Kro­ton ne­go­cia com­pra da San­til­la­na Bra­sil

Gru­po es­pa­nhol é do­no da edi­to­ra de li­vros di­dá­ti­cos Mo­der­na e do sis­te­ma de en­si­no Uno no país

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Beth Koi­ke

A Kro­ton es­tá ne­go­ci­an­do a aqui­si­ção da ope­ra­ção bra­si­lei­ra da San­til­la­na, do­na da edi­to­ra de li­vros di­dá­ti­cos Mo­der­na e de ou­tros ati­vos li­ga­dos à edu­ca­ção bá­si­ca no país, se­gun­do o Va­lor apu­rou. A in­ten­ção é que a San­til­la­na Bra­sil fa­ça par­te da re­cém­cri­a­da hol­ding Sa­ber, que já tem sob seu guar­da-chu­va o co­lé­gio Le­o­nar­do da Vin­ci, de Vi­tó­ria, cu­ja com­pra foi anun­ci­a­da na se­ma­na pas­sa­da pe­la Kro­ton, e o sis­te­ma de en­si­no Pi­tá­go­ras.

Com is­so, a Kro­ton se­gue um mo­de­lo pa­re­ci­do ao da So­mos Edu­ca­ção que pos­sui co­lé­gi­os, es­co­la de idi­o­ma, edi­to­ras e sis­te­mas de en­si­no, com si­ner­gi­as en­tre si. Uma das van­ta­gens é a pro­xi­mi­da­de com es­co­las que não per­ten­cem à com­pa­nhia, mas com­pram seu ma­te­ri­al di­dá­ti­co. No ano pas­sa­do, a Kro­ton che­gou a ne­go­ci­ar a aqui­si­ção da So­mos, mas o ne­gó­cio não foi adi­an­te de­vi­do ao al­to va­lor pe­di­do pe­la ges­to­ra de pri­va­te equity Tar­pon, con­tro­la­do­ra da em­pre­sa.

A ope­ra­ção bra­si­lei­ra da San­til­la­na — bra­ço de edu­ca­ção do gru­po es­pa­nhol Pri­sa, que tam­bém é do­no do jor­nal “El País” e de vá­ri­os ati­vos de mí­dia — é a mais im­por­tan­te do gru­po. A re­cei­ta anu­al da San­til­la­na no Bra­sil é de cer­ca de R$ 1 bi­lhão e o lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da) gi­ra em tor­no de R$ 300 mi­lhões. A San­til­la­na es­tá pre­sen­te em 27 paí­ses, co­mo Mé­xi­co, Ar­gen­ti­na, Por­tu­gal, Chi­le, Rei­no Uni­do, além da Es­pa­nha.

Há mui­tos anos, a Mo­der­na é uma líderes do mer­ca­do edi­to­ri­al. O se­tor pri­va­do de obras di­dá­ti­cas tem um fa­tu­ra­men­to de apro­xi­ma­da­men­te de R$ 1,4 bi­lhão e o go­ver­no com­pra cer­ca de R$ 1,2 bi­lhão em li­vros es­co­la­res, anu­al­men­te. Além da Mo­der­na, a San­til­la­na tam­bém é do­na do sis­te­ma de en­si­no Uno, das edi­to­ras Sa­la­man­dra (obras pa­ra­di­dá­ti­cas) e Ri­ch­mond (li­vros de idi­o­mas), além das pla­ta­for­mas tec­no­ló­gi­cas edu­ca­ci­o­nais Ava­lia e smartLab. Des­de o ano pas­sa­do, a Kro­ton vem in­ves­tin­do for­te­men­te em trans­for­ma­ção di­gi­tal, se­ja em pro­du­tos co­mo no “mo­dus ope­ran­di” da pró­pria com­pa­nhia.

Não é a pri­mei­ra vez que a Kro­ton se de­pa­ra com a San­til­la­na. Em 2016, o gru­po es­pa­nhol ba­teu na por­ta da lí­der do en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do bra­si­lei­ro na ten­ta­ti­va de ven­der to­do o seu ne­gó­cio de edu­ca­ção, in­clu­si­ve os ati­vos des­se seg­men­to nos de­mais paí­ses. No en­tan­to, na épo­ca, a Kro­ton es­ta­va ne­go­ci­an­do a fu­são com a Es­tá­cio e não che­gou a fa­zer ne­nhu­ma pro­pos­ta.

A San­til­la­na Bra­sil ne­gou que es­te­ja, atu­al­men­te, em ne­go­ci­a­ções pa­ra ven­da de sua ope­ra­ção à Kro­ton. A em­pre­sa in­for­mou que, no ano pas­sa­do, a Pri­sa re­a­li­zou um au­men­to de ca­pi­tal de cer­ca de € 560 mi­lhões, sen­do que € 450 mi­lhões são pa­ra re­du­ção do en­di­vi­da­men­to e o res­tan­te pa­ra ex­pan­são da em­pre­sa. Com es­sa tran­sa­ção, a Pri­sa in­ter­rom­peu o pro­ces­so de ven­da do seu ne­gó­cio de en­si­no que es­ta­va em cur­so. A Pri­sa de­ci­diu in­je­tar o ca­pi­tal após as ne­go­ci­a­ções com a ges­to­ra ame­ri­ca­na de pri­va­te equity Rhô­ne Ca­pi­tal fra­cas­sa­rem. Se­gun­do fon­tes, o fun­do te­ria ofer­ta­do € 1,2 bi­lhão, ci­fra abai­xo do en­di­vi­da­men­to de € 1,5 bi­lhão da em­pre­sa es­pa­nho­la. A San­til­la­na Bra­sil des­ta­cou ain­da que as ne­go­ci­a­ções nun­ca en­vol­ve­ram ape­nas a uni­da­de bra­si­lei­ra.

Pro­cu­ra­da pe­la re­por­ta­gem, a Kro­ton in­for­mou que não co­men­ta ru­mo­res de mer­ca­do.

Nos úl­ti­mos anos, a Pri­sa vem se des­fa­zen­do de seus ati­vos tan­to da área de edu­ca­ção qu­an­to de mí­dia pa­ra le­van­tar di­nhei­ro. Em 2014, por exem­plo, a San­til­la­na ven­deu su­as edi­to­ras de obras li­te­rá­ri­as à Pen­guim Ran­don Hou­se. No ano pas­sa­do, a Te­le­fó­ni­ca ad­qui­riu o Gru­po Me­dia Ca­pi­tal, em­pre­sa de mí­dia da Pri­sa em Por­tu­gal, por € 440 mi­lhões — a tran­sa­ção ain­da de­pen­de de apro­va­ção de ór­gãos re­gu­la­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.