Bolsa es­tu­dan­til e rei­tor mo­bi­li­zam mais que Lu­la em fe­de­ral no ABC

Uni­ver­si­da­de cri­a­da no re­du­to pe­tis­ta tem de­ba­tes po­la­ri­za­dos e te­me per­der au­to­no­mia

Valor Econômico - - ESPECIAL - Li­gia Gui­ma­rães

No cam­pus da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do ABC (UFABC), a me­nos de 10 km do Sindicato dos Me­ta­lúr­gi­cos do ABC, de­fen­der a li­ber­da­de do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va não é a pri­o­ri­da­de na agenda de mo­bi­li­za­ções da po­lí­ti­ca es­tu­dan­til.

Em­bo­ra mui­tos dos alu­nos que es­tu­dam no cam­pus se­jam con­trá­ri­os à pri­são do pe­tis­ta, que no dia 7 de abril co­me­çou a cum­prir a pena de 12 anos e 1 mês de pri­são em re­gi­me fe­cha­do pe­los cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro, as as­sem­blei­as e ma­ni­fes­ta­ções de po­lí­ti­ca es­tu­dan­til or­ga­ni­za­das des­de en­tão pri­o­ri­za­ram te­mas co­mo o pa­ga­men­to das bol­sas de au­xí­lio es­tu­dan­til pa­ra es­tu­dan­tes de bai­xa ren­da e a no­me­a­ção de um rei­tor pa­ra a UFABC, atra­sa­da há me­ses em um im­pas­se com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

“É pre­ci­so se­pa­rar bem os even­tos”, ex­pli­ca Pi­e­tro Par­ron­chi, 33 anos, es­tu­dan­te de eco­no­mia na UFABC des­de 2015, mem­bro do Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio e um dos alu­nos que a re­por­ta­gem en­con­trou na uni­ver­si­da­de no pri­mei­ro dia le­ti­vo após a pri­são do ex-pre­si­den­te.

Em­bo­ra ele e vá­ri­os co­le­gas te­nham ido até o sindicato no fim de se­ma­na pa­ra apoi­ar Lu­la e par­ti­ci­par dos atos que reu­ni­ram mi­lha­res de pes­so­as em de­fe­sa do pe­tis­ta, Par­ron­chi faz ques­tão de ex­pli­car que a si­tu­a­ção de Lu­la na­da ti­nha a ver com a pau­ta da as­sem­bleia que se­ria or­ga­ni­za­da na se­ma­na pas­sa­da pe­lo Di­re­tó­rio Cen­tral dos Es­tu­dan­tes (DCE).

No dia 6 de abril, um dia an­tes da pri­são do ex-pre­si­den­te, a ad­mi­nis­tra­ção da uni­ver­si­da­de en­vi­ou um e-mail aos alu­nos bol­sis­tas avi­san­do que a ver­ba do MEC pa­ra o pa­ga­men­to dos au­xí­li­os es­tu­dan­tis, co­mo a bolsa per­ma­nên­cia, de R$ 400 men­sais — des­ti­na­da a alu­nos co­tis­tas em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al e que ocor­re tra­di­ci­o­nal­men­te até o quin­to dia útil do mês — ain­da não ha­via si­do de­po­si­ta­da.

Em­bo­ra o pa­ga­men­to te­nha ocor­ri­do no dia 10, a fal­ta de ex­pli­ca­ções so­bre o atra­so foi su­fi­ci­en­te pa­ra as­sus­tar quem de­pen­de dos au­xí­li­os pa­ra con­ti­nu­ar os es­tu­dos. Des­de a sua cri­a­ção, em 2005, 50% das va­gas da UFABC são re­ser­va­das a alu­nos de bai­xa ren­da. Há tam­bém va­gas des­ti­na­das a es­tu­dan­tes pre­tos, par­dos, ín­di­os e, mais re­cen­te­men­te, re­fu­gi­a­dos. “É a pri­mei­ra vez que a gen­te vê um co­mu­ni­ca­do des­se e o atra­so de uma ver­ba que já era pa­ra ter si­do en­tre­gue”, diz Par­ron­chi.

De 2015 pa­ra 2016, o va­lor con­ce­di­do em bol­sas de au­xí­lio es­tu­dan­til na UFABC caiu 12%, de R$ 8,5 mi­lhões pa­ra R$ 7,5 mi­lhões. En­quan­to as ver­bas caíam, o nú­me­ro de alu­nos ma­tri­cu­la­dos con­ti­nu­ou a au­men­tar. Eram 10.250 em 2015 e são 13.829 em 2018. “Pa­ra 2018, mes­mo com or­ça­men­to 22% me­nor em re­la­ção ao re­ce­bi­do em 2013, a UFABC es­pe­ra man­ter o quan­ti­ta­ti­vo de bol­sas as­sis­ten­ci­ais con­ce­di­das em 2017”, diz a ins­ti­tui­ção.

Na ata da as­sem­bleia es­tu­dan­til do dia 11, o atra­so nas bol­sas e na no­me­a­ção do rei­tor eram as úni­cas pau­tas. “Mui­tos alu­nos de­pen­dem do au­xí­lio es­tu­dan­til pa­ra vi­ver”, ex­pli­ca Raí Ne­res, 35 anos, es­tu­dan­te do cur­so de pla­ne­ja­men­to ter­ri­to­ri­al na UFABC des­de 2014. Fi­lho de ce­a­ren­ses que mo­ram no con­jun­to Cohab-2, em Ita­que­ra, Raí ar­gu­men­ta que a fal­ta de bol­sas, na vi­são de­le, in­vi­a­bi­li­za­ria a con­ti­nui­da­de das au­las.

O es­tu­dan­te, pa­ra quem as po­lí­ti­cas de in­clu­são so­ci­al do go­ver­no Lu­la abri­ram opor­tu­ni­da­des que até en­tão eram re­ser­va­das à eli­te, pas­sou o fim de se­ma­na nos pro­tes­tos no sindicato dos me­ta­lúr­gi­cos. “Cho­rei o fim de se­ma­na in­tei­ro”, la­men­ta.

Sa­ra Lo­re­na, 20 anos e pre­si­den­te do DCE, pre­ci­sou de es­for­ço pa­ra con­ci­li­ar a agenda dos atos em apoio a Lu­la com a pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção ao atra­so no pa­ga­men­to da bolsa per­ma­nên­cia. Ela de­pen­de do di­nhei­ro pa­ra de­di­car-se aos anos ini­ci­ais do ba­cha­re­la­do em ci­ên­ci­as hu­ma­nas e aos cui­da­dos com a mãe, que tem pro­ble­mas de saú­de.

Na sex­ta-fei­ra que an­te­ce­deu a pri­são de Lu­la, ela su­biu ao pa­lan­que no sindicato pa­ra fa­lar so­bre co­mo a con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca po­de­ria afe­tar a vi­da dos es­tu­dan­tes da UFABC. “Nun­ca é fá­cil fa­lar pa­ra tan­tas pes­so­as”, diz a lí­der es­tu­dan­til, que con­ta que na mes­ma sex­ta-fei­ra reu­niu o DCE no sindicato pa­ra de­ba­ter o fu­tu­ro.

Pen­sa­da pa­ra “fa­zer jus­ti­ça ao que o ABC re­pre­sen­ta pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país”, nas pa­la­vras do pró­prio Lu­la, a UFABC aten­deu a uma de­man­da an­ti­ga da re­gião. Até en­tão, 65% dos cer­ca de 77 mil es­tu­dan­tes no en­si­no su­pe­ri­or no Gran­de ABC es­ta­vam em ins­ti­tui­ções pri­va­das. O pró­prio ex-pre­si­den­te inau­gu­rou o cam­pus de San­to An­dré, o mai­or de­les, em 2008 — tem­pos em que a eco­no­mia cres­cia 5,1% ao ano e a apro­va­ção de Lu­la ba­tia os 70%. De 2003 a 2011, no Pro­gra­ma de Apoio a Pla­nos de Re­es­tru­tu­ra­ção e Ex­pan­são das Uni­ver­si­da­des Fe­de­rais (Reu­ni), o nú­me­ro de ci­da­des aten­di­das por uni­ver­si­da­des fe­de­rais su­biu de 114 pa­ra 237.

A cri­se econô­mi­ca atin­giu a UFABC a par­tir de 2015, quan­do a uni­ver­si­da­de es­ta­va em fa­se de ex­pan­são. De 2014 pa­ra 2015, no se­gun­do man­da­to do go­ver­no Dil­ma Rous­seff, os in­ves­ti­men­tos caí­ram pe­la me­ta­de, de R$ 85 mi­lhões pa­ra R$ 40,7 mi­lhões. Em 2017, na gestão do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, min­gua­ram a R$ 27,9 mi­lhões, tom­bo de 67% em re­la­ção ao ní­vel pré-cri­se. As ver­bas pa­ra cus­teio tam­bém caí­ram, de R$ 58 mi­lhões em 2015 pa­ra R$ 48,3 mi­lhões em 2018.

“Quan­do eu era ca­lou­ro ha­via mui­tas obras em an­da­men­to, li­ci­ta­ção pa­ra com­prar equi­pa­men­tos no­vos”, con­ta Alexandre Oli­vi­er, 24 anos e alu­no de en­ge­nha­ria de ma­te­ri­ais des­de 2013, no cam­pus de San­to An­dré, que diz que ho­je fal­tam equi­pa­men­tos. Ou­tra lem­bran­ça dos tem­pos de ex­pan­são da UFABC é a for­te par­ti­ci­pa­ção dos alu­nos no pro­gra­ma Ci­ên­ci­as sem Fron­tei­ras (CSF), en­cer­ra­do ofi­ci­al­men­te em abril de 2017, mas que te­ve o úl­ti­mo edi­tal em 2014, se­gun­do o MEC.

“Vá­ri­as pes­so­as que en­tra­ram co­mi­go fi­ze­ram o Ci­ên­cia Sem fron­tei­ras”, diz Alexandre, que pla­ne­ja­va par­ti­ci­par do pro­gra­ma nos anos fi­nais da gra­du­a­ção, mas não te­ve tem­po. Em 2015, au­ge do pro­gra­ma, a UFABC che­gou a ter 855 alu­nos no ex­te­ri­or; em 2017, úl­ti­mo ano do CSF, eram ape­nas 8.

Na lis­ta de pri­o­ri­da­des da mo­bi­li­za­ção es­tu­dan­til, a se­gun­da pre­o­cu­pa­ção é o te­mor de que a tur­bu­lên­cia da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal in­ter­fi­ra na au­to­no­mia da uni­ver­si­da­de. Em mar­ço, a co­mis­são de gra­du­a­ção da UFABC pu­bli­cou mo­ção pú­bli­ca de pre­o­cu­pa­ção com a de­mo­ra no pro­ces­so de no­me­a­ção do rei­tor Dá­cio Matheus, que foi elei­to no fim de 2017 “após am­plo de­ba­te jun­to à co­mu­ni­da­de”, con­for­me des­ta­ca a co­mis­são. Ale­gan­do fa­lhas bu­ro­crá­ti­cas no pro­ces­so elei­to­ral, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção es­ten­deu por tem­po in­de­ter­mi­na­do a gestão do an­te­ces­sor, Klaus Ca­pel­le.

“Se­gui­mos os pro­ce­di­men­tos pre­vis­tos nas elei­ções an­te­ri­o­res. Ex­ce­to que os con­se­lhei­ros quan­do vo­ta­ram, não vo­ta­ram só no Dá­cio, mas na cha­pa to­da, tam­bém no vi­ce. E se­gun­do a ins­tru­ção nor­ma­ti­va do MEC is­so não po­dia”, ex­pli­ca o pro­fes­sor de po­lí­ti­cas pú­bli­cas da UFABC e ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Vi­tor Mar­chet­ti, que diz que o atra­so não pa­ra­li­sa a ro­ti­na aca­dê­mi­ca, mas ge­ra in­cer­te­za e afli­ção so­bre pos­sí­vel que­bra da au­to­no­mia da uni­ver­si­da­de .

“As fa­lhas no pro­ces­so fo­ram cor­ri­gi­das em fe­ve­rei­ro, mas a no­me­a­ção até ago­ra não saiu”, diz Par­ron­chi, mem­bro do Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio que re­a­li­zou a elei­ção. Ou­tro pon­to crí­ti­co, na vi­são dos alu­nos, é que o MEC te­ria con­vi­da­do a cha­pa der­ro­ta­da pa­ra uma reu­nião em Bra­sí­lia, no dia 27 de mar­ço, mas de­sis­tiu do en­con­tro de­pois que o con­vi­te re­per­cu­tiu ne­ga­ti­va­men­te. Pro­cu­ra­do pe­lo Va­lor, o MEC ne­ga o con­vi­te à cha­pa der­ro­ta­da e diz que o no­me do rei­tor elei­to já foi en­ca­mi­nha­do pa­ra a Ca­sa Ci­vil, mas não pre­vê quan­do a no­me­a­ção se­rá re­sol­vi­da.

Na se­ma­na que vem, uma no­va as­sem­bleia de­ci­di­rá co­mo agi­rão alu­nos, pro­fes­so­res e téc­ni­cos pa­ra co­brar a no­me­a­ção do rei­tor, vis­ta co­mo es­sen­ci­al pa­ra ga­ran­tir que os pro­je­tos da uni­ver­si­da­de não fi­quem es­tag­na­dos. Na se­ma­na pas­sa­da, pro­fes­so­res re­a­li­za­ram pa­ra­li­sa­ção de um dia. Par­ron­chi diz que os pró­xi­mos en­con­tros se­rão de­ci­si­vos. “Se a ques­tão do rei­tor não for re­sol­vi­da, po­de­re­mos en­trar em gre­ve.”

En­ga­na-se quem pen­sa que a UFABC é um re­du­to unâ­ni­me de apoio a Lu­la. Mes­mo no cam­pus de São Ber­nar­do, que con­cen­tra os cur­sos de ci­ên­ci­as hu­ma­nas e é apon­ta­do co­mo a mai­or con­cen­tra­ção “de es­quer­da” da uni­ver­si­da­de, as pou­cas fai­xas e car­ta­zes co­la­das na pa­re­de na pri­mei­ra se­gun­da-fei­ra após a pri­são de Lu­la tra­zi­am os di­ze­res “Ma­ri­el­le Pre­sen­te!”, em re­fe­rên­cia à ve­re­a­do­ra bru­tal­men­te as­sas­si­na­da em mar­ço.

Nas re­des so­ci­ais da UFABC, on­de o embate é mais acir­ra­do, a pu­ni­ção ao ex-pre­si­den­te foi la­men­ta­da, mas tam­bém mui­to co­me­mo­ra­da, se­gun­do o pro­fes­sor Vi­tor Mar­chet­ti. “En­tre os gru­pos que se ma­ni­fes­tam pu­bli­ca­men­te, apa­re­cem mais vo­zes de es­quer­da. Mas não sig­ni­fi­ca que a di­rei­ta não es­te­ja se mo­bi­li­zan­do”, diz Mar­chet­ti, que ci­ta co­mo exem­plo o gru­po de pro­fes­so­res que se au­toin­ti­tu­lou “Uni­ver­si­da­de Li­vre”. Em 2016, o gru­po ge­rou con­tro­vér­sia no cam­pus ao pro­mo­ver pa­les­tra com li­de­ran­ças do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre (MBL): o ve­re­a­dor Fer­nan­do Ho­li­day (DEMSP), e Kim Ka­ta­gui­ri, que já foi alu­no da UFABC.

Raí Ne­res, re­pre­sen­tan­te dos co­le­ti­vos ne­gro e LGBT da uni­ver­si­da­de, diz que a co­mu­ni­da­de lo­cal já re­gis­tra ma­ni­fes­ta­ções que se iden­ti­fi­cam co­mo con­ser­va­do­ras ou de ex­tre­ma-di­rei­ta. “Quan­do co­lo­ca­mos pla­cas nos ba­nhei­ros pla­cas si­na­li­zan­do a li­be­ra­ção do uso pa­ra as tra­ves­tis e as tran­se­xu­ais, hou­ve pes­so­as que ar­ran­ca­ram as pla­cas e pos­ta­ram crí­ti­cas no Fa­ce­bo­ok”, diz.

Ro­ber­to Ve­ne­ge­ro­les Nas­ci­men­to, pro­fes­sor do cen­tro de ma­te­má­ti­ca e um dos fun­da­do­res do “Uni­ver­si­da­de Li­vre”, re­jei­ta o ró­tu­lo de “gru­po de di­rei­ta”, e diz que o ob­je­ti­vo dos pro­fes­so­res em le­var o MBL à UFABC foi ape­nas mo­vi­men­tar o am­bi­en­te ide­o­ló­gi­co da uni­ver­si­da­de, que era mui­to “ho­mo­gê­neo e for­te­men­te to­ma­do por uma po­si­ção es­quer­dis­ta”, na sua vi­são.

“Qui­se­mos só tes­tar até que pon­to a uni­ver­si­da­de es­ta­va dis­pos­ta a de­ba­ter”, afir­ma o pro­fes­sor que diz que, no total, o gru­po de pro­fes­so­res pro­mo­veu seis pa­les­tras na uni­ver­si­da­de, a mai­or par­te so­bre te­mas mais téc­ni­cos e me­nos “in­fla­ma­dos” que a pa­les­tra do MBL, co­mo con­tas pú­bli­cas e fe­de­ra­lis­mo.

O pró­prio Nas­ci­men­to se quei­xa de ata­ques nas re­des so­ci­ais; faz ques­tão de des­ta­car que não tem re­la­ção al­gu­ma com uma pá­gi­na qua­se homô­ni­ma ao seu pro­je­to, cha­ma­da de “UFABC Li­vre”, cri­a­da no Fa­ce­bo­ok pa­ra es­pa­lhar men­sa­gens de ódio e ge­rar con­fu­são a res­pei­to do tra­ba­lho do gru­po de pro­fes­so­res, que ele de­fi­ne co­mo “mo­de­ra­dos” e sem ne­nhu­ma in­ten­ção par­ti­dá­ria.

“Atri­buí­ram a nós pu­bli­ca­ções des­sa pá­gi­na pa­ra nos atin­gir”, quei­xa-se. “É que em um am­bi­en­te for­te­men­te to­ma­do por uma po­si­ção es­quer­dis­ta, co­mo são es­pe­ci­al­men­te os cur­sos de hu­ma­ni­da­des, qual­quer coi­sa que não se­ja es­quer­da é apon­ta­do co­mo ex­tre­ma di­rei­ta”, diz Nas­ci­men­to.

No cam­pus de San­to An­dré, Alexandre Oli­vi­er e o alu­no de en­ge­nha­ria de gestão e ae­ro­es­pa­ci­al Jo­sé Vic­tor Fer­rei­ra, 20 anos, di­zem que evi­ta­ram re­per­cu­tir a pri­são de Lu­la en­tre co­le­gas e pro­fes­so­res. “O de­ba­te se po­la­ri­zou bas­tan­te”, diz Oli­vi­er que, as­sim co­mo o co­le­ga, se de­fi­ne no es­pec­tro po­lí­ti­co co­mo “li­be­ral de es­quer­da”. Ne­nhum dos dois par­ti­ci­pou dos atos em de­fe­sa de Lu­la no ABC.

“Só con­ver­so so­bre te­mas co­mo a pri­são de Lu­la e o cor­te de ver­bas com pes­so­as bem pró­xi­mas , diz Alexandre. Os dois con­tam que já se ha­bi­tu­a­ram e nem os in­co­mo­da mais ou­vir de fa­mi­li­a­res e ami­gos o ape­li­do de alu­nos da “UniLu­la”, co­mo a UFABC já foi cha­ma­da por al­guns crí­ti­cos.

Caio Ram­paz­zo, 21 anos e es­tu­dan­te de po­lí­ti­cas pú­bli­cas no cam­pus de São Ber­nar­do, te­me que a in­cer­te­za po­lí­ti­ca na uni­ver­si­da­de atra­pa­lhe seus es­tu­dos e o da ir­mã, que es­tu­da na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Pe­lo­tas. “Se na­da mu­dar da­qui a um tem­po vou ter que sair da uni­ver­si­da­de, é fa­to”, diz. “Eu nun­ca pe­di bolsa, mas meus pais per­de­ram o em­pre­go e ago­ra aju­da­ria mui­to. Meus pais estão ten­tan­do o má­xi­mo pos­sí­vel.”

ANA PAULA PAIVA/VA­LOR

A pre­si­den­te do DCE, Sa­ra Lo­re­na, 20: se­ma­na te­ve dis­cur­so no pa­lan­que no ABC e pre­o­cu­pa­ção so­bre bol­sas atra­sa­das

ANA PAULA PAIVA/VA­LOR

Re­ces­são atin­giu a UFABC (cam­pus de San­to An­dré) ain­da em fa­se de de­sen­vol­vi­men­to: in­ves­ti­men­to caiu de R$ 85 mi­lhões em 2014 pa­ra R$ 27,9 mi­lhões em 2017

ANA PAULA PAIVA/VA­LOR

Em San­to An­dré, Jo­sé Vic­tor e Alexandre evi­tam “ba­te-bo­ca” com co­le­gas

ANA PAULA PAIVA/VA­LOR

Pi­e­tro e Raí apoi­am Lu­la, mas fu­tu­ro dos alu­nos de bai­xa ren­da é pri­o­ri­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.