No­vo pla­no de in­ves­ti­men­to da Pe­tro­bras po­de ser mai­or

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Pe­tró­leo An­dré Ra­ma­lho

O pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, vê es­pa­ço pa­ra que a em­pre­sa vol­te a au­men­tar os in­ves­ti­men­tos, ain­da que de for­ma pon­tu­al, na no­va ver­são do pla­no de ne­gó­ci­os da com­pa­nhia. A pe­tro­lei­ra pre­pa­ra uma re­vi­são do atu­al pla­no, que pre­vê apor­tes de US$ 74,5 bi­lhões en­tre 2018 e 2022, mon­tan­te pra­ti­ca­men­te es­tá­vel em re­la­ção ao pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co an­te­ri­or.

O pla­no de ne­gó­ci­os da pe­tro­lei­ra é re­vi­sa­do anu­al­men­te. Pa­ren­te pre­ga que o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co da em­pre­sa é uma “fer­ra­men­ta di­nâ­mi­ca”, ajus­ta­da sem­pre que “há ra­zões pa­ra is­so”.

Se­gun­do ele, a de­ci­são de au­men­tar ou não os in­ves­ti­men­tos de­pen­de­rá do re­sul­ta­do dos pró­xi­mos lei­lões, que po­dem de­man­dar mai­o­res com­pro­mis­sos da em­pre­sa em ex­plo­ra­ção nos pró­xi­mos anos. A es­ca­la­da dos pre­ços do bar­ril do pe­tró­leo e do dó­lar tam­bém po­dem in­flu­en­ci­ar a re­vi­são das me­tas.

Nos úl­ti­mos qu­a­tro lei­lões que a com­pa­nhia par­ti­ci­pou, des­de o ano pas­sa­do, a es­ta­tal re­compôs seu port­fó­lio ex­plo­ra­tó­rio ao adi­ci­o­nar 17 no­vos blo­cos a sua car­tei­ra de ati­vos. A Pe­tro­bras tam­bém já ma­ni­fes­tou o in­te­res­se de as­su­mir a ope­ra­ção de três das qu­a­tro áre­as a se­rem ofer­ta­das na 4 Ro­da­da de par­ti­lha, em ju­nho.

“O que a gen­te en­xer­ga, nes­te mo­men­to, é que tal­vez pos­sa ha­ver al­gum in­cre­men­to, mas não se­ria uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral no ní­vel de in­ves­ti­men­tos. De­pen­de um pou­co dos re­sul­ta­dos da com­pa­nhia nos pró­xi­mos lei­lões. Is­so even­tu­al­men­te po­de en­se­jar uma atu­a­li­za­ção des­ses va­lo­res, mas não é na­da es­tru­tu­ral”, dis­se Pa­ren­te ao Va­lor.

Ain­da se­gun­do o exe­cu­ti­vo, a Pe­tro­bras es­pe­ra divulgar ao mer­ca­do en­tre o fim de ju­lho e iní­cio de agos­to a me­ta de de­sa­la­van­ca­gem pa­ra o 2019. Em pa­ra­le­lo, a com­pa­nhia tra­ba­lha na re­vi­são de seu pla­no de ne­gó­ci­os. Se­gun­do Pa­ren­te, a ver­são 2019-2023 de­ve ser pu­bli­ca­da até o fim do ano.

“[O pla­no de ne­gó­ci­os] Vi­rou uma fer­ra­men­ta di­nâ­mi­ca que ajus­ta­mos to­da vez que ve­mos ra­zão pa­ra is­so. Fa­ze­mos um acom­pa­nha­men­to per­ma­nen­te. Cer­ta­men­te, o que es­tá acon­te­cen­do com o pe­tró­leo e câm­bio re­co­men­da­ri­am uma atu­a­li­za­ção da vi­são es­tra­té­gi­ca”, dis­se.

O pla­no es­tra­té­gi­co da em­pre­sa, ho­je, tra­ba­lha com uma pre­mis­sa de que o pre­ço mé­dio do bar­ril do pe­tró­leo fi­ca­rá em US$ 53 es­te ano e em US$ 58 em 2019, an­te os pa­ta­ma­res atu­ais, de US$ 80 o bar­ril (ti­po Brent).

Outro pon­to é a me­ta de re­du­zir a ala­van­ca­gem, me­di­da pe­la re­la­ção dí­vi­da lí­qui­da/Ebitda (lu­cros an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção), dos atu­ais 3,52 ve­zes, pa­ra 2,5 ve­zes ao fim de 2018. Fal­ta, con­tu­do, de­fi­nir as mé­tri­cas pa­ra os pró­xi­mos anos. A es­tra­té­gia da em­pre­sa é re­du­zir ain­da mais a re­la­ção, pa­ra se apro­xi­mar de seus pa­res glo­bais. Pa­ren­te já si­na­li­zou, an­te­ri­or­men­te, que a in­ten­ção de­le era con­ver­gir a ala­van­ca­gem da em­pre­sa pa­ra pa­ta­ma­res in­fe­ri­o­res a 1,5 vez ao fim do ho­ri­zon­te do atu­al pla­no de ne­gó­ci­os, em 2022.

O exe­cu­ti­vo ex­pli­ca, no en­tan­to, que o prin­ci­pal di­re­ci­o­na­dor da re­vi­são da vi­são es­tra­té­gi­ca da em­pre­sa se­rá o de­ta­lha­men­to do pa­pel do gás na­tu­ral nos ne­gó­ci­os da com­pa­nhia, co­mo par­te da es­tra­té­gia de tran­si­ção pa­ra uma eco­no­mia de bai­xo carbono. O exe­cu­ti­vo vê es­pa­ço pa­ra au­men­to da par­ti­ci­pa­ção do gás na­tu­ral no vo­lu­me to­tal pro­du­zi­do. Ho­je cer­ca de 20% do vo­lu­me pro­du­zi­do pe­la com­pa­nhia é gás e 80% pe­tró­leo.

“É uma dis­cus­são da qu­al se­ria a re­la­ção ade­qua­da en­tre óleo e gás pa­ra uma com­pa­nhia co­mo a Pe­tro­bras. Não é uma con­clu­são fi­nal, mas te­mos um cla­ro sen­ti­men­to de que nos­sa par­ti­ci­pa­ção em gás é bai­xa e que pro­va­vel­men­te o nú­me­ro ade­qua­do se­ria mai­or que aque­le que exis­te ho­je”, co­men­ta.

Pa­ren­te já che­gou a afir­mar que a pe­tro­lei­ra po­de­ria bus­car au­men­to de sua pro­du­ção de gás no ex­te­ri­or e que a par­ce­ria es­tra­té­gi­ca fir­ma­da com a bri­tâ­ni­ca BP en­vol­via jus­ta­men­te um “in­te­res­se muito gran­de” na área de gás na­tu­ral. Acres­cen­tou que is­so po­de­ria in­cluir even­tu­ais tro­cas de ati­vos nes­se seg­men­to.

Es­ta­tal es­pe­ra divulgar ao mer­ca­do en­tre o fim de ju­lho e iní­cio de agos­to a me­ta pa­ra ala­van­ca­gem em 2019

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Pa­ren­te: au­men­to, ou não, de in­ves­ti­men­to vai de­pen­der dos pró­xi­mos lei­lões, com mai­or com­pro­mis­so em ex­plo­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.