Eco­no­mia se­gue na rota do bai­xo de­sem­pe­nho

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Apo­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria en­cer­rou o ci­clo de bai­xa e a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, já bas­tan­te fra­ca, te­rá de se vi­rar sem seu úni­co es­tí­mu­lo. É cer­to que o ci­clo se­ria in­ter­rom­pi­do de qual­quer for­ma e que os efeitos da gran­de re­du­ção, re­sul­ta­do de cor­tes em 12 reu­niões con­se­cu­ti­vas do Co­pom, até ago­ra não se fi­ze­ram sen­tir por com­ple­to. Com to­das as con­di­ções fa­vo­rá­veis, no en­tan­to, o de­sem­pe­nho econô­mi­co no pri­mei­ro tri­mes­tre foi de­cep­ci­o­nan­te, a jul­gar por vá­ri­os in­di­ca­do­res se­to­ri­ais e, ago­ra, pe­lo IBC-Br do Ban­co Cen­tral, que re­gis­trou que­da de 0,13% no pe­río­do.

O IBC-Br foi o mais re­cen­te dos in­di­ca­do­res a ex­pri­mir a le­tar­gia da re­a­ção da eco­no­mia. Da­dos ne­ga­ti­vos do com­por­ta­men­to dos ser­vi­ços, do em­pre­go e de vá­ri­os in­di­ca­do­res de con­fi­an­ça es­fri­a­ram as ex­pec­ta­ti­vas de ban­cos e con­sul­to­ri­as mais oti­mis­tas. E os ana­lis­tas pes­si­mis­tas es­tão ago­ra mais pes­si­mis­tas. A pes­qui­sa Focus vem in­di­can­do há se­ma­nas que as pro­je­ções pa­ra o cres­ci­men­to do PIB no ano se apro­xi­mam dos 2,5%. Há um mo­vi­men­to em di­re­ção, na ver­da­de, aos 2%, mas aguar­da-se a di­vul­ga­ção dos nú­me­ros ofi­ci­ais do IB­GE, no dia 30, pa­ra re­vi­sões mais apro­pri­a­das.

Não há na­da de es­tra­nho ou im­pre­vi­sí­vel que te­nha ocor­ri­do nes­se iní­cio do ano. A eco­no­mia con­ti­nua se de­ba­ten­do com as se­que­las da mais lon­ga re­ces­são da his­tó­ria re­pu­bli­ca­na re­cen­te e das po­lí­ti­cas que a pro­du­zi­ram. A de­sar­ru­ma­ção das con­tas pú­bli­cas, que es­tão pro­du­zin­do dé­fi­cits su­pe­ri­o­res a 2%, im­pe­di­ram que me­di­das con­tra­cí­cli­cas sus­ten­tá­veis en­trem em ce­na. A cri­se po­lí­ti­ca, que cor­re pa­ra­le­la, de­sar­ti­cu­lou in­ves­ti­men­tos e o go­ver­no fe­de­ral, to­tal­men­te en­re­da­do ne­la, não cri­ou con­di­ções pa­ra ex­pec­ta­ti­vas mais fa­vo­rá­veis aos in­ves­ti­men­tos pri­va­dos.

O re­a­que­ci­men­to econô­mi­co se­rá len­to, co­mo se pre­viu des­de me­a­dos de 2017, e os mais oti­mis­tas na cur­va das ex­pec­ta­ti­vas es­tão às vol­tas com a re­a­li­da­de. Uma par­te dos ana­lis­tas apos­tou em uma re­cu­pe­ra­ção co­mo as ocor­ri­das no pas­sa­do re­cen­te — rá­pi­da e in­ten­sa. Era di­fí­cil apre­ci­ar, no en­tan­to, a pro­fun­da ava­ria no mo­tor do con­su­mo, de­pois de mais de uma dé­ca­da de exu­be­ran­te per­for­man­ce.

Gros­so mo­do, o con­su­mo é em­pur­ra­do por sa­lá­ri­os, em­pre­gos e crédito. Ini­ci­al­men­te foi pos­sí­vel con­ce­ber uma re­a­ção mais vi­go­ro­sa do con­su­mo pe­los ga­nhos de po­der aqui­si­ti­vo re­sul­tan­tes de um re­cuo sur­pre­en­den­te e aci­ma do es­pe­ra­do da in­fla­ção, pro­pi­ci­a­do em pri­mei­ro lu­gar por uma po­lí­ti­ca fir­me do Ban­co Cen­tral pa­ra tra­zer a in­fla­ção de vol­ta às me­tas. Is­so con­ti­nua sen­do uma aju­da no­tá­vel à re­to­ma­da — no tri­mes­tre, só du­as das 17 ca­pi­tais do país não re­gis­tra­ram de­fla­ção em seus ín­di­ces. No en­tan­to, os ga­nhos re­ais de sa­lá­ri­os, que se si­tu­a­vam en­tre 3% e 4%, fi­ca­ram bem mais mo­des­tos. Com da­dos des­sa­zo­na­li­za­dos até mar­ço, cor­ri­am ao rit­mo de 1,1% no ano, com avan­ço mai­or, em­bo­ra ain­da mo­des­to, de 1,27% quando con­si­de­ra­do o pe­río­do de 12 me­ses.

Se o em­pre­go es­ti­ves­se aumentando com al­gu­ma ra­pi­dez, o con­su­mo tal­vez mos­tras­se me­lhor for­ma. Is­so não es­tá ocor­ren­do, co­mo in­di­ca­ram os da­dos da Pnad Con­tí­nua pa­ra o tri­mes­tre. Com is­so, a mas­sa sa­la­ri­al tri­mes­tral avan­çou 1,62% nos três pri­mei­ros me­ses do ano, en­quan­to que ela ain­da é li­gei­ra­men­te ne­ga­ti­va em 12 me­ses (-0,32%).

A de­bi­li­da­de do mer­ca­do de tra­ba­lho atua so­bre o mer­ca­do de crédito, cu­ja evo­lu­ção foi ne­ga­ti­va no tri­mes­tre pa­ra as em­pre­sas e al­go po­si­ti­va pa­ra as pes­so­as fí­si­cas, em­bo­ra com spre­ads em al­ta, que de­ses­ti­mu­lam to­ma­do­res mais cau­te­lo­sos. A ina­dim­plên­cia não su­biu, mas o ní­vel de en­di­vi­da­men­to das fa­mí­li­as te­ria de ser me­nor, ou o mer­ca­do de tra­ba­lho mos­trar-se fir­me, pa­ra que a pro­cu­ra por crédito se re­a­ti­vas­se com ím­pe­to. Is­so tam­bém não ocor­reu, em­bo­ra a de­man­da por em­prés­ti­mos vá me­lho­rar nos pró­xi­mos me­ses.

Os da­dos do con­su­mo fo­ram o pon­to frá­gil do PIB do úl­ti­mo tri­mes­tre de 2017 — um aler­ta. De­pois de seis me­ses aci­ma de 1%, de­cli­nou pa­ra 0,1%. É pos­sí­vel que ago­ra o re­sul­ta­do se­ja me­lhor, por­que o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017 foi fra­co (avan­ço de 0,2%).

Com a che­ga­da da tem­po­ra­da elei­to­ral, re­che­a­da de in­cer­te­zas, va­lo­ri­za­ção do dó­lar, que afe­ta ne­ga­ti­va­men­te os sa­lá­ri­os, e o fim da re­du­ção dos ju­ros, acu­mu­lam-se em­pe­ci­lhos pa­ra que a eco­no­mia se com­por­te de for­ma dis­tin­ta da que exi­biu até ago­ra — com re­ni­ten­te fal­ta de vi­ta­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.