Ajus­te vai vi­a­bi­li­zar a rein­dus­tri­a­li­za­ção, diz Man­ga­bei­ra

Co­la­bo­ra­dor da cam­pa­nha de Ci­ro apos­ta em mu­dan­ças nos me­ses ini­ci­ais de go­ver­no

Valor Econômico - - ESPECIAL - Ma­ria Cris­ti­na Fer­nan­des

O fi­ló­so­fo Ro­ber­to Man­ga­bei­ra Un­ger co­nhe­ceu o pré-can­di­da­to do PDT à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Ci­ro Go­mes, quan­do es­te ocu­pou o go­ver­no do Ce­a­rá, nos anos 1990. Ci­ro tor­nou-se pa­dri­nho do mais ve­lho de seus qu­a­tro fi­lhos, Gabriel, ho­je com 28 anos. De lá pra cá, não o lar­gou mais. Man­ga­bei­ra par­ti­ci­pou da for­mu­la­ção dos pla­nos de go­ver­no de to­das as su­as cam­pa­nhas pre­si­den­ci­ais e di­vi­de, com Ci­ro, a au­to­ria de “O pró­xi­mo pas­so: uma al­ter­na­ti­va prá­ti­ca ao ne­o­li­be­ra­lis­mo”. Com o apoio do seu par­ti­do, aos go­ver­nos Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e Dil­ma Rous­seff, tor­nou-se mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de As­sun­tos Es­tra­té­gi­cos. Em 2009, dei­xou o go­ver­no e vol­tou pa­ra Har­vard, on­de co­me­çou a le­ci­o­nar em 1972, aos 25 anos, tor­nan­do­se o pro­fes­sor ti­tu­lar mais jo­vem da his­tó­ria da ins­ti­tui­ção. Aos 71 anos, viú­vo, es­te ca­ri­o­ca de in­con­fun­dí­vel so­ta­que ian­que, tem sem­pre um bra­são da Re­pú­bli­ca bra­si­lei­ra, com­pra­do em Cei­lân­dia (DF), na lapela. Não pre­ten­de aban­do­nar a uni­ver­si­da­de du­ran­te a cam­pa­nha. Pre­pa­ra-se pa­ra lan­çar dois no­vos li­vros até agos­to, com su­as idei­as pa­ra o pro­gra­ma com o qual es­pe­ra que o ami­go, que diz es­tar mais cen­tra­do, con­ver­ta o elei­tor que, no va­ti­cí­nio de Le­o­nel Bri­zo­la, cos­teia o alam­bra­do pa­ra ver quem mente me­nos. A se­guir, a en­tre­vis­ta, con­ce­di­da na ma­nhã de on­tem num ho­tel em São Pau­lo: Va­lor: O pró­xi­mo pre­si­den­te as­su­mi­rá um país que, em dois anos, já não da­rá con­ta, com a receita, de su­prir os gas­tos obri­ga­tó­ri­os. Co­mo en­fren­tar es­se de­sa­fio fis­cal com o blo­queio par­la­men­tar que ho­je pre­do­mi­na? Ro­ber­to Man­ga­bei­ra Un­ger: Há du­as agen­das, uma de fun­do e ou­tra de tran­si­ção e es­ta só po­de ser pen­sa­da de for­ma co­e­ren­te à luz da agen­da de fun­do. O de­sen­vol­vi­men­to ba­se­a­do na mas­si­fi­ca­ção de con­su­mo se exau­riu. A no­va es­tra­té­gia é a rein­dus­tri­a­li­za­ção do país em ou­tro pa­ra­dig­ma. Pa­ra is­so pre­ci­sa de um es­cu­do fis­cal, que po­de ter um efei­to con­tra­ci­o­nis­ta so­bre a eco­no­mia, mas não de­ve ser apre­sen­ta­do co­mo uma pre­li­mi­nar con­tá­bil a um pro­je­to de de­sen­vol­vi­men­to que de­pois se vai re­ve­lar. As du­as coi­sas têm que vir jun­tas. O sa­cri­fí­cio tem que vir em no­me de um no­vo mo­de­lo. O im­pe­ra­ti­vo fis­cal não de­ve ser­vir pa­ra ho­me­na­ge­ar os in­te­res­ses e pre­con­cei­tos do mer­ca­do fi­nan­cei­ro mas pe­la ra­zão in­ver­sa. Pa­ra não de­pen­der da con­fi­an­ça fi­nan­cei­ra. Pa­ra que o país não es­te­ja de jo­e­lhos e te­nha mar­gem de ma­no­bra pa­ra ou­sar. Va­lor: E qual é a saí­da pa­ra de­sen­ges­sar o Es­ta­do? O se­nhor é fa­vo­rá­vel às des­vin­cu­la­ções or­ça­men­tá­ri­as? Man­ga­bei­ra Un­ger: Há mui­to tem­po. As vin­cu­la­ções de receita são, de fa­to, in­com­pa­tí­veis com o re­a­lis­mo fis­cal. É uma ta­re­fa de mé­dio pra­zo. Nos­sa Cons­ti­tui­ção pro­me­teu o céu e a ter­ra sem cons­truir os ins­tru­men­tos ins­ti­tu­ci­o­nais ou econô­mi­cos pa­ra vi­a­bi­li­zá-la. E ca­sou com o viés pre­do­mi­nan­te no dis­cur­so po­lí­ti­co bra­si­lei­ro que é a ideia da Sué­cia so­ci­al. Não a Sué­cia que en­fren­tou uma lu­ta de dé­ca­das e re­sul­tou num acor­do en­tre a plu­to­cra­cia e o Es­ta­do de bem-es­tar so­ci­al. Ape­nas a Sué­cia do epí­lo­go. O so­ci­al é o açú­car com o qual se pre­ten­de dou­rar a pí­lu­la do mo­de­lo econô­mi­co. Se ten­tar­mos con­ser­tar as fi­nan­ças pú­bli­cas ape­nas fo­can­do a pe­que­na par­te do gas­to pú­bli­co que é dis­cri­ci­o­ná­rio, va­mos pa­ra­li­sar o Es­ta­do. Va­lor: Mui­tas das vin­cu­la­ções fo­ram cri­a­das pa­ra pro­te­ger mas­sas de­sor­ga­ni­za­das com ca­rên­ci­as de saú­de e edu­ca­ção. Um go­ver­no que se dis­po­nha a fa­zer des­vin­cu­la­ções não cor­re o ris­co de ce­der às cor­po­ra­ções e sa­cri­fi­car o gas­to so­ci­al? Man­ga­bei­ra Un­ger: Em­bo­ra a dou­tri­na do gas­to obri­ga­tó­rio pos­sa ter si­do mo­ti­va­da pe­lo com­pro­mis­so com as mas­sas de­sor­ga­ni­za­das, sua es­tru­tu­ra es­tá to­da pe­ne­tra­da pe­las cor­po­ra­ções. Va­lor: E co­mo en­fren­tar um Con­gres­so do­mi­na­do pe­las cor­po­ra­ções? Man­ga­bei­ra Un­ger: Na es­tru­tu­ra pre­si­den­ci­al ple­bis­ci­tá­ria co­mo a nos­sa, o pre­si­den­te tem imen­so po­der nos me­ses ini­ci­ais. Nes­se pe­río­do tem que pro­por as mu­dan­ças es­tru­tu­rais. Elas não se­rão con­su­ma­das ins­tan­ta­ne­a­men­te. O se­gun­do ele­men­to é, na re­or­ga­ni­za­ção do gas­to pú­bli­co, pri­vi­le­gi­ar a re­du­ção do cus­teio e re­cu­pe­rar a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to da­qui­lo que é es­tra­té­gi­co pa­ra o país. Va­lor: Que pro­te­ção ha­ve­rá con­tra o avil­ta­men­to do gas­to so­ci­al? Man­ga­bei­ra Un­ger: Pra man­ter a pres­ta­ção de ser­vi­ços uni­ver­sais do Es­ta­do, não pre­ci­sa­mos tra­du­zi-la nu­ma ca­mi­sa de for­ça fis­cal. A gran­de mai­o­ria dos paí­ses não fa­zem is­so. É in­com­pa­tí­vel com o es­for­ço pa­ra trans­for­mar o per­fil do gas­to so­ci­al e im­pe­dir que se­ja do­mi­na­do pe­las cor­po­ra­ções. As re­gras do te­to de gas­tos tam­bém são uma ca­mi­sa de for­ça. Cons­truí­mos uma ca­mi­sa de for­ça em ci­ma da ou­tra, até pa­ra­li­sar qua­se com­ple­ta­men­te o po­der es­tra­té­gi­co do es­ta­do. A cur­to pra­zo, pre­ci­sa­mos dis­ci­pli­nar as des­pe­sas de cus­teio, man­ter o po­ten­ci­al de in­ves­ti­men­to e, so­bre­tu­do, o in­ves­ti­men­to es­tra­té­gi­co, com me­di­das que têm efei­to econô­mi­co pa­ra evi­tar ou ate­nu­ar o efei­to con­tra­ci­o­nis­ta des­se es­for­ço fis­cal. Va­lor: Man­ga­bei­ra Un­ger: Va­lor: Va­lor: Faz-se is­so sem BNDES? Es­te é um te­ma ain­da em dis­cus­são na cam­pa­nha. O BNDES não de­ve fi­nan­ci­ar gran­des em­pre­sas. O pa­pel é fi­nan­ci­ar a qua­li­fi­ca­ção pro­du­ti­va do agen­te econô­mi­co mais im­por­tan­te do Bra­sil que é a mul­ti­dão das pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas. A em­pre­sa mé­dia de van­guar­da é o que nos fal­ta. O BNDES de­ve­ria fa­ci­li­tar o em­pre­en­di­men­to ino­va­dor. A des­va­lo­ri­za­ção cam­bi­al é ou­tro ins­tru­men­to des­se in­cen­ti­vo? Man­ga­bei­ra Un­ger: Tu­do is­so tem que ser cons­truí­do com um am­bi­en­te ma­cro­e­conô­mi­co que não ini­ba o cres­ci­men­to. A de­pre­ci­a­ção cam­bi­al, por si só, não pro­duz cres­ci­men­to. Nin­guém atri­bui po­de­res mi­la­gro­sos à de­pre­ci­a­ção cam­bi­al, mas a apre­ci­a­ção cam­bi­al de um país gran­de em re­cur­sos na­tu­rais co­mo o Bra­sil po­de ini­bir o cres­ci­men­to. Se ti­ver que me­xer na es­tru­tu­ra tri­bu­ta­ria, fa­ça­mos da for­ma mais neu­tra pos­sí­vel. Não é pro­pos­ta de cam­pa­nha, mas po­de­ría­mos ado­tar um im­pos­to so­bre ex­por­ta­ção de pro­du­tos na­tu­rais, com alí­quo­ta in­ver­sa­men­te pro­por­ci­o­nal à agre­ga­ção de va­lor. O se­nhor acha que o agro­ne­gó­cio de ex­por­ta­ção pa­ga mui­to pou­co im­pos­to? Man­ga­bei­ra Un­ger: Sim, mas, em prin­ci­pio, não abra­ço a tri­bu­ta­ção das ex­por­ta­ções com en­tu­si­as­mo. Es­tou dan­do um exem­plo do re­a­lis­mo fis­cal. Se a in­fluên­cia do Es­ta­do no mer­ca­do de câm­bio não for su­fi­ci­en­te, po­de ser su­pri­da por uma re­for­ma tri­bu­tá­ria que equi­li­bre o ris­co da apre­ci­a­ção cam­bi­al. Si­mul­ta­ne­a­men­te na po­lí­ti­ca de ju­ros. Te­mos que su­pe­rar o du­a­lis­mo do mer­ca­do de cré­di­to. A di­vi­são en­tre um mer­ca­do de cré­di­to sub­si­di­a­do, que be­ne­fi­cia um pe­que­no nú­me­ro de gran­des em­pre­sas, e um di­nhei­ro ca­ro pa­ra to­dos os ou­tros. Em vez dis­so, a uni­fi­ca­ção do mer­ca­do de cré­di­to, com uma po­li­ti­ca bai­xis­ta de ju­ros. Va­lor: O que o se­nhor pro­põe pa­ra a es­tru­tu­ra tri­bu­tá­ria no cur­to pra­zo? Man­ga­bei­ra Un­ger: A cur­to pra­zo, ine­vi­ta­vel­men­te, a ma­nu­ten­ção de um ní­vel al­to de receita pú­bli­ca, exi­gi­da pe­lo re­a­lis­mo fis­cal, de­pen­de de im­pos­tos in­di­re­tos e agres­si­vos. Afo­ra os EUA e a Fran­ça, as eco­no­mi­as mais igua­li­tá­ri­as, co­mo são as so­ci­ais de­mo­cra­ci­as eu­ro­pei­as, se so­cor­rem da tri­bu­ta­ção re­gres­si­va e in­di­re­ta do con­su­mo, so­bre­tu­do por meio do IVA [Im­pos­to so­bre Va­lor Agre­ga­do]. O país que mais pri­vi­le­gia a tri­bu­ta­ção pro­gres­si­va da ren­da, que são os EUA, é o mais de­si­gual. Co­mo ex­pli­car is­so? Os eu­ro­peus ar­re­ca­dam pe­lo me­nos 10% a mais do PIB pe­lo im­pos­to neu­tro, que é o IVA. É um im­pos­to que, por ser neu­tro em re­la­ção aos pre­ços re­la­ti­vos, per­mi­te ar­re­ca­dar o má­xi­mo com um mí­ni­mo de trau­ma. Tu­do o que se per­de do la­do da pro­gres­si­vi­da­de na ar­re­ca­da­ção, se ga­nha em do­bro no gas­to. A cur­to pra­zo, te­mos que ter um es­for­ço pro­gres­si­vo de ar­re­ca­da­ção su­prin­do al­gu­mas la­cu­nas es­can­da­lo­sas co­mo a fal­ta de tri­bu­ta­ção so­bre lu­cros e di­vi­den­dos Va­lor: Man­ga­bei­ra Un­ger: Em que for­ma­to? Sim­ples­men­te abo­lin­do a ex­ce­ção aos lu­cros e di­vi­den­dos no Im­pos­to de Ren­da. Ou­tra la­cu­na igual­men­te es­can­da­lo­sa é a fra­que­za da tri­bu­ta­ção de do­a­ções e he­ran­ças in­ter­vi­vos. Va­lor: Mas ho­je es­te não é um im­pos­to fe­de­ral. O se­nhor pro­põe ins­ti­tui-lo? Man­ga­bei­ra Un­ger: Sim, co­mo o IR. Es­ta é a for­ma mais prá­ti­ca de for­ta­le­cer o as­pec­to pro­gres­si­vo da ar­re­ca­da­ção exi­gi­da pe­lo es­cu­do fis­cal que o IVA não re­sol­ve. Va­lor: Co­mo re­for­mar a Pre­vi­dên­cia sem fe­rir os di­rei­tos ad­qui­ri­dos? Man­ga­bei­ra Un­ger: O di­rei­to ad­qui­ri­do é um pro­ble­ma, mas não o pro­ble­ma. O re­gi­me que de­ve­mos que­rer, e is­so é ob­je­to de de­ba­te na cam­pa­nha, é um re­gi­me que man­te­nha a obri­ga­ção re­si­du­al do es­ta­do de pro­ver um mí­ni­mo uni­ver­sal... Va­lor: Man­ga­bei­ra Un­ger: Que é o sa­lá­rio mí­ni­mo? A quan­ti­fi­ca­ção de­pen­de dos re­cur­sos do Es­ta­do, não po­de ser por dog­ma. Ca­mi­nhar pa­ra um re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção que com­ple­men­te, mas não subs­ti­tua, es­sa ca­pi­ta­li­za­ção bá­si­ca. Es­se é o des­fe­cho, o ru­mo pa­ra on­de que­re­mos ca­mi­nhar. Aí vem o pro­ble­ma de tran­si­ção, pa­ra vi­a­bi­li­zar is­so, po­li­ti­ca­men­te, é pre­ci­so não trau­ma­ti­zar os di­rei­tos ad­qui­ri­dos. O no­vo re­gi­me tem que se im­por em eta­pas. Es­sa é a ma­nei­ra de fa­zer em to­dos os paí­ses do mun­do. Va­lor: Co­mo o se­nhor ava­lia a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia do go­ver­no Michel Te­mer? Man­ga­bei­ra Un­ger: Há as­pec­tos in­con­tor­ná­veis co­mo a ida­de mí­ni­ma, que tem que ser sub­me­ti­da a uma ma­ti­za­ção se­to­ri­al e re­gi­o­nal. Va­lor: Num Con­gres­so ho­je to­ma­do pe­los feu­dos par­ti­dá­ri­os, o Ci­ro não cor­re o ris­co de fi­car pa­ra­li­sa­do de ca­ra? Man­ga­bei­ra Un­ger: Nos­so re­gi­me po­lí­ti­co é co­pi­a­do do pre­si­den­ci­a­lis­mo ame­ri­ca­no. Pa­ra um país tão de­si­gual quan­to o Bra­sil, tem uma gran­de van­ta­gem. Per­mi­te uma mar­cha di­re­ta ao cen­tro do po­der. Tem um po­ten­ci­al ple­bis­ci­tá­rio. E nos pri­mei­ros me­ses de seu go­ver­no, o pre­si­den­te bra­si­lei­ro dis­põe de um po­der imen­so de pri­ma­zia so­bre o Con­gres­so. To­dos os pre­si­den­tes bra­si­lei­ros des­de [Eu­ri­co Gas­par] Du­tra fo­ram elei­tos em mi­no­ria e pu­de­ram fa­zer o que que­ri­am. Ao mes­mo tem­po, es­se pre­si­den­ci­a­lis­mo ple­bis­ci­tá­rio que nos­so co­lo­ni­a­lis­mo men­tal re­pro­du­ziu tem um gra­ve de­fei­to. Foi de­se­nha­do pa­ra ini­bir a trans­for­ma­ção da so­ci­e­da­de pe­la po­lí­ti­ca, per­pe­tu­an­do os im­pas­ses. Te­mos que con­ser­tar is­so de­pois, mu­nin­do o sis­te­ma pre­si­den­ci­al de me­ca­nis­mos pa­ra a so­lu­ção de im­pas­ses, co­mo ple­bis­ci­tos ou re­fe­ren­dos abran­gen­tes ou por elei­ções an­te­ci­pa­das. Va­lor: Não é na­tu­ral que se te­ma o co­man­do do pro­ces­so de­ci­só­rio, no país que tem um dos Con­gres­sos mais frag­men­ta­dos do mun­do, nas mãos de um par­ti­do tão mi­no­ri­tá­rio quan­to o PDT? Man­ga­bei­ra Un­ger: É mui­to co­mum a eli­te re­for­ma­do­ra do país pen­sar que par­ti­dos for­tes é que ge­ram os pro­je­tos na­ci­o­nais for­tes. Não foi as­sim em nos­sa ex­pe­ri­ên­cia his­tó­ri­ca. O re­gi­me par­ti­dá­rio mais for­te que já vi­ve­mos foi o que evo­luiu na Re­pú­bli­ca de 1946 a 1964. Ge­tú­lio Var­gas se ele­geu e te­ve um pro­je­to for­te. O re­gi­me par­ti­dá­rio se or­ga­ni­zou em tor­no des­se pro­je­to rein­ven­ta­do. Os par­ti­dos for­tes fo­ram a con­sequên­cia e não a cau­sa do pro­je­to. Por ou­tro la­do, es­ta mes­ma eli­te tam­bém pen­sa que a re­for­ma da po­lí­ti­ca é a mãe de to­das as re­for­mas. Não é. Ne­nhum país re­for­ma sua po­lí­ti­ca pa­ra de­pois de­ci­dir o que fa­zer com ela. A re­cons­tru­ção só ocor­re no meio de uma lu­ta pa­ra re­o­ri­en­tar o ca­mi­nho econô­mi­co e so­ci­al. Va­lor: O pre­si­den­te a ser elei­to vai dar de ca­ra com um go­ver­no a ser lo­te­a­do e uma ali­an­ça a ser fir­ma­da. Co­mo acre­di­tar que Ci­ro Go­mes fa­rá di­fe­ren­te? Man­ga­bei­ra Un­ger: Po­de fa­zê­lo de for­ma ins­ti­tu­ci­o­nal, não é es­se mos­tren­go que es­tá aí. O pre­si­den­te ho­je cons­ti­tui uma cur­ri­o­la ín­ti­ma, uma equi­pe econô­mi­ca em que con­fie, e en­tre­ga o res­to ao ape­ti­te. A saí­da é or­ga­ni­zar ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te as con­di­ci­o­nan­tes pa­ra a par­ti­ci­pa­ção no pro­je­to de go­ver­no. Um pro­je­to que não foi in­ven­ta­do no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, mas que foi cons­truí­do e apre­sen­ta­do ao país no de­cur­so da cam­pa­nha pa­ra que não ha­ja um es­te­li­o­na­to elei­to­ral. É pre­ci­so se va­ler da vir­tu­de quan­do as ins­ti­tui­ções fa­lham. O es­ta­dis­ta que se va­le da on­da ple­bis­ci­tá­ria sa­be que ela re­flui e, an­tes que is­so acon­te­ça, pre­ci­sa subs­ti­tuí-la pe­las al­ter­na­ti­vas ins­ti­tu­ci­o­nais. Va­lor: Mas não es­tá cla­ro co­mo es­sas al­ter­na­ti­vas ins­ti­tu­ci­o­nais se­rão ca­pa­zes de coi­bir o lo­te­a­men­to... Man­ga­bei­ra Un­ger: A mai­o­ria dos car­gos dis­cri­ci­o­ná­ri­os de­ve­ria ser subs­ti­tuí­da por car­rei­ras de Es­ta­do. Nós te­mos três agen­das de cons­tru­ção do Es­ta­do. A pri­mei­ra, que é uma agen­da do sé­cu­lo 19, que é a cons­tru­ção de car­rei­ras do Es­ta­do. A ne­go­ci­a­ção com os par­ti­dos se faz em ci­ma, nos car­gos de di­re­ção po­lí­ti­ca, não em bai­xo, pe­la dis­tri­bui­ção de de­ze­nas de pre­ben­das pa­ra o ape­ti­te dos ali­a­dos. De­pois tem a agen­da do sé­cu­lo 20, que é a efi­ci­ên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va. E tem a agen­da do sé­cu­lo 21, que é a do ex­pe­ri­men­ta­lis­mo na pro­vi­são de ser­vi­ços pú­bli­cos. O Es­ta­do de­ve pro­ver um mí­ni­mo uni­ver­sal ao ci­da­dão e aju­dar a cons­truir e fi­nan­ci­ar os ser­vi­ços pú­bli­cos mais com­ple­xos e ino­va­do­res com or­ga­ni­za­ções so­ci­ais. Va­lor: Co­mo evi­tar que o lo­te­a­men­to de ca­ra co­me­ce a blo­que­ar Man­ga­bei­ra Un­ger: Já que não é dá pa­ra cons­truir as car­rei­ras já, é pre­ci­so se va­ler de cri­té­ri­os me­ri­to­crá­ti­cos pa­ra no­me­ar. Va­lor: E, fi­nal­men­te te­mos a agen­da de fun­do. Quan­do e se for pos­sí­vel che­gar até lá, do que tra­ta?

“As vin­cu­la­ções de receita fo­ram cap­tu­ra­das pe­las cor­po­ra­ções e são in­com­pa­tí­veis com o re­a­lis­mo fis­cal” A CLT tem que ser fle­xi­bi­li­za­da, mas a re­mu­ne­ra­ção do ter­cei­ri­za­do tem que se equi­par à do tra­ba­lha­dor es­tá­vel”

Man­ga­bei­ra Un­ger: Pri­mei­ro é o pa­ra­dig­ma pro­du­ti­vo que é a eco­no­mia do co­nhe­ci­men­to, de­pois as re­la­ções en­tre ca­pi­tal e tra­ba­lho e, fi­nal­men­te, a edu­ca­ção. Na eco­no­mia clássica do de­sen­vol­vi­men­to da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo pas­sa­do, a in­dus­tri­a­li­za­ção era o ata­lho. Não fun­ci­o­na mais. As em­pre­sas que co­man­dam a eco­no­mia do co­nhe­ci­men­to con­se­guem pro­du­zir mais e me­lhor do que as tra­di­ci­o­nais. A in­dus­tri­a­li­za­ção tra­di­ci­o­nal com pro­du­ti­vi­da­de bai­xa, es­tá vul­ne­rá­vel a uma ar­bi­tra­gem mun­di­al em bus­ca de sa­lá­ri­os e im­pos­tos me­no­res. A eco­no­mia do co­nhe­ci­men­to é fal­sa­men­te con­fun­di­da com o Va­le do Si­lí­cio. Apa­re­ce, na ver­da­de, co­mo uma fran­ja van­guar­dis­ta em to­dos os se­to­res da eco­no­mia que ex­clui a gran­de mai­o­ria dos tra­ba­lha­do­res e das em­pre­sas e apro­fun­da a de­si­gual­da­de. O com­ple­xo agrí­co­la, ener­gé­ti­co, de saú­de e de de­fe­sa es­tão na van­guar­da, mas não só. O pri­mei­ro pas­so é qua­li­fi­car as pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, co­or­de­nan­do o aces­so de­las ao cré­di­to e à qua­li­fi­ca­ção. O gran­de pre­ce­den­te é o ex­ten­si­o­nis­mo agrí­co­la que re­vo­lu­ci­o­nou a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. Va­lor: Ain­da tem os dois ou­tros pon­tos... Man­ga­bei­ra Un­ger: Tem a ver com a re­la­ção en­tre o ca­pi­tal e o tra­ba­lhis­mo. Não po­de fun­ci­o­nar num am­bi­en­te de pre­ca­ri­za­ção do tra­ba­lho e avil­ta­men­to ex­clu­den­te. Por ou­tro la­do, tem as li­de­ran­ças tra­ba­lhis­tas em de­fe­sa do di­rei­to das mi­no­ri­as or­ga­ni­za­das. E elas não po­dem ser su­pri­mi­das por de­cre­to. Pre­ci­sa ter fle­xi­bi­li­za­ção. Va­lor: Co­mo a da re­for­ma tra­ba­lhis­ta pro­pos­ta nes­se go­ver­no? Man­ga­bei­ra Un­ger: O im­pe­ra­ti­vo da fle­xi­bi­li­za­ção vi­ra o pre­tex­to pa­ra jo­gar os tra­ba­lha­do­res na pre­ca­ri­za­ção to­tal. Tem que fa­zer mu­dan­ças na CLT pa­ra ad­mi­tir as no­vas for­mas de pro­du­ção. Me­ta­de dos tra­ba­lha­do­res es­tão na in­for­ma­li­da­de. E, na eco­no­mia for­mal, me­ta­de es­ta em si­tu­a­ção pre­ca­ri­za­da. Se jun­tá-los vo­cê tem a gran­de mai­o­ria. Não há con­di­ção de avan­çar ru­mo a um pro­du­ti­vis­mo in­clu­den­te apos­tan­do na pre­ca­ri­za­ção ba­ra­ta e des­qua­li­fi­ca­da. Tra­ba­lho po­de ser ter­cei­ri­za­do? Sim. Mas a re­mu­ne­ra­ção do tra­ba­lho tem­po­rá­rio e ter­cei­ri­za­do tem que ser equi­va­len­te ao es­tá­vel. O ter­cei­ro ele­men­to é a edu­ca­ção. Co­mo re­con­ci­li­ar, num país gran­de, de­si­gual, a ges­tão lo­cal das es­co­las com pa­drões na­ci­o­nais. Pa­ra is­so, além de um sis­te­ma na­ci­o­nal de ava­li­a­ção e me­ca­nis­mos pa­ra re­dis­tri­buir re­cur­sos, pre­ci­sa­mos ter me­ca­nis­mos cor­re­ti­vos que ve­nham em so­cor­ro da re­de es­co­lar pre­cá­ria. Nos­sa edu­ca­ção é de­co­re­ba e de en­ci­clo­pe­dis­mo ra­so. Pre­ci­sa­mos de uma edu­ca­ção que pri­o­ri­ze a aná­li­se e a sín­te­se, que pre­fi­ra o apro­fun­da­men­to ob­je­ti­vo, que or­ga­ni­ze o en­si­no por equi­pe e que se­ja di­a­lé­ti­ca na abor­da­gem do co­nhe­ci­men­to. Va­lor: To­dos os go­ver­nos, des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção têm ten­ta­do, bem ou mal, por em pé um pro­je­to pa­ra o bra­sil. Por que fra­cas­sa­ram? Man­ga­bei­ra Un­ger: Tem que vol­tar a Ge­tú­lio Var­gas. Cri­ou a mi­no­ria or­ga­ni­za­da que do­mi­na o cor­po­ra­ti­vis­mo. De­pois vi­e­ram Fer­nan­do Col­lor e Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so com a ideia da li­be­ra­li­za­ção, que sig­ni­fi­ca­va ado­tar as pra­ti­cas ins­ti­tu­ci­o­nais e as po­lí­ti­cas pú­bli­cas do he­mis­fé­rio nor­te. Não as prá­ti­cas ado­ta­das quan­do es­ses paí­ses es­ta­vam em cons­tru­ção, mas as prá­ti­cas de quan­do es­ses paí­ses já es­ta­vam cons­truí­dos. Va­mos imi­tá-los pa­ra bus­car a con­fi­an­ça de­les pa­ra que ve­nha o di­nhei­ro. Is­so nun­ca cons­truiu qual­quer país do mun­do. Vi­e­ram Lu­la e Dil­ma. O pre­ço das com­mo­di­ti­es es­ta­va no apo­geu e pos­si­bi­li­tou o na­ci­o­nal con­su­mis­mo. Dá 90% aos ban­quei­ros e o res­to pa­ra a massa. Sem ba­lan­çar mui­to o bar­co. É o que o Darcy Ri­bei­ro cha­ma­va de a es­quer­da que a di­rei­ta gos­ta. As com­mo­di­ti­es de­sa­ba­ram e a pre­si­den­te ten­tou uma so­bre­vi­da pe­lo key­ni­si­a­nis­mo vul­gar, cu­jo co­ro­lá­rio fo­ram as pe­da­la­das fis­cais. Aí vol­ta, no rit­mo de tra­gé­dia e far­sa, a dé­ca­da de 90 com es­ses que es­tão ago­ra no po­der. Não con­se­gui­mos ter um de­ba­te so­bre as al­ter­na­ti­vas. O po­vo bra­si­lei­ro es­tá, co­mo di­zia meu ami­go Le­o­nel Bri­zo­la, cos­te­an­do o alam­bran­do pa­ra ver quem mente me­nos.

RUY BARON/VA­LOR

Man­ga­bei­ra: “O im­pe­ra­ti­vo fis­cal não é pa­ra ho­me­na­ge­ar o mer­ca­do mas pa­ra que o país não de­pen­da de sua con­fi­an­ça”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.