Ma­du­ro de­ve ser re­e­lei­to ape­sar de cri­se na Ve­ne­zu­e­la

Elei­to­res de opo­si­to­res de­vem se abs­ter em meio a re­sig­na­ção

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Mar­sí­lea Gom­ba­ta

Os ve­ne­zu­e­la­nos vão às ur­nas no do­min­go em uma elei­ção pre­si­den­ci­al con­tro­ver­sa, cu­jos re­sul­ta­dos po­dem não ser re­co­nhe­ci­dos pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. A eco­no­mia ve­ne­zu­e­la­na afun­dou nos úl­ti­mos três anos, com o PIB con­train­do 35,8% no pe­río­do e a in­fla­ção anu­al su­pe­ran­do os 2.000%. O pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro apa­re­ce nas pes­qui­sas até 12 pon­tos per­cen­tu­ais atrás do opositor Hen­ri Fal­cón. Mas, ain­da as­sim, sua vi­tó­ria é da­da co­mo cer­ta.

Se­gun­do a con­sul­to­ria Da­ta­ná­li­sis, em Ca­ra­cas, ape­sar de 75% dos elei­to­res se de­cla­ra­rem de opo­si­ção, ape­nas um quin­to se diz dis­pos­to a vo­tar. Den­tre os que se de­no­mi­nam cha­vis­tas, 90% afir­mam que vo­ta­rão no do­min­go.

“Ma­du­ro ain­da dis­põe de vo­tos por con­ta da gi­gan­tes­ca es­tru­tu­ra de pa­tro­na­gem que a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca de­tém, em um país em que o Es­ta­do é fun­da­men­tal co­mo em­pre­ga­dor e alo­ca­dor de re­cur­sos e de bens bá­si­cos sub­si­di­a­dos”, ob­ser­va Luiz Pin­to, do Bro­o­kings Doha Cen­ter.

O ana­lis­ta Raul Gal­le­gos, da con­sul­to­ria Con­trol Risks, afir­ma que são três as prin­ci­pais ra­zões que le­vam par­te dos elei­to­res a vo­tar em Ma­du­ro, mes­mo em meio à mai­or es­cas­sez de ali­men­tos e re­mé­di­os da his­tó­ria do país. “São ve­ne­zu­e­la­nos que de­pen­dem eco­no­mi­ca­men­te do go­ver­no, fun­ci­o­ná­ri­os de em­pre­sas ou ór­gãos pú­bli­cos que te­mem re­ta­li­a­ção se vo­ta­rem con­tra ou aque­les que se iden­ti­fi­cam com o ex­tre­mis­mo do cha­vis­mo”, afir­ma. “Não des­car­ta­ria ain­da os que vo­tam pe­la ma­nu­ten­ção de de­ter­mi­na­dos be­ne­fí­ci­os e aces­sos a pri­vi­lé­gi­os por es­ta­rem pró­xi­mos a Ma­du­ro.”

Do­na de uma mer­ce­a­ria em Ca­ri­cu­ao, no oes­te de Ca­ra­cas, Yau­ni Cis­ci­ne­ros diz que vo­ta­rá em Ma­du­ro por­que, “ape­sar de tu­do, o pre­si­den­te con­ti­nua nos dan­do co­mi­da”. “Há uma guer­ra econô­mi­ca dos em­pre­sá­ri­os con­tra o go­ver­no. Os pro­du­tos são ven­di­dos a pre­ços ca­da vez mai­o­res, pa­ra que a po­pu­la­ção se­ja as­fi­xi­a­da e ocor­ra uma con­vul­são so­ci­al”, diz, re­pro­du­zin­do o dis­cur­so ofi­ci­al. “Mas Ma­du­ro ain­da man­tém nos­sas cestas-bá­si­cas [pro­gra­ma Clap] e nos pre­sen­teia com ar­roz, farinha, açú­car e ma­car­rão a ca­da 15 di­as.”

Eu­ca­rio Guil­lar­te, da Co­mu­na Ro­ge­lio Cas­til­lo Ga­mar­ra, na fa­ve­la de Pe­ta­re, em Ca­ra­cas, diz que a me­lhor op­ção con­tra a “ma­ni­pu­la­ção dos pro­du­to­res de ali­men­tos”, que “es­con­dem” itens ca­da vez mais es­cas­sos nos mer­ca­dos, é vo­tar pe­la con­ti­nui­da­de de Ma­du­ro. “Se Fal­cón ga­nhar, quem po­de­rá con­ter es­ses em­pre­sá­ri­os e a opo­si­ção?”, diz. “A prin­ci­pal pro­pos­ta de Fal­cón é do­la­ri­zar a eco­no­mia, o que nos dei­xa­ria to­tal­men­te nas mãos do FMI e dos EUA.”

As­sim co­mo nas elei­ções pas­sa­das, a pres­são so­bre fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos — cer­ca de 2,5 mi­lhões — pa­ra vo­tar no cha­vis­mo se­gue dis­se­mi­na­da. Um fun­ci­o­ná­rio do Mi­nis­té­rio da Saú­de, que não quis ser iden­ti­fi­ca­do, con­ta que on­tem foi co­a­gi­do a par­ti­ci­par da ce­rimô­nia do fim da cam­pa­nha de Ma­du­ro e que foi ad­ver­ti­do so­bre do­min­go.

“Fa­lam que quem não vo­tar em Ma­du­ro se­rá de­mi­ti­do. Mas eu não qu­e­ro co­la­bo­rar com is­so. Se me des­pe­di­rem, te­rei mo­ti­vo a mais pa­ra dei­xar o país”, diz. “No do­min­go meu che­fe li­ga­rá pa­ra sa­ber se fui vo­tar. Eu não sai­rei de ca­sa, mas di­rei que vo­tei em Ma­du­ro.”

A abs­ten­ção, ob­ser­va Gal­le­gos, é o prin­ci­pal fa­tor a fa­vor de Ma­du­ro. “A mai­o­ria dos elei­to­res crê que seu vo­to não ser­ve pa­ra na­da, que o go­ver­no vai rou­bar, e que é per­da de tem­po vo­tar no do­min­go. Is­so po­de fa­zer o cha­vis­mo ven­cer sem frau­de ne­nhu­ma.”

Com ba­se em pes­qui­sa do Da­ta­ná­li­sis, ele lem­bra que ho­je a Ve­ne­zu­e­la pos­sui 14 mi­lhões de elei­to­res, dos quais 75% (10,5 mi­lhões) se di­zem de opo­si­ção e 25% (3,5 mi­lhões) cha­vis­tas. Mas 90% dos cha­vis­tas (3,1 mi­lhões) e só 20% dos opo­si­to­res (2,1 mi­lhões) se di­zem dis­pos­tos a vo­tar. Se es­sas pro­je­ções se con­fir­ma­rem, diz Gal­le­gos, o cha­vis­mo po­de ga­nhar por até 1 mi­lhão de vo­tos. As pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to não per­gun­tam se o en­tre­vis­ta­do vai vo­tar.

“A per­gun­ta não é se Ma­du­ro vai ga­nhar, is­so já es­tá da­do. A ques­tão é o quan­to ele te­rá de frau­dar es­sa elei­ção pa­ra ven­cer”, diz Gal­le­gos. “O go­ver­no já vi­o­lou as leis elei­to­rais pa­ra an­te­ci­par a elei­ção, con­se­guiu dei­xar de fo­ra os opo­si­to­res que ti­nham mais chan­ce de ven­cer e, em ou­tras elei­ções, mu­dou cen­tros de vo­ta­ção sem avi­sar. Es­tá mais do que cla­ro que fa­rá o que for pre­ci­so pa­ra ga­nhar.”

AP

O pre­si­den­te da Ve­ne­zu­e­la, Ni­co­lás Ma­du­ro, faz co­mí­cio em Ca­ra­cas, ao la­do do ex-jo­ga­dor ar­gen­ti­no Di­e­go Ma­ra­do­na

Fon­te: Eco­a­na­lí­ti­ca, Pnud, Ce­pal e BCV. Ela­bo­ra­ção: Va­lor Da­ta.

Po­pu­la­ção (mi­lhões) Ter­ri­tó­rio (Km2) Idh (71ª Po­si­ção) Ta­xa de De­sem­pre­go (%) Renda Per ca­pi­ta (US$) Im­por­ta­ções (US$ mi­lhões) Ex­por­ta­ções (US$ mi­lhões) Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais (US$ mi­lhões) Va­ri­a­ção em % 8,9 22,5 -3,2 Va­ri­a­ção em % 5,6 159,7

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.