Mun­do de­ve se pre­pa­rar pa­ra uma OMC sem os EUA, diz ex-di­re­tor Lamy

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Mar­sí­lea Gom­ba­ta

O mun­do pre­ci­sa se de­fen­der da pos­sí­vel ten­ta­ti­va do go­ver­no Do­nald Trump de im­plo­dir a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC) e es­tar pre­pa­ra­do pa­ra uma OMC sem os EUA, afir­ma Pas­cal Lamy, ex-di­re­tor-ge­ral da en­ti­da­de.

Após even­to na Câ­ma­ra Ame­ri­ca­na de Co­mér­cio (Amcham) on­tem, em São Paulo, Lamy dis­se que é di­fí­cil sa­ber se Trump bus­ca van­ta­gens co­mer­ci­ais es­pe­cí­fi­cas pa­ra os EUA ou se quer sim­ples­men­te aca­bar com a OMC e vol­tar a ne­go­ci­a­ções bi­la­te­rais. Ele aler­ta que os ou­tros paí­ses têm de se de­fen­der.

“Pen­sar nu­ma OMC sem os EUA tal­vez se­ja uma op­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que não se­ja­mos chan­ta­ge­a­dos. Se a op­ção é ‘vo­cê faz is­so ou eu saio’, en­tão é pre­ci­so ter a con­tra­op­ção ‘vo­cê sai, mas eu não’”.

Pa­ra o ex-di­re­tor-ge­ral da OMC é pre­ci­so es­tar pre­pa­ra­do pa­ra dois ce­ná­ri­os. O pri­mei­ro é ne­go­ci­ar even­tu­ais exi­gên­ci­as dos EUA de no­vas re­gras, co­mo pa­ra sub­sí­di­os agrí­co­las. “O Bra­sil, nes­se ca­so, ado­ra­ria ver a OMC re­gu­la­men­tan­do sub­sí­di­os agrí­co­las dos EUA.”

O ou­tro ce­ná­rio é o de pro­te­ger a OMC da ofen­si­va dos EUA. “Se o ce­ná­rio for o de mi­nar a OMC, te­rá de ha­ver uma sé­ria co­a­li­zão pa­ra im­pe­di-los. Se qui­se­rem aca­bar com a OMC, não va­mos acei­tar, te­mos de man­tê-la fun­ci­o­nan­do.”

Pa­ra Lamy, a decisão do Bra­sil de acei­tar co­tas de ex­por­ta­ção de aço pa­ra os EUA, em tro­ca de sus­pen­são das so­bre­ta­xas até 30 de abril, mos­tra que o país já es­tá acei­tan­do o jogo im­pos­to por Trump. “Se um país co­mo o Bra­sil acei­tou vo­lun­ta­ri­a­men­te res­tri­ções, Trump con­se­guiu o que que­ria”, dis­se so­bre o acor­do cos­tu­ra­do en­tre o se­cre­tá­rio de Co­mér­cio dos EUA, Wil­bur Ross, e o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res do Bra­sil, Aloy­sio Nunes. “Acei­tar res­tri­ções vo­lun­tá­ri­as é co­mo vol­tar aos anos 1960”, cri­ti­cou.

Pa­ra ele, acei­tar as re­gras de Trump é dei­xar pre­va­le­cer um jogo bi­la­te­ral em vez do mul­ti­la­te­ra­lis­mo con­quis­ta­do nas úl­ti­mas dé­ca­das. “Se Trump ten­tar aca­bar com a OMC e for bem-su­ce­di­do nis­so, a OMC vai se tor­nar ir­re­le­van­te . Não acre­di­to que ele quei­ra is­so.”

Ape­sar da fal­ta de cla­re­za em re­la­ção aos pla­nos de Trump, Lamy vê ris­co li­mi­ta­do de uma es­ca­la­da pa­ra uma guer­ra co­mer­ci­al en­tre EUA e China. Is­so por­que, afir­ma, há for­ças den­tro dos EUA que ve­em uma guer­ra co­mer­ci­al co­mo po­ten­ci­al­men­te des­trui­do­ra pa­ra a eco­no­mia ame­ri­ca­na.

A se­gun­da ra­zão é por­que os chi­ne­ses são “ex­tre­ma­men­te ra­ci­o­nais” e se com­por­ta­rão de mo­do a não ha­ver uma es­ca­la­da. “A China se­rá ra­ci­o­nal. Não bus­ca­rá uma es­ca­la­da, mas sim uma res­pos­ta pro­por­ci­o­nal”, dis­se.

Por ou­tro la­do, ob­ser­vou com en­tu­si­as­mo, o pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, in­di­cou no Fó­rum de Bo­ao, na se­ma­na pas­sa­da, mai­or aber­tu­ra em al­gu­mas aé­re­as, co­mo ser­vi­ços fi­nan­cei­ros e ener­gia. “Se en­ten­di bem, Trump viu is­so de ma­nei­ra po­si­ti­va. Mas is­so pode ter mu­da­do. Não sei, por­que eu não acom­pa­nho o Twit­ter a to­do mi­nu­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.