Dez en­tra­ves ao sa­ne­a­men­to

Gru­pos acham que sa­ne­a­men­to é obra. Sa­ne­a­men­to não é obra; é ser­vi­ço com in­ves­ti­men­to. Por Yves Bes­se

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Fa­la-se mui­to e há mui­to tem­po do sa­ne­a­men­to, dos seus en­tra­ves e das su­as so­lu­ções, mas pou­cos re­sul­ta­dos apa­re­cem. Tem al­go er­ra­do, sem dú­vi­da. O er­ro co­me­ça pe­lo des­co­nhe­ci­men­to dos pro­ble­mas e, con­se­quen­te­men­te, a apli­ca­ção de so­lu­ções ina­de­qua­das.

O prin­ci­pal pro­ble­ma é a fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca. Es­ta­mos fa­lan­do de ser­vi­ço pú­bli­co, que de­pen­de de von­ta­de po­lí­ti­ca. Há um des­co­nhe­ci­men­to mui­to gran­de dos nos­sos ges­to­res pú­bli­cos e dos nos­sos po­lí­ti­cos so­bre o que é re­al­men­te o sa­ne­a­men­to. O sa­ne­a­men­to é mui­to di­fe­ren­te dos ou­tros ser­vi­ços de in­fra­es­tru­tu­ra. Ele é mui­to mais so­ci­al do que uma es­tra­da, um ae­ro­por­to, por­que ele afe­ta a vi­da. Por es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca, ele aca­ba sen­do uti­li­za­do po­li­ti­ca­men­te em de­tri­men­to de­le mes­mo.

Ou­tro pro­ble­ma é a he­ran­ça mal­di­ta do Pla­na­sa (Pla­no Na­ci­o­nal de Sa­ne­a­men­to), ins­ti­tuí­do em 1969. Um gran­de pla­no que trou­xe avan­ços nas dé­ca­das de 70 e 80, du­ran­te o pe­río­do da di­ta­tu­ra mi­li­tar. Ho­je, em ple­na de­mo­cra­cia, cer­ca de 70% do nos­so sa­ne­a­men­to bá­si­co ain­da vi­vem na di­ta­du­ra mi­li­tar, na qual as com­pa­nhi­as de sa­ne­a­men­to fa­zem o que que­rem, man­dam nos go­ver­na­do­res, nos pre­fei­tos e em cer­tos ca­sos até no go­ver­no fe­de­ral. Não re­co­nhe­cem a le­gi­ti­mi­da­de da ti­tu­la­ri­da­de mu­ni­ci­pal e não res­pei­tam as di­re­tri­zes do no­vo mar­co re­gu­la­tó­rio de 2007. Não pla­ne­jam, não que­rem ser re­gu­la­dos, não que­rem a re­gu­la­ri­za­ção dos seus con­tra­tos, não bus­cam a sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca e fi­nan­cei­ra com efi­ci­ên­cia e não estão pre­o­cu­pa­dos com a uni­ver­sa­li­za­ção dos ser­vi­ços sob sua res­pon­sa­bi­li­da­de.

Um ter­cei­ro pro­ble­ma é a fal­ta de me­mó­ria e apren­di­za­do. Há 20 anos, o go­ver­no fe­de­ral im­ple­men­tou um pro­gra­ma de re­ne­go­ci­a­ção de dí­vi­da com os Es­ta­dos, co­lo­can­do a pri­va­ti­za­ção da Cesb co­mo con­tra­par­ti­da pa­ra ade­são a es­se pro­gra­ma. Ho­je, o mes­mo pro­gra­ma foi re­to­ma­do com os mes­mos ob­je­ti­vos de re­ne­go­ci­a­ção de dí­vi­da en­tre es­ta­dos e go­ver­no fe­de­ral, com o uso do mes­mo BNDES pa­ra mo­de­li­zar es­sa pri­va­ti­za­ção. Não so­men­te não ava­li­a­ram os re­sul­ta­dos de 20 anos atrás pa­ra re­lan­çar o pro­gra­ma co­mo estão co­me­ten­do os mes­mos er­ros que le­va­ram ao fra­cas­so an­te­ri­or.

O quar­to pro­ble­ma é a fa­lá­cia da fal­ta de re­cur­sos pa­ra in­ves­tir em sa­ne­a­men­to. O Bra­sil é um dos pou­cos paí­ses do mun­do com re­cur­sos pa­ra in­ves­tir em sa­ne­a­men­to. Es­ses re­cur­sos pro­vem na sua mai­o­ria do FGTS e são ex­clu­si­vos pa­ra sa­ne­a­men­to e ha­bi­ta­ção. To­dos os anos bi­lhões de re­ais são dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo FGTS ao sa­ne­a­men­to, que usa me­nos da me­ta­de e o res­tan­te é sis­te­ma­ti­ca­men­te re­a­lo­ca­do pa­ra o pró­xi­mo ano.

Um quin­to pro­ble­ma é a vi­são dis­tor­ci­da so­bre ta­ri­fas e sub­sí­di­os. A ta­ri­fa é o prin­ci­pal re­cur­so que o sa­ne­a­men­to pos­sui pa­ra in­ves­tir. Pa­ra is­so, devem ser jus­tas, ade­qua­das e trans­pa­ren­tes, e os ser­vi­ços devem ser pres­ta­dos com sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca e fi­nan­cei­ra pa­ra vi­a­bi­li­zar seus in­ves­ti­men­tos. Da mes­ma for­ma, os sub­sí­di­os devem ser di­re­tos e di­re­ci­o­na­dos pa­ra quem os ne­ces­si­ta. Po­rém, o nos­so sa­ne­a­men­to tra­ba­lha com ta­ri­fas de­ma­gó­gi­cas uti­li­za­das pa­ra fa­zer po­lí­ti­ca e sem sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

O sex­to pro­ble­ma é o des­co­nhe­ci­men­to, cons­ci­en­te ou não, das mo­de­la­gens e dos re­sul­ta­dos da par­ti­ci­pa­ção do se­tor pri­va­do co­mo pres­ta­dor dos ser­vi­ços. Di­zem que a pri­va­ti­za­ção ge­ra de­sem­pre­go, au­men­to de ta­ri­fa, lu­cro abu­si­vo e cor­rup­ção. Di­zem que as em­pre­sas pri­va­das fo­cam nas ci­da­des mai­o­res, mais ri­cas e com po­pu­la­ção com si­tu­a­ção só­cio-econô­mi­ca mais ele­va­da. Mas a re­a­li­da­de mos­tra que é o con­trá­rio: os ope­ra­do­res pri­va­dos ge­ram em­pre­gos ao in­ves­ti­rem, subs­ti­tu­em ta­ri­fas de­ma­gó­gi­cas por ta­ri­fas jus­tas e ade­qua­das, têm lu­cro re­gu­la­do e eli­mi­nam a cor­rup­ção con­cen­tra­das nas es­ta­tais.

O sé­ti­mo pro­ble­ma é uma vi­são dis­tor­ci­da do pró­prio se­tor pri­va­do so­bre sa­ne­a­men­to. Mui­tos gru­pos pri­va­dos acham que sa­ne­a­men­to é obra, até por uma de­man­da dos ges­to­res pú­bli­cos e dos po­lí­ti­cos por obras elei­to­rei­ras. Sa­ne­a­men­to não é obra; é ser­vi­ço com in­ves­ti­men­to. Sa­ne­a­men­to é vi­são de lon­go pra­zo, obra é de cur­to. Qu­an­to mai­or for o in­ves­ti­men­to e me­nor for a res­pec­ti­va obra, mais efi­ci­en­te se­rá o ser­vi­ço pa­ra a po­pu­la­ção.

O oi­ta­vo pro­ble­ma é achar que água e es­go­to são as mes­mas coi­sas que re­sí­du­os e águas plu­vi­ais, até por­que o ter­mo sa­ne­a­men­to no Bra­sil re­fe­re-se a es­ses qua­tro ser­vi­ços. Vi­mos em­pre­sas de re­sí­du­os en­tran­do na ati­vi­da­de de água e es­go­to. Aca­bam de­sen­vol­ven­do so­lu­ções ina­de­qua­das e ob­ten­do re­sul­ta­dos de­cep­ci­o­nan­tes.

O no­no pro­ble­ma es­tá li­ga­do a um mer­ca­do fi­nan­cei­ro que des­co­nhe­ce o se­tor de sa­ne­a­men­to e vi­ce-ver­sa. O tem­po e a ren­ta­bi­li­da­de do mer­ca­do fi­nan­cei­ro não são con­di­zen­tes com o tem­po e o re­tor­no da ati­vi­da­de de sa­ne­a­men­to de lon­go pra­zo com ren­ta­bi­li­da­de re­gu­la­da. As fer­ra­men­tas fi­nan­cei­ras, se­jam de ca­pi­tal ou de dí­vi­das, devem es­tar ade­qua­das às ne­ces­si­da­des do sa­ne­a­men­to, as­sim co­mo as em­pre­sas de sa­ne­a­men­to devem cons­truir mo­de­los de ne­gó­ci­os que se­jam com­pre­en­di­dos e acei­tos pe­lo mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

O dé­ci­mo pro­ble­ma é a con­fu­são que se faz en­tre ser­vi­ços pú­bli­cos de água e es­go­to e a gestão dos re­cur­sos hí­dri­cos. São te­mas in­ter­li­ga­dos e com­ple­men­ta­res, mas são de go­ver­nan­ça e gestão re­gi­das por leis di­fe­ren­tes. O pri­mei­ro, pe­la Lei de sa­ne­a­men­to 11.445/ 2007, que de­fi­ne ba­si­ca­men­te três pon­tos pa­ra os ser­vi­ços pú­bli­cos de água e es­go­to: pla­ne­ja­men­to, re­gu­la­ção e re­gu­la­ri­za­ção. O se­gun­do, pe­la Lei 9433/1997, que pro­mo­ve os con­cei­tos de usuá­ri­os e po­lui­do­res pa­ga­do­res a par­tir da cri­a­ção de ba­ci­as hi­dro­grá­fi­cas e su­as res­pec­ti­vas agên­ci­as.

E, fi­nal­men­te, não po­de­mos es­que­cer da in­di­fe­ren­ça so­bre os pro­ble­mas de sa­ne­a­men­to. A so­ci­e­da­de con­vi­ve com a fal­ta de sa­ne­a­men­to de ma­nei­ra pas­si­va e aco­mo­da­da com os cons­tran­gi­men­tos a que é sub­me­ti­da no seu dia a dia, co­mo o mal chei­ro e a su­jei­ra das ci­da­des, as po­lui­ções dos ri­os, la­gos e baías, as do­en­ças e a mor­ta­li­da­de in­fan­til, além do des­res­pei­to dos seus di­rei­tos hu­ma­nos e de ci­da­dãos.

Te­mos de ter cons­ci­ên­cia des­sa re­a­li­da­de e co­me­çar­mos a exi­gir mu­dan­ça de pos­tu­ra dos po­lí­ti­cos, o res­pei­to do mar­co re­gu­la­tó­rio por to­das as em­pre­sas, se­jam elas pú­bli­cas ou pri­va­das, o com­ba­te a fal­sos dog­mas de que fal­ta di­nhei­ro, por exem­plo, o fim do uso das ta­ri­fas de­ma­gó­gi­cas e uma efi­ci­en­te go­ver­nan­ça e gestão das nos­sas águas.

To­dos os anos bi­lhões de re­ais são dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo FGTS ao sa­ne­a­men­to, que usa me­nos da me­ta­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.