Ode­bre­cht ‘qu­ei­ma’ Bras­kem em acor­do

Fa­tia na pe­troquí­mi­ca va­le R$ 14,5 bi­lhões na B3 e se­rá con­su­mi­da com dí­vi­das no­vas e an­ti­gas

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Gra­zi­el­la Va­len­ti (Co­la­bo­ra­ram Ta­li­ta Mo­rei­ra e Vi­ní­cius Pi­nhei­ro)

O acor­do en­tre a Ode­bre­cht e os cin­co mai­o­res ban­cos do Bra­sil, pa­ra con­se­guir até R$ 2,6 bi­lhões em no­vas li­nhas de crédito ao lon­go des­te ano e do pró­xi­mo, de­ve con­su­mir in­te­gral­men­te o es­pa­ço do gru­po pa­ra ma­ne­jar su­as dí­vi­das em ci­ma da ga­ran­tia de seu prin­ci­pal ati­vo, a Bras­kem. Sua fa­tia na pe­troquí­mi­ca equi­va­le a R$ 14,5 bi­lhões, pe­la co­ta­ção em bol­sa. As ne­go­ci­a­ções, se­gun­do fon­tes en­vol­vi­das, po­dem ser con­cluí­das nos pró­xi­mos di­as.

Pa­ra no­vos fi­nan­ci­a­men­tos, o gru­po de­pen­de­rá não só da boa von­ta­de dos ban­cos mas tam­bém de ou­tra va­lo­ri­za­ção sig­ni­fi­ca­ti­va de Bras­kem na B3. Ho­je, a com­pa­nhia va­le R$ 38,6 bi­lhões. Quando a Ode­bre­cht pas­sou a usar o con­tro­le da pe­troquí­mi­ca pa­ra se ala­van­car em bus­ca de tem­po pa­ra sair da cri­se pósO­pe­ra­ção La­va-Ja­to, a em­pre­sa va­lia no pre­gão R$ 13 bi­lhões — des­de en­tão, tri­pli­cou. Es­sa é a ter­cei­ra ro­da­da da Ode­bre­cht em bus­ca de di­nhei­ro no­vo em ci­ma des­se ati­vo.

A par­ti­ci­pa­ção de con­tro­le na Bras­kem — 50,1% das ações or­di­ná­ri­as e 38,3% do ca­pi­tal to­tal— co­bre atu­al­men­te pou­co me­nos de R$ 7 bi­lhões em com­pro­mis­sos. Em fa­vor dos ban­cos, as ações or­di­ná­ri­as es­tão pe­nho­ra­das e as pre­fe­ren­ci­ais, ce­di­das fi­du­ci­a­ri­a­men­te (in­cluin­do os di­vi­den­dos).

O diá­lo­go com os ban­cos in­clui não ape­nas a li­be­ra­ção do di­nhei­ro no­vo, mas tam­bém, o au­men­to do to­tal das dí­vi­das co­ber­tas por es­sa ga­ran­tia, co­mo con­tra­par­ti­da. As­sim, além das dí­vi­das atu­ais já ga­ran­ti­das pe­las ações mais o di­nhei­ro no­vo, en­tra­ri­am de­bai­xo des­se co­ber­tor li­nhas an­ti­gas.

O con­sen­so en­tre os ban­cos tem se mos­tra­do di­fí­cil e, por is­so, com al­te­ra­ções cons­tan­tes na es­tru­tu­ra ne­go­ci­a­da. Mas, pe­las con­ver­sas atu­ais, é pos­sí­vel que o to­tal de dí­vi­das ga­ran­ti­das com as ações da Bras­kem fi­que en­tre R$ 11 bi­lhões e R$ 13 bi­lhões — ou se­ja, qua­se to­do o va­lor de mer­ca­do da par­ti­ci­pa­ção na pe­troquí­mi­ca.

Por cau­sa dis­so, há quem acre­di­te que a Ode­bre­cht con­su­miu to­da sua ca­pa­ci­da­de de ala­van­ca­gem com es­sa ne­go­ci­a­ção com os ban­cos e que a re­vi­ta­li­za­ção da Ode­bre­cht En­ge­nha­ria e Cons­tru­ção (OEC) é ur­gen­te. A ava­li­a­ção é que, a ca­da “en­co­lhi­men­to” dos ne­gó­ci­os, o gru­po en­tre­gou mais de seu mai­or e me­lhor ati­vo aos cre­do­res — Itaú, Bra­des­co, Ban­co do Bra­sil, BNDES e San­tan­der.

Pe­la es­tru­tu­ra em ava­li­a­ção, Itaú e Bra­des­co con­ce­de­rão as no­vas li­nhas. O gru­po es­tá nu­ma cor­ri­da con­tra o tem­po de­vi­do ao ven­ci­men­to, em 25 de abril, de R$ 500 mi­lhões em bô­nus da OEC. Na pró­xi­ma se­ma­na, com­ple­ta o pra­zo de 30 di­as após o não pa­ga­men­to a par­tir do qu­al os cre­do­res des­ses pa­péis po­dem de­cla­rar a OEC ina­dim­plen­te.

A si­tu­a­ção na cons­tru­to­ra já con­ta­mi­na ou­tras em­pre­sas do gru­po. Con­for­me fon­tes li­ga­das às con­ver­sas, os ban­cos es­tão se­gu­ran­do as li­nhas da At­vos (exA­groin­dus­tri­al), que vol­tou a en­fren­tar pro­ble­mas de li­qui­dez .

Pa­ra con­ce­der os re­cur­sos (que de­vem ser li­be­ra­dos em du­as eta­pas, con­for­me o cum­pri­men­to de con­di­ções de evo­lu­ção dos ne­gó­ci­os), Itaú e Bra­des­co que­rem con­quis­tar pri­o­ri­da­de so­bre as ga­ran­ti­as, as ações da Bras­kem. Por is­so, as de­mais ins­ti­tui­ções, San­tan­der, BB e BNDES, pre­ci­sam dar aval.

Es­se tem si­do o gran­de en­tra­ve. A mai­or di­fi­cul­da­de, des­de o co­me­ço das con­ver­sas, vem da par­te do BB e do BNDES. A si­tu­a­ção é de tal for­ma ten­sa que o cli­ma en­tre as ins­ti­tui­ções fi­cou ruim. É pa­ra es­sa li­be­ra­ção que os ban­cos es­tão exi­gin­do co­lo­car sob o co­ber­tor da Bras­kem dí­vi­das an­ti­gas.

O Va­lor apu­rou que a ope­ra­ção com os ban­cos di­vi­de até a cú­pu­la da Ode­bre­cht. Par­te pre­fe­ria que o gru­po ti­ves­se bus­ca­do re­es­tru­tu­rar pri­va­da­men­te as gran­des dí­vi­das — com ban­cos e com os de­ten­to­res de bô­nus da OEC. Mas pre­va­le­ceu a vi­são de que é pri­mor­di­al pre­ser­var a re­la­ção com cre­do­res.

Em ju­lho de 2016, a Ode­bre­cht ob­te­ve R$ 4 bi­lhões em li­nhas com o con­tro­le de Bras­kem, que na épo­ca va­lia R$ 5 bi­lhões. Em maio de 2017, quando o va­lor su­biu pa­ra R$ 9 bi­lhões, o to­tal ga­ran­ti­do foi ele­va­do a qua­se R$ 7 bi­lhões, após o gru­po con­se­guir que os ban­cos acei­tas­sem que o di­nhei­ro da ven­da da Ode­bre­cht Am­bi­en­tal fi­cas­se com a hol­ding e não qui­tas­se com­pro­mis­sos, co­mo acor­da­do an­tes.

Des­de o ju­lho de 2016, quando re­es­tru­tu­rou a dí­vi­da da Agroin­dus­tri­al, a Ode­bre­cht tem o com­pro­mis­so de usar o di­nhei­ro ob­ti­do com o pro­gra­ma de ven­da de ati­vos pa­ra amor­ti­zar os com­pro­mis­sos da hol­ding. Quem de­fen­de o acor­do com os ban­cos nes­te mo­men­to, sem re­es­tru­tu­ra­ção mais am­pla, ar­gu­men­ta que o gru­po tem usa­do de for­ma res­pon­sá­vel sua ri­que­za, na ten­ta­ti­va de re­or­ga­ni­zar os ne­gó­ci­os do gru­po.

O mai­or de­sa­fio ope­ra­ci­o­nal é a cons­tru­to­ra, cu­ja car­tei­ra de pro­je­tos en­co­lheu dras­ti­ca­men­te des­de que a Ope­ra­ção La­va-Ja­to foi de­fla­gra­da — de US$ 28 bi­lhões, ao fim de 2015, pa­ra US$ 13,5 bi­lhões atu­ais. A com­pa­nhia tem dí­vi­das da ordem de US$ 3,3 bi­lhões em tí­tu­los in­ter­na­ci­o­nais ga­ran­ti­dos pe­la hol­ding. A apos­ta na re­vi­ta­li­za­ção de­ve-se ao pra­zo des­ses pa­péis: aci­ma de 18 anos, na mé­dia.

Quando fo­ram emi­ti­dos, a si­tu­a­ção era opos­ta. A cons­tru­to­ra, que não ca­re­cia de re­cur­sos, era a ope­ra­ção mais ren­tá­vel e foi usa­da pa­ra per­mi­tir que hol­ding ex­pan­dis­se ou­tros ne­gó­ci­os.

A ava­li­a­ção dos mais oti­mis­tas é que a Ode­bre­cht con­se­gui­rá, a par­tir de ago­ra e em ve­lo­ci­da­de ca­da vez mai­or, re­com­por a car­tei­ra da OEC. Nos úl­ti­mos me­ses, o gru­po con­quis­tou qua­se R$ 1 bilhão em pro­je­tos no Bra­sil. Além dis­so, a cren­ça é que Bras­kem con­ti­nu­a­rá mos­tran­do va­lo­ri­za­ção. A ava­li­a­ção é que even­tos im­por­tan­tes de go­ver­nan­ça da em­pre­sa po­dem pro­mo­ver um no­vo ci­clo de al­ta.

Con­sul­ta­da, a Ode­bre­cht afir­mou que “con­ti­nua em diá­lo­go com os ban­cos de seu re­la­ci­o­na­men­to, a fim de en­con­trar, com prag­ma­tis­mo e com­pro­me­ti­men­to, so­lu­ções pa­ra su­as ques­tões fi­nan­cei­ras” A com­pa­nhia não quis co­men­tar so­bre o uso das ações da Bras­kem pa­ra co­ber­tu­ra de dí­vi­das pre­e­xis­ten­tes.

Quando co­me­çou a usar o con­tro­le da Bras­kem pa­ra ga­ran­tia aos ban­cos, a par­ti­ci­pa­ção va­lia R$ 5 bi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.