci­a­lis­mo não en­tra­va di­re­ta­men­te na equa­ção. “A mar­cha pa­ra o so­ci­a­lis­mo con­sis­tia em am­pli­ar a de­mo­cra­cia, apro­fun­dar a de­mo­cra­cia pa­ra re­dis­tri­buir a ren­da”, co­mo dis­se em en­tre­vis­ta a Gui­do Man­te­ga e Jo­sé Mar­cio Re­go, em 1997, re­gis­tra­da no li­vro “Con­ver­sas com Eco­no­mis­tas Bra­si­lei­ros”.

No pla­no mu­ni­ci­pal, co­mo se­cre­tá­rio de Pla­ne­ja­men­to de Lui­za Erun­di­na, pre­fei­ta de São Paulo a par­tir de 1989, não con­se­guiu im­ple­men­tar idei­as que de­pen­di­am de uma ação do go­ver­no fe­de­ral. Mas nun­ca de­sis­tiu da ideia.

Em 2002, Sin­ger apro­fun­dou a pro­pos­ta com a pu­bli­ca­ção do li­vro “In­tro­du­ção à Eco­no­mia So­li­dá­ria”, obra de mi­li­tân­cia, edi­ta­da pe­la Fun­da­ção Per­seu Abra­mo, li­ga­da ao PT. De­fen­dia co­mo prin­cí­pi­os “a pro­pri­e­da­de co­le­ti­va ou as­so­ci­a­da do ca­pi­tal e o di­rei­to à li­ber­da­de in­di­vi­du­al”. Pe­la sua pro­pos­ta, ha­ve­ria tam­bém “um po­der pú­bli­co com a mis­são de cap­tar par­te dos ganhos aci­ma do con­si­de­ra­do so­ci­al­men­te ne­ces­sá­rio pa­ra re­dis­tri­buir es­sa re­cei­ta en­tre os que ga­nham abai­xo do mí­ni­mo con­si­de­ra­do in­dis­pen­sá­vel”.

No ano se­guin­te, no iní­cio do go­ver­no Lu­la, as­su­miu a Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Eco­no­mia So­li­dá­ria, li­ga­do ao Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, on­de de­fen­de­ria a cri­a­ção de ban­cos co­mu­ni­tá­ri­os co­mo ins­tru­men­to de er­ra­di­ca­ção da mi­sé­ria.

Ape­sar das cri­ses do PT, Sin­ger se man­te­ve li­ga­do ao par­ti­do que aju­dou a fun­dar, cri­ti­can­do-o pon­tu­al­men­te à es­quer­da, co­mo fez em 2015, quan­do o go­ver­no de Dil­ma Rous­seff pro­mo­veu um ajus­te fis­cal que, pa­ra ele, afas­ta­ria o PT de su­as ba­ses so­ci­ais.

Foi au­tor de mui­tos li­vros, além da obra ci­ta­da, en­tre os quais se des­ta­cam “De­sen­vol­vi­men­to e Cri­se” (1968) e “A Cri­se do Mi­la­gre Bra­si­lei­ro” (1976).

Viú­vo, Paul Sin­ger dei­xa, além de An­dré, as fi­lhas He­le­na e Su­za­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.