Fal­ta ma­té­ria-pri­ma no se­tor de de­fen­si­vos

Fe­cha­men­to de fá­bri­cas na China pre­ju­di­ca im­por­ta­ções e afe­ta flu­xo de pro­du­ção e de ven­das

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Kau­an­na Na­var­ro

Pa­ra­le­la­men­te aos efei­tos ne­ga­ti­vos pro­vo­ca­dos pe­los es­to­ques ele­va­dos nos ca­nais de dis­tri­bui­ção no Bra­sil, agu­dos em 2017 e que ain­da estão sen­do de­be­la­dos, as em­pre­sas de agroquí­mi­cos que atu­am no país tam­bém so­frem com a es­cas­sez de ma­té­ri­as-pri­mas pa­ra a for­mu­la­ção dos pro­du­tos fi­nais ven­di­dos aos agri­cul­to­res.

O aper­to da le­gis­la­ção am­bi­en­tal na China le­vou ao fe­cha­men­to de cer­ca de 700 fá­bri­cas de pro­du­tos quí­mi­cos na­que­le país no úl­ti­mo ano. Mui­tas eram res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção de in­gre­di­en­tes ati­vos e ma­té­ri­as-pri­mas pa­ra in­dús­tri­as de agroquí­mi­cos de to­do o mun­do.

As­sim, ape­sar de al­tos es­to­ques no ca­nal de dis­tri­bui­ção, a in­dús­tria tam­bém so­freu com o au­men­to do pre­ço de in­gre­di­en­tes das for­mu­la­ções, ou mes­mo com a fal­ta de pro­du­tos. Ana­lis­tas ava­li­am que es­sa cri­se de es­cas­sez de pro­du­tos só não foi per­ce­bi­da an­tes por cau­sa dos es­to­ques far­tos nas dis­tri­bui­do­ras.

Mui­tas em­pre­sas sen­ti­ram fal­ta, in­clu­si­ve, de pro­du­tos am­pla­men­te usa­dos nas la­vou­ras, co­mo o her­bi­ci­da gli­fo­sa­to. Em no­vem­bro, Ro­dri­go Gu­ti­er­rez, pre­si­den­te da Ada­ma no Bra­sil, afir­mou que já não ti­nha gli­fo­sa­to pa­ra ven­der — e is­so que a em­pre­sa, is­ra­e­len­se, é con­tro­la­da pe­la ChemChi­na “Já não te­mos gli­fo­sa­to pa­ra ven­der faz cer­ca de três me­ses. O mer­ca­do in­tei­ro não tem”, dis­se na épo­ca. Se­gun­do Silvia Fag­na­ni, di­re­to­ra do Sindicato Na­ci­o­nal da In­dús­tria de Pro­du­tos pa­ra De­fe­sa Ve­ge­tal (Sin­di­veg), hou­ve queda de 50% na pro­du­ção de gli­fo­sa­to na China.

Ape­sar dos pe­sa­res, a Ada­ma re­gis­trou seu melhor fa­tu­ra­men­to no Bra­sil. Em 2017, sua re­cei­ta no país foi de US$ 480 mi­lhões, pou­co abai­xo dos US$ 502 mi­lhões pro­je­ta­dos ini­ci­al­men­te. “Es­sa di­fe­ren­ça ocor­reu por­que não con­se­gui­mos lan­çar dois gran­des pro­du­tos no ano pas­sa­do”, dis­se. Pa­ra 2018, a pre­vi­são, se­gun­do Gu­ti­er­rez, é que o fa­tu­ra­men­to che­gue a US$ 570 mi­lhões.

Co­mo era de se es­pe­rar, a es­cas­sez de pro­du­tos no Bra­sil foi mais sen­ti­da por em­pre­sas que não es­ta­vam com gran­des es­to­ques pa­ra­dos nos ca­nais de dis­tri­bui­ção. “O ano pas­sa­do foi mui­to bom em ven­das, mas te­ria si­do es­pe­ta­cu­lar se não fos­se a fal­ta de ma­té­ria-pri­ma”, afir­mou Mar­ce­lo Da­mus Ab­do, vi­ce-pre­si­den­te da Ou­ro­fi­no Agro­ci­ên­cia — em­pre­sa bra­si­lei­ra com fo­co em de­fen­si­vos pós-pa­ten­te, os ge­né­ri­cos.

De acor­do com o exe­cu­ti­vo, a em­pre­sa dei­xou de efe­ti­var ven­das es­ti­ma­das em R$ 115 mi­lhões — R$ 85 mi­lhões vi­ri­am de ven­das cu­jos pe­di­dos já ha­vi­am si­do ti­ra­dos. “Eu já ti­nha ven­di­do es­ses pro­du­tos e ti­ve de re­cu­ar. Fo­ra o que eu dei­xei de ven­der”, afir­mou Ab­do.

A si­tu­a­ção afe­tou os re­sul­ta­dos da em­pre­sa em 2017. O lu­cro lí­qui­do da Ou­ro­fi­no, que re­gis­trou re­cei­ta lí­qui­da de R$ 636 mi­lhões, fi­cou em R$ 71 mi­lhões, 7,8% me­nor que em 2016. De acor­do com o vi­ce-pre­si­den­te da com­pa­nhia, al­gu­mas ma­té­ria-pri­mas su­bi­ram 50%, mas, na mé­dia, hou­ve au­men­to de 30%.

Mes­mo quem não en­fren­tou pro­ble­mas com a fal­ta de in­gre­di­en­tes so­freu com a si­tu­a­ção, em vir­tu­de do au­men­to de pre­ços. Foi o ca­so da aus­tra­li­a­na Nu­farm, que te­ve de sa­cri­fi­car mar­gens pa­ra não per­der ven­das no Bra­sil. “Hou­ve au­men­to de pre­ços e is­so pres­si­o­nou as mar­gens. A gen­te ten­tou re­pas­sar o au­men­to, mas, em ge­ral, as mar­gens fi­ca­ram mais pres­si­o­na­das”, dis­se Mar­cos Gaio, pre­si­den­te da em­pre­sa pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.

A Nu­farm fa­tu­rou no Bra­sil cer­ca de US$ 500 mi­lhões em 2017, 6,4% mais que em 2016 e pou­co mais de 20% das ven­das glo­bais da múl­ti.

A con­sul­to­ria Kleff­mann es­ti­ma que 15% das ven­das de de­fen­si­vos do ano pas­sa­do no país te­nham fi­ca­do nos ca­nais de dis­tri­bui­ção. Fon­tes do seg­men­to cal­cu­lam que, no total, a in­dús­tria te­nha ven­di­do ao re­dor de US$ 9 bi­lhões no ano pas­sa­do. No iní­cio de 2017, os es­to­ques so­ma­vam US$ 2,4 bi­lhões.

Pou­cas em­pre­sas sen­ti­ram tan­to os re­fle­xos des­ses es­to­ques ele­va­dos no Bra­sil em 2017 co­mo a ale­mã Bayer . Sob es­sa in­fluên­cia, a re­cei­ta lí­qui­da da ale­mã na área agrí­co­la re­cu­ou 3,4% no ano pas­sa­do, pa­ra € 9,6 bi­lhões. Le­van­do-se em con­ta ape­nas o “port­fó­lio ajus­ta­do”, que en­vol­ve só ati­vos que não fo­ram ven­di­dos pa­ra que a aqui­si­ção da ame­ri­ca­na Mon­san­to se­ja apro­va­da, a queda foi de 2,2%.

Na di­vul­ga­ção do ba­lan­ço do ano pas­sa­do, a em­pre­sa des­ta­cou que os es­to­ques no Bra­sil es­ta­vam “ines­pe­ra­da­men­te ele­va­dos” e que, ba­si­ca­men­te por cau­sa dis­so, na Amé­ri­ca La­ti­na as ven­das re­cu­a­ram 18% — o equi­va­len­te a US$ 600 mi­lhões. Des­con­si­de­ran­do o de­sem­pe­nho no mer­ca­do bra­si­lei­ro, as ven­das ajus­ta­das da Bayer te­ri­am cres­ci­do 3% no ano pas­sa­do.

Com me­nos in­ten­si­da­de, o vo­lu­me ele­va­do de es­to­ques tam­bém pres­si­o­nou os re­sul­ta­dos de ou­tra ale­mã: a Basf. Se­gun­do o CEO glo­bal da com­pa­nhia, Kurk Bock, fo­ram so­bre­tu­do ad­ver­si­da­des no Bra­sil que le­va­ram à queda de 54 mi­lhões no lu­cro an­tes dos ju­ros e tri­bu­tos (Ebit) em re­la­ção a 2016.

SILVIA COSTANTI / VA­LOR

Ro­dri­go Gu­ti­er­rez, pre­si­den­te da Ada­ma no Bra­sil: es­cas­sez de gli­fo­sa­to pre­ju­di­cou as ven­das da em­pre­sa no Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.