Loyo diz que ba­lan­ço de ris­cos mu­dou e po­si­ção do Co­pom foi “cor­re­tís­si­ma”

Valor Econômico - - ESPECIAL - Arí­cia Mar­tins

A ma­nu­ten­ção da ta­xa Se­lic em 6,5% ao ano po­de não ter si­do bem si­na­li­za­da pe­lo Ban­co Cen­tral, mas foi con­si­de­ra­da uma de­ci­são cor­re­ta por ex-di­re­to­res do BC e eco­no­mis­tas e ou­vi­dos pe­lo Va­lor, mes­mo com a re­to­ma­da a pas­sos len­tos da ati­vi­da­de e o com­por­ta­men­to tran­qui­lo dos pre­ços. Di­an­te da pi­o­ra do am­bi­en­te ex­ter­no — que le­vou o dó­lar a su­pe­rar a mar­ca de R$ 3,70 pe­la pri­mei­ra vez em 26 me­ses — a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria op­tou por agir com mai­or cau­te­la em um ce­ná­rio de au­men­to da vo­la­ti­li­da­de, afir­mam es­pe­ci­a­lis­tas.

“Em um mo­men­to de mai­or in­cer­te­za e vo­la­ti­li­da­de co­mo o que pas­sou a vi­go­rar, o ba­lan­ço de ris­cos ine­ga­vel­men­te mu­da, e mai­or cau­te­la e pru­dên­cia são al­ta­men­te re­co­men­dá­veis”, dis­se Edu­ar­do Loyo, só­cio do BTG Pac­tu­al e ex-di­re­tor de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca do BC. Em sua ava­li­a­ção, a jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) não pros­se­guir cor­tan­do a ta­xa bá­si­ca de ju­ros, con­for­me in­di­cou o co­mu­ni­ca­do do pró­prio co­le­gi­a­do após a reu­nião de quar­ta, foi a mu­dan­ça do ce­ná­rio ex­ter­no.

Com a de­pre­ci­a­ção cam­bi­al no pe­río­do re­cen­te, “não pa­re­ce mais ha­ver ne­ces­si­da­de de re­du­ção adi­ci­o­nal de ju­ros com vis­tas a as­se­gu­rar que a in­fla­ção ca­mi­nhe na di­re­ção das me­tas”, afir­mou Loyo, que tam­bém já che­fi­ou o de­par­ta­men­to econô­mi­co do BTG. Nes­se sen­ti­do, dis­se, a de­ci­são do BC foi “cor­re­tís­si­ma”.

Con­si­de­ran­do ju­ros cons­tan­tes em 6,5% ao ano e a ta­xa de câm­bio em R$ 3,60, o Co­pom in­for­mou que pre­vê al­ta “em tor­no” de 4% pa­ra o Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA) em 2018 e 2019. Nos dois ca­sos, a in­fla­ção anu­al fi­ca­ria ain­da abai­xo da me­ta anu­al per­se­gui­da pe­lo BC, de 4,5% pa­ra es­te ano e de 4,25% pa­ra o pró­xi­mo.

Se, an­tes da úl­ti­ma reu­nião, a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria ti­ves­se si­na­li­za­do que ha­via mu­da­do de ideia “em de­graus” — ao afir­mar, por exem­plo, que deu for­ça an­te­ri­or­men­te a uma pos­si­bi­li­da­de, mas que des­de en­tão o am­bi­en­te ex­ter­no mu­dou — a de­ci­são de man­ter a Se­lic no pa­ta­mar atu­al te­ria si­do “im­pe­cá­vel”, ava­lia Jo­sé Jú­lio Sen­na, tam­bém ex-di­re­tor do BC e atu­al che­fe do Cen­tro de Es­tu­dos Mo­ne­tá­ri­os do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (Ibre-FGV).

“Es­ta­mos em um mo­men­to de vá­ri­os ti­pos de dú­vi­da. Sob es­te pon­to de vis­ta, a de­ci­são de não me­xer no ju­ro é su­pe­ra­cer­ta­da. Po­de­mos cri­ti­car a co­mu­ni­ca­ção, mas não a de­ci­são”, dis­se Sen­na. Se­gun­do o eco­no­mis­ta, dois fa­to­res de­vem ter si­do con­si­de­ra­dos pe­lo BC pa­ra não cor­tar mais Se­lic: a pi­o­ra das con­di­ções fi­nan­cei­ras nos EUA — que ele­va a per­cep­ção de ris­co so­bre eco­no­mi­as emer­gen­tes e, con­se­quen­te­men­te, va­lo­ri­za o dó­lar an­te ou­tras mo­e­das — e, ain­da, a pers­pec­ti­va de que a eco­no­mia mun­di­al não vai mais cres­cer em rit­mo sin­cro­ni­za­do da­qui em di­an­te.

Es­te úl­ti­mo pon­to, de acor­do com Sen­na, não tem si­do mo­ni­to­ra­do com a de­vi­da im­por­tân­cia pe­lo mer­ca­do, mas é outro ve­tor que po­de le­var a uma de­pre­ci­a­ção adi­ci­o­nal do re­al. No pri­mei­ro tri­mes­tre, o cres­ci­men­to na Zo­na do Eu­ro e no Rei­no Uni­do “mur­chou”, ob­ser­va o ex-di­re­tor do BC. Num am­bi­en­te em que a ex­pan­são da eco­no­mia glo­bal é li­de­ra­da pe­los EUA, o dó­lar ten­de a ga­nhar um “gás adi­ci­o­nal”, diz.

“O BC ape­nas re­a­ge. O que con­tri­bui pa­ra uma pu­jan­ça me­nor da nos­sa eco­no­mia não é pro­pri­a­men­te a ação do BC, mas sim o am­bi­en­te lá fo­ra”, afir­ma Sen­na, pa­ra quem a de­ci­são da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria não vai se­gu­rar ain­da mais a ve­lo­ci­da­de de re­a­ção da ati­vi­da­de, já va­ga­ro­sa.

Te­o­ri­ca­men­te, as pro­je­ções do BC já le­vam em con­si­de­ra­ção a mo­ro­si­da­de da eco­no­mia bra­si­lei­ra, afir­ma Mau­ro Sch­nei­der, eco­no­mis­ta da MCM Con­sul­to­res. Pa­ra Sch­nei­der, o Co­pom não ter re­du­zi­do a Se­lic a 6,25% ao ano, co­mo pre­via a con­sul­to­ria e boa par­te do mer­ca­do, “pra­ti­ca­men­te não tem in­ter­fe­rên­cia” no ce­ná­rio de cres­ci­men­to. Do la­do da in­fla­ção, ha­ve­ria es­pa­ço pa­ra mais cor­tes nos ju­ros, diz, uma vez que tan­to as es­ti­ma­ti­vas do BC quan­to dos ana­lis­tas se si­tu­am ain­da abai­xo da me­ta.

Mes­mo as­sim, Sch­nei­der con­cor­da com a ma­nu­ten­ção da Se­lic em 6,5% ao ano. Um dos ar­gu­men­tos a fa­vor do mai­or con­ser­va­do­ris­mo foi da­do re­cen­te­men­te pe­lo pró­prio pre­si­den­te do BC, Ilan Gold­fajn, lem­bra o eco­no­mis­ta, an­tes da en­tre­vis­ta con­ce­di­da à Glo­bo­News no úl­ti­mo dia 8. “Gold­fajn tem des­ta­ca­do a im­por­tân­cia de se pre­ser­var os ga­nhos ob­ti­dos até en­tão na in­fla­ção. Es­se é um ob­je­ti­vo im­por­tan­te, es­pe­ci­al­men­te nes­sa fa­se da eco­no­mia bra­si­lei­ra, di­an­te de to­das as in­cer­te­zas do­més­ti­cas e olhan­do pa­ra 2019.”

Pa­ra Cris­ti­a­no Oli­vei­ra, eco­no­mis­ta-che­fe do ban­co Fi­bra, o Co­pom pre­fe­riu dar mai­or pe­so ao ge­ren­ci­a­men­to de ris­cos ex­ter­nos e não à sua co­mu­ni­ca­ção re­cen­te, que vi­nha apon­tan­do pa­ra um úl­ti­mo cor­te na ta­xa de ju­ros. “Ape­sar de con­tra a nos­sa es­ti­ma­ti­va, ve­mos a de­ci­são co­mo acer­ta­da, pois con­cor­da­mos com o di­ag­nós­ti­co de mu­dan­ça re­cen­te do ce­ná­rio ex­ter­no que im­pac­ta ne­ga­ti­va­men­te os mer­ca­dos emer­gen­tes”, dis­se, em re­la­tó­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.