Co­o­pe­ra­ti­vas de in­ter­net lu­tam por es­pa­ço no Sul

Or­ga­ni­za­ções ten­tam mu­dar a lei pa­ra ter li­cen­ça da Ana­tel

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Ivo­ne San­ta­na

A Or­ga­ni­za­ção das Co­o­pe­ra­ti­vas Bra­si­lei­ras (OCB) tra­va uma ba­ta­lha le­gis­la­ti­va pa­ra ten­tar apro­var uma lei que pos­si­bi­li­te a pes­so­as fí­si­cas se agru­pa­rem em co­o­pe­ra­ti­vas de te­le­co­mu­ni­ca­ções, prin­ci­pal­men­te de in­ter­net. Al­gu­mas ini­ci­a­ti­vas pa­ra le­ga­li­zar o mo­de­lo fo­ram der­ru­ba­das pe­las re­gras atu­ais da Lei Ge­ral das Te­le­co­mu­ni­ca­ções (LGT). Ago­ra, o de­sa­fio da OCB é adap­tar a le­gis­la­ção pa­ra per­mi­tir o re­gis­tro das co­o­pe­ra­ti­vas, que têm be­ne­fí­ci­os fis­cais.

Sem con­se­guir li­cen­ça da Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel), um gru­po de con­su­mi­do­res do Rio Gran­de do Sul de­ci­diu cri­ar uma em­pre­sa li­mi­ta­da, a Co­prel Te­le­com. Com a mar­ca Triway, a em­pre­sa es­tá sob o guar­da-chu­va da Co­o­pe­ra­ti­va de Ener­gia/Ge­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to/Te­le­com do Es­ta­do. Pos­sui 13,5 mil con­su­mi­do­res, to­dos só­ci­os, dis­se Ja­nio Ste­fa­nel­lo, pre­si­den­te da Co­prel Te­le­com.

Tra­ta-se de um mo­de­lo de au­to­fi­nan­ci­a­men­to dos ser­vi­ços, sem fins lu­cra­ti­vos. Quan­do há so­bras no or­ça­men­to anu­al, os re­cur­sos são re­di­re­ci­o­na­dos ao ne­gó­cio, em­bo­ra tam­bém pos­sam ser dis­tri­buí­dos en­tre os co­o­pe­ra­dos. A mai­o­ria é for­ma­da por pro­du­to­res ru­rais, além de mo­ra­do­res de re­giões dis­tan­tes dos gran­des cen­tros.

A re­cei­ta da Co­prel Te­le­com pa­ra 2018 é es­ti­ma­da em R$ 35 mi­lhões. O cres­ci­men­to mé­dio tem si­do de 25%, se­gun­do a em­pre­sa.

Pa­ra mon­tar a in­fra­es­tru­tu­ra, a uni­da­de de te­le­co­mu­ni­ca­ção fez um acor­do com a co­o­pe­ra­ti­va de ener­gia pa­ra usar seus pos­tes, so­bre os quais lan­çou os ca­bos de fi­bra. Com 2,5 mil km de ex­ten­são, a re­de óp­ti­ca co­bre 24 mu­ni­cí­pi­os com ban­da lar­ga e te­le­fo­nia fi­xa. A me­ta é atin­gir 72 lo­ca­li­da­des em cin­co anos, dis­se Ste­fa­nel­lo.

A em­pre­sa com­pra ca­pa­ci­da­de de trá­fe­go de in­ter­net no ata­ca­do de meia dú­zia de gran­des pro­ve­do­res, in­clu­si­ve da Oi, que é con­ces­si­o­ná­ria de te­le­fo­nia fi­xa na re­gião. “Te­mos pro­te­ção e re­dun­dân­cia no sis­te­ma. Nos­so ser­vi­ço tem de ser melhor do que o que tem no mer­ca­do”, dis­se o exe­cu­ti­vo. Se­gun­do ele, as gran­des ope­ra­do­ras não in­ves­tem nos mu­ni­cí­pi­os pe­que­nos, por­que pro­cu­ram mer­ca­dos mais ren­tá­veis.

Os co­o­pe­ra­dos são pro­du­to­res que pos­su­em de 15 a 500 hec­ta­res, com vá­ri­os ní­veis de ren­da. A fal­ta de in­ter­net di­fi­cul­ta os ne­gó­ci­os e afas­ta os jo­vens do cam­po. Os fi­lhos dos agri­cul­to­res ge­ral­men­te es­tu­dam em co­lé­gi­os ou uni­ver­si­da­des nas ci­da­des mai­o­res. Nos fins de se­ma­na não que­rem fi­car na pro­pri­e­da­de dos pais por­que não tem aces­so à in­ter­net. Fi­car lon­ge das re­des so­ci­ais e dos ami­gos, nem pen­sar.

Ro­ber­to Sch­ram­mel, 51 anos, mo­ra no in­te­ri­or de Pa­nam­bi, a 395 km de Por­to Ale­gre. Ele re­pre­sen­ta a ter­cei­ra ge­ra­ção de agri­cul­to­res de sua fa­mí­lia. Tem ga­do, plan­ta so­ja e mi­lho no ve­rão, e tri­go no in­ver­no. É tu­do me­ca­ni­za­do. Os fi­lhos es­tu­da­vam na ci­da­de e à noi­te pe­di­am pa­ra le­vá-los a uma lan hou­se, 10 km dis­tan­te da pro­pri­e­da­de, pa­ra que pu­des­sem pes­qui­sar na web e fa­zer as ta­re­fas es­co­la­res.

Quan­do che­gou a re­de da co­o­pe­ra­ti­va, tu­do me­lho­rou, dis­se ele, que pa­ga R$ 99 por uma co­ne­xão de 5 me­gaby­tes. A fi­bra che­ga a 2 km da fa­zen­da e se­gue o úl­ti­mo tre­cho por ra­di­o­co­mu­ni­ca­ção. O fi­lho Le­an­dro, de 21 anos, es­tu­da téc­ni­ca em ar­ma­ze­na­gem de grãos e es­tá sen­do pre­pa­ra­do pa­ra ser seu su­ces­sor. O ou­tro fi­lho, Lu­ca, 20 anos, é apai­xo­na­do por in­ter­net e es­tu­dou ci­ên­cia da com­pu­ta­ção, área em que já tra­ba­lha. Com co­lhei­ta­dei­ras do­ta­das de com­pu­ta­dor de bor­do, GPS e pi­lo­to au­to­má­ti­co, Sch­ram­mel dis­se que não dá pa­ra ope­rar uma má­qui­na des­sas sem co­nhe­cer com­pu­ta­ção.

Hen­ri­que Rup­penthal, 25 anos, de Quin­ze de No­vem­bro (RS), re­pre­sen­ta a no­va ge­ra­ção da fa­mí­lia. Ele e sua mu­lher Ta­nia mo­ram em uma ca­sa, en­quan­to os pais, Le­vi­no e Ane, vi­vem em ou­tra. A la­vou­ra, em 50 hec­ta­res, tem so­ja, mi­lho pa­ra si­la­gem e, no in­ver­no, tri­go. A 370 km de Por­to Ale­gre, a fa­zen­da tam­bém pro­duz lei­te.

Rup­penthal é for­ma­do em ad­mi­nis­tra­ção e já tra­ba­lha com seu pai. Ele lem­bra das di­fi­cul­da­des pa­ra aces­sar a in­ter­net quan­do ain­da es­tu­da­va, há três anos. Pre­ci­sa­va ca­mi­nhar uns 500 me­tros a par­tir de sua ca­sa pa­ra con­se­guir si­nal. Ho­je, usa a re­de sem fio da Vi­vo e a co­ne­xão es­tá um pou­co melhor, dis­se ele.

Mes­mo as­sim, Rup­penthal es­tá ani­ma­do ao ver que já foi ins­ta­la­da a re­de de fi­bra da Co­prel pró­xi­mo da fa­zen­da. Lo­go a co­ne­xão es­ta­rá em sua pro­pri­e­da­de. “Es­pe­ro um si­nal bom de in­ter­net e de te­le­fo­ne”, dis­se ele, que vai can­ce­lar a ban­da lar­ga mó­vel. Sua ex­pec­ta­ti­va é de pa­gar R$ 100 por mês an­te R$ 89 da Vi­vo. “Fi­bra va­le a pena, se fun­ci­o­nar bem”, afir­mou.

Com 13 ra­mos de atu­a­ção em co­o­pe­ra­ti­vis­mo, a OCB reú­ne 6.655 co­o­pe­ra­ti­vas. Agro­ne­gó­ci­os é o seg­men­to mais atu­an­te, com 1.555 co­o­pe­ra­ti­vas. No ra­mo de in­fra­es­tru­tu­ra, há 67 de ener­gia elé­tri­ca, 17 de ge­ra­ção de ener­gia e ape­nas uma de in­ter­net. Só a Cer­tel Net, do Sul do país, con­se­guiu au­to­ri­za­ção pa­ra o ser­vi­ço, dis­se Mar­co Olí­vio Mo­ra­to, ana­lis­ta téc­ni­co e fi­nan­cei­ro do sis­te­ma OCB.

A Cer­tel Net atua em cer­ca de 30 ci­da­des do Rio Gran­de do Sul. É for­ma­da por pes­so­as fí­si­cas e usa os pos­tes da Co­o­pe­ra­ti­va Cer­tel Dis­tri­bui­ção de Ener­gia pa­ra pas­sar sua re­de. Pa­ra ope­rar co­mo co­o­pe­ra­ti­va pre­ci­sou en­trar na Jus­ti­ça. Di­ver­sas ou­tras ten­ta­ram, mas não con­se­gui­ram, diz Mo­ra­to. Pro­cu­ra­da pe­lo Va­lor, a Ana­tel não con­se­guiu por­ta-voz pa­ra co­men­tar o ca­so.

A OCB é um ór­gão pri­va­do man­ti­do por con­tri­bui­ção das co­o­pe­ra­ti­vas. Es­sas or­ga­ni­za­ções atu­am em re­giões su­per­po­vo­a­das ru­rais ou co­mu­ni­da­des, dis­tri­tos ur­ba­nos e ci­da­des com aten­di­men­to pre­cá­rio.

A or­ga­ni­za­ção tra­ba­lha pa­ra que se­ja apro­va­do o Pro­je­to de Lei 8.824/2017, do de­pu­ta­do Evair Vi­ei­ra de Me­lo (PV/ES). O pro­je­to al­te­ra as Leis 9.472, de 16 de ju­lho de 1997, e 9.295, de 19 de ju­lho de 1996 (de te­le­co­mu­ni­ca­ções), pa­ra as­se­gu­rar a pres­ta­ção dos ser­vi­ços de te­le­co­mu­ni­ca­ções por co­o­pe­ra­ti­vas. Des­de ou­tu­bro, o PL en­con­tra-se na Co­mis­são de Tra­ba­lho, de Ad­mi­nis­tra­ção e Ser­vi­ço Pú­bli­co da Câ­ma­ra. A ex­pec­ta­ti­va da as­ses­so­ria do de­pu­ta­do é que a tra­mi­ta­ção na Ca­sa du­re cer­ca de dois anos.

Mar­cos Vi­ní­cius Ra­mos da Cruz, ge­ren­te subs­ti­tu­to da ge­rên­cia de re­gu­la­men­ta­ção da Ana­tel, dis­se que, pe­las re­gras atu­ais, pa­ra ter li­cen­ça, é pre­ci­so CNPJ. Pa­ra Ser­vi­ço de Co­mu­ni­ca­ção Mul­ti­mí­dia (SCM), em que en­tra a in­ter­net, é pre­ci­so aten­der to­dos os in­te­res­sa­dos, e não ape­nas os co­o­pe­ra­dos.

Já a li­cen­ça de Ser­vi­ço Li­mi­ta­do Pri­va­do (SLP) per­mi­te aten­der só os co­o­pe­ra­dos, po­rém não pode ul­tra­pas­sar 5 mil usuá­ri­os, ou vi­ra uso co­le­ti­vo. Pa­ra con­tra­tar in­ter­co­ne­xão de ou­tra ope­ra­do­ra tam­bém é pre­ci­so con­tra­to de uso de re­de co­le­ti­vo. De mo­do ge­ral, dis­se o ge­ren­te, não exis­te res­tri­ção pa­ra uma co­o­pe­ra­ti­va. Con­tu­do, as re­gras dos ser­vi­ços aca­bam eli­mi­nan­do a pos­si­bi­li­da­de de li­cen­ça.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Le­vi­no (à esq.), Ane, Hen­ri­que e Ta­nia: fa­mí­lia Rup­penthal aguar­da com an­si­e­da­de a che­ga­da da fi­bra óp­ti­ca à pro­pri­e­da­de pa­ra subs­ti­tuir co­ne­xão mó­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.