In­ves­ti­dor-ân­co­ra aju­da a vi­a­bi­li­zar emis­sões de ações

Pa­ra as­se­gu­rar de­man­da e pre­ço, em­pre­sas co­mo Hap­vi­da e In­ter­mé­di­ca ne­go­ci­am com ges­to­ras

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ma­ria Luí­za Fil­guei­ras

A ope­ra­do­ra de saú­de Hap­vi­da pode ter in­ves­ti­do­res-ân­co­ra em sua ofer­ta ini­ci­al de ações (IPO). O pro­ces­so de reservas e de­fi­ni­ção de pre­ço ter­mi­na na sex­ta-fei­ra e, se­gun­do du­as fon­tes, a ges­to­ra ame­ri­ca­na ThirdPoint e as bra­si­lei­ras M Squa­re e Truxt ava­li­am par­ti­ci­par da ope­ra­ção. Elas co­gi­tam a en­tra­da co­mo ân­co­ra, mas ain­da não há de­fi­ni­ção — es­sas ges­to­ras po­dem aca­bar en­tran­do ape­nas com pré-re­ser­va, quan­do não há com­pro­mis­so em con­tra­to es­pe­cí­fi­co com a ofer­ta, de acor­do com os in­ter­lo­cu­to­res. Ou­tros in­ves­ti­do­res tam­bém dis­cu­tem com a em­pre­sa “an­co­rar” a ofer­ta.

A ope­ra­do­ra In­ter­mé­di­ca tam­bém es­tá nes­se pro­ces­so pa­ra seu IPO e pode fe­char com in­ves­ti­do­res-ân­co­ra até o fim des­ta se­ma­na. O Va­lor apu­rou que um dos in­ves­ti­do­res in­te­res­sa­dos na an­co­ra­gem é a ges­to­ra Dy­na­mo. Se­gun­do fon­tes li­ga­das às ope­ra­ções, a Hap­vi­da tem atraí­do for­te­men­te in­ves­ti­do­res lo­cais, en­quan­to a In­ter­mé­di­ca es­tá ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te com es­tran­gei­ros.

No iní­cio de abril, o Ban­co In­ter, que se­rá lis­ta­do na B3 no dia 30 de abril, anun­ci­ou que as ges­to­ras Squa­dra e At­mos po­de­rão fi­car com qua­se 30% da ofer­ta ao pre­ço mé­dio por ação — se a de­man­da for mai­or e o pre­ço su­bir, fi­cam de­so­bri­ga­das de fa­zer a com­pra.

“A an­co­ra­gem cos­tu­ma ser um bom si­nal pa­ra os ou­tros in­ves­ti­do­res, já que in­di­ca que a pos­si­bi­li­da­de é mai­or de a ofer­ta acon­te­cer”, diz Le­o­nar­do Ru­fi­no, ges­tor de ren­da va­riá­vel da Pa­cí­fi­co Gestão de Re­cur­sos. “Já pa­ra a ges­to­ra que an­co­ra, é uma opor­tu­ni­da­de de en­trar com uma par­ti­ci­pa­ção mais re­le­van­te.”

Qu­an­to mais vo­lá­til o ce­ná­rio pa­ra ofer­tas, mais as em­pre­sas pro­cu­ram in­ves­ti­do­res-ân­co­ra, que ga­ran­tem, em mé­dia, 30% da ope­ra­ção. É uma for­ma de vi­a­bi­li­zar o IPO e se­gu­rar o pre­ço, por exem­plo, em ce­ná­ri­os em que há in­cer­te­za po­lí­ti­ca ou uma sequên­cia de de­sis­tên­ci­as de ofer­tas. Na mai­o­ria das ve­zes, os ân­co­ras ga­ran­tem o pre­ço mé­dio da fai­xa in­di­ca­ti­va da ofer­ta. Se a de­man­da for al­ta e a ação sair no te­to des­sa fai­xa, o ân­co­ra tem a op­ção de re­du­zir sua fa­tia ou nem se­quer en­trar na ope­ra­ção.

Foi o que acon­te­ceu em 2015 com a ofer­ta da PAR Cor­re­to­ra. O IPO saiu no pre­ço má­xi­mo e a ges­to­ra Gá­vea, que ti­nha se com­pro­me­ti­do co­mo ân­co­ra, aca­bou não vi­ran­do aci­o­nis­ta. No ano pas­sa­do, a ges­to­ra ame­ri­ca­na Op­pe­nhei­mer, ape­sar de não ter ne­go­ci­a­do de an­te­mão en­trar co­mo ân­co­ra na ofer­ta do Car­re­four no Bra­sil, aca­bou vi­a­bi­li­zan­do a ope­ra­ção. A ges­to­ra fez uma pré-re­ser­va de úl­ti­ma ho­ra, mas que re­pre­sen­ta­va 15% da ofer­ta e deu folga aos ban­cos e à em­pre­sa pa­ra não ter que me­xer nos ter­mos da pro­pos­ta — por is­so, al­guns ban­cos con­si­de­ram que a ges­to­ra atu­ou co­mo uma es­pé­cie de ân­co­ra nes­sa ope­ra­ção.

Se a de­man­da for fra­ca, os ges­to­res po­dem ajus­tar as par­ti­ci­pa­ções cal­cu­la­das — fi­car com um per­cen­tu­al mai­or pe­lo mes­mo mon­tan­te de in­ves­ti­men­to pro­me­ti­do ou de­sis­tir, ca­so não ha­ja um vo­lu­me mí­ni­mo. No ca­so da ofer­ta do ban­co In­ter, ao pre­ço mé­dio, o vo­lu­me se­rá de R$ 727,3 mi­lhões — em ca­so de de­man­da mais fra­ca, os ân­co­ras co­lo­ca­ram co­mo con­di­ção de en­tra­da uma cap­ta­ção total mí­ni­ma de R$ 500 mi­lhões.

Se­gun­do dois di­re­to­res de ban­co de in­ves­ti­men­to e três ad­vo­ga­dos, es­se é o mo­de­lo ide­al de ope­ra­ção. Os ban­cos co­lo­cam du­as equi­pes pa­ra tra­ba­lhar nes­sas ope­ra­ções: a de mer­ca­do de ca­pi­tais, que to­ca o IPO, e a de fu­sões e aqui­si­ções, que co­or­de­na o con­tra­to com os ân­co­ras — quan­do fe­cha­dos an­tes do pros­pec­to pre­li­mi­nar. Is­so sig­ni­fi­ca, pa­ra os ban­cos, fa­tu­rar nas du­as pon­tas.

A pri­mei­ra ope­ra­ção des­se ti­po no mer­ca­do bra­si­lei­ro foi fei­ta em 2013, no IPO da em­pre­sa de mi­lha­gens Smi­les. A ges­to­ra Ge­ne­ral Atlan­tic as­se­gu­ra­va R$ 400 mi­lhões ao pre­ço mí­ni­mo da fai­xa, que ia de R$ 20,70 a R$ 25,80. A ação aca­bou sain­do a R$ 21,70 e a ges­to­ra re­sol­veu ajus­tar o pre­ço. A GA re­pe­tiu o mo­de­lo no ano se­guin­te, quan­do an­co­rou a ofer­ta da Ou­ro Fi­no, úni­co IPO de 2014. A GA fi­cou com qua­se me­ta­de da ofer­ta: R$ 200 mi­lhões dos R$ 418 cap­ta­dos. Ou se­ja, sem o ân­co­ra, a ope­ra­ção não te­ria saí­do. “A de­fi­ni­ção pré­via do pre­ço do ân­co­ra pode aca­bar ba­li­zan­do o pre­ço de en­tra­da pa­ra ou­tros in­ves­ti­do­res”, pon­de­ra Wag­ner Sa­la­ver­ry, só­cio da ges­to­ra Qu­an­ti­tas.

Ad­vo­ga­dos de es­cri­tó­ri­os es­pe­ci­a­li­za­dos em mer­ca­do de ca­pi­tais ten­tam con­ven­cer a Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM) a in­cluir re­gras es­pe­cí­fi­cas pa­ra es­ti­mu­lar es­se ti­po de ope­ra­ção. Is­so por­que as ofer­tas com ân­co­ras ten­dem a pas­sar por um es­cru­tí­nio mai­or dos in­ves­ti­do­res pro­fis­si­o­nais — que ava­li­am a com­pa­nhia em de­ta­lhes an­tes do IPO. Eles ar­gu­men­tam que, pa­ra o re­gu­la­dor, a chan­ce­la de uma ges­to­ra com re­pu­ta­ção co­nhe­ci­da se­ria um in­di­ca­ti­vo a mais de que a ofer­tan­te não tem frau­de no ba­lan­ço, por exem­plo.

Em ou­tros paí­ses, ofer­tas an­co­ra­das têm re­gras di­fe­ren­ci­a­das. Nos Es­ta­dos Uni­dos, o ân­co­ra pode ter des­con­to em re­la­ção aos de­mais in­ves­ti­do­res, por ga­ran­tir de an­te­mão uma fa­tia re­le­van­te. No Bra­sil, o ân­co­ra tem que en­trar no mes­mo pre­ço dos de­mais in­ves­ti­do­res. Na bolsa de Hong Kong, tam­bém há re­gras es­pe­cí­fi­cas. O pre­ço tem que ser o mes­mo da ofer­ta, mas pode ha­ver uma di­fe­ren­ça no cus­to de es­tru­tu­ra­ção do IPO. Co­mo re­gra ge­ral, o ân­co­ra tem um pe­río­do de seis me­ses de res­tri­ção pa­ra ne­go­ci­a­ção das ações após o IPO. Mas is­so pode ser re­de­fi­ni­do em co­mum acor­do en­tre ban­cos, em­pre­sa e in­ves­ti­do­res.

No Bra­sil, es­se pe­río­do tem si­do de­fi­ni­do ca­so a ca­so pe­los in­ves­ti­do­res, a par­tir de seis me­ses. No Ban­co In­ter, os ân­co­ras fi­ca­rão res­tri­tos a es­ses 180 di­as. Mas nas ope­ra­ções da Smi­les e da Ou­ro Fi­no, a GA fi­cou com um pe­río­do mais lon­go de “lock-up”, de no­ve me­ses em ca­da uma de­las.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.