Mon­tei­ro Ara­nha re­no­va con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Ges­tão He­loi­sa Ma­ga­lhães, Clau­dia Schüff­ner e Fer­nan­do Tor­res

Pa­ra re­vi­ta­li­zar e bus­car no­vos ne­gó­ci­os, o gru­po Mon­tei­ro Ara­nha, no fim de abril, tro­cou qua­se to­dos os mem­bros do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção. En­trou a no­va ge­ra­ção da fa­mí­lia e Ola­vo Mon­tei­ro de Car­va­lho, que acom­pa­nhou de per­to por cer­ca de 50 anos a ges­tão dos ne­gó­ci­os da fa­mí­lia, dei­xou a pre­si­dên­cia. Ele qu­er se de­di­car ao pro­je­to de me­lho­ria zo­o­té­ni­ca de ga­do na sua fa­zen­da San­ta­rém, no in­te­ri­or do Es­ta­do do Rio.

Com ho­je cer­ca de 60 mem­bros e na quin­ta ge­ra­ção, o gru­po foi ini­ci­a­do em 1913 por Al­ber­to Mon­tei­ro de Car­va­lho (avô de Ola­vo) e por Ola­vo Egí­dio Sou­za Ara­nha. No iní­cio, atu­a­ram na área de vi­dros. Ho­je é uma hol­ding de in­ves­ti­men­tos con­cen­tra­dos em par­ti­ci­pa­ções na Ul­tra­par (da qu­al tem 4,2% do ca­pi­tal so­ci­al), e Kla­bin (6,8%), e em em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os.

“Es­ta­mos olha­mos vá­ri­os se­to­res. Nos úl­ti­mos anos ti­ve­mos um fo­co mai­or no se­tor imo­bi­liá­rio. Acom­pa­nha­mos se­tor de ener­gia e ana­li­sa­mos opor­tu­ni­da­des de par­ce­ria”, dis­se Ola­vo.

No fim de mar­ço, a hol­ding con­ta­va com pa­trimô­nio lí­qui­do con­tá­bil de R$ 1,25 bilhão. A va­lor con­tá­bil, pe­lo cri­té­rio de equi­va­lên­cia pa­tri­mo­ni­al, a par­ti­ci­pa­ção na Ul­tra­par es­ta­va ava­li­a­da em R$ 489 mi­lhões e a de Kla­bin em R$ 383 mi­lhões. Ba­se­a­da em co­ta­ção em bol­sa, va­lem muito mais. A fa­tia na Kla­bin, cer­ca de R$ 1,9 bilhão, e as ações na Ul­tra­par, R$ 1,2 bilhão.

O Mon­tei­ro Ara­nha foi par­cei­ro do Gru­po Es­pi­ri­to San­to, de Por­tu­gal. En­vol­vi­do em es­cân­da­lo fi­nan­cei­ro em seu país, os por­tu­gue­ses re­pas­sa­ram a cre­do­res a par­ti­ci­pa­ção que ti­nha na hol­ding, de apro­xi­ma­da­men­te 10%. Ago­ra, al­guns aci­o­nis­tas vêm bus­can­do com­prar es­sas ações. Não se tra­ta de um pro­gra­ma de re­com­pra fei­to pe­lo Mon­tei­ro Ara­nha, co­mo fri­sou uma fon­te, mas que po­de estar sen­do fei­ta iso­la­da­men­te por al­gum mem­bro da fa­mí­lia. Um mo­vi­men­to na­tu­ral, se­gun­do ex­pli­cou, vis­to nos úl­ti­mos 40 anos, pois a fa­mí­lia aca­ba sen­do “com­pra­do­ra na­tu­ral” des­sas ações, que têm bai­xa li­qui­dez.

O Gru­po Es­pí­ri­to San­to tam­bém ti­nha par­ce­ri­as, ca­so da re­cen­te cons­tru­ção de um pré­dio co­mer­ci­al no cen­tro do Rio, a Tor­re Pri­mei­ro de Mar­ço. Se­gun­do uma fon­te, há pro­je­tos pla­ne­ja­dos no Bair­ro de San­ta Te­re­za, on­de es­tão vá­ri­as ca­sas da fa­mí­lia há dé­ca­das.

Além de Ola­vo, dei­xa­ram o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção Eli­e­zer Ba­tis­ta, Rui Pa­trí­cio e Pau­lo Cu­nha. A pre­si­dên­cia, ago­ra, é ocu­pa­da por Sér­gio Al­ber­to Mon­tei­ro de Car­va­lho, que tem co­mo su­plen­te Jo­a­quim Fran­cis­co Mon­tei­ro de Car­va­lho Ne­to. O ex-pre­si­den­te da Ele­tro­bras, Jo­sé Luis Alqué­res, foi in­di­ca­do co­mo con­se­lhei­ro, e te­rá co­mo su­plen­te o fi­lho, Pe­dro Al­ber­to Campbell Alqué­res.

Os as­sen­tos no con­se­lho fo­ram re­du­zi­dos de on­ze pa­ra seis. As­su­me a ge­ra­ção mais jo­vem da fa­mí­lia co­mo Ser­gio Fran­cis­co Mon­tei­ro de Car­va­lho Gui­ma­rães, Ana Ma­ria Mon­tei­ro de Car­va­lho, Ar­non Affonso de Fa­ri­as Mel­lo Ne­to. Ro­ber­to Du­que Es­tra­da, que tem co­mo su­plen­te Jo­a­quim Pe­dro Mon­tei­ro de Car­va­lho Col­lor de Mel­lo, atu­al­men­te di­re­tor de re­la­ções com in­ves­ti­do­res do gru­po. Ar­non e Jo­a­quim são fi­lhos de Li­li­beth Mon­tei­ro com o se­na­dor Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo.

Além des­ses in­ves­ti­men­tos di­re­tos mais re­le­van­tes, o Mon­tei­ro Ara­nha, no fim de mar­ço, de­ti­nha apli­ca­ções de renda fi­xa — R$ 215 mi­lhões — fun­dos de in­ves­ti­men­to em ações, de R$ 236 mi­lhões.

Dois ne­gó­ci­os fo­ram em­ble­má­ti­cos na sua his­tó­ria: foi o pri­mei­ro gru­po bra­si­lei­ro, nos anos de 1950, a in­ves­tir na Volkswa­gen, a ale­mã pi­o­nei­ra na fa­bri­ca­ção de au­to­mó­veis no Bra­sil. Na dé­ca­da de 1980 o go­ver­no do Kuwait com­prou os 20% de par­ti­ci­pa­ção da fa­mí­lia (em va­lo­res da épo­ca) por US$ 115 mi­lhões, mui­tos mi­lho­es aci­ma do in­ves­ti­men­to ini­ci­al. Outro pro­je­to au­da­ci­o­so foi a com­pra do Ban­co Bo­a­vis­ta, em 1997. O ban­co es­ta­va in­sol­ven­te e che­gou a com­pro­me­ter um ter­ço do pa­trimô­nio do gru­po. Fo­ram dois anos em bus­ca de so­lu­ções até que o Bra­des­co ab­sor­veu o Bo­a­vis­ta em 2000.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.