Saí­da de Sor­rell der­ru­ba ações da WPP

Pa­ra ana­lis­tas, fu­tu­ro do gru­po de pro­pa­gan­da pode in­cluir des­mem­bra­men­to e ven­da de uni­da­des

Valor Econômico - - | EMPRESAS TENDÊNCIAS&CONSUMO - Matthew Gar­rahan e At­trac­ta Mo­o­ney Mai­or gru­po de pu­bli­ci­da­de do mun­do

As ações da WPP caí­ram qua­se 7%, on­tem, à me­di­da que os in­ves­ti­do­res ab­sor­vi­am a saí­da de Mar­tin Sor­rell, que foi o exe­cu­ti­vo-che­fe do gru­po de pro­pa­gan­da por mais de três dé­ca­das.

Sor­rell dei­xou o car­go no sá­ba­do por cau­sa de uma in­ves­ti­ga­ção so­bre su­pos­ta má con­du­ta pes­so­al, que ele ne­gou. A WPP não ex­pli­cou a na­tu­re­za das acu­sa­ções, mas elas estão re­la­ci­o­na­das a um su­pos­to uso in­de­vi­do de re­cur­sos da em­pre­sa, de acor­do com du­as pes­so­as a par da si­tu­a­ção. A WPP dis­se ape­nas que as so­mas en­vol­vi­das não são “re­le­van­tes”.

Um dos 20 mai­o­res aci­o­nis­tas da WPP dis­se ao “Fi­nan­ci­al Ti­mes” que a saí­da do exe­cu­ti­vo evi­ta­rá uma “lon­ga ba­ta­lha” com o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção “que não se­ria boa pa­ra ne­nhum dos dois la­dos”.

A WPP no­me­ou Mark Re­ad, exe­cu­ti­vo-che­fe da WPP Di­gi­tal, e An­drew Scott, prin­ci­pal exe­cu­ti­vo de ope­ra­ções da WPP na Eu­ro­pa, pa­ra co­man­dar as ope­ra­ções do dia a dia do gru­po. O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, Ro­ber­to Quar­ta, pas­sou a ocu­par o car­go de “chair­man exe­cu­ti­vo”.

Mas o gru­po, que con­tro­la em­pre­sas de pro­pa­gan­da co­mo J. Wal­ter Thomp­son, GroupM e Kan­tar Me­dia, es­tá em bus­ca de um su­ces­sor per­ma­nen­te pa­ra Sor­rell e con­si­de­ra a pos­si­bi­li­da­de de ava­li­ar can­di­da­tos ex­ter­nos.

“As in­cer­te­zas de­ve­rão per­sis­tir en­quan­to um no­vo exe­cu­ti­vo-che­fe não for no­me­a­do e uma no­va es­tra­té­gia de­fi­ni­da pa­ra o mer­ca­do”, dis­se­ram, on­tem, ana­lis­tas do ban­co de in­ves­ti­men­to UBS.

Aci­o­nis­tas con­sul­ta­dos pe­lo “Fi­nan­ci­al Ti­mes” dis­se­ram te­mer uma fu­ga de ta­len­tos após a saí­da de Sor­rell. Um in­ves­ti­dor dis­se que vá­ri­os fun­ci­o­ná­ri­os da cú­pu­la es­ta­vam na com­pa­nhia até ago­ra na es­pe­ran­ça de ser no­me­a­dos su­ces­so­res de Sor­rell. “Al­gu­mas pes­so­as que es­pe­ra­vam ser o nú­me­ro um vão dei­xar a com­pa­nhia”, dis­se o aci­o­nis­ta.

Os 30 mai­o­res aci­o­nis­tas da WPP ti­ve­ram um pe­río­do con­tur­ba­do nos úl­ti­mos 18 me­ses, com a per­da de mais de um ter­ço do va­lor de mer­ca­do da com­pa­nhia por cau­sa dos re­bai­xa­men­tos das ex­pec­ta­ti­vas de lu­cro, pro­vo­ca­dos pe­la re­du­ção dos gas­tos de gran­des mar­cas de pro­du­tos de con­su­mo.

A Proc­ter & Gam­ble, por exem­plo — mai­or anun­ci­an­te do mun­do e do­na de mar­cas co­mo Gil­let­te, de lâ­mi­nas de bar­be­ar, e Crest, de pas­tas de den­te — es­tá en­tre as em­pre­sas que pas­sa­ram a gas­tar me­nos com agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de. A com­pa­nhia cor­tou US$ 750 mi­lhões de seu or­ça­men­to pu­bli­ci­tá­rio des­de 2015 e pre­ten­de re­du­zi-lo em mais US$ 400 mi­lhões até 2021.

A saí­da de Sor­rell faz as aten­ções se vol­ta­rem, ago­ra, pa­ra o fu­tu­ro da WPP. Al­guns ana­lis­tas acre­di­tam que o gru­po se­rá des­mem­bra­do e ven­di­do.

“Sir Mar­tin po­dia ser cha­ma­do de a co­la que man­ti­nha a WPP uni­da”, dis­se­ram ana­lis­tas da em­pre­sa de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros Li­be­rum. “Com sua saí­da, acha­mos que au­men­ta­ram dra­ma­ti­ca­men­te as chan­ces de par­tes sig­ni­fi­ca­ti­vas da em­pre­sa se­rem ven­di­das.”

A Kan­tar Me­dia, uni­da­de de pes­qui­sas de mer­ca­do da WPP, es­tá en­tre as em­pre­sas com mai­or pro­ba­bi­li­da­de de ser ven­di­das, dis­se­ram os ana­lis­tas.

“A WPP é in­co­mum en­tre os gran­des gru­pos glo­bais de pro­pa­gan­da por ter uma ex­po­si­ção tão gran­de às pes­qui­sas de mer­ca­do”, dis­se a Li­be­rum. “Sus­pei­ta­mos que os ati­vos de re­la­ções pú­bli­cas da WPP tam­bém po­de­rão ser co­lo­ca­dos à ven­da, em­bo­ra is­so se­ja me­nos pro­vá­vel que a ven­da da uni­da­de de pes­qui­sa de mer­ca­do.”

Um dos 30 mai­o­res aci­o­nis­tas da WPP ame­ni­zou a pro­ba­bi­li­da­de de um des­mem­bra­men­to. “É fá­cil de­mais di­zer que ela de­ve­ria ser des­mem­bra­da”, dis­se o aci­o­nis­ta. “Co­mo vo­cê faz is­so? É mui­to com­pli­ca­do!”

Um des­mem­bra­men­to des­fa­ria uma em­pre­sa que Sor­rell de­mo­rou 33 anos pa­ra cons­truir, em­bo­ra ele es­te­ja li­vre pa­ra co­me­çar uma agên­cia no­va por não ter um acor­do de não con­cor­rên­cia com a WPP. Sor­rell con­ti­nua con­tro­lan­do cer­ca de 2% da com­pa­nhia.

A par­ti­da do exe­cu­ti­vo po­de­rá afe­tar a WPP de ou­tras ma­nei­ras. “Não te­mos cer­te­za do qu­an­to eram im­por­tan­tes su­as re­la­ções com os di­re­to­res de mar­ke­ting na con­quis­ta e ma­nu­ten­ção de cli­en­tes”, dis­se­ram ana­lis­tas do UBS.

As ações da WPP fe­cha­ram em bai­xa de 6,5% na Bolsa de Lon­dres, a 11,11 li­bras.

CH­RIS J. RATCLIFFE/BLO­OM­BERG

Mar­tin Sor­rell dei­xou co­man­do da WPP por su­pos­ta má con­du­ta pes­so­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.