Acer­to en­tre es­ta­tal e União pas­sa­rá pe­lo Con­gres­so

Valor Econômico - - BRASIL - An­dré Ra­ma­lho

Pe­tro­bras e União en­cer­ra­ram on­tem os tra­ba­lhos da co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al so­bre a re­vi­são do con­tra­to da ces­são one­ro­sa, sem uma si­na­li­za­ção con­cre­ta so­bre os va­lo­res en­vol­vi­dos e sem prazos pa­ra um en­ten­di­men­to fi­nal. As du­as par­tes te­rão pe­la fren­te uma agen­da in­ten­sa pa­ra con­cluir as ne­go­ci­a­ções, que pas­sam não só pe­la es­ta­tal e pe­los três mi­nis­té­ri­os en­vol­vi­dos, mas tam­bém pe­lo Con­gres­so. É muito pro­va­vel­men­te no Le­gis­la­ti­vo que a so­lu­ção se­rá vi­a­bi­li­za­da.

Jun­to com a re­ne­go­ci­a­ção do con­tra­to que ce­deu à Pe­tro­bras o di­rei­to de pro­du­zir até 5 bi­lhões de bar­ris no pré-sal, co­mo par­te da me­ga­ca­pi­ta­li­za­ção da com­pa­nhia, em 2010, tra­mi­ta na Câ­ma­ra, ho­je, um pro­je­to de lei que po­de aju­dar a União e a pe­tro­lei­ra a fe­cha­rem um en­ten­di­men­to. Se­gun­do fon­tes con­sul­ta­das pe­lo Va­lor , o PL nº 8939/2017, que li­be­ra a Pe­tro­bras pa­ra ven­der até 70% de sua par­ti­ci­pa­ção nas áre­as da ces­são one­ro­sa, foi um plei­to da es­ta­tal nas ro­da­das de ne­go­ci­a­ção.

O mais pro­vá­vel ho­je é que a União pa­gue a Pe­tro­bras em bar­ris, da­da as res­tri­ções or­ça­men­tá­ri­as do Te­sou­ro. Es­sa é a hi­pó­te­se que vem sen­do si­na­li­za­da pe­lo go­ver­no des­de o iní­cio das con­ver­sas com a es­ta­tal e de­pen­de­ria de um ajus­te nu­ma das cláu­su­las do con­tra­to — que per­mi­te que a União pa­gue a pe­tro­lei­ra so­men­te em di­nhei­ro, tí­tu­los da dí­vi­da pú­bli­ca, va­lo­res mo­bi­liá­ri­os emi­ti­dos pe­la União, “ou por outro meio acor­da­do pe­las par­tes, su­jei­ta às leis or­ça­men­tá­ri­as”.

O mer­ca­do es­ti­ma que a Pe­tro­bras te­nha a re­ce­ber até 2 bi­lhões de bar­ris ex­ce­den­tes, se­gun­do as pro­je­ções do UBS (2 bi­lhões de bar­ris ex­ce­den­tes), San­tan­der (en­tre 1 bilhão e 2 bi­lhões de bar­ris) e Bra­des­co (1,4 bilhão de bar­ris). Sem o anún­cio da con­clu­são de um acor­do, o mer­ca­do re­a­giu e as ações da em­pre­sa caí­ram 4,9% (ONs) e 5,48% (PNs).

Só que, pa­ra a Pe­tro­bras, es­sa al­ter­na­ti­va não traz ime­di­a­ta­men­te di­nhei­ro pa­ra o cai­xa, já que os bar­ris da ces­são one­ro­sa só se­rão pro­du­zi­dos ao lon­go das pró­xi­mas dé­ca­das. Bú­zi­os, o pri­mei­ro pro­je­to da ces­são one­ro­sa ti­ra­do do pa­pel pe­la Pe­tro­bras, por exem­plo, só co­me­çou a pro­du­zir em abril, oi­to anos após a apro­va­ção da lei que au­to­ri­zou a ces­são one­ro­sa.

“Se a Pe­tro­bras fos­se li­be­ra­da a ven­der par­te de sua fa­tia na ces­são one­ro­sa, a si­tu­a­ção de en­di­vi­da­men­to de­la me­lho­ra­ria muito, aju­da­ria a an­te­ci­par a me­ta de re­du­ção da dí­vi­da [ho­je de US$ 81,4 bi­lhões]”, co­men­ta Pau­lo Va­lois, só­cio do es­cri­tó­rio Sch­midt Va­lois.

E é aí que en­tra a saí­da via lei. No meio da que­da-de-bra­ço com a União du­ran­te as re­ne­go­ci­a­ções do con­tra­to da ces­são one­ro­sa, a Pe­tro­bras ten­ta em­pla­car a apro­va­ção do pro­je­to de lei, pa­ra al­te­rar a lei nº 12.276/2010, que au­to­ri­zou a ces­são one­ro­sa e que proí­be que es­sas áre­as ce­di­das à es­ta­tal se­jam trans­fe­ri­das pa­ra ou­tras em­pre­sas. Se­gun­do fon­tes, a Pe­tro­bras ce­de­ria nas ne­go­ci­a­ções, per­mi­tin­do que a União pa­gue em bar­ris, mas em tro­ca pe­de a apro­va­ção do pro­je­to que a li­be­ra pa­ra ven­der par­te de seus ati­vos na ces­são.

É in­cluin­do es­ses ati­vos do pré­sal, valiosos, no pro­gra­ma de de­sin­ves­ti­men­tos que a Pe­tro­bras es­pe­ra ge­rar cai­xa pa­ra ace­le­rar sua me­ta de re­du­ção de dí­vi­das. Per­mi­tir a en­tra­da de só­ci­os nes­ses pro­je­tos é es­sen­ci­al tam­bém pa­ra que a em­pre­sa te­nha com quem di­vi­dir pe­sa­dos in­ves­ti­men­tos no de­sen­vol­vi­men­to des­ses cam­pos.

Ou­tra al­ter­na­ti­va ava­li­a­da ao lon­go dos úl­ti­mos me­ses de ne­go­ci­a­ção foi a pos­si­bi­li­da­de de a União pa­gar a Pe­tro­bras com par­te do di­nhei­ro ar­re­ca­da­do com o lei­lão dos ex­ce­den­tes da ces­são one­ro­sa (vo­lu­mes des­co­ber­tos que su­pe­ram os 5 bi­lhões de bar­ris aos quais a Pe­tro­bras tem o di­rei­to de pro­du­zir nas áre­as ce­di­das). De uma for­ma ou de ou­tra, o acor­do pas­sa­ria pe­la re­vi­são da le­gis­la­ção vi­gen­te, pa­ra per­mi­tir que ou­tras em­pre­sas pos­sam en­trar nas áre­as da ces­são. Daí a pre­o­cu­pa­ção com a ce­le­ri­da­de dos avan­ços da ne­go­ci­a­ção, em meio à pro­xi­mi­da­de do ca­len­dá­rio elei­to­ral que ten­de a es­va­zi­ar o Con­gres­so.

Pe­lo con­tra­to, a Pe­tro­bras tem di­rei­to de pro­du­zir 5 bi­lhões de bar­ris nos cam­pos de Ita­pu, Bú­zi­os, Sul de Sa­pi­nhoá, Nor­te e Sul de Ber­bi­gão, Nor­te e Sul de Su­ru­ru e Ata­pu, Sul de Lu­la e Sé­pia, mas des­co­briu vo­lu­mes su­pe­ri­o­res nes­sas áre­as — a Agên­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo (ANP) es­ti­ma ex­ce­den­tes de 6 bi­lhões a 15 bi­lhões de bar­ris.

O ad­vo­ga­do Gi­o­va­ni Loss, es­pe­ci­a­lis­ta na área de óleo e gás do es­cri­tó­rio Mat­tos Fi­lho, acre­di­ta que, pa­ra vi­a­bi­li­zar o lei­lão, uma so­lu­ção se­ria que a União e a Pe­tro­bras che­gas­sem a um acor­do pa­ra que a es­ta­tal fi­cas­se com ape­nas par­te des­sas áre­as — aque­las com re­ser­vas su­fi­ci­en­tes pa­ra que a es­ta­tal pro­du­za os 5 bi­lhões de bar­ris ga­ran­ti­dos em con­tra­to, mais os ex­ce­den­tes a que te­rá di­rei­to ao fim da re­vi­são do con­tra­to. Os de­mais cam­pos se­ri­am de­vol­vi­dos pe­la Pe­tro­bras e co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção pa­ra lei­lão. “Es­sa é a so­lu­ção mais pro­vá­vel”, opi­na o ad­vo­ga­do.

O me­ga­lei­lão dos ex­ce­den­tes da ces­são one­ro­sa é en­ca­ra­do na in­dús­tria co­mo uma opor­tu­ni­da­de úni­ca no mun­do e, cer­ta­men­te, co­mo a mai­or ro­da­da já re­a­li­za­da no Bra­sil.

“É uma opor­tu­ni­da­de fa­bu­lo­sa pa­ra as pe­tro­lei­ras. São áre­as com des­co­ber­tas já con­fir­ma­das, de ris­co ex­plo­ra­tó­rio bai­xo e com si­ner­gi­as com infraestruturas já exis­ten­tes”, afir­ma An­der­son Du­tra, só­cio-lí­der de óleo e gás da KPMG no Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.