De­fla­gra­do o pro­ces­so de in­te­gra­ção de La­la e Vi­gor

Bra­si­lei­ro vai li­de­rar no­va di­re­to­ria de ino­va­ção da me­xi­ca­na

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Al­da do Ama­ral Ro­cha

O es­pa­nhol com so­ta­que por­tu­guês, e mes­mo o “por­tu­nhol”, co­me­çam a ser ou­vi­dos com mais frequên­cia nos cor­re­do­res das uni­da­des da La­la no Mé­xi­co. Pas­sa­dos se­te me­ses da con­clu­são da com­pra da bra­si­lei­ra Vi­gor pe­la mai­or em­pre­sa me­xi­ca­na de lác­te­os, o pro­ces­so de in­te­gra­ção en­tre as du­as com­pa­nhi­as dá os pas­sos ini­ci­ais, mas as li­nhas que vão nor­teá-lo já es­tão bem de­fi­ni­das. E tam­bém é pos­sí­vel vis­lum­brar os de­sa­fi­os no ca­mi­nho.

Uma das pri­mei­ras mu­dan­ças foi a cri­a­ção pe­la La­la de uma di­re­to­ria glo­bal de ino­va­ção, pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to, cu­jo ob­je­ti­vo prin­ci­pal é ace­le­rar as si­ner­gi­as e as tro­cas de tec­no­lo­gia en­tre as uni­da­des do gru­po. E um bra­si­lei­ro foi es­co­lhi­do pa­ra co­man­dar a no­va di­re­to­ria: o en­ge­nhei­ro de ali­men­tos João Nery, que era ge­ren­te de Ino­va­ção e Pes­qui­sa & De­sen­vol­vi­men­to da Vi­gor e tra­ba­lhou no lan­ça­men­to da li­nha de io­gur­te gre­go da em­pre­sa bra­si­lei­ra, em 2012, aca­ba de che­gar ao com­ple­xo in­dus­tri­al de Tor­reón, a cer­ca de mil km da Ci­da­de do Mé­xi­co, on­de es­tá o cen­tro de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to da La­la. No cen­tro são de­sen­vol­vi­dos pro­du­tos pa­ra to­das as uni­da­des da La­la no Mé­xi­co, EUA e Amé­ri­ca Cen­tral — e ago­ra tam­bém no Bra­sil.

“Por que gos­ta­mos da Vi­gor? Por­que vi­mos mui­ta ino­va­ção na em­pre­sa”, afir­ma Scot Rank, CEO da La­la, em en­con­tro com jor­na­lis­tas bra­si­lei­ros na se­de ad­mi­nis­tra­ti­va da com­pa­nhia na Ci­da­de do Mé­xi­co, ao la­do de Edu­ar­do Tri­cio Ha­ro, chair­man e prin­ci­pal aci­o­nis­ta da com­pa­nhia. Se­gun­do Rank, “du­ran­te cin­co ou seis anos” a La­la ava­li­ou em­pre­sas no Bra­sil e de­ci­diu com­prar a Vi­gor pe­la ca­rac­te­rís­ti­ca da com­pa­nhia de apostar em ino­va­ção e agre­ga­ção de va­lor. “So­mos uma em­pre­sa que bus­ca ino­va­ção e cri­ar pro­du­tos que le­vem a mu­dan­ças de há­bi­tos pe­los con­su­mi­do­res”.

A tro­ca de tec­no­lo­gi­as en­tre La­la e Vi­gor da­rá fru­tos em bre­ve. Se­gun­do Rank, até o fim do ano a La­la vai fa­bri­car um pro­du­to bra­si­lei­ro no Mé­xi­co. Ele não re­ve­la qu­al se­rá o item, ape­nas que te­rá a mar­ca La­la e que hou­ve um “pe­que­no ajus­te” em re­la­ção à ver­são bra­si­lei­ra pa­ra adequá-lo ao gos­to me­xi­ca­no. E tam­bém ha­ve­rá pro­du­to me­xi­ca­no no Bra­sil, fa­bri­ca­do pe­la Vi­gor. O lan­ça­men­to po­de ocor­rer no quar­to tri­mes­tre des­te ano ou no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019, de acor­do com ele. “A opor­tu­ni­da­de de in­ter­cam­bi­ar ino­va­ção é fan­tás­ti­ca. Por is­so trou­xe­mos o João, que vai nos aju­dar a fa­ci­li­tar es­se in­ter­câm­bio”, afir­mou, em re­fe­rên­cia ao exe­cu­ti­vo bra­si­lei­ro.

Em seu no­vo pos­to em Tor­reón, Nery afir­mou que o ob­je­ti­vo “é fa­zer ino­va­ção com ra­pi­dez” e “au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de tro­ca en­tre as áre­as”, com in­ves­ti­men­to ca­da vez mai­or em pes­qui­sa em de­sen­vol­vi­men­to.

Em­bo­ra os exe­cu­ti­vos não re­ve­lem quais os pri­mei­ros pro­du­tos re­sul­tan­tes des­sa tro­ca de tec­no­lo­gi­as, o fa­to é que, no Mé­xi­co, o port­fó­lio atu­al da La­la ain­da é bas­tan­te fo­ca­do em lei­tes (pas­teu­ri­za­do, lon­ga vi­da e es­pe­ci­ais) e em so­bre­me­sas. As­sim, há es­pa­ço pa­ra cres­cer em re­fri­ge­ra­dos e quei­jos, ca­te­go­ri­as em que a Vi­gor se des­ta­ca.

No pro­ces­so de in­te­gra­ção com a Vi­gor, a La­la tra­çou co­mo me­ta me­lho­rar a ren­ta­bi­li­da­de da ope­ra­ção bra­si­lei­ra, on­de a mar­gem Ebitda é qua­se a me­ta­de da re­gis­tra­da pe­la La­la. No ano pas­sa­do, a La­la, que tem ca­pi­tal aber­to na bol­sa me­xi­ca­na des­de 2013, re­por­tou uma mar­gem de 12,9%, an­te 7,5% da Vi­gor. O pla­no é ele­var em 200 pon­tos-ba­se a mar­gem no Bra­sil em dois anos, se­gun­do Rank.

Mais uma vez o in­ter­câm­bio de ex­pe­ri­ên­ci­as de­ve aju­dar nes­se ob­je­ti­vo. “Va­mos le­var as melhores prá­ti­cas da ope­ra­ção pa­ra o Bra­sil e tam­bém fa­re­mos in­ves­ti­men­tos na in­dús­tria”, afir­mou Rank. A La­la vai des­ti­nar, nos pró­xi­mos dois anos, pou­co mais de US$ 100 mi­lhões pa­ra a atu­a­li­za­ção de plan­tas da Vi­gor. Além dis­so, dis­se, a em­pre­sa vai “oti­mi­zar” as for­ças de ven­das e as com­pras de ma­té­ri­as­pri­mas, com ex­ce­ção do lei­te. O exe­cu­ti­vo ci­tou co­mo exem­plo de prá­ti­ca uti­li­za­da no Mé­xi­co e que po­de ser trans­fe­ri­da ao Bra­sil os sis­te­mas de com­pras de ma­té­ri­as­pri­mas por gru­pos, nos quais são ob­ti­dos pre­ços mais com­pe­ti­ti­vos.

Na vi­são de Tri­cio, o que per­mi­te à La­la ob­ter mar­gens mais al­tas são os “in­ves­ti­men­tos con­sis­ten­tes em qua­li­da­de, em mar­ke­ting, em ino­va­ção e de­sen­vol­vi­men­to”. A dis­tri­bui­ção pró­pria dos pro­du­tos tam­bém é uma van­ta­gem. “Acre­di­to que a Vi­gor po­de ir no mes­mo ca­mi­nho de me­lho­rar mar­gens. Nós tí­nha­mos es­ses nú­me­ros de dez a vin­te anos atrás”.

A me­lho­ra da ren­ta­bi­li­da­de na Vi­gor tam­bém pas­sa­rá pe­la am­pli­a­ção da pro­du­ti­vi­da­de dos for­ne­ce­do­res de lei­te da com­pa­nhia. De acor­do com o CEO da La­la, a em­pre­sa já ini­ci­ou os tra­ba­lhos com os pro­du­to­res que ven­dem lei­te à Vi­gor — ho­je são 1.200 — pa­ra a im­ple­men­ta­ção de me­di­das que ele­vem a pro­du­ti­vi­da­de dos ani­mais e a qua­li­da­de do lei­te, o que, na prá­ti­ca, tam­bém estimula a fi­de­li­za­ção do pro­du­tor.

“Me­lho­ra de pro­du­ti­vi­da­de se ob­tém com ge­né­ti­ca, ma­ne­jo e alimentação do ga­do lei­tei­ro”, dis­se Tri­cio, cu­jo pai, Edu­ar­do Tri­cio Go­mez, um dos fun­da­do­res da La­la, co­me­çou a pro­du­zir lei­te na re­gião co­nhe­ci­da co­mo La La­gu­na, on­de es­tá Tor­réon, no cen­tro do Mé­xi­co, nos anos 1950 (ver ao la­do).

De acor­do com Tri­cio, a Vi­gor “já ti­nha uma boa as­sis­tên­cia téc­ni­ca aos pro­du­to­res”. “Não que­re­mos des­truir na­da. Que­re­mos cons­truir so­bre o que já exis­te. E cla­ra­men­te a Vi­gor tem uma boa re­la­ção com seus pro­du­to­res. O que que­re­mos é fa­zer mais coi­sas pa­ra que eles se­jam mais pro­du­ti­vos e com­pe­ti­ti­vos”, dis­se, pon­de­ran­do que nem to­do o co­nhe­ci­men­to uti­li­za­do na pro­du­ção de lei­te no Mé­xi­co é trans­fe­rí­vel e que é pre­ci­so “se adap­tar à con­di­ção de ca­da lu­gar”.

Aliás, ele tem cla­re­za de que há gran­des di­fe­ren­ças en­tre o Bra­sil e o Mé­xi­co. Di­an­te dis­so, uma das de­ci­sões da em­pre­sa foi man­ter exe­cu­ti­vos bra­si­lei­ros, co­mo Gil­ber­to Xan­dó, to­can­do a Vi­gor. “Nós po­de­mos apor­tar al­gu­mas coi­sas, mas é im­por­tan­te que os bra­si­lei­ros es­te­jam a car­go do ne­gó­cio por­que co­nhe­cem a gen­te, a cul­tu­ra, a tec­no­lo­gia”, afir­mou.

DI­VUL­GA­ÇÃO

va­cas lei­tei­ras na Fa­zen­da La­gu­na, lo­ca­li­za­da na ci­da­de de Gó­mez Pa­la­cio, no Es­ta­do de Du­ran­go, re­gião cen­tral do Mé­xi­co: pro­du­ti­vi­da­de mai­or que no Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.