‘Efei­to Co­pa’ re­duz de­sem­pre­go no Nor­te

Cres­ci­men­to da ati­vi­da­de, prin­ci­pal­men­te na pro­du­ção de ele­trô­ni­cos, re­duz de­so­cu­pa­ção na re­gião

Valor Econômico - - BRASIL - Ana Con­cei­ção e Bru­no Villas Bo­as De­sem­pre­go x ati­vi­da­de

A re­gião Nor­te do país re­gis­trou uma das mai­o­res que­das na ta­xa de de­sem­pre­go no pri­mei­ro tri­mes­tre an­te o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, se­gun­do a Pnad Con­tí­nua, di­vul­ga­da on­tem pe­lo IB­GE. Tam­bém foi a re­gião em que a ati­vi­da­de mais cres­ceu no pe­río­do, gra­ças, em par­te, ao “efei­to Co­pa”, que mul­ti­pli­cou a pro­du­ção de itens ele­trô­ni­cos, co­mo TVs. A pro­du­ção de ele­trô­ni­cos afe­ta di­re­ta­men­te a pro­du­ção da Zo­na Franca de Ma­naus, prin­ci­pal po­lo in­dus­tri­al da re­gião. O cres­ci­men­to da ati­vi­da­de no pe­río­do, em­bo­ra mais fra­co que o de­se­ja­do, aju­dou a re­du­zir a de­so­cu­pa­ção na mai­o­ria das re­giões do país.

A ta­xa de de­sem­pre­go do Nor­te caiu 1,5 pon­to per­cen­tu­al, de 14,2% pa­ra 12,7%, en­tre o pri­mei­ro tri­mes­tre do ano pas­sa­do e o des­te ano, diz a Pnad. Já o Ín­di­ce de Ati­vi­da­de do Ban­co Cen­tral pa­ra a re­gião (IBCR-N) cres­ceu 5,5% no pe­río­do. Es­se de­sem­pe­nho te­ve in­fluên­cia da pro­du­ção in­dus­tri­al do Ama­zo­nas, que dis­pa­rou 24,4%, pu­xa­da pe­la al­ta de 13% na fa­bri­ca­ção de ele­trô­ni­cos — que in­clui apa­re­lhos de TV — e de 9% na pro­du­ção de be­bi­das. Ain­da no Nor­te, a in­dús­tria do Pa­rá cres­ceu 8,1%, li­de­ra­da pe­lo seg­men­to ex­tra­ti­vo.

“O Nor­te te­ve, de longe, o me­lhor de­sem­pe­nho do pri­mei­ro tri­mes­tre. A in­dús­tria do Ama­zo­nas foi bem no pe­río­do com pro­du­ção de ele­tro­do­més­ti­cos e TVs pa­ra a Co­pa”, ob­ser­va Ale­jan­dro Pa­drón, eco­no­mis­ta da 4E Con­sul­to­ria, que fez o cál­cu­lo dos in­di­ca­do­res re­gi­o­nais de ati­vi­da­de do BC. “Is­so per­mi­tiu a mai­or re­du­ção de ta­xa de de­sem­pre­go en­tre as gran­des re­giões”.

O Su­des­te te­ve o se­gun­do me­lhor de­sem­pe­nho de ati­vi­da­de na me­di­ção do BC, com al­ta de 1,2% na mesma com­pa­ra­ção. Ali, a ta­xa de de­sem­pre­go te­ve que­da tí­mi­da, de 0,4 pon­to, pa­ra 13,8%.

Sul e Cen­tro-Oes­te ti­ve­ram que­da na ati­vi­da­de me­di­da pe­lo BC, de 0,7% e de 0,4%, res­pec­ti­va­men­te, no pri­mei­ro tri­mes­tre an­te os pri­mei­ros três me­ses do ano pas­sa­do. Em am­bos os ca­sos, uma ba­se mais al­ta de com­pa­ra­ção foi em par­te res­pon­sá­vel pe­lo re­sul­ta­do. Es­sas re­giões, em que o se­tor agro­pe­cuá­rio é for­te, ti­ve­ram uma su­per sa­fra no ano pas­sa­do e fo­ram as úni­cas a cres­cer no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017. Ape­sar do re­cuo da ati­vi­da­de em 2018, o de­sem­pre­go caiu 0,9 pon­to e 1,6 pon­to per­cen­tu­al, res­pec­ti­va­men­te. “Pe­sou fa­vo­ra­vel­men­te no Sul o fa­to de a for­ça de tra­ba­lho ter re­cu­a­do, o que aju­da na re­du­ção da ta­xa de de­sem­pre­go”, ob­ser­va Pa­drón.

O Nor­des­te, on­de a re­cu­pe­ra­ção “é a mais anê­mi­ca”, nas pa­la­vras de Pa­drón, a ati­vi­da­de cres­ceu ape­nas 0,5% so­bre o pri­mei­ro tri­mes­tre do ano pas­sa­do e o de­sem­pre­go ce­deu 0,4 pon­to per­cen­tu­al, pa­ra 15,9%, a mai­or ta­xa do país.

Em­bo­ra to­das as re­giões exi­bam cres­ci­men­to econô­mi­co e que­da do de­sem­pre­go na com­pa­ra­ção com 2017, o eco­no­mis­ta da 4E res­sal­ta que hou­ve per­da rit­mo. Os da­dos des­sa­zo­na­li­za­dos do Ban­co Cen­tral mos­tram que­da da ati­vi­da­de no pri­mei­ro tri­mes­tre na com­pa­ra­ção com o quar­to do ano pas­sa­do em to­das elas. “A ati­vi­da­de de­cep­ci­o­nou”, afir­ma. O de­sem­pre­go re­gi­o­nal cres­ceu no pri­mei­ro tri­mes­tre an­te o quar­to do ano pas­sa­do, mas es­ses da­dos ain­da pre­ci­sam ser des­sa­zo­na­li­za­dos pa­ra que pos­sam ser com­pa­ra­dos com os do BC. Em ní­vel na­ci­o­nal, a de­so­cu­pa­ção su­biu de 11,8% pa­ra 13,1%, mas quando fei­ta a des­sa­zo­na­li­za­ção há cer­ta es­ta­bi­li­da­de, já que pas­sa de 12,5% pa­ra 12,6%.

Ao lon­go do ano, Su­des­te, Sul e Nor­te de­vem ter me­lhor seu de­sem­pe­nho econô­mi­co por cau­sa da ex­pec­ta­ti­va de me­lho­ra na ati­vi­da­de in­dus­tri­al, se­tor re­le­van­te nes­sas re­giões. Mas se­rá al­go muito gra­du­al. A 4E con­ti­nua a pre­ver au­men­to de ape­nas 1,9% pa­ra o PIB do país em 2018, es­ti­ma­ti­va que sem­pre se si­tu­ou en­tre as me­no­res do mer­ca­do, que ago­ra pa­re­ce estar con­ver­gin­do pa­ra va­lo­res em vol­ta dis­so.

O Nor­des­te de­ve con­ti­nu­ar em di­fi­cul­da­des. “Ce­a­rá, Per­nam­bu­co e Bahia, que res­pon­dem por me­ta­de da eco­no­mia lo­cal ain­da es­tão bem de­va­gar”, diz Pa­drón. Ele ob­ser­va que a que­da da cons­tru­ção ci­vil lo­cal foi mais for­te que no res­to do país e o se­tor ain­da não dá mos­tras de re­a­ção. Is­so afe­tou a renda e o em­pre­go, re­a­li­men­tan­do a fra­que­za da ati­vi­da­de. Pa­ra com­ple­tar, os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos e pri­va­dos se­ca­ram. “Exis­te um dé­fi­cit de in­fra­es­tru­tu­ra muito gran­de ali. Sem par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das, sem in­ves­ti­men­to de go­ver­no, a re­gião vai de­mo­rar pa­ra ter ta­xa de cres­ci­men­to mais ro­bus­ta”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.