Au­men­ta o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res su­bu­ti­li­za­dos no 1 tri

Re­cor­de de 27,7 mi­lhões com ati­vi­da­de la­bo­ral aquém da pos­si­bi­li­da­de já re­fle­te de­sa­ce­le­ra­ção da ati­vi­da­de

Valor Econômico - - BRASIL - Bru­no Villas Bôas

O mer­ca­do de tra­ba­lho cos­tu­ma re­a­gir com cer­ta de­fa­sa­gem ao de­sem­pe­nho da ati­vi­da­de econô­mi­ca, mas uma sé­rie de in­di­ca­do­res do pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, di­vul­ga­dos on­tem pe­lo IB­GE, não dei­xa dú­vi­da so­bre o iní­cio de ano mais fra­co que o pre­vis­to do em­pre­go, se­gun­do ava­li­am eco­no­mis­tas.

Con­for­me di­vul­ga­do on­tem pe­lo IB­GE, o país ti­nha 27,7 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res su­bu­ti­li­za­dos no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, 1,2 mi­lhão a mais do que nos três me­ses ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­o­res. Tra­ta-se do mai­or con­tin­gen­te da sé­rie da pes­qui­sa, ini­ci­a­da em 2012. A ta­xa de su­bu­ti­li­za­ção su­biu as­sim de 23,6% pa­ra 24,7% no pe­río­do.

O con­cei­to de su­bu­ti­li­za­ção — tam­bém co­nhe­ci­do co­mo de­sem­pre­go am­pli­a­do — abran­ge tra­ba­lha­do­res de­sem­pre­ga­dos, su­bo­cu­pa­dos por in­su­fi­ci­en­te de ho­ras (tra­ba­lham me­nos de 40 ho­ras se­ma­nais, mas gos­ta­ri­am de tra­ba­lhar mais) e pe­la for­ça de tra­ba­lho po­ten­ci­al (pes­so­as que não bus­cam em­pre­go, mas es­tão dis­po­ní­veis pa­ra tra­ba­lhar).

“Tu­do o que acon­te­ce no mer­ca­do de tra­ba­lho é re­fle­xo do ce­ná­rio econô­mi­co, da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, da fal­ta de se­gu­ran­ça de in­ves­ti­do­res pa­ra apli­car e fa­zer com que a en­gre­na­gem co­me­ce a ro­dar e a ge­rar pos­tos de tra­ba­lho”, dis­se Ci­mar Aze­re­do, co­or­de­na­dor de Tra­ba­lho e Ren­di­men­to do IB­GE, ao apre­sen­tar o re­sul­ta­do da pes­qui­sa.

Des­sa for­ça de tra­ba­lho des­per­di­ça­da, 5,5 mi­lhões de pes­so­as mo­ra­vam no Es­ta­do de São Pau­lo e 3,3 mi­lhões no Es­ta­do da Bahia. Em pro­por­ção ao to­tal de pes­so­as com 14 anos ou mais de ida­de, as mai­o­res ta­xas de su­bu­ti­li­za­ção es­ta­vam na Bahia (40,5%) e Ala­go­as (38,2%). No Es­ta­do de São Pau­lo era 21% da po­pu­la­ção em ida­de ati­va.

Ou­tra me­di­da da pi­o­ra do mer­ca­do de tra­ba­lho ano vem das es­ta­tís­ti­cas de de­sa­len­to. O país ti­nha 4,6 mi­lhões de pes­so­as que não pro­cu­ra­vam em­pre­go por en­ten­der que não con­se­gui­ram ob­tê-lo, se­ja por acha­rem “não ter ex­pe­ri­ên­cia”, ser “muito jo­vem ou ido­sa” ou ou­tros fa­to­res. São 278 mil pes­so­as a mais em re­la­ção ao fim de 2017.

Es­se au­men­to do de­sa­len­to tem re­la­ção com a re­cu­pe­ra­ção mais len­ta da ati­vi­da­de e da fal­ta de opor­tu­ni­da­des de em­pre­gos for­mais, de acor­do com Cos­mo Do­na­to, eco­no­mis­ta da LCA Con­sul­to­res. “São mo­vi­men­tos que po­dem, in­clu­si­ve, ter im­pli­ca­ções de lon­go pra­zo so­bre o mer­ca­do de tra­ba­lho, com a in­for­ma­li­da­de e o em­pre­go pre­cá­rio vin­do pa­ra fi­car”, dis­se ele.

Além do avan­ço da su­bu­ti­li­za­ção e do de­sa­len­to, os in­di­ca­do­res mos­tra­ram que o de­sem­pre­go cres­ceu no país em to­das as fai­xas etá­ri­as no pri­mei­ro tri­mes­tre, mas foi no­va­men­te mais cru­el com a par­ce­la jo­vem da po­pu­la­ção. O nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos de 14 a 24 anos de ida­de cres­ceu pa­ra 5,6 mi­lhões de ja­nei­ro a fe­ve­rei­ro, 600 mil pes­so­as a mais em re­la­ção ao fim do ano pas­sa­do (+11,9%).

Co­mo di­vul­ga­do pe­lo IB­GE no mês pas­sa­do, a ta­xa de de­sem­pre­go no país foi de 13,1% no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, 1,3 pon­to per­cen­tu­al aci­ma do ve­ri­fi­ca­do no fim do ano pas­sa­do. O in­di­ca­dor pi­o­rou por­que 1,5 mi­lhão de pos­tos de tra­ba­lho fo­ram fe­cha­dos nos três pri­mei­ros me­ses des­te ano. On­tem, o ór­gão de­ta­lhou es­se re­sul­ta­do por re­giões e ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas.

A ta­xa de de­sem­pre­go cos­tu­ma cres­cer no iní­cio dos anos por fa­to­res tí­pi­cos do pe­ri­o­do, com a dis­pen­sa de tra­ba­lha­do­res tem­po­rá­ri­os con­tra­ta­dos no fim do ano an­te­ri­or. Os nú­me­ros do pri­mei­ro tri­mes­tre di­vi­dem eco­no­mis­tas, po­rém, em re­la­ção até que pon­to a pi­o­ra re­fle­te o com­por­ta­men­to sa­zo­nal. Pa­ra o Itaú, re­ti­ra­dos es­ses efeitos, o de­sem­pre­go fi­cou es­tá­vel em 12,5%. Pa­ra a LCA, cres­ceu a 12,6%.

Ser­gio Va­le, eco­no­mis­ta da da MB As­so­ci­a­dos, es­tá en­tre os que acre­di­tam que a ta­xa de de­sem­pre­go cres­ceu pa­ra além da sa­zo­na­li­da­de. Pa­ra ele, is­so se­ria co­e­ren­te com os da­dos de­cep­ci­o­nan­tes de ati­vi­da­de econô­mi­ca em fe­ve­rei­ro e mar­ço. Ele acres­cen­tou, con­tu­do, que in­di­ca­do­res de em­pre­go for­mal do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho mos­tram “re­sul­ta­do bem melhores”.

“Eu di­ria que há uma con­tra­ta­ção co­me­çan­do a apa­re­cer, mas a pa­la­vra que ser­ve pa­ra a ati­vi­da­de ser­ve tam­bém pa­ra o em­pre­go: lentidão. A es­sa al­tu­ra es­pe­ra­va-se uma ta­xa de de­sem­pre­go um pou­co me­lhor, de fa­to. Es­sa ex­pec­ta­ti­va de cres­ci­men­to bem mo­de­ra­do ao lon­go do ano tam­bém im­pe­de uma re­a­ção mai­or do em­pre­go”, dis­se Va­le.

Fer­nan­do de Ho­lan­da Bar­bo­sa Fi­lho, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (Ibre/FGV), dis­se a ex­pec­ta­ti­va é que o em­pre­go for­mal, com car­tei­ra de tra­ba­lho as­si­na­da, vol­te a apa­re­cer ao lon­go do ano. Pa­ra ele, os da­dos mais fra­cos do pri­mei­ro tri­mes­tre não sig­ni­fi­cam uma in­ter­rup­ção da re­cu­pe­ra­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho.

“Os nú­me­ros do pri­mei­ro tri­mes­tre não es­tão bons, mas com­pa­ra­dos há um ano vo­cê tem ain­da a ge­ra­ção de 1 mi­lhão de va­gas”, dis­se Bar­bo­sa Fi­lho. “Tam­bém não acho que o de­sa­len­to te­nha tido um pa­pel re­le­van­te na re­du­ção da ta­xa de de­sem­pre­go de uma ano pa­ra cá, co­mo al­gu­mas aná­li­ses su­ge­ri­ram”.

Um dos in­di­ca­do­res mais pre­o­cu­pan­tes da pes­qui­sa se­ria o cha­ma­do de­sem­pre­go de lon­ga du­ra­ção, dis­se o pes­qui­sa­dor do Ibre/FGV. Es­se gru­po é for­ma­do por pes­so­as que bus­cam em­pre­go há um ano ou mais, de for­ma inin­ter­rup­ta. Eram 5,292 mi­lhões de pes­so­as nes­sas con­di­ções no pri­mei­ro tri­mes­tre , 5% a mais em re­la­ção ao fim do ano pas­sa­do (5,029 mi­lhões). “São pes­so­as que te­rão mais di­fi­cul­da­de de re­gres­sar ”, dis­se ele.

Ati­vi­da­de Econô­mi­ca Atu­a­li­ze su­as con­tas

CLAU­DIO BELLI/VA­LOR

Ser­gio Va­le: re­sul­ta­do co­e­ren­te com os da­dos de­cep­ci­o­nan­tes de ati­vi­da­de econô­mi­ca em fe­ve­rei­ro e mar­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.