Pe­tró­leo em al­ta vol­ta a tor­nar o eta­nol ce­lu­ló­si­co com­pe­ti­ti­vo

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Bi­o­com­bus­tí­veis Ed Cro­oks (Tra­du­ção de Sa­bi­no Ahu­ma­da)

A re­cu­pe­ra­ção dos pre­ços do pe­tró­leo vol­tou a tor­nar pro­mis­so­ras as pers­pec­ti­vas pa­ra o eta­nol pro­du­zi­do a par­tir de re­sí­du­os agrí­co­las, o que no pas­sa­do já che­gou a ser a gran­de apos­ta da in­dús­tria de com­bus­tí­veis al­ter­na­ti­vos.

Em meio a cus­tos com com­bus­tí­vel ca­da vez mais pe­sa­dos no bol­so do con­su­mi­dor, o che­fe do úl­ti­mo con­sór­cio ain­da em­pe­nha­do em pro­du­zir em gran­de es­ca­la es­se ti­po de eta­nol acre­di­ta que as ou­tras em­pre­sas er­ra­ram ao de­sis­tir des­sa fren­te. Fei­ke Sij­bes­ma, exe­cu­ti­vo-che­fe da Royal DSM, em­pre­sa ho­lan­de­sa que faz par­te do gru­po que tra­ba­lha pa­ra pro­du­zir eta­nol ce­lu­ló­si­co na usi­na de Pro­ject Li­berty, em Iowa (EUA), dis­se que o com­bus­tí­vel ca­mi­nha pa­ra ser com­pe­ti­ti­va fren­te à ga­so­li­na. A al­ta nos pre­ços do pe­tró­leo aju­da.

A re­cen­te re­cu­pe­ra­ção nas co­ta­ções pa­ra mais de US$ 75 por bar­ril do pe­tró­leo Brent au­men­ta as es­pe­ran­ças de que o eta­nol ce­lu­ló­si­co pos­sa ser com­pe­ti­ti­vo, ca­so os pro­ble­mas de en­ge­nha­ria do pro­ces­so pos­sam ser so­lu­ci­o­na­dos. “Não tem si­do uma es­tra­da fá­cil, mas es­ta­mos che­gan­do lá”, dis­se ao jor­nal “Fi­nan­ci­al Ti­mes”. “A tec­no­lo­gia é mais com­pli­ca­da do que to­dos ima­gi­na­vam no iní­cio”.

A Royal DSM, que tra­ba­lha nas áre­as quí­mi­ca e de bi­o­tec­no­lo­gia, cri­ou a Pro­ject Li­berty jun­to com a em­pre­sa ame­ri­ca­na de eta­nol Po­et, pa­ra pro­du­zir o com­bus­tí­vel a par­tir das es­pi­gas, fo­lhas e cas­cas de mi­lho dei­xa­das após a co­lhei­ta.

A usi­na foi inau­gu­ra­da em 2014, mas ain­da não atin­giu a ca­pa­ci­da­de ple­na de pro­du­ção de 20 mi­lhões de ga­lões de eta­nol (cer­ca de 76 mi­lhões de li­tros) por ano.

DuPont, dos EUA, e Aben­goa, da Es­pa­nha, que co­or­de­na­vam pro­je­tos si­mi­la­res, os aban­do­na­ram.

O Pro­ject Li­berty, no en­tan­to, não só con­ti­nu­ou ope­ran­do co­mo sua pro­du­ção ago­ra es­tá em al­ta. Um si­nal de co­mo o con­sór­cio Po­et-Royal DSM se man­tém con­fi­an­te é o fa­to de que em 2017 pro­me­teu cons­truir ins­ta­la­ções na usi­na pa­ra de­sen­vol­ver as en­zi­mas usa­das pa­ra “rom­per” a ce­lu­lo­se pre­sen­te nos res­tos do mi­lho e, as­sim, pro­du­zir o bi­o­com­bus­tí­vel.

Sij­bes­ma dis­se que o mai­or de­sa­fio do Pro­ject Li­berty foi a lo­gís­ti­ca de re­co­lher os re­sí­du­os de mi­lho e, de­pois, pro­ces­sá-los an­tes de ini­ci­ar o tra­ta­men­to na usi­na. A efi­ci­ên­cia das en­zi­mas em rom­per a ce­lu­lo­se su­pe­rou as ex­pec­ta­ti­vas, mas hou­ve ou­tros pro­ble­mas, co­mo a di­fi­cul­da­de de re­mo­ver a su­jei­ra, areia e pe­dras do ma­te­ri­al.

Ele acres­cen­tou que es­ses pro­ble­mas vão ser mais fá­ceis de re­sol­ver do que os mé­to­dos ci­en­tí­fi­cos bá­si­cos, de usar as en­zi­mas pa­ra rom­per a ce­lu­lo­se, por­que são ques­tões mais si­mi­la­res às de ou­tros pro­ces­sos de pro­du­ção.

No atu­al ce­ná­rio de pre­ços, se a Pro­ject Li­berty es­ti­ves­se pro­du­zin­do a to­do va­por, seu eta­nol se­ria com­pe­ti­ti­vo em re­la­ção à ga­so­li­na, se­gun­do Sij­bes­ma. “Com qu­al pre­ço nos sen­ti­mos con­for­tá­veis? US$ 70”. O pe­tró­leo Brent pas­sou dos US$ 79 por bar­ril nes­ta se­ma­na pe­la pri­mei­ra vez des­de 2014.

Há dez anos, o eta­nol ce­lu­ló­si­co era vis­to co­mo vi­tal pa­ra o fu­tu­ro do for­ne­ci­men­to de fon­tes de ener­gia, pois re­pre­sen­ta­va uma op­ção pa­ra os com­bus­tí­veis fós­seis e ti­nha emis­sões mais bai­xas de ga­ses-es­tu­fa, além de não con­cor­rer com a de­man­da por ali­men­tos.

A Lei de Se­gu­ran­ça e In­de­pen­dên­cia Ener­gé­ti­ca dos EUA, de 2007, tra­çou me­tas am­bi­ci­o­sas pa­ra o uso dos bi­o­com­bus­tí­veis ce­lu­ló­si­cos, que não che­ga­ram nem per­to de ser al­can­ça­das. Fo­ram pro­du­zi­dos 10 mi­lhões de ga­lões de eta­nol ce­lu­ló­si­co em 2017 nos EUA, só 0,2% do ob­je­ti­vo ori­gi­nal.

A DowDu­pont, cri­a­da pe­la fu­são da DuPont e da Dow Che­mi­cal, pa­rou de pro­du­zir em sua usi­na de eta­nol ce­lu­ló­si­co em Iowa e a co­lo­cou à ven­da. A Aben­goa tam­bém de­sa­ti­vou sua usi­na de eta­nol ce­lu­ló­si­co no Kan­sas, em 2015. A usi­na en­trou em pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al e foi com­pra­da no fim da­que­le ano por uma em­pre­sa ame­ri­ca­na cha­ma­da Sy­na­ta Bio, que, com uma ofer­ta de US$ 48,5 mi­lhões, su­pe­rou a Royal Dut­ch Shell em lei­lão. Fon­tes do se­tor di­zem que a usi­na não apa­ren­ta estar pro­du­zin­do eta­nol ce­lu­ló­si­co. Pro­cu­ra­do, a Sy­na­ta não faz ne­nhum co­men­tá­rio.

Ou­tras em­pre­sas vêm ten­tan­do ca­mi­nhos diferentes pa­ra pro­du­zir eta­nol ce­lu­ló­si­co. A DowDu­pont, por exem­plo, ven­de as en­zi­mas pa­ra o com­bus­tí­vel pro­du­zi­das a par­tir dos grãos de mi­lho que so­bram da pro­du­ção do eta­nol con­ven­ci­o­nal. A Ae­me­tis, da Ca­li­fór­nia, pre­ten­de cri­ar uma usi­na pa­ra pro­du­zir eta­nol ce­lu­ló­si­co a par­tir de re­sí­du­os de po­ma­res e cas­cas de no­zes.

A exi­gên­cia de uso de bi­o­com­bus­tí­veis pre­vis­ta na lei de 2007 con­ti­nua, mas mo­di­fi­ca­da. No ca­so dos ce­lu­ló­si­cos, a exi­gên­cia foi re­du­zi­da pa­ra cer­ca de 5% de sua me­ta ori­gi­nal e, na mai­or par­te, é cum­pri­da por meio do uso de gás na­tu­ral re­no­vá­vel, ob­ti­do de fon­tes co­mo as usi­nas de tra­ta­men­to de es­go­to e ater­ros sa­ni­tá­ri­os.

Pa­ra 2018, a exi­gên­cia de uso de com­bus­tí­vel ce­lu­ló­si­co foi fi­xa­da em 288 mi­lhões de ga­lões, abai­xo dos 311 mi­lhões de 2017. Os EUA es­tu­dam mu­dan­ças nas re­gras pa­ra en­co­ra­jar a ven­da de eta­nol. No lon­go pra­zo, as pers­pec­ti­vas pa­ra o eta­nol e ou­tros bi­o­com­bus­tí­veis ce­lu­ló­si­cos no mun­do vão ser muito melhores se os pre­ços do pe­tró­leo con­ti­nu­a­rem no ní­vel atu­al ou se su­bi­rem ain­da mais.

PAUL VERNON/AP

Nas usi­nas ame­ri­ca­nas, eta­nol ce­lu­ló­si­co é fei­to a par­tir de re­sí­du­os do mi­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.