Dow vê re­to­ma­da dos ne­gó­ci­os no país e pro­põe pla­no in­dus­tri­al

Pa­ra com­pa­nhia ame­ri­ca­na, o Bra­sil de­ve agre­gar va­lor a seus re­cur­sos na­tu­rais

Valor Econômico - - EMPRESAS - Stel­la Fon­tes e Ivo Ri­bei­ro

De al­gu­ma ma­nei­ra pre­sen­te em 95% do que é pro­du­zi­do no país, a Dow Che­mi­cal, que se jun­tou à DuPont na mai­or em­pre­sa quí­mi­ca do mun­do, a DowDu­pont, já per­ce­be a re­to­ma­da dos ne­gó­ci­os no Bra­sil. De­pois de dois anos e meio de cres­ci­men­to tí­mi­do, por cau­sa da cri­se, a com­pa­nhia ame­ri­ca­na tra­ba­lha com ex­pec­ta­ti­va de ex­pan­são de dois dí­gi­tos em 2018.

Mas a mul­ti­na­ci­o­nal faz um aler­ta: o Bra­sil pre­ci­sa olhar pa­ra os gar­ga­los e es­ti­mu­lar a adi­ção de va­lor a seus re­cur­sos na­tu­rais, sob o ris­co de con­ti­nu­ar per­den­do in­ves­ti­men­tos pa­ra ou­tras re­giões. “Há o país que é car­tão ver­me­lho e o país que é ta­pe­te ver­me­lho. É as­sim que a Dow vê”, diz o pre­si­den­te da com­pa­nhia pa­ra o Bra­sil e a Amé­ri­ca La­ti­na, Fa­bi­an Gil.

Pa­ra se apro­xi­mar da­que­les que es­ten­dem o ta­pe­te pa­ra no­vos in­ves­ti­men­tos, ava­lia a cor­po­ra­ção, o país de­ve apro­vei­tar o mo­men­to de re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca e dis­cu­tir uma po­lí­ti­ca que es­ti­mu­le o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel (e sus­ten­ta­do) da in­dús­tria de trans­for­ma­ção. Ener­gia a pre­ços com­pe­ti­ti­vos é fa­tor-cha­ve no de­ba­te.

Com vis­tas a fo­men­tar es­sa dis­cus­são, a Dow reu­niu al­gu­mas su­ges­tões de di­re­tri­zes no que cha­mou de Pla­no de Ma­nu­fa­tu­ra Avan­ça­da (PMA), que da­ri­am su­por­te ao de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria bra­si­lei­ra. Na Amé­ri­ca La­ti­na, pro­pos­ta si­mi­lar já foi apre­sen­ta­da aos go­ver­nos da Ar­gen­ti­na, Mé­xi­co e Colôm­bia.

Nos Es­ta­dos Uni­dos, o PMA foi de­ba­ti­da com o ex-pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma. Em seu go­ver­no, a in­dús­tria quí­mi­ca ame­ri­ca­na re­nas­ceu a par­tir da ex­plo­ra­ção do gás de xis­to e da po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vo à in­dus­tri­a­li­za­ção den­tro do ter­ri­tó­rio americano. “Não tem na­da a ver com aju­da, sub­sí­dio. O melhor que o Es­ta­do pode fa­zer é ti­rar as tra­vas, dei­xar acon­te­cer”, diz Gil, que co­man­da a ope­ra­ção la­ti­no-ame­ri­ca­na a par­tir do es­cri­tó­rio da Dow na zo­na sul de São Paulo.

Por en­quan­to, o PMA tem si­do dis­cu­ti­do no país no âm­bi­to das as­so­ci­a­ções, co­mo a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Quí­mi­ca (Abi­quim), que es­tá for­te­men­te en­ga­ja­da em con­ver­sas com o go­ver­no fe­de­ral pa­ra ga­ran­tir que par­te do gás do pré-sal se­ja usa­do co­mo ma­té­ria-pri­ma pe­lo se­tor. Du­as gran­des pre­o­cu­pa­ções são o ta­ma­nho do dé­fi­cit co­mer­ci­al, de mais de US$ 23 bi­lhões no ano pas­sa­do, e o avan­ço dos pro­du­tos quí­mi­cos im­por­ta­dos no mer­ca­do do­més­ti­co. Em 2017, 38% da de­man­da foi su­pri­da por im­por­ta­ções.

A ideia da Dow é che­gar ao to­po do Exe­cu­ti­vo. “Es­se é um as­sun­to de Es­ta­do e não de go­ver­no”, afir­ma Gil, ao ser ques­ti­o­na­do so­bre a pro­xi­mi­da­de das elei­ções pre­si­den­ci­ais. Na in­tro­du­ção, o do­cu­men­to apon­ta que a com­pa­nhia “es­tá con­ven­ci­da do gran­de po­ten­ci­al do país e con­fi­an­te de que sua ex­pe­ri­ên­cia nos mer­ca­dos lo­cal e glo­bal é fun­da­men­tal pa­ra ofe­re­cer so­lu­ções re­a­lis­tas pa­ra os prin­ci­pais fa­to­res res­pon­sá­veis pe­lo de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co”.

Do pon­to de vis­ta da Dow, o fa­tor de­sen­ca­de­a­dor do de­sen­vol­vi­men­to é a ener­gia. Di­an­te dis­so, há pro­pos­tas re­la­ci­o­na­das à pro­mo­ção de me­di­das de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de hi­dro­car­bo­ne­tos — a com­pa­nhia apoia, por exem­plo, um po­ten­ci­al acor­do bi­la­te­ral en­tre Bra­sil e Ar­gen­ti­na pa­ra im­por­ta­ção do gás na­tu­ral do cam­po de Va­ca Mu­er­ta, no país vi­zi­nho —, in­cen­ti­vo fi­nan­cei­ro e tri­bu­tá­rio pa­ra tec­no­lo­gi­as de ener­gia lim­pa, en­tre ou­tros.

“A Dow acre­di­ta que o Bra­sil não de­ve per­der a chan­ce de apro­vei­tar a opor­tu­ni­da­de de re­po­si­ci­o­nar seus re­cur­sos e apro­vei­tar ao má­xi­mo os efei­tos po­si­ti­vos que es­se mo­vi­men­to tra­ria pa­ra a eco­no­mia total. É im­pres­cin­dí­vel, ten­do is­so vis­ta, que o país atin­ja um ní­vel de ati­vi­da­de econô­mi­ca ca­paz de sus­ten­tar a al­ta de­man­da por pro­du­tos in­dus­tri­ais, o que de­pen­de de uma po­lí­ti­ca fis­cal e ma­cro­e­conô­mi­ca res­pon­sá­vel e vol­ta­da ao cres­ci­men­to”, diz a mul­ti­na­ci­o­nal no do­cu­men­to.

Nos úl­ti­mos se­te anos, a com­pa­nhia ame­ri­ca­na in­ves­tiu R$ 3 bi­lhões no país, uma mé­dia de R$ 430 mi­lhões por ano. Nes­te mo­men­to, tem em cur­so três no­vos pro­je­tos. Um de­les é a mo­der­ni­za­ção do com­ple­xo in­dus­tri­al de Ara­tu (BA), o úni­co a pro­du­zir óxi­do de pro­pe­no e pro­pi­le­no gli­col na Amé­ri­ca La­ti­na, par­te da ca­deia do po­liu­re­ta­no (sua es­pu­ma é usa­da em col­chões e iso­lan­tes tér­mi­cos, por exem­plo).

Com qua­tro dé­ca­das de ope­ra­ção, o com­ple­xo é tam­bém um dos mai­o­res pro­du­to­res de clo­ro e so­da cáus­ti­ca do país. De acor­do com Gil, o pro­je­to de­ve se es­ten­der por mais três ou qua­tro anos.

Além dis­so, vai inau­gu­rar em ju­nho, em São Paulo, um cen­tro di­gi­tal pa­ra aten­der seus cli­en­tes de to­da a Amé­ri­ca La­ti­na, com vis­tas ao de­sen­vol­vi­men­to de no­vas tec­no­lo­gi­as. E até o fim do ano, vai trans­for­mar o la­bo­ra­tó­rio de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to de Jun­di­aí (SP) em cen­tro pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.

“Os dois úl­ti­mos anos fo­ram di­fí­ceis”, re­co­nhe­ce o exe­cu­ti­vo. A re­cu­pe­ra­ção de se­to­res co­mo au­to­mo­ti­vo e de li­nha bran­ca, com­bi­na­da à ma­nu­ten­ção do vi­gor na área de em­ba­la­gens, de­ve per­mi­tir o cres­ci­men­to de dois dí­gi­tos das ven­das nes­te ano.

SILVIA ZAMBONI/VA­LOR

Fa­bi­an Gil: há país que é car­tão ver­me­lho e o que é ta­pe­te ver­me­lho. É as­sim que a Dow vê. Bra­sil es­tá mais per­to do ta­pe­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.