Alck­min pro­me­te au­men­tar co­mér­cio ex­te­ri­or em 50%

Pré-can­di­da­to fa­lou em fa­ci­li­tar por­te de ar­ma, mas re­cu­ou

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ricardo Men­don­ça (Com Fo­lha­press)

Ao anun­ci­ar a in­cor­po­ra­ção de mais três eco­no­mis­tas na equi­pe que ela­bo­ra seu pla­no de go­ver­no — Ed­mar Ba­cha, Jo­sé Ro­ber­to Men­don­ça de Bar­ros e Ale­xan­dre Men­don­ça de Bar­ros —, o tu­ca­no Ge­ral­do Alck­min subs­cre­veu três me­tas econô­mi­cas que pro­me­te per­se­guir ca­so se­ja elei­to pre­si­den­te: ze­rar o dé­fi­cit fis­cal em até dois anos, au­men­tar im­por­ta­ções e ex­por­ta­ções em 50% ao lon­go do man­da­to e, num pe­río­do mais lon­go, do­brar a renda mé­dia da po­pu­la­ção.

O anún­cio foi fei­to on­tem em São Pau­lo du­ran­te uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va or­ga­ni­za­da nu­ma man­são va­zia do Jar­dim Eu­ro­pa que per­ten­ce ao ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Luiz Fe­li­pe d’Avi­la, um dos co­or­de­na­do­res do do­cu­men­to em fa­se de con­fec­ção. O gru­po es­ta­va acom­pa­nha­do do tam­bém eco­no­mis­ta Per­sio Ari­da, apre­sen­ta­do di­as atrás co­mo co­or­de­na­dor do pro­gra­ma de go­ver­no.

A me­ta de au­men­to de 50% nas im­por­ta­ções e ex­por­ta­ções foi ci­ta­da por Ari­da ao de­fen­der mai­or aber­tu­ra da eco­no­mia bra­si­lei­ra co­mo es­tra­té­gia pa­ra pro­du­zir ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de. “Se não abrir a eco­no­mia, o país não vai dar o sal­to que pre­ci­sa”, afir­mou.

De­pois de lem­brar que o Es­ta­do não tem con­di­ções de in­ves­tir, pois pre­ci­sa fa­zer o ajus­te fis­cal, o eco­no­mis­ta dis­se que apos­ta na atra­ção de ca­pi­tais na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro pa­ra in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­tu­ra. Ele afir­mou que é ne­ces­sá­rio aca­bar com o que cha­mou de “mi­to” da exis­tên­cia de se­to­res es­tra­té­gi­cos, co­mo pe­tró­leo e ener­gia. Lem­brou que aço, fer­ti­li­zan­tes e te­le­co­mu­ni­ca­ções, en­tre ou­tros, já fo­ram con­si­de­ra­dos es­tra­té­gi­cos, mas que es­se ti­po de clas­si­fi­ca­ção não faz sen­ti­do.

A me­ta de ze­rar o dé­fi­cit fis­cal em até dois anos tam­bém foi men­ci­o­na­da por Ari­da. As­sim co­mo a de do­brar a renda dos bra­si­lei­ros. De­pois que Alck­min men­ci­o­nou es­se ob­je­ti­vo, Ari­da afir­mou que “não é al­go que se con­si­ga nem em um man­da­to nem em dois man­da­tos”. Nin­guém ci­tou, po­rém, qu­al se­ria o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra tal.

Jo­sé Ro­ber­to e Ale­xan­dre Men­don­ça de Bar­ros (pai e fi­lho) des­ta­ca­ram a im­por­tân­cia da agri­cul­tu­ra pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Bra­sil. O se­tor foi clas­si­fi­ca­do co­mo “po­lo di­nâ­mi­co que tem si­do mal com­pre­en­di­do”.

No iní­cio, Alck­min dis­se que foi apre­sen­ta­do a um es­tu­do que mos­trou dis­tri­bui­ção de renda me­lhor em áre­as de agro­ne­gó­cio. “Nas ci­da­des de agro for­te, o ín­di­ce de Gi­ni me­lho­rou”, dis­se. Mais adi­an­te, Ale­xan­dre Men­don­ça de Bar­rou vol­tou ao as­sun­to, mas com uma abordagem di­fe­ren­te: “To­dos os Es­ta­dos com me­lhor dis­tri­bui­ção de renda são Es­ta­dos agrí­co­las”, afir­mou. Em se­gui­da, ci­tou Ma­to Gros­so, Ma­to Gros­so do Sul e San­ta Ca­ta­ri­na co­mo exem­plos dis­so.

Pro­vo­ca­do a fa­lar so­bre a ade­são de ru­ra­lis­tas à pré-cam­pa­nha do de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL-RJ), seu ri­val na dis­pu­ta pe­la Pre­si­dên­cia, Alck­min res­pon­deu com uma pro­vo­ca­ção: “O Bol­so­na­ro dis­se que vai dar um fu­zil pa­ra ca­da agri­cul­tor. Ah, se eu pu­des­se, eu da­va um tra­tor pa­ra ca­da agri­cul­tor”.

Afir­mou en­tão que é pre­ci­so dar se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca pa­ra quem atua no cam­po (“In­va­diu, de­sin­va­diu; em São Pau­lo é re­gra”) e ofe­re­cer se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Se­gun­do sua ava­li­a­ção, is­so pas­sa pe­lo con­tro­le de fron­tei­ras e pe­lo com­ba­te ao trá­fi­co de dro­gas e de ar­mas. “Te­mos que ti­rar a ar­ma da mão do cri­mi­no­so, do ban­di­do”, afir­mou.

O ex-go­ver­na­dor de São Pau­lo ti­tu­be­ou, po­rém, ao fa­lar so­bre a hi­pó­te­se de fle­xi­bi­li­za­ção do es­ta­tu­to do de­sar­ma­men­to. “Cla­ro que por­te de ar­ma po­de ter... Na área ru­al até de­ve ser fa­ci­li­ta­do, por­que as pes­so­as es­tão mais dis­tan­tes”, dis­se. Ins­ta­do a ex­pli­car se iria me­xer na le­gis­la­ção, ten­tou des­con­ver­sar. “Não, já exis­te. Eu mo­rei na zo­na ru­ral até os 16 anos de ida­de, é na­tu­ral que te­nha. Ago­ra, is­so não é ca­mi­nho pa­ra vo­cê tra­zer se­gu­ran­ça no cam­po.”

An­te a in­sis­tên­cia de re­pór­te­res, re­cu­ou. “Eu não es­tu­dei em de­ta­lhes. Nós va­mos anun­ci­ar na se­ma­na que vem nos­so se­tor da área de se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Va­mos es­tu­dar tu­do is­so em de­ta­lhe. Não qu­e­ro en­trar nes­sa miu­de­za elei­to­ral.”

Alck­min tam­bém fez co­men­tá­ri­os so­bre a cor­ri­da elei­to­ral. Sob pres­são de ali­a­dos pre­o­cu­pa­dos com a es­tag­na­ção de seu de­sem­pe­nho nas pes­qui­sas, dis­se que só ha­ve­rá mu­dan­ças nas in­ten­ções de vo­to quando co­me­çar a pro­pa­gan­da elei­to­ral na TV.

À noite, em pa­les­tra a alu­nos do Ins­per, Alck­min afir­mou que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) não ten­ta­rá se re­e­le­ger. O pre­si­den­te dis­se on­tem que ain­da es­tá re­fle­tin­do se dis­pu­ta­rá.

EDILSON DANTAS/AGÊN­CIA O GLO­BO

Alck­min: pre­si­den­ciá­vel tu­ca­no anun­ci­ou mais três eco­no­mis­tas na equi­pe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.