Dro­ga da Merck de­ve mu­dar com­ba­te ao cân­cer de pul­mão

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Far­ma­cêu­ti­ca Da­vid Crow

A imu­no­te­ra­pia de­ve­rá tor­nar-se o tra­ta­men­to pa­drão pa­ra a gran­de mai­o­ria dos pa­ci­en­tes com cân­cer de pul­mão, de­pois de um tes­te clí­ni­co do la­bo­ra­tó­rio far­ma­cêu­ti­co Merck & Co. ter mos­tra­do que um de seus no­vos me­di­ca­men­tos adi­ci­o­na­do à qui­mi­o­te­ra­pia aumenta as chan­ces de so­bre­vi­vên­cia.

Di­fe­ren­te­men­te dos re­mé­di­os tra­di­ci­o­nais con­tra o cân­cer, a imu­no­te­ra­pia tra­ba­lha en­co­ra­jan­do o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co do cor­po a ata­car os tu­mo­res. É am­pla­men­te ce­le­bra­da por on­co­lo­gis­tas co­mo um dos mai­o­res avan­ços em dé­ca­das.

Al­guns pa­ci­en­tes re­cém-di­ag­nos­ti­ca­dos com cân­cer de pul­mão já re­ce­bem um no­vo ti­po de tra­ta­men­to imu­no­ló­gi­co co­nhe­ci­do co­mo “ini­bi­dor de check­point” quan­do seus tu­mo­res têm al­tos ní­veis de uma pro­teí­na co­nhe­ci­da co­mo PDL1. O tra­ta­men­to pa­drão pa­ra a mai­o­ria, no en­tan­to, ain­da é a qui­mi­o­te­ra­pia.

Is­so pa­re­ce des­ti­na­do a mu­dar de­pois da pu­bli­ca­ção de um gran­de tes­te clí­ni­co, já em sua úl­ti­ma fa­se, di­vul­ga­do on­tem em Chi­ca­go, no en­con­tro anu­al da As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Pes­qui­sa do Cân­cer.

O es­tu­do mos­trou que a com­bi­na­ção de qui­mi­o­te­ra­pia com o ini­bi­dor de check­point da Merck au­men­tou de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va o ín­di­ce de so­bre­vi­vên­cia dos pa­ci­en­tes com o ti­po mais co­mum da do­en­ça, co­nhe­ci­do co­mo cân­cer de cé­lu­las de pul­mão não pe­que­nas e não es­ca­mo­sas (NSCLC, na si­gla em in­glês).

Pa­ci­en­tes que re­ce­be­ram o ini­bi­dor de check­point Key­tru­da e tam­bém fo­ram tra­ta­dos com qui­mi­o­te­ra­pia ti­ve­ram chan­ce 51% me­nor de mor­rer du­ran­te o pe­río­do do tes­te em com­pa­ra­ção aos que fi­ze­ram ape­nas qui­mi­o­te­ra­pia, se­gun­do o es­tu­do, fei­to com 616 par­ti­ci­pan­tes.

“Es­ses da­dos clí­ni­cos ago­ra su­ge­rem es­sa com­bi­na­ção co­mo o no­vo pa­drão de as­sis­tên­cia mé­di­ca pa­ra o tra­ta­men­to de pri­mei­ra li­nha pa­ra es­ses [...] pa­ci­en­tes”, dis­se a dou­to­ra Le­e­na Gandhi, on­co­lo­gis­ta no NYU Lan­go­ne Me­di­cal Cen­ter, que co­man­dou o es­tu­do.

O dou­tor Ro­ger Perl­mut­ter, ci­en­tis­ta-che­fe da Merck, dis­se que os re­sul­ta­dos “inequí­vo­cos” ex­ce­de­ram a ex­pec­ta­ti­va da em­pre­sa. “Co­mo tra­ta­men­to de pri­mei­ra li­nha, es­te é melhor do que qual­quer ou­tro que co­nhe­ça­mos”, acres­cen­tou.

A com­bi­na­ção de tra­ta­men­tos, con­tu­do, ain­da su­jei­tou os pa­ci­en­tes aos efei­tos co­la­te­rais de­bi­li­tan­tes e, al­gu­mas ve­zes, po­ten­ci­al­men­te le­tais, as­so­ci­a­dos à qui­mi­o­te­ra­pia.

As con­clu­sões sig­ni­fi­cam que, a par­tir de ago­ra, a mai­o­ria dos pa­ci­en­tes com cân­cer de pul­mão por tra­tar vai re­ce­ber imu­no­te­ra­pia co­mo tra­ta­men­to pa­drão. A dú­vi­da, en­tão, se­ria de­ci­dir se tam­bém vão re­ce­ber qui­mi­o­te­ra­pia co­mo se­gun­do tra­ta­men­to — ou se po­dem ser pou­pa­dos to­tal­men­te de seu des­gas­te.

Os pa­ci­en­tes com ní­veis mai­o­res de pro­teí­na PDL1 — que ten­dem a res­pon­der mui­to bem à imu­no­te­ra­pia — po­de­ri­am ser ca­pa­zes de evi­tar a qui­mi­o­te­ra­pia, es­pe­ci­al­men­te quan­do são mais ido­sos ou estão fra­gi­li­za­dos, se­gun­do o dou­tor Perl­mut­ter.

“Mui­to dis­so tem a ver com o es­ta­do de saú­de do in­di­ví­duo”, acres­cen­tou. “É uma decisão mui­to per­so­na­li­za­da, mas o fa­to de que se ve­ja uma di­fe­ren­ça tão dra­má­ti­ca quan­do há a com­bi­na­ção [de tra­ta­men­tos] acho que vai fa­zer com que as pes­so­as fi­quem an­si­o­sas por usá-la.”

O re­cen­te tes­te con­so­li­da a po­si­ção da Merck co­mo lí­der na cor­ri­da por lan­çar tra­ta­men­tos imu­no­ló­gi­cos pa­ra pa­ci­en­tes com cân­cer de pul­mão, cu­jo mer­ca­do é vis­to co­mo sen­do o mais lu­cra­ti­vo, em vis­ta do gran­de nú­me­ro de afe­ta­dos: 1,8 mi­lhão de pes­so­as são di­ag­nos­ti­ca­das com NSCLC por ano no mun­do, sen­do mais de 200 mil nos Es­ta­dos Uni­dos.

Os ini­bi­do­res de check­point, que re­mo­vem frei­os do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co pa­ra que es­te pos­sa com­ba­ter o cân­cer, fo­ram cri­a­dos pe­la Bris­tol-Myers Squibb, As­traZe­ne­ca e vá­ri­os ou­tros la­bo­ra­tó­ri­os far­ma­cêu­ti­cos.

Já fo­ram apro­va­dos pa­ra tra­tar vá­ri­os ti­pos de cân­cer, in­cluin­do os de pe­le, be­xi­ga e rim. Ana­lis­tas pre­ve­em que es­se ti­po de me­di­ca­men­to vai ge­rar ven­das su­pe­ri­o­res a US$ 34 bi­lhões em seu pi­co, em 2022.

O tes­te da Merck com o me­di­ca­men­to tam­bém ser­ve de in­cen­ti­vo à te­o­ria de que a com­bi­na­ção en­tre imu­no­te­ra­pia e ou­tros tra­ta­men­tos pode au­men­tar o nú­me­ro de pa­ci­en­tes que re­a­gem po­si­ti­va­men­te.

Um da­do im­por­tan­te é que mes­mo pa­ci­en­tes com bai­xos ní­veis de pro­teí­na PDL1 - que nor­mal­men­te não re­a­gem à imu­no­te­ra­pia - se be­ne­fi­ci­a­ram da com­bi­na­ção de dro­gas. En­tre es­ses pa­ci­en­tes, a chan­ce de mor­te di­mi­nuiu 41% em com­pa­ra­ção ao que ha­vi­am si­do tra­ta­dos ape­nas com qui­mi­o­te­ra­pia.

A te­o­ria da com­bi­na­ção de tra­ta­men­tos ha­via so­fri­do um gran­de gol­pe nas úl­ti­mas se­ma­nas, de­pois de um gran­de tes­te de um me­di­ca­men­to da Merck com­bi­na­do a ou­tro do gru­po de bi­o­tec­no­lo­gia Incy­te não ter exi­bi­do bons re­sul­ta­dos.

A Bris­tol-Myers Squibb tam­bém ha­via pu­bli­ca­do um es­tu­do mos­tran­do que a com­bi­na­ção de du­as de su­as imu­no­te­ra­pi­as am­pli­ou o tem­po em que um sub­gru­po de pa­ci­en­tes com cân­cer de pul­mão fi­cou sem pi­o­ras em sua do­en­ça.

Os pa­ci­en­tes cu­jo cân­cer te­ve mui­tas mu­ta­ções ge­né­ti­cas e que to­ma­ram os dois re­mé­di­os da Bris­tol-Myers Squibb fi­ca­ram 7,2 me­ses sem que o cân­cer cres­ces­se. Os que ape­nas fo­ram tra­ta­dos com qui­mi­o­te­ra­pia fi­ca­ram 5,5 me­ses.

Não es­tá cla­ro, no en­tan­to, se os on­co­lo­gis­tas e os pa­ci­en­tes vão es­co­lher a com­bi­na­ção da Bris­tol-Myers Squibb ago­ra que a Merck con­se­guiu um im­pac­to tão gran­de nos ín­di­ces ge­rais de so­bre­vi­vên­cia, ao com­bi­nar a imu­no­te­ra­pia e a qui­mi­o­te­ra­pia.

Uma aná­li­se ini­ci­al do es­tu­do da Bris­tol-Myers Squibb, ain­da não con­cluí­do, in­di­cou que o sub­gru­po de pa­ci­en­tes com um al­to grau de mu­ta­ção nos tu­mo­res te­ve chan­ce 21% me­nor de mor­rer du­ran­te o tes­te do que os tra­ta­dos ape­nas qui­mi­o­te­ra­pia.

No tes­te da Merck, a re­du­ção das chan­ces de mor­te, de 51%, le­vou em con­ta to­dos os pa­ci­en­tes com cân­cer de pul­mão.

Ana­lis­tas pre­ve­em que es­se ti­po de me­di­ca­men­to vai ge­rar ven­das su­pe­ri­o­res a US$ 34 bi­lhões em 2022

ANA PAULA PAIVA/VA­LOR

Sil­va, pre­si­den­te, já ti­nha aler­ta­do em mar­ço que a tro­ca da fa­mí­lia de ja­tos po­de­ria pro­vo­car de­sa­ce­le­ra­ção nas en­tre­gas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.