Juiz suspende be­ne­fí­ci­os a que ex-pre­si­den­te tem di­rei­to

Valor Econômico - - POLÍTICA - Maí­ra Ma­gro

O juiz Ha­rol­do Na­der, da 6a Va­ra Fe­de­ral de Cam­pi­nas, de­ter­mi­nou on­tem a sus­pen­são ime­di­a­ta do di­rei­to a uso, pe­lo ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, de as­ses­so­res, se­gu­ran­ças pes­so­ais e veí­cu­los com mo­to­ris­tas, be­ne­fí­ci­os ga­ran­ti­dos pe­la lei a ex-pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca. A de­ci­são se deu em ação po­pu­lar mo­vi­da pe­lo ad­vo­ga­do Ru­bens Nu­nes, co­or­de­na­dor na­ci­o­nal do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre (MBL).

Nu­nes ar­gu­men­tou que os be­ne­fí­ci­os, pre­vis­tos no De­cre­to 6.381/2008, tor­na­ram-se des­ne­ces­sá­ri­os di­an­te da pri­são de Lu­la. O juiz con­cor­dou: “Não se tra­ta aqui da le­ga­li­da­de do de­cre­to, até por­que re­gu­la­men­ta a Lei 7.474/86, tam­pou­co da pos­si­bi­li­da­de de per­da dos be­ne­fí­ci­os an­tes do trân­si­to em jul­ga­do da con­de­na­ção”, es­cre­veu Ha­rol­do Na­der.

“Tra­ta-se, nes­te pon­to, do ato ad­mi­nis­tra­ti­vo de ma­nu­ten­ção do for­ne­ci­men­to e cus­teio de ser­vi­ço de se­gu­ran­ças in­di­vi­du­ais, veí­cu­los com mo­to­ris­tas e as­ses­so­res a um ex-pre­si­den­te que cum­pre pe­na lon­ga, de do­ze anos e um mês de re­clu­são. Mes- mo a pos­si­bi­li­da­de de pro­gres­são, além de me­ra ex­pec­ta­ti­va no mo­men­to, ocor­re­ria ape­nas após mais de dois anos”, jus­ti­fi­cou.

O De­cre­to 6.381 pre­vê, no ar­ti­go 1o: “Fin­do o man­da­to do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, quem o hou­ver exer­ci­do, em ca­rá­ter per­ma­nen­te, te­rá di­rei­to: aos ser­vi­ços de qu­a­tro ser­vi­do­res pa­ra ati­vi­da­des de se­gu­ran­ça e apoio pes­so­al; a dois veí­cu­los ofi­ci­ais, com os res­pec­ti­vos mo­to­ris­tas; e ao as­ses­so­ra­men­to de dois ser­vi­do­res ocu­pan­tes de car­gos em co­mis­são do Gru­poDi­re­ção e As­ses­so­ra­men­to Su­pe­ri­o­res (DAS), ní­vel 5.”

O juiz en­ten­deu que ne­nhum des­ses itens se jus­ti­fi­ca no ca­so de um ex-pre­si­den­te pre­so. Quan­to à se­gu­ran­ça, es­cre­veu o ma­gis­tra­do, “o ex-pre­si­den­te es­tá sob cus­tó­dia per­ma­nen­te do Es­ta­do, em sa­la in­di­vi­du­al, ou se­ja, sob pro­te­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral, que lhe ga­ran­te muito mais se­gu­ran­ça do que ti­ve­ra quando li­vre, com al­guns agen­tes a acom­pa­nhar-lhe aon­de fos­se.”

Os veí­cu­los com mo­to­ris­tas tam­bém se­ri­am inú­teis, de acor­do com o juiz, “a quem tem o di­rei­to de lo­co­mo­ção res­tri­to ao pré­dio pú­bli­co da Po­lí­cia Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba e con­tro­la­do pe­los agen­tes da car­ce­ra­gem.”

O ma­gis­tra­do con­cluiu di­zen­do não ter “qual­quer jus­ti­fi­ca­ti­va ra­zoá­vel a ma­nu­ten­ção de as­ses­so­res ge­rais a quem es­tá de­ti­do, apar­ta­do dos afa­ze­res nor­mais, ati­vi­da­de po­lí­ti­ca, pro­fis­si­o­nal e até mes­mo so­ci­al”. Se­gun­do Ha­rol­do Na­der, “a per­ma­nên­cia des­ses be­ne­fí­ci­os e, prin­ci­pal­men­te, seu pa­ga­men­to à cus­ta da União são atos le­si­vos ao pa­trimô­nio pú­bli­co, pois é fla­gran­te a ine­xis­tên­cia dos mo­ti­vos.”

O ad­vo­ga­do de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, dis­se que vai re­cor­rer da de­ci­são. Ele clas­si­fi­cou a ação ju­di­ci­al co­mo po­lí­ti­ca, ten­do si­do “pro­mo­vi­da por mo­vi­men­to an­tagô­ni­co ao ex-pre­si­den­te [o MBL] com o cla­ro ob­je­ti­vo de pre­ju­di­car sua hon­ra e sua dig­ni­da­de”. Se­gun­do Za­nin, o pro­ces­so dei­xa evi­den­te que Lu­la é “ví­ti­ma de ‘law­fa­re’, que con­sis­te no mau uso e no abu­so das leis e dos pro­ce­di­men­tos ju­rí­di­cos pa­ra fins de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca.”

O ad­vo­ga­do afir­mou ain­da que, mes­mo pre­so, Lu­la pre­ci­sa do apoio pes­so­al as­se­gu­ra­do pe­la lei. De acor­do com ele, ne­nhum juiz po­de re­ti­rar di­rei­tos e prer­ro­ga­ti­vas ins­ti­tuí­das por lei a um ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pois os be­ne­fí­ci­os se­ri­am vi­ta­lí­ci­os e não per­mi­ti­ri­am qual­quer ex­ce­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.