Em­pre­sas já so­frem re­ta­li­a­ção nos EUA e na China

Valor Econômico - - INTERNACIONAL -

As em­pre­sas ame­ri­ca­nas estão proi­bi­das de ven­der com­po­nen­tes pa­ra a chi­ne­sa ZTE por se­te anos, anun­ci­ou on­tem o De­par­ta­men­to de Co­mér­cio dos EUA. A me­di­da ilus­tra mais um ca­so de re­ta­li­a­ção de go­ver­no con­tra em­pre­sa na dis­pu­ta co­mer­ci­al en­tre EUA e China

A ZTE, mai­or fa­bri­can­te de equi­pa­men­tos de te­le­co­mu­ni­ca­ção chi­ne­sa, é acu­sa­da de des­cum­prir um acor­do com au­to­ri­da­des dos EUA num ca­so de vi­o­la­ção de san­ções con­tra Irã e Co­reia do Nor­te.

A ação dos EUA pode ter gra­ves con­sequên­ci­as pa­ra a ZTE, já que as com­pa­nhi­as ame­ri­ca­nas for­ne­cem de 25% a 30% dos com­po­nen­tes usa­dos nos seus pro­du­tos, in­cluin­do smartpho­nes e equi­pa­men­tos de re­de de te­le­co­mu­ni­ca­ções.

A me­di­da ele­va a ten­são econô­mi­ca en­tre Washing­ton e Pe­quim, em meio a ame­a­ças mú­tu­as de im­por so­bre­ta­xas no va­lor US$ 150 bi­lhões no co­mér­cio bi­la­te­ral.

Fun­ci­o­ná­ri­os do De­par­ta­men­to do Co­mér­cio dis­se­ram que a me­di­da con­tra a ZTE não tem re­la­ção com a dis­pu­ta co­mer­ci­al com a China. Dis­se­ram que as vi­o­la­ções da ZTE co­me­ça­ram a ser in­ves­ti­ga­das no go­ver­no Oba­ma. Mas es­pe­ci­a­lis­tas em co­mér­cio ve­em a me­di­da co­mo par­te do cres­cen­te sen­ti­men­to an­ti-China não só nos EUA, mas tam­bém do Rei­no Uni­do, Alemanha, Aus­trá­lia e Ca­na­dá.

On­tem, o Rei­no Uni­do proi­biu com­pa­nhi­as bri­tâ­ni­cas de fa­ze­rem ne­gó­ci­os com a ZTE, ci­tan­do pre­o­cu­pa­ções com se­gu­ran­ça na­ci­o­nal.

Se­gun­do o De­par­ta­men­to do Co­mér­cio, a ZTE des­cum­priu acor­do fir­ma­do em 2017 pa­ra en­cer­rar uma ação no qual foi acu­sa­da de ven­der ile­gal­men­te equi­pa­men­tos — com com­po­nen­tes dos EUA — pa­ra Irã e Co­reia do Nor­te. No acor­do, a ZTE se de­cla­rou cul­pa­da das acu­sa­ções de vi­o­la­ção e pa­gou uma mul­ta de US$ 1,2 bi­lhão. Mas in­ves­ti­ga­do­res dis­se­ram que a em­pre­sa men­tiu so­bre a im­ple­men­ta­ção de ações dis­ci­pli­na­res con­tra fun­ci­o­ná­ri­os en­vol­vi­dos no es­que­ma e tam­bém du­ran­te as ne­go­ci­a­ções com as au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas.

“Es­se com­por­ta­men­to es­can­da­lo­so não pode ser ig­no­ra­do”, dis­se o se­cre­tá­rio de Co­mér­cio dos EUA, Wil­bur Ross, em no­ta.

Em meio ao am­bi­en­te ca­da vez mais ad­ver­so, Pe­quim tam­bém pa­re­ce es­tar mi­ran­do em­pre­sas ame­ri­ca­nas, ao atra­sar a re­vi­são de um acor­do de bi­lhões de dó­la­res de aqui­si­ção en­vol­ven­do as ame­ri­ca­na Qu­al­comm e Bain Ca­pi­tal.

O atra­so na apro­va­ção pe­lo ór­gão re­gu­la­dor chi­nês pode aca­bar anu­lan­do a com­pra da fir­ma de se­mi­con­du­to­res ho­lan­de­sa NXP pe­la Qu­al­comm. O ne­gó­cio de US$ 44 bi­lhões é con­si­de­ra­do crí­ti­co pa­ra o fu­tu­ro da Qu­al­comm.

A China é o úni­co país que ain­da não apro­vou o acor­do Qu­al­commNXP, as­sim co­mo a ven­da da uni­da­de de chips da Toshi­ba pa­ra um con­sór­cio li­de­ra­do pe­la Bain Ca­pi­tal, um ne­gó­cio de US$ 19 bi­lhões. A China tem de apro­var es­ses acor­dos, as­sim co­mo fi­ze­ram ou­tros vá­ri­os paí­ses on­de as com­pa­nhi­as en­vol­vi­das pos­su­em for­te atu­a­ção.

Pa­ra ana­lis­tas, é pou­co pro­vá­vel que a apro­va­ção des­ses acor­dos avan­ce em meio a cres­cen­te ame­a­ça de guer­ra co­mer­ci­al.

“O pro­ces­so de re­vi­são [pe­lo go­ver­no chi­nês] ba­si­ca­men­te es­tá pa­ra­do por cau­sa da ten­são co­mer­ci­al”, dis­se um exe­cu­ti­vo da Toshi­ba. “Tí­nha­mos me­do dis­so.”

Blo­que­ar es­ses acor­dos se­ria uma mo­e­da de tro­ca que a China pode usar pa­ra evi­tar que os EUA pros­si­gam com seus pla­nos de im­por so­bre­ta­xas em até US$ 150 bi­lhões em pro­du­tos chi­ne­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.