Go­ver­no aci­o­na AGU pa­ra fim de im­pas­se no pré-sal

Di­ver­gên­ci­as com Pe­tro­bras so­bre ces­são one­ro­sa per­ma­ne­cem

Valor Econômico - - BRASIL - Da­ni­el Ritt­ner e Fa­bio Gra­ner (Co­la­bo­rou Fer­nan­do Ex­man)

O go­ver­no frus­trou as ex­pec­ta­ti­vas do mer­ca­do so­bre o anún­cio de um acor­do com a Pe­tro­bras em tor­no do con­tra­to de ces­são one­ro­sa e le­vou o im­pas­se pa­ra a Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU). A co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al ins­ti­tuí­da em ja­nei­ro pa­ra en­ca­mi­nhar uma re­vi­são con­tra­tu­al ter­mi­nou seus tra­ba­lhos, de­pois de 120 di­as, sem ter al­can­ça­do um en­ten­di­men­to de­fi­ni­ti­vo.

“To­dos os pro­ble­mas téc­ni­cos fo­ram en­ca­mi­nha­dos, res­tan­do um pro­ble­ma de na­tu­re­za ju­rí­di­ca, com re­per­cus­sões fi­nan­cei­ras”, dis­se ao Va­lor o mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Mo­rei­ra Fran­co.

Se­gun­do ele, a me­lhor for­ma de so­lu­ci­o­nar es­sas pen­dên­ci­as é por meio de uma “con­ci­li­a­ção” da AGU. O mi­nis­tro res­sal­ta, no en­tan­to, que is­so não de­ve de­mo­rar. “Mi­nha ex­pec­ta­ti­va pes­so­al é [de so­lu­ção] em uma se­ma­na”.

Ou­tra fon­te ou­vi­da pe­lo Va­lor afir­ma que, ape­sar de ní­ti­dos avan­ços e da pro­xi­mi­da­de de acor­do so­bre a ces­são one­ro­sa, um dos te­mas ain­da sem con­sen­so é se o pro­vá­vel pa­ga­men­to da União à Pe­tro­bras de­ve ser co­ta­do em re­ais ou em dó­la­res. Em meio à vo­la­ti­li­da­de cam­bi­al das úl­ti­mas se­ma­nas, não é um pon­to me­nor. Ha­ve­ria, ao to­do, três ou qu­a­tro di­ver­gên­ci­as en­tre os dois la­dos.

Em no­ta di­vul­ga­da on­tem à noite, o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da dis­se que a co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al “te­ve êxi­to” em seus tra­ba­lhos, mas não di­vul­ga­rá seu re­la­tó­rio até a con­clu­são das ne­go­ci­a­ções. En­tre os avan­ços, a Fa­zen­da ci­tou a cons­tru­ção de uma ba­se úni­ca de in­for­ma­ções a ser uti­li­za­da pa­ra um cál­cu­lo do va­lor fi­nal do con­tra­to, en­vol­ven­do a cur­va de pro­du­ção do vo­lu­me con­tra­ta­do e da­tas de re­fe­rên­cia.

De acor­do com a no­ta, a União op­tou por re­a­li­zar con­sul­ta ju­rí­di­ca a ou­tros ór­gãos de go­ver­no pa­ra ori­en­tar seus re­pre­sen­tan­tes, res­pon­sá­veis por ne­go­ci­ar com a Pe­tro­bras. A es­ta­tal não par­ti­ci­pa­rá das tra­ta­ti­vas com a AGU por­que is­so po­de­ria cau­sar pro­ble­mas com seus aci­o­nis­tas mi­no­ri­tá­ri­os — não se po­de acei­tar o só­cio con­tro­la­dor co­mo ár­bi­tro de uma su­pos­ta con­ci­li­a­ção, dis­se­ram pes­so­as li­ga­das à em­pre­sa.

“A par­tir dis­so [con­sul­ta à AGU], União e Pe­tro­bras re­to­mam as ne­go­ci­a­ções que re­sul­ta­rão em mi­nu­ta de adi­ti­vo con­tra­tu­al acor­da­da en­tre as par­tes e que se­rá en­vi­a­da pa­ra de­li­be­ra­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Ener­gé­ti­ca (CNPE)”, con­clui a no­ta, sem in­di­car pre­vi­são de da­ta.

Ape­sar de não ter che­ga­do a uma con­clu­são de­fi­ni­ti­va, nos bas­ti­do­res a equi­pe econô­mi­ca ain­da ten­ta mos­trar al­gum oti­mis­mo com as chan­ces de re­sol­ver a ques­tão nas pró­xi­mas se­ma­nas e, as­sim, con­se­guir vi­a­bi­li­zar o lei­lão dos ex­ce­den­tes de pe­tró­leo na área do pré-sal re­la­ti­va à ces­são one­ro­sa. A per­cep­ção é que, se is­so for re­sol­vi­do e ti­ver um si­nal cla­ro de um lei­lão des­sa me­ga-área, uma in­je­ção de âni­mo pe­lo ca­nal das ex­pec­ta­ti­vas po­de dar um com­bus­tí­vel ex­tra pa­ra a eco­no­mia. O mes­mo ra­ci­o­cí­nio fei­to pa­ra a pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras, que ain­da pa­ti­na no Con­gres­so Na­ci­o­nal e tem ris­co de não sair mais nes­te ano.

Em 2010, a Pe­tro­bras re­ce­beu o di­rei­to de ex­plo­rar 5 bi­lhões de bar­ris em seis blo­cos na ca­ma­da do pré-sal. Ho­je se es­ti­ma um ex­ce­den­te de, no mí­ni­mo, mais 6 bi­lhões de bar­ris. A ideia, des­de o iní­cio do fun­ci­o­na­men­to da co­mis­são, é en­tre­gar par­te dis­so à es­ta­tal e lei­lo­ar o res­tan­te em um cer­ta­me que po­de­ria ge­rar até R$ 100 bi­lhões aos co­fres pú­bli­cos.

A AGU vai dar um pa­re­cer in­di­can­do quais as su­as in­ter­pre­ta­ções ju­rí­di­cas pa­ra os te­mas que fi­ca­ram sem so­lu­ção. A Pe­tro­bras não é par­te di­re­ta na con­sul­ta, mas sua vi­são ge­ral es­tá re­pre­sen­ta­da pe­lo Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia, se­gun­do fon­tes. Na ou­tra pon­ta es­tá o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, por meio da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal (PGFN). O Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) tam­bém po­de ser aci­o­na­do pa­ra dar uma po­si­ção.

In­te­gran­tes da AGU lem­bra­ram que não é a pri­mei­ra vez que se cha­ma o ór­gão ten­tar vi­a­bi­li­zar so­lu­ções em te­mas de­li­ca­dos. Um de­les, por exem­plo, foi o acor­do pa­ra com­pen­sar per­das por cau­sa de pla­nos econô­mi­cos. Re­cen­te­men­te, os advogados da União tam­bém fo­ram es­ca­la­dos pa­ra tra­tar da ques­tão do au­xí­lio-mo­ra­dia da­do a au­to­ri­da­des.

MA­TEUS BONOMI/AGIF/FO­LHA­PRESS

Mo­rei­ra Fran­co: Ain­da fal­tam so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas de na­tu­re­za ju­rí­di­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.