CNC tro­ca de co­man­do após 36 anos, mas fa­vo­ri­to é acu­sa­do de ne­po­tis­mo

Valor Econômico - - BRASIL - Rapha­el Di Cun­to

Após 36 anos no co­man­do da po­de­ro­sa Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC), Antô­nio Oli­vei­ra San­tos, com 91 anos, de­sis­tiu de dis­pu­tar a re­e­lei­ção pa­ra a pre­si­dên­cia da en­ti­da­de, que con­tro­la um or­ça­men­to de R$ 10,5 bi­lhões. Dois gru­pos se ar­ti­cu­lam pa­ra che­gar ao po­der — e a ten­dên­cia é de con­ti­nuís­mo.

O fa­vo­ri­to pa­ra ven­cer a elei­ção, que ocor­re­rá em se­tem­bro, é o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção do Co­mér­cio do Ama­zo­nas (Fe­co­mér­cio-AM), Jo­sé Ro­ber­to Ta­dros, 72 anos. Há 32 anos no co­man­do da fe­de­ra­ção ama­zo­nen­se, ele é al­vo de pro­ces­sos no Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU): já foi mul­ta­do por ir­re­gu­la­ri­da­des em li­ci­ta­ções e pe­la con­tra­ta­ção do fi­lho, que não apa­re­cia pa­ra tra­ba­lhar. Ta­dros con­ta com apoio da mai­o­ria dos di­ri­gen­tes es­ta­du­ais.

O prin­ci­pal ad­ver­sá­rio é o pre­si­den­te da Fe­co­mér­cio de Ser­gi­pe, o de­pu­ta­do fe­de­ral Laér­cio Oli­vei­ra (PP), 59 anos, re­la­tor do pro­je­to de lei que re­gu­la­men­tou a ter­cei­ri­za­ção, área de atu­a­ção de seu gru­po em­pre­sa­ri­al. Re­e­lei­to pa­ra o se­gun­do man­da­to na Fe­co­mér­cio, ele tem co­mo mo­te de cam­pa­nha a re­no­va­ção: qu­er li­mi­tar os di­ri­gen­tes da CNC a dois man­da­tos. “As pes­so­as se en­raí­zam no con­for­to des­sas en­ti­da­des e se aco­mo­dam”, afir­mou.

Na ten­ta­ti­va de ser um no­me de con­sen­so, o pre­si­den­te da Fe­co­mér­cio-DF, Adel­mir San­ta­na, 73 anos, se lan­çou can­di­da­to, mas ad­mi­te que, se não for un­gi­do, de­ve apoi­ar Oli­vei­ra. Ape­sar de co­man­dar a en­ti­da­de des­de 2001, tam­bém de­fen­de aca­bar com a re­e­lei­ção ili­mi­ta­da. “Re­al­men­te não é re­pu­bli­ca­no fi­car 20 anos no co­man­do. Mas o pre­si­den­te [da CNC] sem­pre di­zia que era seu úl­ti­mo man­da­to e, se eu dei­xas­se a Fe­co­mér­cio, per­de­ria a chan­ce de pre­si­dir a CNC”, dis­se.

Já Ta­dros afir­mou que a dis­cus­são so­bre a re­e­lei­ção só sur­giu quando os ad­ver­sá­ri­os per­ce­be­ram que ele ti­nha mai­o­ria pa­ra ser elei­to e que, co­mo o co­lé­gio elei­to­ral é mais qua­li­fi­ca­do, com­pos­to por em­pre­sá­ri­os com boa for­ma­ção, não vê ne­ces­si­da­de dis­so. “É ca­suís­mo pu­ro”, acu­sou. Ele diz que já de­ci­diu, em ca­rá­ter pes­so­al, li­mi­tar seus pró­pri­os man­da­tos, mas não re­ve­la por quan­to tem­po. “Is­so é coi­sa de fo­ro ín­ti­mo, não vou fa­lar. Quando for o mo­men­to eu di­vul­go.”

A dis­cus­são so­bre a su­ces­são na CNC, res­sal­tou o fa­vo­ri­to pa­ra pre­si­di-la, nem de­ve­ria ser pú­bli­ca. “O de­ba­te de­ve­ria ser in­ter­no. A ins­ti­tui­ção é pri­va­da, nos­sos re­cur­sos são pri­va­dos”, afir­mou Ta­dros. “Se fos­sem re­cur­sos pa­ra­es­ta­tais, ja­mais pre­si­di­ria”, dis­se.

A CNC, con­tu­do, além do im­pos­to sin­di­cal — que, ago­ra que não é mais obri­ga­tó­rio, caiu pa­ra em tor­no de 20% dos R$ 29 mi­lhões re­ce­bi­dos ano pas­sa­do—, ga­nha R$ 500 mi­lhões pa­ra fa­zer a “ad­mi­nis­tra­ção” do Ser­vi­ço So­ci­al do Co­mér­cio (Sesc) e Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Aprendizagem Co­mer­ci­al (Senac) e ain­da con­tro­la as du­as ins­ti­tui­ções, com um or­ça­men­to de R$ 10,35 bi­lhões, dos quais 73% são de con­tri­bui­ções com­pul­só­ri­as das em­pre­sas.

Foi no co­man­do de en­ti­da­des do Sis­te­ma S, su­jei­tas à fis­ca­li­za­ção do TCU, que Ta­dros re­ce­beu mul­tas por ir­re­gu­la­ri­da­des. Num dos pro­ces­sos, o ple­ná­rio de­ter­mi­nou o pa­ga­men­to de R$ 1,7 mi­lhão por su­per­fa­tu­ra­men­to de um cam­po de fu­te­bol do SescAM que, se­gun­do o tri­bu­nal, não foi cons­truí­do. Ta­dros afir­ma que es­ta­va fo­ra da ges­tão na épo­ca, que de­mi­tiu os res­pon­sá­veis e acu­sa ad­ver­sá­ri­os na CNC de te­rem ori­en­ta­do os advogados da en­ti­da­de a não de­fen­dê-lo.

Em outro pro­ces­so, ele foi mul­ta­do em R$ 30 mil por fa­lhas na ges­tão de pes­so­al e ne­po­tis­mo. Seu fi­lho, Da­vid Jo­sé Nó­voa Ta­dros, ocu­pou car­go co­mis­si­o­na­do por dois anos no Se­brae-AM en­quan­to ele era do con­se­lho da ins­ti­tui­ção — e, por qua­se um ano, pre­si­den­te. Se­gun­do o TCU, Da­vid es­ta­va no­me­a­do ao mes­mo tem­po pa­ra na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Ma­naus e fal­tou em 56% de sua jor­na­da no Se­brae. Em vez de des­con­ta­do do sa­lá­rio, ele foi dis­pen­sa­do de as­si­nar pon­to.

Ta­dros afir­mou que seu fi­lho tem 40 anos, é for­ma­do em Di­rei­to e foi con­tra­ta­do an­tes de ele as­su­mir a pre­si­dên­cia do Se­bra­eAM pe­lo di­re­tor-su­pe­rin­ten­den­te, que é quem faz a ges­tão. “Foi uma ten­ta­ti­va de ado­ci­car a mi­nha bo­ca pa­ra eu man­tê-lo no car­go”, dis­se. O sa­lá­rio, afir­mou, era em tor­no de R$ 2 mil. “Ele acei­tou, eu ima­gi­no, por­que ti­nha mui­ta mo­ça bo­ni­ta lá, ele é sol­tei­rão, por­que o sa­lá­rio era pou­co con­vi­da­ti­vo”, dis­se.

Ele afir­ma que, quando as­su­miu em ja­nei­ro, pe­diu a de­mis­são, mas o su­pe­rin­ten­den­te dis­se que fa­ria is­so jun­to com a re­es­tru­tu­ra­ção do pes­so­al — a de­mis­são só ocor­reu em ou­tu­bro. Ta­dros não ex­pli­cou o mo­ti­vo de o fi­lho fal­tar em mais da me­ta­de dos di­as, vol­tou a de­fen­der que as en­ti­da­des são pri­va­das e acu­sou o Va­lor de estar a man­do de seus ad­ver­sá­ri­os. “Se é o Laér­cio que es­tá te man­dan­do, vai per­gun­tar quan­tos em­pre­gos ele tem por ai.”

Num ata­que ao de­pu­ta­do, Ta­dros afir­ma que a CNC fi­ca­rá dis­tan­te da vi­da po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria por­que os que se tor­nam par­la­men­ta­res não têm in­de­pen­dên­cia ne­ces­sá­ria pa­ra de­fen­der su­as ca­te­go­ri­as. “Via de re­gra, são con­fli­tan­tes os in­te­res­ses de um go­ver­no que qu­er ar­re­ca­dar sem­pre mais e os dos em­pre­sá­ri­os”, dis­se.

Laér­cio Oli­vei­ra, que mu­dou do So­li­da­ri­e­da­de, li­ga­do à For­ça Sin­di­cal, pa­ra o PP em abril, de­fen­de que a atu­a­ção con­gres­su­al é “lí­ci­ta e de­se­ja­vel”. Ci­ta os ex-pre­si­den­tes da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) Armando Mon­tei­ro (PTB-PE), ho­je se­na­dor, e Al­ba­no Fran­co (PSDB), ex-de­pu­ta­do. “To­dos muito atu­an­tes, trou­xe­ram mai­or pro­ta­go­nis­mo e des­ta­que à re­pre­sen­ta­ção de su­as en­ti­da­des den­tro do de­ba­te po­lí­ti­co”, dis­se.

O ama­zo­nen­se lar­gou na fren­te, com apoio da mai­o­ria dos Es­ta­dos As elei­ções re­gi­o­nais, con­tu­do, só aca­bam em ju­nho, o que po­de mu­dar o ce­ná­rio — os di­ri­gen­tes de Mi­nas Ge­rais e Ma­to Gros­so, que o apoi­a­ram, es­tão afas­ta­do por de­ci­sões ju­di­ci­ais, sus­pei­tos de ir­re­gu­la­ri­da­des, e as elei­ções ain­da não ocor­re­ram. Tam­bém há uma dis­pu­ta na Jus­ti­ça pa­ra am­pli­ar o co­lé­gio elei­to­ral, o que fa­vo­re­ce­ria Oli­vei­ra, apoi­a­do pe­las se­te fe­de­ra­ções na­ci­o­nais, mas que jun­tas só tem di­rei­to a um vo­to na CNC.

NEL­SON PEREZ/VA­LOR

An­to­nio Oli­vei­ra San­tos: de­sis­tên­cia da re­e­lei­ção após 36 anos no car­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.