Pri­va­ti­za­ção ron­da os Cor­rei­os

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Entregas Rafael Bi­ten­court

O pre­si­den­te dos Cor­rei­os, Car­los Ro­ber­to Fort­ner, dis­se on­tem ser con­tra a pri­va­ti­za­ção da com­pa­nhia, ape­sar de ser “ine­gá­vel que exis­ta a ameaça” de le­var à fren­te es­se pla­no. “Eu, par­ti­cu­lar­men­te, sou con­tra”, afir­mou o exe­cu­ti­vo em au­di­ên­cia pú­bli­ca na Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos do Senado.

Fort­ner in­for­mou que to­dos os pre­si­den­ciá­veis, com me­lhor de­sem­pe­nho nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to, es­ti­ve­ram no Mi­nis­té­rio da Ciência, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ções e Co­mu­ni­ca­ções. “Che­ga­ram to­dos eles, sem ex­ce­ção, fa­lan­do em pri­va­ti­za­ção”, dis­se.

O pre­si­den­te afir­mou que du­as coi­sas jus­ti­fi­ca­ri­am a pri­va­ti­za­ção dos Cor­rei­os, a per­da de qua­li­da­de nos ser­vi­ços ofe­re­ci­dos e os prejuízos pa­ra o go­ver­no, “pa­ra o bol­so do con­tri­buin­te”. Se­gun­do ele, a ges­tão tra­ba­lha pa­ra impedir que is­so acon­te­ça.

O exe­cu­ti­vo afir­mou que ain­da não foi fi­na­li­za­do o es­tu­do que in­di­cou a ne­ces­si­da­de fe­char agên­ci­as e de­mi­tir fun­ci­o­ná­ri­os. “Não es­tou con­ven­ci­do so­bre o fe­cha­men­to de ne­nhu­ma des­sas agên­ci­as”, dis­se Fort­ner, du­ran­te a au­di­ên­cia pú­bli­ca.

No iní­cio do mês, re­por­ta­gem do jor­nal “O Es­ta­do de S. Pau­lo” in­for­mou que a es­ta­tal pla­ne­ja en­cer­rar a ope­ra­ção de 513 agên­ci­as, com de­mis­são de até 5,3 mil fun­ci­o­ná­ri­os.

Fort­ner re­co­nhe­ceu que a di­vul­ga­ção an­te­ci­pa­da dos nú­me­ros “cau­sou um gran­de al­vo­ro­ço”. Mas ex­pli­cou que o es­tu­do já te­ria in­di­ca­do o en­cer­ra­men­to das ati­vi­da­des em 700 agên­ci­as, de­pois em cer­ca de 600, até che­gar ao nú­me­ro atu­al. Se­gun­do ele, quando o es­tu­do for con­cluí­do, os nú­me­ros se­rão dis­cu­ti­dos aber­ta­men­te com os fun­ci­o­ná­ri­os an­tes que qual­quer de­ci­são se­ja to­ma­da.

Du­ran­te a au­di­ên­cia na Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos, o pre­si­den­te dos Cor­rei­os as­se­gu­rou aos re­pre­sen­tan­tes dos tra­ba­lha­do­res que não ha­ve­rá de­mis­sões em 2018, por se tra­tar de ano elei­to­ral.

O exe­cu­ti­vo tam­bém re­ba­teu as crí­ti­cas re­fe­ren­tes ao re­sul­ta­do fi­nan­cei­ro da com­pa­nhia em 2017. Hou­ve lu­cro de R$ 667 mi­lhões, após su­ces­si­vos ba­lan­ços anu­ais com re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos.

Con­for­me in­for­mou o Va­lor, na se­ma­na pas­sa­da, o pro­vi­si­o­na­men­to de gas­tos com o pla­no de saú­de dos fun­ci­o­ná­ri­os, que de­ve cair a par­tir de ju­lho de 2019, per­mi­tiu que os Cor­rei­os re­gis­tras­sem um lu­cro con­tá­bil no fe­cha­men­to do ano pas­sa­do.

“Não hou­ve má­gi­ca con­tá­bil”, afir­mou o pre­si­den­te dos Cor­rei­os. Se­gun­do ele, is­so ocor­reu por­que a es­ta­tal cum­priu o que de­ter­mi­na a le­gis­la­ção. Fort­ner dis­se que a me­lho­ra de de­sem­pe­nho da com­pa­nhia já dá os “pri­mei­ros si­nais de lu­cro ope­ra­ci­o­nal”.

RUY BARON / VA­LOR

Car­los Fort­ner, so­bre ven­da da es­ta­tal: “Eu, par­ti­cu­lar­men­te, sou con­tra”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.