Pa­ra Wer­lang, ati­vi­da­de e in­fla­ção da­vam es­pa­ço pa­ra cor­te e ma­nu­ten­ção sur­pre­en­de

Valor Econômico - - ESPECIAL - Ser­gio La­muc­ci

A de­ci­são do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) de man­ter os ju­ros em 6,5% ao ano sur­pre­en­deu Ser­gio Wer­lang, ex-di­re­tor de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca do Ban­co Cen­tral (BC). “Achei que ain­da ti­nha es­pa­ço pa­ra cor­tar, por­que a in­fla­ção con­ti­nua abai­xo do pi­so da ban­da de to­le­rân­cia, a ati­vi­da­de econô­mi­ca não es­tá des­lan­chan­do com a ve­lo­ci­da­de que se ima­gi­na­va e as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o IPCA es­tão bas­tan­te com­por­ta­das”, diz Wer­lang, ava­li­an­do que o Co­pom er­rou ao não re­du­zir a Se­lic na quar­ta-fei­ra. Pa­ra ele, a des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio não era su­fi­ci­en­te pa­ra in­ter­rom­per a que­da dos ju­ros.

“Se eu es­ti­ves­se lá, não te­ria vo­ta­do as­sim”, afir­ma ele, ho­je pro­fes­sor e as­ses­sor da pre­si­dên­cia da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (FGV). “E o que sur­pre­en­deu mais ain­da foi a de­ci­são ser unâ­ni­me. Se vo­cê per­gun­tas­se pa­ra um mon­te de ana­lis­tas, in­clu­si­ve al­guns co­nhe­ci­dos ‘fal­cões’, co­mo o pes­so­al do Itaú, eles es­ta­vam lá di­zen­do [que es­pe­ra­vam uma que­da pa­ra] 6,25%.”

Wer­lang diz acre­di­tar que a des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio trou­xe “um cho­que adi­ci­o­nal pa­ra ser dis­cu­ti­do na reu­nião”. O pon­to é que o im­pac­to in­fla­ci­o­ná­rio do dó­lar mais for­te não o pre­o­cu­pa, num mo­men­to em que a ati­vi­da­de es­tá “muito de­va­gar”. Se­gun­do ele, o efei­to so­bre os pre­ços po­de­ria ser mai­or se o país es­ti­ves­se cres­cen­do a um rit­mo de 2,5% a 3%, o que não é o ca­so. Ain­da há mui­ta oci­o­si­da­de na eco­no­mia.

Ele diz que ha­ve­rá “com cer­te­za al­gum re­pas­se” do câm­bio pa­ra os pre­ços, mas não de­ve­rá ser su­fi­ci­en­te nem pa­ra che­gar per­to da me­ta nes­te ano. No acu­mu­la­do em 12 me­ses até abril, o Ín­di­ce de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA) fi­cou em 2,76%, bem abai­xo da me­ta de 4,5%.

E o pre­si­den­te do BC, Ilan Gold­fajn, co­me­teu um er­ro de co­mu­ni­ca­ção na en­tre­vis­ta na se­ma­na pas­sa­da, que gran­de par­te do mer­ca­do in­ter­pre­tou co­mo um si­nal de que a Se­lic cai­ria mais uma vez? “Con­fes­so que não vi a en­tre­vis­ta. Co­mo não vi, eu não sei. [Mas] a mai­o­ria do mer­ca­do es­ta­va pen­san­do em 6,25% mes­mo an­tes des­sa en­tre­vis­ta, pro­va­vel­men­te.”

Pa­ra Wer­lang, o pro­ble­ma não es­tá no fa­to de o BC ter sur­pre­en­di­do o mer­ca­do. “De vez em quando o BC sur­pre­en­der não tem pro­ble­ma. No sis­te­ma de me­tas pa­ra a in­fla­ção, is­so ocor­re de vez em quando – não é co­mum, mas acon­te­ce.” A ques­tão é que os fun­da­men­tos per­mi­ti­am mais um cor­te, diz Wer­lang, um dos res­pon­sá­veis pe­la im­ple­men­ta­ção do re­gi­me de me­tas, em 1999.

Na vi­são de Wer­lang, a de­ci­são não de­ve ter gran­de im­pac­to so­bre o cres­ci­men­to nes­te ano, já que mo­vi­men­tos na po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria le­vam de seis a no­ve me­ses pa­ra afe­tar a ati­vi­da­de. Pa­ra Wer­lang, é mais pro­vá­vel que o cres­ci­men­to em 2018 fi­que mais pró­xi­mo de 2% do que de 3%. E o que ex­pli­ca uma ati­vi­da­de tão fra­ca? “É o fu­tu­ro, é a ex­pec­ta­ti­va”, diz ele. “O gran­de pro­ble­ma ho­je é o se­guin­te – quem é que vai in­ves­tir no Bra­sil se nós não sa­be­mos o que vai ocor­rer com a si­tu­a­ção fis­cal?”

Se­gun­do ele, os can­di­da­tos a pre­si­den­te não têm mos­tra­do com cla­re­za, “ti­ran­do um ou outro”, o que fa­rão pa­ra li­dar com os pro­ble­mas das con­tas pú­bli­cas. Não explicam co­mo pre­ten­dem cum­prir o te­to de gas­tos e co­mo se­rá fei­ta a re­for­ma da Previdência, por exem­plo.

Es­sa in­cer­te­za man­tém ain­da ele­va­dos os ju­ros lon­gos, afir­ma ele. A ta­xa das NTN-Bs (tí­tu­los pú­bli­cos cor­ri­gi­dos pe­lo IPCA) que ven­cem em 2050 es­tá na ca­sa de 4,5% a 5%. Es­sa é me­di­da pre­fe­ri­da de Wer­lang pa­ra o ju­ro neu­tro (aque­le que per­mi­te o país cres­cer sem pres­sões in­fla­ci­o­ná­ri­as) de lon­go pra­zo no país.

O cli­ma de in­de­fi­ni­ção tra­va o in­ves­ti­men­to, diz ele, no­tan­do que os con­su­mi­do­res tam­bém agem de mo­do pru­den­te. Per­ce­bem um am­bi­en­te de cres­ci­men­to fra­co, de que­da len­ta do de­sem­pre­go, e fi­cam cau­te­lo­sos, se­gun­do Wer­lang.

A pre­ca­ri­e­da­de da si­tu­a­ção fis­cal faz o ex-di­re­tor do BC ser con­trá­rio a uma no­va re­du­ção da me­ta de in­fla­ção. Em ju­nho, o Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Na­ci­o­nal (CMN) vai se reu­nir pa­ra de­fi­nir o al­vo de 2021 — no ano pas­sa­do, fi­xou a me­ta de 2019 em 4,25% e a de 2020 em 4% — a de 2018 é de 4,5%.

Pa­ra Wer­lang, o ide­al se­ria o CMN man­ter a me­ta de 2021 em 4%. “Acho que es­se ní­vel já es­tá de bom ta­ma­nho”, diz ele, ob­ser­van­do que “par­ti­cu­lar­men­te” pre­fe­ria um al­vo co­mo o atu­al, de 4,5%. Mas, uma vez que já fo­ram al­te­ra­das, se­ria me­lhor não ele­var as me­tas de 2019 e 2020, por ser im­por­tan­te ga­ran­tir a pre­vi­si­bi­li­da­de, ob­ser­va ele.

Vá­ri­os ana­lis­tas pre­gam a re­du­ção, pa­ra que o al­vo bra­si­lei­ro se apro­xi­me do ní­vel ado­ta­do em boa par­te dos emer­gen­tes, de 3%. Pa­ra Wer­lang, se­ria um er­ro. “A me­ta de in­fla­ção tem que con­si­de­rar vá­ri­as di­men­sões do país, e uma muito im­por­tan­te é a fis­cal.” diz ele. “O Bra­sil tem es­sa fra­gi­li­da­de. A chan­ce de uma des­va­lo­ri­za­ção ter um im­pac­to na in­fla­ção é muito mai­or, por exem­plo.”

Se­gun­do Wer­lang, um dos efeitos im­por­tan­tes de uma me­ta mais al­ta é dar es­pa­ço pa­ra uma re­du­ção em ter­mos re­ais (des­con­ta­da a in­fla­ção) dos sa­lá­ri­os dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Co­mo não se con­se­gue di­mi­nuir no­mi­nal­men­te os ren­di­men­tos dos ser­vi­do­res e não é pos­sí­vel de­mi­tir, um mo­do de fa­zer is­so é re­a­jus­tar os sa­lá­ri­os mais len­ta­men­te. A ar­re­ca­da­ção, por sua vez, ten­de a se­guir mais de per­to a in­fla­ção. Uma me­ta mais ele­va­da, des­se mo­do, aju­da a re­sol­ver a si­tu­a­ção fis­cal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.