De­ci­são do BC adi­ci­o­na in­cer­te­za a ce­ná­rio di­fí­cil

Com ati­vi­da­de pa­ti­nan­do, cor­te de 0,25 não fa­ria tan­ta di­fe­ren­ça, mas sur­pre­sa ele­va ins­ta­bi­li­da­de

Valor Econômico - - ESPECIAL - Es­te­vão Tai­ar

Um cor­te adi­ci­o­nal de 0,25 pon­to per­cen­tu­al (p.p.) da ta­xa bá­si­ca de ju­ros não da­ria um im­pul­so sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra uma re­to­ma­da econô­mi­ca que in­sis­te em não en­gre­nar. Mas, de acor­do com al­guns eco­no­mis­tas, a ma­nu­ten­ção ines­pe­ra­da da Se­lic em 6,5%, de­ci­di­da pe­lo Ban­co Cen­tral (BC) na quar­ta-fei­ra, adi­ci­o­na ain­da mais in­cer­te­za em um mo­men­to de dú­vi­das nos ce­ná­ri­os in­ter­no e ex­ter­no.

“A ques­tão não é 0,25 pon­to per­cen­tu­al de cor­te ou não. É pe­lo mo­men­to que o BC re­sol­veu al­te­rar seu pla­no de voo, um mo­men­to de mui­ta vo­la­ti­li­da­de, in­fla­ção bai­xa, ati­vi­da­de bai­xa, com o hi­a­to do pro­du­to fe­chan­do muito len­ta­men­te”, afir­ma Zei­na La­tif, eco­no­mis­ta-che­fe da XP In­ves­ti­men­tos. Pa­ra ela, o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) ha­via di­to an­tes da reu­nião de quar­ta-fei­ra “com muito mais con­tun­dên­cia” do que em oca­siões an­te­ri­o­res que iria cor­tar a ta­xa bá­si­ca de ju­ros.

De acor­do com a eco­no­mis­ta, não é pos­sí­vel di­zer o quan­to o câm­bio es­tá sen­do in­flu­en­ci­a­do de ma­nei­ra es­tru­tu­ral pe­las mu­dan­ças do ce­ná­rio ex­ter­no. Zei­na ci­ta tur­bu­lên­ci­as ex­ter­nas em di­ver­sas fren­tes – Chi­na, Co­reia do Sul, Es­ta­dos Uni­dos, Irã – pa­ra afir­mar que fal­tou “se­re­ni­da­de” ao BC. “O co­mér­cio deu uma fra­que­ja­da na Eu­ro­pa e no Ja­pão, por exem­plo, mas es­tá ce­do pa­ra di­zer que es­sa é uma no­va ten­dên­cia”, diz. “Não é o mo­men­to de ti­rar gran­des con­clu­sões.”

Jus­ta­men­te por es­sa do­se adi­ci­o­nal de in­cer­te­za, acre­di­ta ela, o “mer­ca­do re­a­giu mal” à de­ci­são do BC. On­tem, o dó­lar fe­chou aci­ma de R$ 3,70, máxima em 26 me­ses. “Es­sas pu­xa­das de câm­bio dei­xam o mer­ca­do sem re­fe­rên­cia, nin­guém sa­be se fe­cha con­tra­to, não fe­cha con­tra­to”, diz. “Pe­lo me­nos por ora, o mer­ca­do es­tá as­sus­ta­do. É um ruí­do a mais, via ex­pec­ta­ti­vas.”

Em re­la­tó­rio, a equi­pe econô­mi­ca do Ban­co Sa­fra tam­bém afir­ma que a re­a­ção do mer­ca­do “é pre­o­cu­pan­te”, por ter cau­sa­do uma “subs­tan­ci­al” al­ta dos ju­ros fu­tu­ros e pou­co im­pac­to so­bre o câm­bio. “Is­so su­ge­re po­ten­ci­al­men­te o ris­co de um aper­to das con­di­ções fi­nan­cei­ras, o que po­de le­var a uma re­cu­pe­ra­ção mais len­ta adi­an­te”, diz o tex­to. Pa­ra o ban­co, es­se ce­ná­rio abre a pos­si­bi­li­da­de de ser ne­ces­sá­ria uma no­va que­da dos ju­ros no fu­tu­ro, afim de mi­ni­mi­zar quais­quer im­pac­tos ne­ga­ti­vos so­bre a ati­vi­da­de e “ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de da, por en­quan­to, mor­na re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca”.

Os eco­no­mis­tas di­zem ain­da te­mer que os mo­vi­men­tos dos ju­ros e de câm­bio pos­sam se re­tro­a­li­men­tar, ba­se­a­dos em epi­só­di­os an­te­ri­o­res no Bra­sil em que os mer­ca­dos vão nu­ma úni­ca di­re­ção. Nes­se ca­so, uma in­ter­ven­ção adi­ci­o­nal do BC no câm­bio po­de ser ne­ces­sá­ria no cur­to pra­zo.

Des­de mar­ço, a me­di­a­na das es­ti­ma­ti­vas do Bo­le­tim Focus pa­ra a Se­lic em 2018 es­tá em 6,25%, mos­tran­do que o mer­ca­do es­pe­ra­va, de ma­nei­ra ge­ral, um no­vo cor­te dos ju­ros. Pes­qui­sa pré-Co­pom re­a­li­za­da pe­lo Va­lor en­tre os di­as 8 e 11 des­te mês apon­ta­va tam­bém que de 42 ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e con­sul­to­ri­as, 37 es­pe­ra­vam um cor­te de 0,25 (p.p.) e ape­nas 5 cal­cu­la­vam que a Se­lic per­ma­ne­ce­ria em 6,5%.

Pa­ra An­dré Ga­mer­man, eco­no­mis­ta da ARX In­ves­ti­men­tos, a ma­nu­ten­ção da Se­lic pe­gou o mer­ca­do de sur­pre­sa, mas de­ve ter pou­co im­pac­to, se­ja ele ne­ga­ti­vo ou po­si­ti­vo, so­bre a ati­vi­da­de econô­mi­ca. O ce­ná­rio ex­ter­no tur­bu­len­to e as di­fi­cul­da­des in­ter­nas de­vem mi­ni­mi­zar os efeitos da de­ci­são do Co­pom so­bre a re­to­ma­da e o câm­bio. Ga­mer­man afir­ma que a de­ci­são do BC foi acer­ta­da, “em­bo­ra a co­mu­ni­ca­ção não te­nha si­do per­fei­ta”.

In­de­pen­den­te­men­te dos ju­ros, a ARX já ha­via re­vi­sa­do pa­ra bai­xo a sua pro­je­ção pa­ra o cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) des­te ano, de 2,4% pa­ra 2,1%. Mas até es­sa no­va pro­je­ção tem viés de bai­xa. Pa­ra o re­sul­ta­do do pri­mei­ro tri­mes­tre, que sai no pró­xi­mo dia 30, a es­ti­ma­ti­va é de al­ta de 0,4% a 0,5%.

Um eco­no­mis­ta que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car tam­bém afir­ma que o BC to­mou a de­ci­são acer­ta­da. De acor­do com ele, a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria tam­bém ha­via dei­xa­do cla­ro em seus co­mu­ni­ca­dos que não fa­ria um no­vo cor­te ca­so não hou­ves­se ris­co de a in­fla­ção fi­car abai­xo do pi­so da ban­da de to­le­rân­cia, de 3%. “Com a des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio, es­se ris­co aca­bou”, afir­ma. “O pro­ble­ma fo­ram en­tre­vis­tas no meio dos co­mu­ni­ca­dos que adi­ci­o­na­ram ruí­dos.”

De acor­do com es­se eco­no­mis­ta, fa­to­res co­mo a elei­ção pre­si­den­ci­al e o ce­ná­rio ex­ter­no co­lo­cam muito mais in­cer­te­za so­bre a re­to­ma­da da eco­no­mia do que a de­ci­são do Co­pom ou a ma­nei­ra co­mo ela foi to­ma­da. Pa­ra ele, o câm­bio de­ve con­ti­nu­ar se des­va­lo­ri­zan­do, fun­ci­o­nan­do mais co­mo um termô­me­tro des­sas di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das pe­lo Bra­sil do que co­mo uma al­go a ser per­se­gui­do pe­lo BC.

“No meio des­se ce­ná­rio ex­ter­no e das elei­ções que es­tão por vir, há pouquís­si­ma coi­sa que o BC po­de fa­zer. Não adi­an­ta co­lo­car nas cos­tas de­le al­go que ele não foi cri­a­do pa­ra fa­zer”, diz.

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Ser­gio Wer­lang: ati­vi­da­de es­tá muito fra­ca e cres­ci­men­to nes­te ano de­ve fi­car mais pró­xi­mo de 2% do que de 3%

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Edu­ar­do Loyo: não pa­re­ce ha­ver ne­ces­si­da­de de re­du­ção adi­ci­o­nal de ju­ros pa­ra as­se­gu­rar que in­fla­ção ca­mi­nhe pa­ra a me­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.