A trin­da­de im­pos­sí­vel de Trump

Além das me­di­das fis­cais, há uma re­tó­ri­ca agres­si­va nas ques­tões co­mer­ci­ais. Por Alexandre Bas­so­li

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Após um iní­cio he­si­tan­te, o go­ver­no Trump avan­çou nos úl­ti­mos me­ses na im­ple­men­ta­ção de su­as prin­ci­pais pro­pos­tas de cam­pa­nha. Es­tá em cur­so uma mu­dan­ça im­por­tan­te da po­lí­ti­ca fis­cal, en­vol­ven­do tan­to o sis­te­ma tri­bu­tá­rio co­mo a tra­je­tó­ria dos gas­tos. Ao mes­mo tem­po, no pe­río­do mais re­cen­te a re­tó­ri­ca pro­te­ci­o­nis­ta tem se tor­na­do mais agres­si­va.

No cam­po fis­cal, a re­for­ma tri­bu­tá­ria apro­va­da em de­zem­bro úl­ti­mo im­pli­ca uma re­du­ção de car­ga em ter­mos agre­ga­dos, e es­sa re­du­ção ad­vém em par­te da di­mi­nui­ção das alí­quo­tas de im­pos­to cor­po­ra­ti­vo de 35% pa­ra 21%. Ape­nas nes­te ano, as mudanças tri­bu­tá­ri­as le­va­ram o CBO (Con­gres­si­o­nal Bud­get Of­fi­ce) a re­du­zir a es­ti­ma­ti­va de ar­re­ca­da­ção em US$ 194 bi­lhões (1% do PIB), e o efei­to acu­mu­la­do nos pró­xi­mos 10 anos de­ve ser da or­dem de US$ 1 tri­lhão.

Em adi­ção a is­to, o acor­do or­ça­men­tá­rio apro­va­do no Con­gres­so em fe­ve­rei­ro im­pli­ca uma tra­je­tó­ria de cres­ci­men­to mais ace­le­ra­do do dis­pên­dio. Em com­pa­ra­ção às es­ti­ma­ti­vas an­te­ri­o­res do CBO, es­se acor­do im­pli­cou uma am­pli­a­ção de gas­tos de US$ 82 bi­lhões, US$ 136 bi­lhões e US$ 48 bi­lhões em 2018, 2019 e 2020 res­pec­ti­va­men­te. So­man­do-se os efei­tos da re­for­ma tri­bu­tá­ria e da am­pli­a­ção de gas­tos, a con­sequên­cia é inequí­vo­ca: o dé­fi­cit pú­bli­co vai cres­cer mais ace­le­ra­da­men­te. Após al­can­çar um ní­vel mí­ni­mo no pe­río­do re­cen­te de 2,5% do PIB em 2015, o dé­fi­cit atu­al­men­te en­con­tra-se em 3,5%, e as no­vas pro­je­ções do CBO in­di­cam que de­ve ca­mi­nhar pa­ra per­to de 4,2% nes­te ano e al­go mais pró­xi­mo a 5% no ano que vem.

Em pa­ra­le­lo às me­di­das fis­cais, co­mo dis­se­mos, há uma re­tó­ri­ca mais agres­si­va em re­la­ção a ques­tões co­mer­ci­ais. É ain­da in­cer­to o que re­sul­ta­rá da re­ne­go­ci­a­ção em cur­so do Naf­ta (North Ame­ri­can Free Tra­de Agre­e­ment). O mais pro­vá­vel é que se evi­te sua ex­tin­ção, mas há uma ne­go­ci­a­ção ain­da com­ple­xa pe­la fren­te, en­vol­ven­do re­gras de ori­gem, me­ca­nis­mos de re­so­lu­ção de con­tro­vér­si­as e a in­ten­ção ame­ri­ca­na de cri­ar a cha­ma­da Sun­set Clau­se, que per­mi­ti­ria a ex­tin­ção uni­la­te­ral do Tra­ta­do a ca­da cin­co anos, o que cri­a­ria gran­de im­pre­vi­si­bi­li­da­de.

Em pa­ra­le­lo a es­sa ne­go­ci­a­ção, há a si­na­li­za­ção da im­po­si­ção de ta­ri­fas prin­ci­pal­men­te nas im­por­ta­ções ad­vin­das da China. O ca­mi­nho tem si­do bas­tan­te rui­do­so, por ve­zes com re­cu­os par­ci­ais em re­la­ção às me­di­das ini­ci­al­men­te anun­ci­a­das. Mas uma coi­sa é cla­ra: Trump vê o dé­fi­cit co­mer­ci­al, que atin­ge US$ 590 bi­lhões nos úl­ti­mos 12 me­ses, co­mo si­nal de re­la­ções co­mer­ci­ais ne­fas­tas aos in­te­res­ses do país. Co­mo o dé­fi­cit com a China é o mai­or, US$ 386 bi­lhões, o fo­co do go­ver­no americano tem se vol­ta­do pa­ra es­se país.

Há, po­rém, uma in­con­sis­tên­cia fun­da­men­tal nos ob­je­ti­vos da po­lí­ti­ca ma­cro­e­conô­mi­ca ame­ri­ca­na. A am­pli­a­ção do dé­fi­cit pú­bli­co re­pre­sen­ta uma di­mi­nui­ção da pou­pan­ça do­més­ti­ca: par­te da pou­pan­ça pri­va­da pre­ci­sa­rá ser usa­da pa­ra a fi­nan­ci­ar o se­tor pú­bli­co, que des­pou­pa­rá de ma­nei­ra ca­da vez mais in­ten­sa nes­te e nos pró­xi­mos anos. Ao mes­mo tem­po, a re­du­ção de tri­bu­ta­ção so­bre os lu­cros re­pre­sen­ta um es­tí­mu­lo à am­pli­a­ção do in­ves­ti­men­to. Ocor­re que, por uma ques­tão con­tá­bil, pou­pan­ça e in­ves­ti­men­to devem sem­pre se igua­lar. Is­to sig­ni­fi­ca que, pa­ra com­pa­ti­bi­li­zar o au­men­to do in­ves­ti­men­to e a queda da pou­pan­ça do­més­ti­ca, é pre­ci­so ab­sor­ver mais pou­pan­ça ex­ter­na. Is­to equi­va­le a uma am­pli­a­ção do dé­fi­cit em con­ta cor­ren­te que, no ca­so americano, de­ve se dar jus­ta­men­te atra­vés do au­men­to do dé­fi­cit co­mer­ci­al que Trump bus­ca re­du­zir.

Nou­tros ter­mos, há uma in­con­sis­tên­cia en­tre a am­pli­a­ção do dé­fi­cit pú­bli­co e os ob­je­ti­vos de si­mul­ta­ne­a­men­te re­du­zir o dé­fi­cit co­mer­ci­al e am­pli­ar o in­ves­ti­men­to. Sal­vo por uma me­lho­ra dos ter­mos de tro­ca, e su­pon­do que as di­re­tri­zes fis­cais se cum­pram, se­rá pos­sí­vel al­can­çar ape­nas um des­ses dois ob­je­ti­vos. No ho­ri­zon­te dos pró­xi­mos tri­mes­tres, as in­di­ca­ções são de que o in­ves­ti­men­to de fa­to de­ve se am­pli­ar, em um con­tex­to de me­nor tri­bu­ta­ção so­bre os lu­cros, con­di­ções fi­nan­cei­ras ain­da fa­vo­rá­veis, pre­ços de pe­tró­leo mais al­tos e ní­veis bas­tan­te ele­va­dos de utilização de ca­pa­ci­da­de em di­ver­sos se­to­res.

Se es­te for o ca­so, de­ve­mos ter dé­fi­cits co­mer­ci­ais cres­cen­tes, co­mo aliás tem si­do o ca­so no pe­río­do re­cen­te: des­de a pos­se de Trump ele sal­tou de US$ 504 bi­lhões pa­ra US$ 590 bi­lhões.

As mudanças ta­ri­fá­ri­as anun­ci­a­das até ago­ra têm efei­tos bas­tan­te mo­des­tos em ter­mos ma­cro­e­conô­mi­cos. Po­rém, à me­di­da que os dé­fi­cits co­mer­ci­ais se am­pli­em, há um ris­co de o go­ver­no americano res­pon­der com uma in­ten­si­fi­ca­ção das me­di­das pro­te­ci­o­nis­tas. Mes­mo con­si­de­ran­do as ine­vi­tá­veis re­ta­li­a­ções, é con­ce­bí­vel um ce­ná­rio em que tais me­di­das fi­nal­men­te es­tan­quem a am­pli­a­ção do dé­fi­cit co­mer­ci­al, mas is­so exi­gi­rá uma re­ver­são do cres­ci­men­to do in­ves­ti­men­to. Is­so pode se dar sim­ples­men­te por­que o in­ter­ven­ci­o­nis­mo nas po­lí­ti­cas co­mer­ci­ais cria um am­bi­en­te de mai­or in­cer­te­za, o que por si le­va­ria a um mai­or con­ser­va­do­ris­mo dos agen­tes pri­va­dos. Ou pode ser que o mai­or pro­te­ci­o­nis­mo afe­te as pers­pec­ti­vas pa­ra a in­fla­ção, e nes­se ca­so o Fed te­rá que res­pon­der ele­van­do mais for­te­men­te as ta­xas de ju­ros, de­pri­min­do as­sim o in­ves­ti­men­to.

No cur­to pra­zo, o es­tí­mu­lo fis­cal ain­da ten­de a ge­rar al­gu­ma ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to, em­bo­ra es­ses efei­tos se­jam bas­tan­te li­mi­ta­dos em uma eco­no­mia já mui­to pró­xi­ma do ple­no em­pre­go, co­mo é cla­ra­men­te o ca­so americano atu­al. O Fed já in­di­ca em su­as pro­je­ções que te­rá que res­pon­der ao mai­or ex­pan­si­o­nis­mo fis­cal com ta­xas de ju­ros mais al­tas, pos­si­vel­men­te le­van­do a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria ao cam­po con­tra­ci­o­nis­ta em 2020. Alon­gan­do-se o ho­ri­zon­te, a in­con­sis­tên­cia da po­lí­ti­ca ma­cro­e­conô­mi­ca pode ge­rar uma he­ran­ça pe­sa­da, na qual uma dí­vi­da pú­bli­ca mui­ta al­ta e cres­cen­te pode se so­mar a uma es­ca­la­da pro­te­ci­o­nis­ta, ge­ran­do um am­bi­en­te ne­fas­to ao cres­ci­men­to de lon­go pra­zo.

Alon­gan­do o ho­ri­zon­te, a in­con­sis­tên­cia da po­lí­ti­ca ma­cro­e­conô­mi­ca pode ge­rar uma he­ran­ça pe­sa­da, na qual uma dí­vi­da pú­bli­ca mui­ta al­ta e cres­cen­te pode se so­mar a uma es­ca­la­da pro­te­ci­o­nis­ta, ge­ran­do um am­bi­en­te ne­fas­to ao cres­ci­men­to de lon­go pra­zo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.