Al­ta no fre­te ex­põe ri­xa en­tre B2W e Mer­ca­do Li­vre

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Co­mér­cio ele­trô­ni­co Adri­a­na Mat­tos

Men­sa­gem en­ca­mi­nha­da a ana­lis­tas di­as atrás pe­la B2W, do­na do Sub­ma­ri­no e Ame­ri­ca­nas.com, dei­xa ex­pos­to o atu­al ní­vel de dis­pu­ta por ven­das en­tre a em­pre­sa e sua mai­or ri­val, o Mer­ca­do Li­vre.

No cen­tro da ques­tão es­tá não só a pi­o­ra do am­bi­en­te con­cor­ren­ci­al, co­mo o en­ca­re­ci­men­to no ser­vi­ço de en­tre­ga dos Cor­rei­os, que tem afe­ta­do a ope­ra­ção de ven­da on-li­ne de cer­tas em­pre­sas.

O Va­lor apu­rou que, no dia 4 de abril, a área de re­la­ções com in­ves­ti­do­res (RI) da B2W en­ca­mi­nhou men­sa­gem a ana­lis­tas por e-mail em que men­ci­o­na que lo­jis­tas do “mar­ket­pla­ce” (shop­ping vir­tu­al) do seu “prin­ci­pal con­cor­ren­te” têm se or­ga­ni­za­do em cam­pa­nhas con­tra no­vas po­lí­ti­cas de fre­te ado­ta­das por es­se ri­val, diz o tex­to.

A men­sa­gem tem co­mo fo­co tra­tar de um en­con­tro da B2W com lo­jis­tas, cha­ma­do “Sel­ler Day 2018”, ocor­ri­do no dia 3, mas men­ci­o­na tam­bém os fa­tos re­la­ti­vos ao ri­val — sem ci­tá-lo no­mi­nal­men­te.

Se­gun­do a men­sa­gem, os lo­jis­tas (cha­ma­dos de “sel­lers”) de São Paulo, que usam o sis­te­ma de lo­gís­ti­ca B2W En­tre­ga, po­de­rão usar o pa­co­te de ser­vi­ços que reú­ne aten­di­men­to ao cli­en­te, fre­te e ar­ma­ze­na­gem de for­ma gra­tui­ta até o fim do ano. “O no­vo ser­vi­ço, vai ace­le­rar o pro­ces­so de con­cen­tra­ção dos es­to­ques dos prin­ci­pais sel­lers no B2W Mar­ket­pla­ce e vem em um mo­men­to em que os sel­lers se or­ga­ni­zam em cam­pa­nhas con­tra as no­vas po­lí­ti­cas de fre­te ado­ta­das pe­lo nos­so prin­ci­pal con­cor­ren­te e na sequên­cia dos re­a­jus­tes de pre­ços dos Cor­rei­os.”

Pro­cu­ra­da, a B2W pre­fe­riu não co­men­tar o as­sun­to.

O Va­lor apu­rou que a B2W se re­fe­re ao Mer­ca­do Li­vre. O re­a­jus­te dos Cor­rei­os, de­fi­ni­do em mar­ço, e re­pas­sa­do pe­lo Mer­ca­do Li­vre aos lo­jis­tas na­que­le mês, te­ria atin­gi­do até 50%, o que ir­ri­tou par­te dos ven­de­do­res. Há cam­pa­nhas em re­des so­ci­ais con­tra o au­men­to.

O Mer­ca­do Li­vre se tor­nou a mai­or em­pre­sa de co­mér­cio ele­trô­ni­co do país, pe­la pri­mei­ra vez, em 2017, ti­ran­do a li­de­ran­ça da B2W — que es­tá num fa­se de tran­si­ção de for­ma­tos. A B2W re­du­ziu a ven­da di­re­ta ao cli­en­te pa­ra o mo­de­lo de “mar­ket­pla­ce” e is­so afe­tou ini­ci­al­men­te a re­cei­ta.

Da­dos da área de aná­li­se da Blo­om­berg In­tel­li­gen­ce mos­tram o Mer­ca­do Li­vre com 19,4% de par­ti­ci­pa­ção de mer­ca­do em 2017, ver­sus 11,7% em 2014. Na B2W, a fa­tia caiu de 19,5% pa­ra 18%. Nos si­tes da Via Va­re­jo (Ca­sas Bahia e Pon­to Frio), a queda foi de 15,4% pa­ra 5,7%.

“O Mer­ca­do Li­vre foi ten­tan­do atrair cli­en­tes em tor­no do ser­vi­ço de en­tre­ga do ‘Mer­ca­do En­vi­os’, que só usa os Cor­rei­os, e ‘jo­gan­do’ o má­xi­mo de lo­jis­tas den­tro des­sa ces­ta. Em con­tra­par­ti­da, o lo­jis­ta vai ga­nhan­do no­tas mais al­tas [o ra­ting do si­te]. Já a B2W co­me­çou a atrair ven­de­do­res pe­la es­tru­tu­ra da B2W En­tre­ga”, diz Ro­ber­to Wajnsz­tok, só­cio da con­sul­to­ria Ori­gin5. “A di­fe­ren­ça é que o Mer­ca­do Li­vre usa o sis­te­ma da es­ta­tal, que en­ca­re­ceu, e a B2W usa mui­to mais a es­tru­tu­ra de trans­por­ta­do­ras ter­cei­ri­za­das, que pas­sa­ram a ter pre­ços pró­xi­mos ao dos Cor­rei­os, al­go im­pen­sá­vel anos atrás”, afir­ma.

Em mar­ço, os Cor­rei­os ele­va­ram o pre­ço das en­tre­gas, mas o Mer­ca­do Li­vre ob­te­ve uma li­mi­nar con­tra o re­a­jus­te, de 29% em mé­dia. No mes­mo mês, a li­mi­nar foi sus­pen­sa. O Mer­ca­do Li­vre já ha­via afir­ma­do na­que­le mo­men­to que se o au­men­to pre­va­le­ces­se, par­te de­le se­ria re­pas­sa­do aos lo­jis­tas.

Is­so tem ge­ra­do crí­ti­cas de ven­de­do­res ao Mer­ca­do Li­vre. Dois pe­que­nos lo­jis­tas ou­vi­dos in­for­mam que em me­a­dos de mar­ço — após a li­mi­nar que im­pe­dia o au­men­to dos Cor­rei­os ter si­do cas­sa­da — as ta­xas de fre­te do ser­vi­ço Mer­ca­do En­vi­os so­fre­ram al­ta de até 50%.

A po­lí­ti­ca de fre­te ze­ro ao con­su­mi­dor é par­te cen­tral da es­tra­té­gia do Mer­ca­do Li­vre no país. Um pla­no com in­ves­ti­men­tos pa­ra sub­si­di­ar o fre­te grá­tis foi anun­ci­a­do em 2017 e am­pli­a­do em 2018, mas is­so ocor­reu an­tes do anún­cio do re­a­jus­te dos Cor­rei­os. O au­men­to po­de­ria tor­nar mais ca­ro o sub­sí­dio da ini­ci­a­ti­va. E lo­jis­tas en­ten­dem que a em­pre­sa es­ta­ria re­pas­san­do par­te des­sa con­ta aos ven­de­do­res, diz um lo­jis­ta ou­vi­do.

Pro­cu­ra­do, o Mer­ca­do Li­vre afir­mou, por meio de no­ta, que os lo­jis­tas do Su­des­te têm sen­ti­do mais o au­men­to que tem si­do re­pas­sa­do. Es­sa é exa­ta­men­te a re­gião em que a B2W tem for­te atu­a­ção.

Se­gun­do o Mer­ca­do Li­vre, os ven­de­do­res pre­ci­sam “re­vi­sar sua es­tra­té­gia de pre­ço e de ofer­ta de pro­du­tos pa­ra ga­ran­tir uma melhor ren­ta­bi­li­da­de de seus ne­gó­ci­os”. Os va­lo­res de fre­te, acres­cen­ta a em­pre­sa, va­ri­am de acor­do com a trans­por­ta­do­ra, e no ca­so dos Cor­rei­os, so­fre­ram um re­a­jus­te de até 51% pa­ra uma in­fla­ção anu­al de 3%. “Ape­sar do au­men­to abu­si­vo dos Cor­rei­os, o Mer­ca­do Li­vre con­ti­nua sub­si­di­an­do cer­ca de 50% do cus­to do fre­te quan­do o ven­de­dor de­ci­de dar o be­ne­fí­cio de fre­te grá­tis ao com­pra­dor, além de ofe­re­cer nos anún­ci­os a op­ção de en­tre­ga em mãos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.