Cre­di­tas re­ce­be apor­te de fun­do do San­tan­der

Valor Econômico - - FINANÇAS - Vi­ní­cius Pi­nhei­ro

Em mais um lan­ce de apro­xi­ma­ção en­tre os ban­cos tra­di­ci­o­nais e as no­vas em­pre­sas de tec­no­lo­gia fi­nan­cei­ra (fin­te­chs), o San­tan­der fe­chou um apor­te de ca­pi­tal na Cre­di­tas, que con­ce­de cré­di­to com ga­ran­tia em imó­veis e veí­cu­los. O in­ves­ti­men­to foi o pri­mei­ro re­a­li­za­do no país pe­lo In­noVen­tu­res, fun­do de ca­pi­tal de ris­co do ban­co es­pa­nhol.

O va­lor do ne­gó­cio e a ava­li­a­ção da Cre­di­tas na ope­ra­ção não fo­ram re­ve­la­dos, mas faz par­te da ro­da­da de in­ves­ti­men­to anun­ci­a­da pe­la com­pa­nhia em de­zem­bro do ano pas­sa­do. Com a en­tra­da do San­tan­der co­mo mi­no­ri­tá­rio, o apor­te na com­pa­nhia to­ta­li­zou US$ 55 mi­lhões (ou pou­co me­nos de R$ 190 mi­lhões, pe­lo câm­bio atu­al). A ro­da­da foi li­de­ra­da pe­lo fun­do su­e­co Vos­tok Emer­ging Fi­nan­ce.

O “na­mo­ro” com o In­noVen­tu­res co­me­çou há dois anos, se­gun­do Ser­gio Fu­rio, fun­da­dor e pre­si­den­te da Cre­di­tas. “O in­ves­ti­men­to já es­ta­va pre­vis­to, mas por uma ques­tão de tem­po não foi pos­sí­vel sair quan­do anun­ci­a­mos a ro­da­da de apor­te em de­zem­bro”, afir­ma.

Com uma car­tei­ra de cré­di­to da or­dem de R$ 300 mi­lhões, a Cre­di­tas tem pla­nos de tri­pli­car a re­cei­ta a ca­da ano pe­los pró­xi­mos anos. “As pers­pec­ti­vas nos pri­mei­ros me­ses des­te ano estão me­lho­res do que a gen­te pre­via”, afir­ma. O fi­nan­ci­a­men­to com ga­ran­tia em um bem foi a for­ma en­con­tra­da pe­la com­pa­nhia pa­ra ofe­re­cer ta­xas me­no­res do que as dos em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os tra­di­ci­o­nais, cal­ca­dos prin­ci­pal­men­te em ope­ra­ções sem ga­ran­tia.

Após o apor­te de ca­pi­tal, a Cre­di­tas pre­ten­de am­pli­ar as fon­tes de cap­ta­ção pa­ra ex­pan­dir a con­ces­são de cré­di­to. A em­pre­sa já faz a ces­são de fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra fun­dos de re­ce­bí­veis (FIDCs) e de­ve fe­char a pri­mei­ra ope­ra­ção de se­cu­ri­ti­za­ção de cré­di­tos em maio, se­gun­do Fu­rio.

O in­ves­ti­men­to do fun­do do San­tan­der tem uma co­no­ta­ção mais fi­nan­cei­ra que es­tra­té­gi­ca, se­gun­do Fu­rio. “Te­mos par­ce­ri­as e es­ta­mos ace­le­ran­do as con­ver­sas com ou­tras ins­ti­tui­ções”, diz o exe­cu­ti­vo, sem ci­tar no­mes. Ele afir­ma que o ne­gó­cio, po­rém, es­trei­ta o re­la­ci­o­na­men­to com o ban­co, o que pode tra­zer opor­tu­ni­da­des con­jun­tas.

O mo­vi­men­to de apro­xi­ma­ção dos ban­cos com as fin­te­chs é mais um si­nal da im­por­tân­cia que es­sas no­vas em­pre­sas vêm ga­nhan­do no se­tor fi­nan­cei­ro. O San­tan­der alo­cou US$ 200 mi­lhões no In­noVen­tu­res pa­ra in­ves­tir na com­pra de par­ti­ci­pa­ções em star­tups fi­nan­cei­ras. “No nos­so mo­de­lo de co­ber­tu­ra, bus­ca­mos nos apro­xi­mar de sis­te­mas em­pre­en­de­do­res nos prin­ci­pais mer­ca­dos on­de o ban­co atua”, afir­ma Ma­nu­el Sil­va, só­cio e di­re­tor de in­ves­ti­men­to do In­noVen­tu­res.

Em qua­tro anos, o fun­do fez 21 in­ves­ti­men­tos. O apor­te na Cre­di­tas mar­ca a en­tra­da do fun­do no Bra­sil, res­pon­sá­vel por 26% do re­sul­ta­do glo­bal do San­tan­der. “Acre­di­ta­mos mui­to no po­ten­ci­al e no ta­ma­nho do mer­ca­do bra­si­lei­ro”, diz Sil­va.

O fun­do bus­ca re­tor­no fi­nan­cei­ro, mas tam­bém atua de for­ma es­tra­té­gi­ca pa­ra o ban­co. A Rip­ple, uma das em­pre­sas in­ves­ti­das pe­lo In­noVen­tu­res, cri­ou um sis­te­ma de trans­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal de mo­e­da com ba­se na tec­no­lo­gia block­chain que aca­ba de ser ado­ta­do pe­lo San­tan­der em vá­ri­os paí­ses, in­clu­si­ve no Bra­sil.

DI­VUL­GA­ÇÃO

In­noVen­tu­res vê po­ten­ci­al e ta­ma­nho pa­ra in­ves­ti­men­tos no Bra­sil, diz Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.