Usi­mi­nas pla­ne­ja no­va re­for­ma de al­to-for­no em MG

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Si­de­rur­gia Re­na­to Ros­tás

A Usi­mi­nas rei­nau­gu­ra ho­je o al­to-for­no 1 de Ipa­tin­ga (MG), mas já dis­cu­te o que fa­zer com o al­to-for­no 3 da uni­da­de. A com­pa­nhia co­me­çou a pla­ne­jar o mo­de­lo de re­for­ma do equi­pa­men­to — que pro­duz ferro-gu­sa com mi­né­rio de ferro e car­vão me­ta­lúr­gi­co —, mas ain­da não há con­sen­so no al­to es­ca­lão.

O al­to-for­no é o mai­or do gru­po, com ca­pa­ci­da­de de 2,4 mi­lhões de to­ne­la­das por ano, mas mui­tas ve­zes che­gou a fun­ci­o­nar aci­ma des­se pa­ta­mar. Atu­al­men­te, no en­tan­to, tem de ope­rar pró­xi­mo a 80% de utilização pa­ra não for­çar o equi­pa­men­to, dis­se uma fon­te li­ga­da à em­pre­sa.

São três as op­ções: re­for­mar to­tal­men­te o for­no, al­go que não ocor­re des­de 1999; fa­zer o que os si­de­rúr­gi­cos cha­mam de “mei­a­so­la”, um re­pa­ro pa­ra es­ten­der a vi­da útil por mais al­guns anos; ou se­gu­rar ao má­xi­mo es­se pro­ces­so, va­len­do-se da com­pra de pla­cas de ter­cei­ros, em vez de fa­bri­car as pró­pri­as. Há de­fen­so­res das três al­ter­na­ti­vas na di­re­to­ria.

Em sua úl­ti­ma pas­sa­gem no co­man­do exe­cu­ti­vo da com­pa­nhia mi­nei­ra, Rô­mel de Sou­za, des­ti­tuí­do do car­go em mar­ço de 2017, ha­via mon­ta­do um gru­po de acom­pa­nha­men­to pa­ra o al­to-for­no 3, já no limite de seu fun­ci­o­na­men­to. Em vi­si­ta à usi­na na épo­ca, o Va­lor co­le­tou im­pres­sões do ní­vel ge­ren­ci­al da uni­da­de e ha­via um con­sen­so de que era ne­ces­sá­ria uma re­for­ma.

Es­sa “cam­pa­nha” atu­al do for­no, co­mo é cha­ma­da a vi­da útil até uma gran­de re­for­ma, te­ria se en­cer­ra­do ofi­ci­al­men­te em 2014. Em ge­ral, a Usi­mi­nas man­tém uma mé­dia de 15 a 18 anos de fun­ci­o­na­men­to des­ses apa­re­lhos an­tes de uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral. A ex­pec­ta­ti­va ini­ci­al era de que en­tre 2022 e 2023 o re­pa­ro já te­ria si­do fi­na­li­za­do.

A Usi­mi­nas ain­da con­se­gue se­guir es­se cro­no­gra­ma do pas­sa­do, se de­ci­dir por es­sa op­ção. Se­gun­do uma fon­te com co­nhe­ci­men­to da em­pre­sa, o pro­ces­so le­va­ria cer­ca de três anos, do pla­ne­ja­men­to à con­clu­são do re­pa­ro. O pro­ble­ma é o cus­to: po­de­ria atin­gir até R$ 1 bi­lhão, en­quan­to a re­for­ma do al­to-for­no 1, que re­es­treia ama­nhã, de­man­dou me­nos de R$ 100 mi­lhões.

Ca­so de­ci­dis­se pe­la “meia-so­la”, ou al­go se­me­lhan­te, que es­ten­des­se a vi­da útil do for­no, a si­de­rúr­gi­ca te­ria de gas­tar de R$ 400 mi­lhões a R$ 500 mi­lhões.

Pro­cu­ra­da, a Usi­mi­nas dis­se que a úni­ca pa­ra­li­sa­ção ofi­ci­al es­tá pro­gra­ma pa­ra agos­to, quan­do vai ins­ta­lar no­vas pla­cas de res­fri­a­men­to no for­no, mas tam­bém que “ava­li­a­ções so­bre in­ves­ti­men­tos fu­tu­ros são ações ro­ti­nei­ras do ne­gó­cio”.

A es­tra­té­gia em tor­no do al­to­for­no de­pen­de da re­cu­pe­ra­ção do mer­ca­do. Quan­do a “cam­pa­nha” es­ta­va no fim, a de­man­da bra­si­lei­ra por aço es­ta­va em queda li­vre, o que le­vou ao des­li­ga­men­to do for­no 1. Ago­ra, o ce­ná­rio é po­si­ti­vo e em 2018 pro­va­vel­men­te se­rá re­gis­tra­do o se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo de cres­ci­men­to.

Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Aço Bra­sil, após três anos em bai­xa, o con­su­mo apa­ren­te — ven­das in­ter­nas mais im­por­ta­ções — de aços pla­nos su­biu 11%, pa­ra 11,4 mi­lhões de to­ne­la­das, em 2017. A ex­pec­ta­ti­va, em ge­ral, é que a de­man­da pa­ra o seg­men­to te­nha al­ta de pe­lo me­nos 7% du­ran­te 2018.

Tam­bém há uma di­fe­ren­ça de vi­são de lon­go pra­zo. Par­te do al­to es­ca­lão de­se­ja man­ter a em­pre­sa in­te­gra­da ao má­xi­mo, afir­mam fon­tes. Por ou­tro la­do, há o ar­gu­men­to de con­ten­ção de cus­tos que o uso de pla­cas pode tra­zer.

“Há vá­ri­as abor­da­gens pos­sí­veis. En­tre elas, uma re­for­ma le­ve e até au­men­to de ca­pa­ci­da­de”, diz uma pes­soa por den­tro das tra­ta­ti­vas. “Con­tro­lan­do to­da a ca­deia pro­du­ti­va, é pos­sí­vel che­car a qua­li­da­de em ca­da pas­so. É nos­so di­fe­ren­ci­al. Mas se con­trar em la­mi­na­ção exi­ge uma ma­té­ria-pri­ma [pla­ca] de al­ta qua­li­da­de. Até ago­ra só com­pra­mos pla­cas de qua­li­da­de.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.