‘Nun­ca es­te­ve tão per­to’, diz no­vo em­bai­xa­dor so­bre acor­do com UE

Valor Econômico - - BRASIL - Da­ni­el Ritt­ner

O se­cre­tá­rio-ge­ral do Ita­ma­raty, Mar­cos Gal­vão, rei­te­rou on­tem o oti­mis­mo do go­ver­no com a con­clu­são do acor­do de li­vre co­mér­cio União Eu­ro­peia-Mer­co­sul nes­te ano e dis­se que as res­tri­ções sa­ni­tá­ri­as im­pos­tas por Bru­xe­las à car­ne de fran­go bra­si­lei­ras não afe­tam a re­ta fi­nal das tra­ta­ti­vas. “Nun­ca es­ti­ve­mos tão per­to”, res­sal­tou o em­bai­xa­dor.

In­di­ca­do pa­ra che­fi­ar a mis­são do Bra­sil jun­to à UE, ele foi acla­ma­do on­tem por par­la­men­ta­res du­ran­te sua sa­ba­ti­na na Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e De­fe­sa Na­ci­o­nal do Senado. Sua trans­fe­rên­cia efe­ti­va , no en­tan­to, de­ve ocor­rer ape­nas na vi­ra­da do ano.

Gal­vão vê con­di­ções, pe­lo me­nos, de uma “de­cla­ra­ção po­lí­ti­ca” de que as ne­go­ci­a­ções fo­ram bem su­ce­di­das. Con­for­me ele ex­pli­cou aos se­na­do­res, tra­ta-se de prá­ti­ca co­mum, co­mo no tra­ta­do co­mer­ci­al UE-Ja­pão. Nes­se ca­so, hou­ve seis me­ses de dis­cus­sões pa­ra a con­clu­são dos de­ta­lhes téc­ni­cos. O em­bai­xa­dor lem­brou que há 12 gru­pos ne­go­ci­a­do­res en­tre eu­ro­peus e sul-ame­ri­ca­nos, ne­go­ci­an­do ques­tões es­pe­cí­fi­cas, co­mo ser­vi­ços, aces­so a bens in­dus­tri­ais e agrí­co­las, pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, en­tre ou­tros. “Res­tam pen­dên­ci­as em pou­cos de­les.”

Em alu­são ao em­bar­go apli­ca­do pe­la UE con­tra 12 fri­go­rí­fi­cos bra­si­lei­ros, Gal­vão dis­se que me­di­das sa­ni­tá­ri­as e fi­tos­sa­ni­tá­ri­os não con­ta­mi­nam, “sem tro­ca­di­lhos”, as ne­go­ci­a­ções do acor­do de li­vre co­mér­cio. No en­tan­to, ele cha­mou de “ex­ces­si­va” a sus­pen­são por Bru­xe­las das im­por­ta­ções de pes­ca­dos bra­si­lei­ros e afir­mou que é pre­ci­so man­ter uma pos­tu­ra vi­gi­lan­te con­tra a trans­for­ma­ção de nor­mas de sa­ni­da­de ani­mal ou ve­ge­tal em sim­ples bar­rei­ras pro­te­ci­o­nis­tas.

In­de­pen­den­te­men­te do su­ces­so nas ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais, a UE é um par­cei­ro de des­ta­que no co­mér­cio com o Bra­sil, des­ta­cou o em­bai­xa­dor. Nos qu­a­tro pri­mei­ros me­ses des­te ano, se­gun­do ele, as ex­por­ta­ções de pro­du­tos bra­si­lei­ros pa­ra o blo­co es­tão cres­cen­do 34,4% so­bre igual pe­río­do de 2017 — con­tra 5,8% de au­men­to pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos e 4% pa­ra a Chi­na. Além dis­so, o Bra­sil já se tor­nou a quar­ta mai­or fon­te de in­ves­ti­men­tos di­re­tos em paí­ses eu­ro­peus, com 127 bi­lhões de eu­ros acu­mu­la­dos.

Qu­es­ti­o­na­do pe­los se­na­do­res so­bre a pos­si­bi­li­da­de de que mais paí­ses dei­xem a UE, Gal­vão re­co­nhe­ceu que es­sas in­cer­te­zas fo­ram gran­des “no ime­di­a­to pósB­re­xit”, mas não vê ho­je o cres­ci­men­to da pro­ba­bi­li­da­de de no­vas re­ti­ra­das. Pa­ra o se­cre­tá­rio-ge­ral, a po­pu­la­ri­da­de de per­ten­cer ao blo­co es­tá de­cli­nan­do na mai­o­ria dos só­ci­os, mas os atu­ais lí­de­res não si­na­li­zam dis­po­si­ção em con­vo­car re­fe­ren­dos pa­ra de­li­be­rar so­bre o te­ma. “No ca­so do Rei­no Uni­do — di­plo­ma­ti­ca­men­te vou evi­tar opi­niões so­bre a po­lí­ti­ca in­ter­na de ou­tros paí­ses —, há ana­lis­tas que di­zem ter ha­vi­do, tal­vez, er­ro de cál­cu­lo do en­tão pri­mei­ro­mi­nis­tro [Da­vid] Ca­me­ron.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.