A Eu­ro­pa pre­ci­sa con­fron­tar os EUA

San­ções ex­tra­ter­ri­to­ri­ais de Trump vi­o­lam o di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal. Por Jef­frey D. Sa­chs

Valor Econômico - - OPINIÃO - (Tra­du­ção de Ser­gio Blum)

Ade­nún­cia do Pla­no de Ação In­te­gral Con­jun­to (JCPOA, em in­glês) com o Irã por Do­nald Trump e a reim­po­si­ção das san­ções dos EUA con­tra es­se país ame­a­çam a paz mun­di­al. A se­gu­ran­ça eu­ro­peia de­pen­de do acor­do com o Irã, a des­pei­to da saí­da dos EUA. Is­so, por sua vez, exi­ge que a Eu­ro­pa, jun­to com a Rús­sia, a Chi­na e ou­tros paí­ses mem­bros das Na­ções Uni­das, as­se­gu­rem que as re­la­ções econô­mi­cas com o Irã pos­sam se de­sen­vol­ver. E is­so só po­de acon­te­cer se a Eu­ro­pa con­fron­tar e, em úl­ti­ma ins­tân­cia, pre­va­le­cer so­bre as san­ções ex­tra­ter­ri­to­ri­ais ame­ri­ca­nas que vi­sam con­ge­lar as ati­vi­da­des co­mer­ci­ais e fi­nan­cei­ras de ato­res não ame­ri­ca­nos com o Irã.

O ob­je­ti­vo de Trump é cla­ro: der­ru­bar o re­gi­me ira­ni­a­no. Em vis­ta des­sa in­sa­ni­da­de, os ci­da­dãos eu­ro­peus se de­ram con­ta de que os in­te­res­ses de se­gu­ran­ça da Eu­ro­pa não es­tão mais ali­nha­dos com os dos Es­ta­dos Uni­dos.

A agres­si­va ati­tu­de ame­ri­ca­na fa­ce ao Irã foi apoi­a­da por dois ali­a­dos dos EUA no Ori­en­te Mé­dio: Is­ra­el e Ará­bia Sau­di­ta. Is­ra­el in­vo­ca o po­der ame­ri­ca­no pa­ra evi­tar con­ces­sões aos pa­les­ti­nos. A Ará­bia Sau­di­ta in­vo­ca o po­de­rio mi­li­tar dos EUA pa­ra con­ter seu ri­val re­gi­o­nal, o Irã. Am­bos es­tão tor­cen­do por uma guer­ra di­re­ta dos EUA con­tra o Irã.

Os es­for­ços ame­ri­ca­nos an­te­ri­o­res por mu­dan­ças de re­gi­me no Ori­en­te Mé­dio ob­ti­ve­ram hor­ren­dos re­sul­ta­dos pa­ra os EUA e a Eu­ro­pa (pa­ra não men­ci­o­nar os de­sas­tres que se aba­te­ram so­bre os paí­ses atin­gi­dos). Es­sas “guer­ras pre­fe­ren­ci­ais” têm si­do o prin­ci­pal fa­tor no cres­ci­men­to da mi­gra­ção do Ori­en­te Mé­dio e Nor­te da Áfri­ca pa­ra a Eu­ro­pa. Mes­mo quando a mu­dan­ça de re­gi­me foi “bem-su­ce­di­da”, co­mo no Afe­ga­nis­tão, no Ira­que e na Lí­bia, o re­sul­ta­do foi vi­o­lên­cia e ins­ta­bi­li­da­de. E quando a mu­dan­ça de re­gi­me fra­cas­sou, co­mo na Sí­ria, o re­sul­ta­do foi guer­ra in­ces­san­te.

O hu­mi­lhan­te fra­cas­so do pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, da pri­mei­ra-mi­nis­tra do Rei­no Uni­do, The­re­sa May, e da chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, em con­ven­cer Trump a per­ma­ne­cer no JCPOA era pre­vi­sí­vel. A de­ci­são dos EUA re­fle­te du­as for­ças con­ver­gen­tes: uma pro­fun­da ten­dên­cia po­lí­ti­ca — ma­ni­fes­ta­da por to­dos os governos ame­ri­ca­nos re­cen­tes — no sen­ti­do de as­pi­rar a he­ge­mo­nia no Ori­en­te Mé­dio, e o pe­cu­li­ar tra­ço da psi­co­pa­tia trum­pi­a­na. Trump de­li­cia-se com o em­ba­ra­ço dos lí­de­res eu­ro­peus. A ago­nia de­les é seu triun­fo.

Eles, po­rém, não são im­po­ten­tes. O acor­do com o Irã ain­da po­de ser sal­vo, pre­ci­sa­men­te por­que é um acor­do mul­ti­la­te­ral, en­dos­sa­do pe­lo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU (Re­so­lu­ção 2231), e não um acor­do so­men­te en­tre os EUA e o Irã. De acor­do com o Ar­ti­go 25 da Car­ta da ONU, to­dos os Es­ta­dos mem­bros são obri­ga­dos a cum­prir o JCPOA. Ao de­ter­mi­nar a saí­da dos EUA, Trump es­tá vi­o­lan­do o di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal.

A es­sên­cia do JCPOA é im­por a ces­sa­ção de ati­vi­da­des, por par­te do Irã, que po­de­ri­am le­var ao de­sen­vol­vi­men­to de ar­mas nu­cle­a­res. O es­tri­to cum­pri­men­to pe­lo Irã es­tá vin­cu­la­do à nor­ma­li­za­ção das re­la­ções econô­mi­cas in­ter­na­ci­o­nais, in­clu­si­ve o levantamento das san­ções acor­da­das pe­la ONU.

Mes­mo que os EUA ago­ra se re­ti­rem do JCPOA, têm ape­nas dois mei­os pa­ra blo­que­ar a im­ple­men­ta­ção do acor­do en­tre o Irã e o res­tan­te do mun­do. O pri­mei­ro se­ria fo­men­tar uma guer­ra. Is­so es­tá cla­ra­men­te na agen­da ame­ri­ca­na, es­pe­ci­al­men­te com John Bol­ton, “fal­cão” ne­o­con­ser­va­dor na Ca­sa Bran­ca, no pos­to de As­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal.

San­ções ex­tra­ter­ri­to­ri­ais são a se­gun­da ma­nei­ra pe­la qu­al os EUA po­dem des­truir o JCPOA. Uma coi­sa é os EUA de­ci­di­rem que não fa­rão ne­gó­ci­os com o Irã. Ou­tra, bem dis­tin­ta, é o go­ver­no dos EUA ten­tar blo­que­ar o co­mér­cio de en­tes não ame­ri­ca­nos com o Irã. Es­sa é a in­ten­ção ame­ri­ca­na; ca­be à Eu­ro­pa e à Chi­na anu­lá-la, no in­te­res­se da paz mun­di­al, bem co­mo em seu pró­prio in­te­res­se econô­mi­co di­re­to.

Em ter­mos prá­ti­cos, os EUA po­de­rão im­por san­ções an­ti-Irã às em­pre­sas que ope­ram em seu mer­ca­do do­més­ti­co e, pro­va­vel­men­te, às sub­si­diá­ri­as de em­pre­sas ame­ri­ca­nas que ope­ram no ex­te­ri­or. No en­tan­to, os EUA ten­ta­rão ir muito além, bus­can­do impedir que em­pre­sas não ame­ri­ca­nas se re­la­ci­o­nem com o Irã.

Os EUA pro­va­vel­men­te con­se­gui­rão con­ter as tran­sa­ções de­no­mi­na­das em dó­la­res, já que elas são ge­ral­men­te com­pen­sa­das pe­lo sis­te­ma ban­cá­rio ame­ri­ca­no. A ques­tão re­al en­vol­ve­rá as em­pre­sas não ame­ri­ca­nas que ope­ram fo­ra dos EUA e ne­go­ci­am com o Irã usan­do mo­e­das que não o dó­lar.

Os EUA ten­ta­rão pu­nir es­sas em­pre­sas, se­ja pres­si­o­nan­do su­as sub­si­diá­ri­as lo­cais, ten­tan­do le­vá-las aos tri­bu­nais ame­ri­ca­nos, ou ne­gan­do-lhes aces­so ao mer­ca­do ame­ri­ca­no. É nes­se ter­re­no que a União Eu­ro­peia pre­ci­sa as­su­mir po­si­ção fir­me e ir além de im­plo­rar a Trump por “isen­ções” de acor­dos co­mer­ci­ais eu­ro­peus es­pe­cí­fi­cos, um pro­ces­so que tor­na­ria os paí­ses eu­ro­peus ain­da mais sub­ser­vi­en­tes aos ca­pri­chos de Trump. A Eu­ro­pa de­ve­ria de­fen­der um fir­me e inequí­vo­co “não” às san­ções ex­tra­ter­ri­to­ri­ais dos EUA, es­pe­ci­al­men­te no que diz res­pei­to às em­pre­sas que ope­ram com di­vi­sas que não o dó­lar.

A UE pre­ci­sa en­fa­ti­zar que as san­ções ex­tra­ter­ri­to­ri­ais vi­o­lam o di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal (e as re­gras da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio. A UE pre­ci­sa ter cons­ci­ên­cia de que ce­der se­ria equi­va­len­te a en­tre­gar aos EUA um che­que em bran­co, ce­den­do aos EUA o es­ta­be­le­ci­men­to das re­gras de guer­ra e paz, ig­no­ran­do o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, as re­gras do co­mér­cio mun­di­al e a OMC.

A UE pre­ci­sa per­ma­ne­cer dis­pos­ta a uti­li­zar con­tra os EUA o pro­ces­so de re­so­lu­ção de li­tí­gi­os da OMC e a apre­sen­tar seus ar­gu­men­tos ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU e a sua As­sem­bleia Ge­ral. Os ca­mi­nhos que a Eu­ro­pa ti­ver me­do de tri­lhar, a Chi­na cer­ta­men­te apro­vei­ta­rá pa­ra ca­pi­ta­li­zar as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os com o Irã. E a Chi­na es­ta­ria cer­ta em fa­zê-lo.

O mai­or de­sa­fio, pa­ra a Eu­ro­pa, não é le­gal nem ge­o­po­lí­ti­co. É psi­co­ló­gi­co. Os lí­de­res eu­ro­peus es­tão agin­do co­mo se os EUA ain­da se im­por­tas­sem com uma ali­an­ça tran­sa­tlân­ti­ca de in­te­res­ses, va­lo­res e abor­da­gens com­par­ti­lha­das. In­fe­liz­men­te, is­so não é mais ver­da­de.

Os EUA e a Eu­ro­pa ain­da têm mui­tos in­te­res­ses em co­mum; mas tam­bém têm mui­tos in­te­res­ses di­ver­gen­tes, es­pe­ci­al­men­te quando os EUA vi­o­lam o di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal. A Eu­ro­pa ne­ces­si­ta sua pró­pria po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça, as­sim co­mo pre­ci­sa de su­as pró­pri­as po­lí­ti­cas co­mer­ci­ais e am­bi­en­tais. O con­fron­to em tor­no do JCPOA é, por­tan­to, uma “ho­ra da ver­da­de”. A paz mun­di­al de­pen­de da de­fe­sa, pe­la Eu­ro­pa, da Car­ta da ONU e das re­gras do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal.

O mai­or de­sa­fio pa­ra a Eu­ro­pa não é le­gal nem ge­o­po­lí­ti­co. É psi­co­ló­gi­co. Os lí­de­res eu­ro­peus agem co­mo se os EUA ain­da se im­por­tas­sem com uma ali­an­ça tran­sa­tlân­ti­ca de in­te­res­ses, va­lo­res e abor­da­gens com­par­ti­lha­das. Is­so não é mais ver­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.