No Mé­xi­co, até sin­fo­nia em­ba­la pro­du­ção

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - (AAR)

A tem­pe­ra­tu­ra es­ta­va na ca­sa dos 36 graus e o sol tei­ma­va no céu des­sa re­gião se­mi-de­sér­ti­ca no cen­tro do Mé­xi­co, on­de cho­ve ape­nas cer­ca de dez di­as por ano e es­tá lo­ca­li­za­da a fa­zen­da La La­gu­na. Mas nos gi­gan­tes­cos gal­pões, com sis­te­ma de res­fri­a­men­to, va­cas, em or­de­nhas me­câ­ni­cas em for­ma­to de car­ros­sel (ver fo­to aci­ma), ou­vi­am a quin­ta sin­fo­nia de Mah­ler e, im­pas­sí­veis, pro­du­zi­am, pro­du­zi­am muito lei­te.

A pro­pri­e­da­de per­ten­ce a Edu­ar­do Tri­cio Ha­ro, chair­man da La­la, e es­tá lo­ca­li­za­da em Gó­mez Pa­la­cio, na re­gião co­nhe­ci­da co­mo La La­gu­na, on­de o pai do em­pre­sá­rio co­me­çou a pro­du­zir lei­te nos anos 1950. Foi tam­bém na re­gião, em Tor­reón, nas­ceu o que atu­al­men­te é a La­la.

Na La La­gu­na, Tri­cio man­tém 30 mil va­cas cri­a­das em sis­te­ma de con­fi­na­men­to, sen­do 15 mil em lac­ta­ção — is­to é, pro­du­zin­do lei­te to­dos os di­as. De acor­do com Ig­na­cio Las­tra, ad­mi­nis­tra­dor da fa­zen­da, ca­da ani­mal pro­duz, em mé­dia, 38 li­tros de lei­te por dia, o que sig­ni­fi­ca um to­tal de mais de 500 mil li­tros diá­ri­os na pro­pri­e­da­de.

Ele ex­pli­ca que as va­cas, a gran­de mai­o­ria da ra­ça ho­lan­de­sa, são or­de­nha­das três ve­zes ao dia, e pa­ra su­por­ta­rem o ca­lor da re­gião, que che­ga a 45 graus no ve­rão, são ba­nha­das seis ve­zes por dia. Is­so vi­sa ga­ran­tir o con­for­to dos ani­mais, fa­tor que tam­bém in­ter­fe­re na pro­du­ti­vi­da­de.

Se­gun­do Las­tra, ge­né­ti­ca e alimentação são fun­da­men­tais pa­ra uma pro­du­ti­vi­da­de tão ele­va­da. Na La La­gu­na, as va­cas são ali­men­ta­das com si­la­gem de mi­lho, so­ja, se­men­te de al­go­dão e al­fa­fa. A mú­si­ca clás­si­ca, diz, não in­flu­en­cia o ren­di­men­to dos ani­mais, mas co­mo tem efei­to re­la­xan­te, aju­da a “soltar” o lei­te.

A re­gião da La La­gu­na con­cen­tra 23% da pro­du­ção de lei­te do Mé­xi­co, es­ti­ma­da em 11 bi­lhões de li­tros por ano, se­gun­do a Ca­ni­lec, en­ti­da­de que re­pre­sen­ta a in­dús­tria lei­tei­ra do país. Na mé­dia na­ci­o­nal, a pro­du­ti­vi­da­de por ani­mal é de cer­ca de 12 li­tros de lei­te por va­ca/dia. A mé­dia cai por­que em al­gu­mas re­giões do sul do país os ani­mais são cri­a­dos a pas­to e mui­tas ve­zes têm du­pla fi­na­li­da­de, ser­vin­do tan­to pa­ra lei­te quan­to pa­ra cor­te, diz Mi­guel Án­gel Pa­re­des, pre­si­den­te da Ca­ni­lec.

A fa­zen­da de Tri­cio é uma das for­ne­ce­do­ras de lei­te da La­la. Mas nem to­das têm vo­lu­mes diá­ri­os tão ele­va­dos. “Te­mos mui­tos pro­du­to­res gran­des, mui­tos me­di­a­nos e, fo­ra da área da La La­gu­na, com­pra­mos de mui­tos pe­que­nos pro­du­to­res, de 500, 800 li­tros por dia”, afir­ma Edu­ar­do Tri­cio.

O ta­ma­nho dos for­ne­ce­do­res da La­la no Mé­xi­co ge­rou pre­o­cu­pa­ção no pre­si­den­te da Itam­bé, Mar­ce­lo Can­di­ot­to. Con­for­me con­tou ao Va­lor em en­tre­vis­ta em ja­nei­ro des­te ano, a con­vi­te de Tri­cio ele vi­si­tou fa­zen­das pro­du­to­ras no Mé­xi­co lo­go de­pois que a La­la anun­ci­ou a com­pra da Vi­gor e dos 50% da Itam­bé (ver abai­xo). Ele dis­se que um dos de­ses­tí­mu­los pa­ra fe­char o ne­gó­cio foi o te­mor de que a La­la des­se pri­o­ri­da­de à com­pra de lei­te de gran­des pro­du­to­res, o que afe­ta­ria os co­o­pe­ra­dos da CCPR. Se­gun­do Can­di­ot­to, 85% dos as­so­ci­a­dos são pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res, com até mil li­tros de lei­te por dia. E ape­nas 15% pro­du­zem mais que is­so.

Di­an­te des­se re­la­to, Tri­cio lem­brou que tam­bém já foi um pe­que­no pro­du­tor e negou que is­so fos­se acon­te­cer se a com­pra ti­ves­se se con­cre­ti­za­do. “Te­mos de nos ajus­tar à re­a­li­da­de da re­gião de ca­da país on­de es­ta­mos”, dis­se. Ele acres­cen­tou que, no Bra­sil, a La­la já co­me­çou a dar as­sis­tên­cia téc­ni­ca aos pro­du­to­res da Vi­gor. “O que que­re­mos é que se­jam ca­da vez mai­o­res, efi­ci­en­tes e pro­du­ti­vos”.

Ho­je a La­la ad­qui­re lei­te no Mé­xi­co de 100 for­ne­ce­do­res que são aci­o­nis­tas da em­pre­sa e tam­bém de ou­tros não aci­o­nis­tas. Uma fa­tia de 80% da em­pre­sa, que abriu o ca­pi­tal em 2013, es­tá nas mãos de 300 aci­o­nis­tas (in­clu­em pro­du­to­res e familiares) e o res­tan­te é free flo­at.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Edu­ar­do Tri­cio, pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa me­xi­ca­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.