PT qu­er usar bre­cha da Fi­cha Lim­pa na elei­ção pre­si­den­ci­al

Valor Econômico - - POLÍTICA - Rafael Mo­ro Mar­tins

Um ar­ti­go da Lei Com­ple­men­tar 135/2010, mais co­nhe­ci­da co­mo Lei da Fi­cha Lim­pa, é ci­ta­da pe­la cú­pu­la do PT co­mo es­pe­ran­ça pa­ra que o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, con­de­na­do em se­gun­da ins­tân­cia no ca­so do apar­ta­men­to trí­plex e pre­so há 40 di­as em Cu­ri­ti­ba, pos­sa dis­pu­tar as elei­ções pre­si­den­ci­ais, se­gun­do dis­se a se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann (PR), pre­si­den­te na­ci­o­nal da si­gla.

“A Lei da Fi­cha Lim­pa diz que vão ques­ti­o­nar o re­gis­tro de­le [Lu­la], mas mes­mo com is­so, pe­lo ar­ti­go 26-C, ele po­de ser can­di­da­to e le­van­tar a ine­le­gi­bi­li­da­de até a da­ta de sua di­plo­ma­ção [pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral, ca­so se­ja elei­to]”, dis­se Glei­si, após vi­si­tar Lu­la acom­pa­nha­da do ex-pre­fei­to e ex-mi­nis­tro Fer­nan­do Had­dad, fre­quen­te­men­te ci­ta­do co­mo al­ter­na­ti­va ao ex­pre­si­den­te den­tro da si­gla

“Por­tan­to, ele po­de con­cor­rer, po­de estar no pro­ces­so elei­to­ral. Na elei­ção pas­sa­da, 145 pre­fei­tos con­cor­re­ram as­sim e fo­ram elei­tos. E mui­tos ga­nha­ram a elei­ção, in­clu­si­ve aqui no Pa­ra­ná. Em Po­re­ca­tu, o pre­fei­to con­cor­reu pre­so — e ga­nhou a elei­ção. No pri­mei­ro tur­no, te­re­mos can­di­da­to, e se­rá Lu­la”, dis­se Glei­si.

O ar­ti­go a que ela se re­fe­re diz que “o ór­gão co­le­gi­a­do do tri­bu­nal ao qu­al cou­ber a apre­ci­a­ção do re­cur­so (...) po­de­rá, em ca­rá­ter cau­te­lar, sus­pen­der a ine­le­gi­bi­li­da­de sem­pre que exis­tir plau­si­bi­li­da­de da pre­ten­são re­cur­sal.” Qu­er di­zer que, mes­mo que o re­gis­tro elei­to­ral do ex-pre­si­den­te se­ja qu­es­ti­o­na­do, um re­cur­so da de­fe­sa de­le po­de­rá lhe ga­ran­tir o di­rei­to de con­cor­rer e ser vo­ta­do em ou­tu­bro.

O pre­fei­to de Po­re­ca­tu — ci­da­de de pou­co me­nos de 15 mil ha­bi­tan­tes e eco­no­mia es­sen­ci­al­men­te agrí­co­la, lo­ca­li­za­da 485 km a no­ro­es­te de Cu­ri­ti­ba — a que a se­na­do­ra se re­fe­riu, Wal­ter Te­nan, do MDB, na ver­da­de ele­geu-se pre­so em 2008, com me­nos de 3 mil vo­tos. À épo­ca, fo­ra pre­so pe­la sus­pei­ta de co­man­dar uma qua­dri­lha que re­ce­bia car­gas con­tra­ban­de­a­das. Re­e­lei­to em 2012, pe­lo PSDB, en­fren­tou de­nún­ci­as de ne­po­tis­mo e, em 2014, uma acu­sa­ção de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va mo­vi­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Glei­si des­car­tou a pos­si­bi­li­da­de de o PT ne­go­ci­ar com ou­tras for­ças po­lí­ti­cas um in­dul­to pre­si­den­ci­al no fu­tu­ro: “Ho­je [on­tem], Lu­la me dis­se cla­ra­men­te: tem que pe­dir pras pes­so­as pa­ra­rem de fa­lar em in­dul­to pa­ra mim. In­dul­to é pa­ra cul­pa­do, é per­dão. Eu qu­e­ro pro­var mi­nha ino­cên­cia.”

Had­dad, que co­or­de­na a ela­bo­ra­ção do pla­no de go­ver­no pe­tis­ta e che­gou a de­fen­der, há al­gu­mas se­ma­nas, con­ver­sas com ou­tros par­ti­dos so­bre as elei­ções, foi na mesma di­re­ção. “Es­ta­mos to­dos uni­dos em tor­no do mes­mo ide­al. Não tem um pe­tis­ta que du­vi­de da ino­cên­cia do Lu­la. Um úni­co. Ele in­sis­te que no pro­ces­so não foi apre­sen­ta­da uma úni­ca prova con­tra ele. Es­ta­mos con­vic­tos das te­ses que o pre­si­den­te Lu­la en­car­na. Não há dis­si­dên­cia em re­la­ção a is­so. Nós va­mos ne­gar o que as pes­qui­sas in­di­cam?”

O ex-pre­fei­to dis­se que o pró­prio Lu­la de­man­dou que o co­man­do pe­tis­ta man­te­nha con­ver­sas com ou­tros par­ti­dos de es­quer­da: “Ele qu­er que seu pla­no de go­ver­no re­fli­ta in­clu­si­ve as bo­as idei­as de go­ver­na­do­res co­mo Flá­vio Di­no (PC­doB-MA), Pau­lo Câ­ma­ra (PSBPE) e Ricardo Cou­ti­nho (PSB-PB).”

“Eu dis­se a ele que pre­ten­dia, en­tre ju­nho e ju­lho, fa­zer uma vi­a­gem a Es­ta­dos com governos pro­gres­sis­tas pa­ra in­cor­po­rar as vi­tri­nes es­ta­du­ais que po­de­ri­am ser na­ci­o­na­li­za­das. Ele me es­ti­mu­lou vi­va­men­te. Lu­la é o pri­mei­ro a es­ta­be­le­cer o diá­lo­go, ele li­de­rou a vi­da in­tei­ra o diá­lo­go. É do de­se­jo de­le que as for­ças pro­gres­sis­tas man­te­nham o diá­lo­go, in­de­pen­den­te de ter can­di­da­to”, ga­ran­tiu Had­dad.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.