Tes­te fis­cal em 2018

Valor Econômico - - OPINIÃO - Ma­ria Cla­ra R. M. do Pra­do

Com pers­pec­ti­vas re­la­ti­va­men­te fa­vo­rá­veis no cam­po in­ter­na­ci­o­nal e des­fa­vo­rá­veis no ce­ná­rio in­ter­no, o com­por­ta­men­to das con­tas fis­cais de 2018 fun­ci­o­na­rá co­mo um gran­de tes­te pa­ra o go­ver­no fe­de­ral. Pri­mei­ro ano de cum­pri­men­to pa­ra va­ler das me­tas pre­vis­tas na emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal n 95, do te­to dos gas­tos, o re­sul­ta­do fis­cal con­ti­nua na de­pen­dên­cia de fa­to­res es­pe­cí­fi­cos, co­mo o com­por­ta­men­to das re­cei­tas não re­cor­ren­tes e as mudanças que even­tu­al­men­te ve­nham a ser efe­tu­a­das na pre­vi­dên­cia so­ci­al.

Qual­quer ex­pan­são da eco­no­mia aju­da­rá, sem dú­vi­da, os re­sul­ta­dos das con­tas pú­bli­cas. A pre­vi­são de que o PIB ve­nha a cres­cer en­tre 2,5% e 2,8% até de­zem­bro apon­ta, se con­fir­ma­da, pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de au­men­to na ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria, de­pois de dois anos de pro­fun­da re­tra­ção (me­nos 3,5% de evo­lu­ção do PIB em 2015 e o mes­mo ní­vel ne­ga­ti­vo em 2016) e de um ano de es­tag­na­ção (mais 0,5% em 2014).

A ri­gor, da­da a re­gra do te­to dos gas­tos, que fi­cou atre­la­da ao com­por­ta­men­to da in­fla­ção do ano an­te­ri­or e não ao com­por­ta­men­to do PIB, o ní­vel do cres­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra pas­sou a ser o in­di­ca­dor mais de­ter­mi­nan­te pa­ra vi­a­bi­li­zar o en­qua­dra­men­to do se­tor pú­bli­co na emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal 2016. Ou se­ja, a evo­lu­ção das re­cei­tas de um de­ter­mi­na­do ano tem de es­tar mi­ni­ma­men­te aci­ma do fa­tor de cor­re­ção dos gas­tos.

Con­si­de­ran­do-se que 2018 é um ano es­pe­ci­al­men­te atí­pi­co, pode-se pre­ver que o ce­ná­rio elei­to­ral im­pre­vi­sí­vel a pou­co me­nos de cin­co me­ses das elei­ções ten­da a im­pac­tar des­fa­vo­ra­vel­men­te os gas­tos do se­tor pú­bli­co. Pres­sões so­bre o fun­do que fi­nan­cia as des­pe­sas das cam­pa­nhas elei­to­rais, queda de bra­ço de par­la­men­ta­res ávi­dos por di­nhei­ro pa­ra obras em seus re­du­tos po­lí­ti­cos e plei­tos re­cor­ren­tes dos po­de­res le­gis­la­ti­vo e ju­di­ciá­rio em prol de au­men­tos sa­la­ri­ais e ver­bas pa­ra gas­tos com ou­tros be­ne­fí­ci­os são, to­dos, fon­tes de es­tres­se que in­flu­en­ci­am as con­tas do la­do das des­pe­sas.

Do la­do da re­cei­ta, as dú­vi­das qu­an­to ao no­me mais viá­vel do fu­tu­ro pre­si­den­te — den­tre tan­tos que sa­em das car­to­las es­pe­cu­la­ti­vas pra­ti­ca­men­te to­dos os di­as — fun­ci­o­nam co­mo ele­men­to cru­ci­al na de­fi­ni­ção da ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria. Qu­an­to mais tem­po per­du­ra­rem as in­cer­te­zas, mais os in­ves­go­ver­no ti­do­res do se­tor pri­va­do se sen­ti­rão pro­pen­sos a pos­ter­gar to­ma­das de decisão. Apos­tar no es­cu­ro pode ter con­sequên­ci­as dra­má­ti­cas mes­mo pa­ra um jo­ga­dor ex­pe­ri­en­te de pô­quer.

O ano de elei­ções aju­da a in­flu­en­ci­ar tam­bém ne­ga­ti­va­men­te a pers­pec­ti­va das re­cei­tas não re­cor­ren­tes, co­mo é o ca­so da ven­da de ati­vos da Ele­tro­bras que po­de­ria ren­der aos co­fres do go­ver­no es­te ano cer­ca de R$ 12 bi­lhões. Há po­si­ções con­trá­ri­as no Con­gres­so Na­ci­o­nal, exi­gin­do do Exe­cu­ti­vo for­te po­der de con­ven­ci­men­to jun­to aos par­la­men­ta­res.

con­ta mais pe­sa­da de to­das, a da pre­vi­dên­cia so­ci­al, pa­re­ce ca­da vez mais lon­ge da­qui­lo que se­ria o ajus­te pre­ten­di­do de iní­cio pe­lo go­ver­no Te­mer. Com pe­so de 50% nas des­pe­sas pri­má­ri­as do go­ver­no cen­tral (Te­sou­ro Na­ci­o­nal, INSS e Ban­co Cen­tral), a pre­vi­dên­cia ten­de a man­ter-se co­mo o vi­lão das con­tas pú­bli­cas até que o pró­xi­mo pre­si­den­te da re­pú­bli­ca con­si­ga do­brar a re­sis­tên­cia à re­for­ma tan­to no Con­gres­so qu­an­to na so­ci­e­da­de em ge­ral.

Va­le lem­brar que a pre­vi­dên­cia res­pon­deu pe­lo equi­va­len­te a 2,78% do PIB en­tre as ru­bri­cas do cen­tral con­si­de­ra­das pa­ra o cál­cu­lo do dé­fi­cit pri­má­rio (não en­glo­ba os gas­tos com os ju­ros da dí­vi­da pú­bli­ca) que so­mou, no total, 1,7% do PIB no fi­nal do ano pas­sa­do.

A des­pe­sa dis­pa­ra­da­men­te mais ele­va­da, po­rém, con­ti­nua jus­ta­men­te com a con­ta dos ju­ros. A des­pei­to da queda da ta­xa Se­lic ao lon­go dos úl­ti­mos dois anos e da re­du­ção da in­fla­ção, os ju­ros pa­gos pe­lo go­ver­no fe­de­ral na ro­la­gem da sua dí­vi­da em 2017 re­pre­sen­ta­ram mais de 80% do total do dé­fi­cit do se­tor pú­bli­co em ter­mos no­mi­nais. Ou se­ja, no dé­fi­cit no­mi­nal ain­da ex­tre­ma­men­te ele­va­do de 7,8% do PIB con­ta­bi­li­za­do no fi­nal do ano pas­sa­do, os ju­ros res­pon­de­ram por 6,11% do PIB. Não é sur­pre­sa que o en­di­vi­da­men­to do se­tor pú­bli­co (sem in­cluir o Ban­co Cen­tral e as es­ta­tais) con­ti­nue au­men­tan­do: pas­sou de 70% do PIB em 2016 pa­ra 74% do PIB no ano pas­sa­do.

Em re­su­mo, quan­do se olha pa­ra os nú­me­ros fis­cais o que se vê é uma li­gei­ra me­lho­ria com re­la­ção a 2016, mas mui­ta in­cer­te­za em 2018. Pa­ra 2019, nem bo­la de cris­tal aju­da­ria em qual­quer pre­vi­são jus­ta­men­te pe­las sé­ri­as dú­vi­das com re­la­ção às elei­ções.

No cam­po in­ter­na­ci­o­nal, a ma­lu­qui­ce que se atri­bui ao pre­si­den­te Do­nald Trump no ru­mo do in­ter­ven­ci­o­nis­mo econô­mi­co pode be­ne­fi­ci­ar o Bra­sil se o país con­se­guir man­ter-se fo­ra da lis­ta dos que pas­sa­rão a ter su­as com­mo­di­ti­es for­te­men­te tri­bu­ta­das nas imA por­ta­ções por par­te dos Es­ta­dos Uni­dos. Mi­né­rio de ferro e so­ja po­dem ren­der for­tes im­pul­sos à ba­lan­ça co­mer­ci­al, au­men­tan­do a en­tra­da de di­vi­sas e man­ten­do sob con­tro­le o com­por­ta­men­to da ta­xa de câm­bio do re­al fa­ce ao dó­lar.

A pers­pec­ti­va de um ce­ná­rio ex­ter­no re­la­ti­va­men­te fa­vo­rá­vel ao Bra­sil vai de­pen­der tam­bém do im­pac­to que os mo­vi­men­tos no xa­drez da po­lí­ti­ca es­tra­té­gi­ca in­ter­na­ci­o­nal te­nham so­bre o dó­lar. Is­so ex­tra­po­la qual­quer ti­po de in­ge­rên­cia na­ci­o­nal, ob­vi­a­men­te. De­pen­de de co­mo se­rão en­ca­mi­nha­das ques­tões re­la­ci­o­na­das à Sí­ria, à Co­reia do Nor­te e, prin­ci­pal­men­te, à ex­pan­são econô­mi­ca e fí­si­ca da China no Ori­en­te e no Su­des­te asiá­ti­co.

Não dei­xa de ser sin­to­má­ti­co o fa­to dos Es­ta­dos Uni­dos te­rem an­co­ra­do re­cen­te­men­te um por­ta-aviões no por­to de Da­nang, no cen­tro do Vi­et­nã. Pró­xi­mo do ani­ver­sá­rio de 43 anos da queda de Sai­gon (atu­al Ho Chi Mi­nh) que co­lo­cou fim à guer­ra da­que­le país, es­tá cla­ro que o ini­mi­go dos Es­ta­dos Uni­dos dei­xou de ser uma ide­o­lo­gia. O embate americano com a China não de­ve ser des­pre­za­do e nem des­con­si­de­ra­do nos prog­nós­ti­cos pa­ra o fu­tu­ro da eco­no­mia bra­si­lei­ra.

Qu­an­to mais tem­po per­du­ra­rem as in­cer­te­zas, mais os in­ves­ti­do­res vão pos­ter­gar sua decisão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.