FMI tem de do­sar bem exi­gên­ci­as à Ar­gen­ti­na

Valor Econômico - - POLÍTICA - Hum­ber­to Sac­co­man­di

OFun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal de­ve­rá de­ci­dir nas pró­xi­mas se­ma­nas as con­di­ções da li­nha de crédito pe­di­da pe­la Ar­gen­ti­na. O FMI te­rá de aju­dar o país a en­fren­tar um pro­ble­ma econô­mi­co sem cri­ar um pro­ble­ma po­lí­ti­co pa­ra o pre­si­den­te Mau­ri­cio Ma­cri. Es­sa não é uma equa­ção sim­ples.

O Fun­do tem um histórico de im­por con­di­ções du­ras aos paí­ses que ba­tem à sua por­ta. Ain­da que cor­re­tas do pon­to de vis­ta econô­mi­co, es­sas con­di­ções não ra­ro cos­tu­mam ser ine­xequí­veis po­li­ti­ca­men­te, pe­lo me­nos no cur­to pra­zo exi­gi­do. O ris­co com is­so é fra­gi­li­zar ain­da mais um go­ver­no já em apu­ros, o que termina por agra­var o pro­ble­ma econô­mi­co que se qu­er re­me­di­ar.

Ob­vi­a­men­te o FMI não de­ve jo­gar fo­ra o di­nhei­ro apor­ta­do pe­los seus paí­ses co­tis­tas. Mas o re­mé­dio de­ve aju­dar o do­en­te, e não agra­var o seu es­ta­do.

O Fun­do tem uma re­la­ção his­tó­ri­ca com­ple­xa com a Ar­gen­ti­na. Mui­tos o cul­pam por ter apoi­a­do e pro­mo­vi­do, a par­tir de 1991, a con­ver­si­bi­li­da­de, um con­jun­to de me­di­das do en­tão mi­nis­tro Do­min­go Ca­val­lo que usou uma ân­co­ra cam­bi­al pa­ra con­ter a hi­pe­rin­fla­ção, atre­lan­do o pe­so ao dó­lar por lei. O pla­no re­du­ziu ra­pi­da­men­te a in­fla­ção, mas, por vá­ri­os mo­ti­vos, aca­bou fra­cas­san­do, o que le­vou à cri­se do fi­nal dos anos 90 e ao trá­gi­co co­lap­so econô­mi­co de 2001.

Por muito tem­po, o FMI re­co­men­dou o uso de ân­co­ra cam­bi­al e câm­bio fi­xo aos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na.

O Fun­do já fez uma au­to­crí­ti­ca de sua atu­a­ção nes­se pe­río­do. Ain­da que não te­nha ad­mi­ti­do di­re­ta­men­te que su­as po­lí­ti­cas con­tri­buí­ram pa­ra agra­var a cri­se ar­gen­ti­na, a ava­li­a­ção in­ter­na con­cluiu que “o co­lap­so do re­gi­me de con­ver­si­bi­li­da­de e su­as con­sequên­ci­as econô­mi­cas e so­ci­ais ad­ver­sas, cor­re­ta­men­te ou não, ti­ve­ram um cus­to em ter­mos de re­pu­ta­ção pa­ra o FMI”.

O Fun­do re­co­nhe­ceu ain­da que o di­nhei­ro emprestado ao país no fim dos anos 90 te­ria si­do mais bem gas­to se ti­ves­se si­do usa­do na tran­si­ção da con­ver­si­bi­li­da­de e pa­ra ate­nu­ar seus efeitos. Os ar­gen­ti­nos têm mo­ti­vos pa­ra des­con­fi­ar do FMI.

O go­ver­no Ma­cri her­dou uma si­tu­a­ção econô­mi­ca de­sas­tro­sa da era Kir­ch­ner: re­ces­são, de­sin­ves­ti­men­to, in­fla­ção al­ta, dé­fi­cit fis­cal al­tís­si­mo e um país ali­ja­do dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros de­vi­do ao ca­lo­te da dí­vi­da.

Ma­cri lo­go re­sol­veu a ques­tão da dí­vi­da, per­mi­tin­do ao país se fi­nan­ci­ar ex­ter­na­men­te. Mas, pa­ra ou­tros pro­ble­mas, ado­tou uma po­lí­ti­ca gra­du­a­lis­ta, se­ja por con­vic­ção ou por ne­ces­si­da­de po­lí­ti­ca, já que o go­ver­no não con­ta com uma mai­o­ria só­li­da no Con­gres­so ar­gen­ti­no e a re­a­ção po­pu­lar a ajus­tes mais du­ros se­ria bas­tan­te rui­do­sa.

O sis­te­ma po­lí­ti­co ar­gen­ti­no tam­bém di­fi­cul­ta a ado­ção de me­di­das de lon­go pra­zo, pois há elei­ções pa­ra o Con­gres­so a ca­da dois anos. Se Ma­cri ti­ves­se fei­to um ajus­te mais du­ro e per­di­do as elei­ções le­gis­la­ti­vas de 2017, seu go­ver­no po­de­ria ter aca­ba­do.

O pro­ble­ma da abordagem gra­du­al é que, na fal­ta de ne­ces­si­da­de im­pe­ra­ti­va, ela ten­de com o tem­po a se tor­nar muito gra­du­al, gra­du­a­lís­si­ma. Foi o que ocor­reu. A fa­ci­li­da­de de se fi­nan­ci­ar ex­ter­na­men­te re­du­ziu o ape­ti­te e a ur­gên­cia do go­ver­no por re­for­mas e ajus­tes. A com­pla­cên­cia to­mou con­ta. Me­tas ir­re­a­lis­tas de in­fla­ção fo­ram sen­do des­cum­pri­das.

Aliás, o for­te cres­ci­men­to da dí­vi­da em mo­e­da es­tran­gei­ra no go­ver­no Ma­cri foi um dos fa­to­res que dei­xa­ram a Ar­gen­ti­na vul­ne­rá­vel à atu­al cri­se cam­bi­al.

Mas, em ge­ral, Ma­cri bus­cou ado­tar po­lí­ti­cas sus­ten­tá­veis ou vai nes­sa di­re­ção. O pró­prio FMI re­co­nhe­ce is­so. A vi­ra­da no ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal, po­rém, com va­lo­ri­za­ção do dó­lar, atin­giu o país em cheio. A com­bi­na­ção de dé­fi­cit fis­cal e dé­fi­cit em con­ta cor­ren­te ame­a­ça­va ge­rar uma cri­se de ba­lan­ço de pa­ga­men­to, is­to é, a Ar­gen­ti­na não ter dó­la­res pa­ra hon­rar seus com­pro­mis­sos. Após quei­mar re­ser­vas e ele­var os ju­ros pa­ra ten­tar, sem su­ces­so, sus­ten­tar o pe­so, o go­ver­no apelou ao FMI. Pre­ci­sa de crédito mais ba­ra­to e da ga­ran­tia de que te­rá re­cur­sos ca­so ne­ces­si­te. Se­gun­do a mí­dia ar­gen­ti­na, o go­ver­no pe­diu US$ 30 bi­lhões.

Ago­ra o FMI te­rá de de­ci­dir, de no­vo, co­mo aju­dar a Ar­gen­ti­na. Se fi­zer exi­gên­ci­as exa­ge­ra­das, pou­co fle­xí­veis, cor­re o ris­co de en­fra­que­cer Ma­cri ain­da mais e fa­vo­re­cer a vol­ta do kir­ch­ne­ris­mo nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2019. Se o Fun­do for le­ni­en­te de­mais, po­de ser acu­sa­do de be­ne­fi­ci­ar um go­ver­no ami­go e ter de ofe­re­cer as mes­mas con­di­ções a ou­tros paí­ses, num mo­men­to em que cres­ce o ris­co de ou­tros emer­gen­tes pre­ci­sa­rem re­cor­rer ao so­cor­ro do FMI.

O Fun­do mu­dou muito des­de a cri­se ar­gen­ti­na de 2001. No ca­so do so­cor­ro à Gré­cia, por exem­plo, de­fen­de um per­dão da dí­vi­da ex­ter­na mai­or do que o ofe­re­ci­do pe­los cre­do­res eu­ro­peus. Pa­ra o FMI, as me­tas im­pos­tas aos país não são re­a­lis­tas di­an­te do pe­so da dí­vi­da gre­ga. O Fun­do vem tam­bém dan­do mais es­pa­ço a ques­tões so­ci­ais na sua aná­li­se, de mo­do a ate­nu­ar o cus­to dos ajus­tes exi­gi­dos dos paí­ses.

Na Ar­gen­ti­na, há du­as ques­tões ne­bu­lo­sas que o FMI te­rá de es­cla­re­cer. A pri­mei­ra é a di­men­são re­al do dé­fi­cit pú­bli­co. Se­gun­do re­por­ta­gem de Mar­sí­lea Gom­ba­ta no Va­lor (edição de 10/05/2018), o go­ver­no mas­ca­ra o dé­fi­cit ao usar o Ban­co Cen­tral pa­ra se fi­nan­ci­ar, pois não con­ta­bi­li­za co­mo dé­fi­cit nem o di­fe­ren­ci­al de ju­ros do BC (o cha­ma­do qua­se-dé­fi­cit) nem a emis­são mo­ne­tá­ria usa­da pa­ra fi­nan­ci­ar gas­tos. As­sim, o dé­fi­cit re­al (fe­de­ral + pro­vín­ci­as) es­ta­ria aci­ma de 9% do PIB, e não em 6,9%, co­mo in­di­ca o da­do ofi­ci­al.

Um se­gun­do pon­to é que es­sa emis­são mo­ne­tá­ria usa­da pa­ra fi­nan­ci­ar o gas­to pú­bli­co (ava­li­a­da em até 1,5% do PIB) é um fa­tor fun­da­men­tal que ali­men­ta a per­sis­ten­te in­fla­ção. Não é pos­sí­vel re­du­zir a in­fla­ção sem aca­bar com es­sa prá­ti­ca, em de­su­so nas prin­ci­pais eco­no­mi­as.

Co­mo re­sul­ta­do da cri­se cam­bi­al e da al­ta dos ju­ros, a Ar­gen­ti­na cres­ce­rá pou­co nes­te ano. Pes­si­mis­ta, a con­sul­to­ria Ca­pi­tal Eco­no­mics vê até ris­co de re­ces­são e que­da de 0,5% do PIB.

As con­di­ções do FMI (que pro­va­vel­men­te in­clui­rão cor­te de gas­to pú­bli­co co­mo par­te de um ajus­te fis­cal, re­du­ção da in­fla­ção e mais re­for­mas) não tra­rão cres­ci­men­to no cur­to pra­zo. Pe­lo con­trá­rio. Mas, bem ca­li­bra­das, po­de­rão ele­var a con­fi­an­ça no país. Tu­do is­so te­rá de ser muito bem co­mu­ni­ca­do aos mer­ca­dos e à po­pu­la­ção ar­gen­ti­na.

Na­da dis­so adi­an­ta­rá se a Ar­gen­ti­na não se aju­dar. Ca­so o Con­gres­so re­jei­te o ajus­te, o go­ver­no po­de ra­pi­da­men­te per­der a con­fi­an­ça dos mer­ca­dos e de seus pró­pri­os ci­da­dãos, com con­sequên­ci­as gra­ves. Ma­cri te­ve uma vi­tó­ria im­por­tan­te nes­ta se­ma­na, ao ga­ran­tir o apoio da eli­te econô­mi­ca ar­gen­ti­na à ro­la­gem da dí­vi­da in­ter­na. Mas vai pre­ci­sar mais do que is­so.

Con­di­ções ir­re­a­lis­tas fra­gi­li­za­rão Ma­cri e di­fi­cul­ta­rão o ajus­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.