Gol da Ale­ma­nha, de no­vo

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Fu­te­bol As­sis Mo­rei­ra

A Ale­ma­nha é a se­le­ção com mai­or pos­si­bi­li­da­de de ga­nhar a Co­pa da Rús­sia, com o Bra­sil em se­gun­do lu­gar en­tre os fa­vo­ri­tos. É o cál­cu­lo do ban­co suí­ço UBS, que usou mé­to­dos eco­no­mé­tri­cos nor­mal­men­te apli­ca­dos pa­ra ava­li­ar opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­tos.

Em es­tu­do dis­tri­buí­do a cli­en­tes, com tra­ços de hu­mor, o UBS con­clui que Ale­ma­nha, Bra­sil e Es­pa­nha têm 60% de pos­si­bi­li­da­de de ga­nhar a Co­pa, que co­me­ça no dia 14 de ju­nho. Mas su­as si­mu­la­ções in­di­cam que ne­nhum país tem mais chan­ces de le­van­tar o tro­féu que a Ale­ma­nha, com 24%, com­pa­ra­do a 19,8% pa­ra o Bra­sil e 16,1% pa­ra a Es­pa­nha.

Mark Ha­e­fe­le, che­fe de in­for­ma­ção do UBS Glo­bal We­alth Ma­na­ge­ment, diz que os mes­mos mé­to­dos quan­ti­ta­ti­vos apli­ca­dos a in­ves­ti­men­tos pro­va­ram ser úteis pa­ra even­tos es­por­ti­vos.

Mi­cha­el Bol­li­ger, che­fe de alo­ca­ção de ati­vos em mer­ca­dos emer­gen­tes, e prin­ci­pal au­tor do es­tu­do, dis­se con­si­de­rar que “in­ves­ti­do­res po­dem apren­der muito com ti­mes de fu­te­bol bem-su­ce­di­dos”. “Pro­cu­rar agi­li­da­de, cons­truir um port­fó­lio com di­ver­si­da­de de ta­len­tos e per­ma­ne­cer cal­mo sob pres­são são vir­tu­des exem­pli­fi­ca­das por equi­pes de fu­te­bol, as­sim co­mo por in­ves­ti­do­res bem-su­ce­di­dos.”

O UBS ado­tou vá­ri­os mo­de­los téc­ni­cos do dia a dia pa­ra pre­ver o re­sul­ta­do da Co­pa do Mun­do. Pri­mei­ro, con­si­de­rou que Ale­ma­nha, Bra­sil e Es­pa­nha são ti­mes no to­po, pe­lo cha­ma­do “Elo ra­ting”. Tra­ta-se de uma me­di­da ob­je­ti­va de for­ça da equi­pe.

A ins­ti­tui­ção ana­li­sou quan­to uma equi­pe jo­gou bem no pas­sa­do. Mas, ao con­trá­rio de ou­tras classificações, por es­se cri­té­rio vi­tó­ri­as con­tra equi­pes mais for­tes me­lho­ram a po­si­ção, mais que triun­fos fren­te a opo­nen­tes mais fra­cos. Da mesma for­ma, par­ti­das im­por­tan­tes con­tam mais que jo­gos amis­to­sos. O ban­co con­si­de­ra es­se um dos in­di­ca­do­res mais im­por­tan­tes pa­ra ex­pli­car a pro­ba­bi­li­da­de de su­ces­so na Co­pa.

Em se­gun­do lu­gar, o ban­co suí­ço exa­mi­nou co­mo foi a qu­a­li­fi­ca­ção pa­ra a Co­pa. A Ale­ma­nha ven­ceu ca­da par­ti­da, a Es­pa­nha não per­deu e o Bra­sil foi der­ro­ta­do ape­nas em seu pri­mei­ro jo­go, con­tra o Chi­le, em ou­tu­bro de 2015.

Ter­cei­ro, o ban­co le­vou em con­si­de­ra­ção que as três se­le­ções par­ti­ci­pa­ram com su­ces­so de co­pas an­te­ri­o­res. Ale­mães, bra­si­lei­ros e es­pa­nhóis já fo­ram cam­peões mun­di­ais, ven­cen­do 10 das 20 co­pas des­de 1930, e es­tão aci­ma da mai­o­ria das ou­tras se­le­ções no nú­me­ro de par­ti­ci­pa­ções an­te­ri­o­res. O Bra­sil, nes­sa ca­te­go­ria, é im­ba­tí­vel: o úni­co país que par­ti­ci­pou de to­das as co­pas des­de 1930, além de ter o mai­or nú­me­ro de tí­tu­los.

A pri­mei­ra se­mi­fi­nal da Co­pa da Rús­sia po­de ser de no­vo en­tre Bra­sil e Ale­ma­nha, mas o UBS acha que des­ta vez o re­sul­ta­do se­rá “'me­nos de­vas­ta­dor”' que na Co­pa no Bra­sil, quando os ale­mães ven­ce­ram por 7 a 1.

Pa­ra pre­ver os diferentes ca­mi­nhos pa­ra a fi­nal, o UBS diz ter fei­to si­mu­la­ções cha­ma­das Mon­te Car­lo. Ob­te­ve mais de 10 mil re­sul­ta­dos e de­pois con­tou quan­tas ve­zes um ti­me foi vi­to­ri­o­so, con­cluin­do que os ale­mães têm a mai­or chan­ce, ao me­nos no pa­pel.

Do pon­to de vis­ta econô­mi­co, a pro­je­ção é que a Rús­sia gas­te US$ 12 bi­lhões na Co­pa, mas o UBS acha que is­so não de­ve re­for­çar a eco­no­mia na­ci­o­nal de ma­nei­ra sig­ni­fi­ca­ti­va. Ava­lia, em to­do ca­so, que vai ge­rar mais be­ne­fí­ci­os em com­pa­ra­ção com as co­pas ocor­ri­das na Es­pa­nha, Itá­lia ou Fran­ça.

Pa­ra o ban­co, qua­se cer­to mes­mo é que o cam­peão mun­di­al vi­rá da Eu­ro­pa ou da Amé­ri­ca do Sul.

O UBS suí­ço pas­sou por maus mo­men­tos na úl­ti­ma dé­ca­da. Sua ação de­grin­go­lou em vá­ri­as oca­siões e con­ti­nua em rota de re­cu­pe­ra­ção. Is­so po­de ser um alí­vio pa­ra o tor­ce­dor bra­si­lei­ro.

MAR­TIN MEISSNER/AP

Anún­cio da se­le­ção ale­mã, que, se­gun­do o ban­co UBS, tem mais chan­ces de ser cam­peã, se­gui­da pe­la equi­pe bra­si­lei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.